O amor é uma droga

Por , em 23.02.2012

Quem já se apaixonou sabe como são boas (e viciantes) as sensações que sentimos. Parece que estamos flutuando, e sentimos um friozinho na barriga todas as vezes que vemos ou falamos com a pessoa amada. Cientistas descobriram que esses tipos de sensações que sentimos quando estamos em um romance ocorrem porque nosso cérebro é estimulado de uma maneira muito semelhante às drogas.

Pesquisadores analisaram imagens de ressonância magnética do cérebro de dez mulheres e sete homens que afirmaram estar profundamente apaixonados, com relações que variavam de um mês a dois anos. Eram mostradas fotos da pessoa amada e de uma parecida aos participantes.

Os cérebros dos participantes intensamente apaixonados reagiam às fotos de seus companheiros, produzindo respostas emocionais nas mesmas partes do cérebro normalmente envolvidas com a sensação de motivação e recompensa. Esse é o mesmo sistema no cérebro que é ativado quando uma pessoa é viciada em drogas. Em outras palavras, o amor é realmente uma droga – viciante, não é?

Especialistas dizem que o amor romântico é uma das emoções mais poderosas que uma pessoa pode ter. Você pode se sentir feliz quando está apaixonado, mas também pode ficar muito ansioso. A outra pessoa pode se tornar um objetivo de vida.

Pesquisadores afirmam que a parte que controla recompensa no cérebro, também chamada de centro do prazer, é uma parte essencial do cérebro necessária para sobrevivermos. É ela que nos ajuda a reconhecer que algo é bom. Portanto, não há dúvidas que ela está envolvida na nossa batalha diária por amor. [The Telegraph, Foto]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

38 comentários

  • Maya Samanta:

    Então eu tenho resistência a drogas rsrsrsrs

    Nunca senti essa sensação de recompensa mesmo estando perto de quem eu gostava ou a motivação de ir atraz de alguém mesmo gostando.

    Eu acho a idolatria que algumas pessoas tem pelo amor uma palhaçada, mas sou eu que acha.

    E sempre achei estranho a falta de controle dessas pessoas, eu ainda não me por na pele dessas pessoas.

  • Leonardo:

    Apesar de contaminante e excitante, não gosto dessa pecha que colocaram sobre o amor.
    O amor não é uma droga, pois se fosse não daria a oportunidade de sentir por você a mais pura e terna emoção.
    A sensação de carinho e de ternura nunca cairá na armadilha do acaso que se defaz no tempo e se acaba no devolver d’alma ao Criador.
    Amar é a tradução da essência do espirito que desencarnado no purgatório da desilução,que, até mesmo sem inspiração de um poeta, ele, resiste e se diz voluntarioso pois a resitência da sua vida é, simplesmente, vida daquele que o ama!

  • José Mariano:

    O nosso criador fez tudo isto em amor. Fico encantado com toda esta revelação, e por si só vai comprovando através das pesquisas nos convence, mostra que Deus é o criador veja o que a bíblia diz.“Cl 2.2Para que os seus corações sejam consolados, e estejam unidos em amor, e enriquecidos da plenitude da inteligência,” Quem está vivendo em amor tem o consolo e há sabedoria.
    Agora veja quando este amor toma a direção errada “1ª Tm 6.10 Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores.” O egoísta não tem amor ao próximo afasta a fé e tropeçam gera conflitos.
    Gostei da matéria e curti os comentários.
    Abraços

  • Karina Perussi:

    Dorgas? Parei. Agora eu só me apaixono.

    • Maya Samanta:

      Essa foto parece a renata do BBB com o cabelo pintado de vermelho

  • Danilo:

    AS pessoas tendem a confundir o amor com a pura atração sexual.
    Esta, poderá sim ser afetada por fatores químicos, feromônios e uma serie de mediadores que possam trazer ou não o coito.
    O amor verdadeiro não é apegado a isso. Ele continua, mesmo nas diferentes circunstancias.
    Amor e sexo podem ser complementares, mas não necessários para a sua subintendência.

  • Ezio Jose:

    O Amor é uma ilha de prazer cercada de despezas por todos os lados.

    • Flor de Lis:

      Querido Ezio, não veja o amor por esse lado tão superficial.

  • karlloz:

    Se o amor é droga, então eu sou dependente.

    • Bovidino:

      Amor verdadeiro não cria dependência, não tem barreiras, não tem limites, não tem condições, é impessoal, nunca acaba. Poucos o conhecem.
      Conhecemos apenas alguns sentimentos que chamamos de amor:
      1) Amor de pessoa por pessoa (casais). É desejo, é troca, tem condições. Diminui. Muitas vezes acaba.
      2) Amor de mãe. Talvez o mais próximo do verdadeiro. Todavia ainda é pessoal, parcial, cria dependência e muitas vezes é egoísta.

    • R^ml:

      “Ainda que uma mãe venha a se esquecer de seu filho, Eu não me esquecerei de ti.”

    • Bovidino:

      Decifrou a charada. Muito bem.

  • Rochester:

    Na paixão fantasiamos a pessoa(essa pessoa é um ser que está acima de qualquer defeito)
    Acredito que o amor é diferente. Agente aceita a pessoa e reconhecemos que essa pessoa é dotada de qualidades e imperfeições.

    Quero várias doses dessa droga

  • Elton:

    Dani-se eu não to nem ai, pelo menos aproveitamos a vida!

  • Bovidino:

    Amor é uma coisa e paixão é outra completamente diferente.

    • Paulo Eduardo:

      Concordo para mim amor é a unificação de varias virtudes num único sentimento e paixão são simplismente sensações prazerosas momentâneas onde os níveis de hormônios aumentam abruptamente.

    • Flor de Lis:

      Certíssimo, Paulo Eduardo.

  • Flor de Lis:

    Uhuuuuuu… Vou viver drogada pro resto da vidaaaaaa! rsrsrs.

    • Paulo Eduardo:

      hmmmmmm… Assim você vai morrer de overdose do amor, he he!!

    • Flor de Lis:

      Tudo bem, Pauo Eduardo… se morrer assim tem nada não… prefiro morrer de amor que morrer de raiva.

    • Paulo Eduardo:

      Era brincadeira! O amor aumenta nossa autoestima, o nosso astral, a gente se sente mais vivo e motivado, querendo cada vez mais esse sentimento puro e soberano.

    • Flor de Lis:

      Eu entendi, Paulo… e não me chateei não, viu. Amar é tudo de bom!

    • Ezio Jose:

      O pior é que começamos com uma drogazinha fraca e depois vamos procurando cada vez mais explorar outras sensações mais forte até que um dia descobrimos que todas essas drogas experimentadas tinham a mesma essência: PAIXÃO. O THC da coisa está no AMOR e amor não é fácil encontrar. O preço é alto nas bocas. Custam o olho da procura e nem percebemos quando o ritmo cardíaco sofre algum efeito.

    • Flor de Lis:

      Realmente, Ezio, o amor não é fácil de se encontrar; na grande maioria das vezes quem ama de verdade paga um preço alto. Li em algum lugar que “no amor um ama, o outro se deixa amar”.

  • UTILIDADES VIRTUAIS:

    Se o amor é uma droga o ciúme é uma doença.

  • Vielmond:

    O “amor” é ligado ao instinto de procriação e, na mulher, depende do seu sistema hormonal que , praticamente, acaba na menopausa…….o que, em particular é a causa de muitos divorcios (relembrando a piada da troca por duas mulheres de vinte e cinco anos !). O homem, do seu lado fica ativo (menos) até o fim da vida (se não padecer de vicios ou doenças). Relembra-se que a mulher dispoe de cerca de 450 óvulos e o homem de milhões de espermatozoides.

  • Renys Kenys:

    Isso é verdade, eu estou apaixonado e tenho certas sensações muito prazerosas, como ansiedade, frio na barriga, e é tão bom sentir isso que se de repente acabasse, tudo seria muito sem sentido, o fim do conto-de-fadas.

    • Ezio Jose:

      Isso é da idade. Não tem remédio em toda medicina.

  • Glauco:

    O amor é uma droga no sentido pejorativo.

    • Paulo Eduardo:

      O amor provoca sensações de motivação e recompensa! Então como ele pode ser pejorativo?

    • Cesar:

      O crack produz sensações de motivação e recompensa. ~~’

    • Paulo Eduardo:

      Sim, mas o crack com certeza é uma droga pejorativa, os efeitos fisiológicos são degradantes.O crack eleva a temperatura do corpo, podendo causar no dependente um acidente vascular cerebral. A droga também causa destruição de neurônios e provoca a degeneração dos músculos do corpo (rabdomiólise), o que dá uma aparência visivelmente alterada aos seus usuários contínuos, bem característica (esquelética): olhos esbugalhados e ossos da face salientes, braços e pernas finos e costelas aparentes. O crack inibe a fome, de maneira que os usuários só se alimentam quando não estão sob seu efeito narcótico. Outro efeito da droga é o excesso de horas sem dormir, e tudo isso pode deixar o dependente facilmente doente.

  • Iva Bittencourt:

    Ainda bem que não sou mais drogada KKKKKKKKKKKKKKKKK

    • Flor de Lis:

      Desculpe a curiosidade, mas como tu te libertaste??????

  • Paulo Eduardo:

    Caramba… como eu sou drogado!!!

  • Victória:

    “AMO,FONTE DELIRANTE DE VICIO,ALEGRIA,DOR E MUITA EMOÇÃO”
    autora: eu mesma
    Quanto mais tentamos nos afastar,mais queremos de volta.

  • R^ml:

    “Paixão” é uma droga viciante seria uma terminologia mais adequada.

    Paixões são poderosas e facilmente dominam nossas mentes. São essenciais, pois despertam nossos interesses e atenções para situações importantes. No entanto, podem ser danosas e até mortais, já que instintivamente prevalecem ao custoso raciocínio.

    O Amor tem origem e sustento mais complexo e precisa ser racionalmente (às vezes a altos preços) elaborado. Sob este ponto, não diria nem que o Amor é um sentimento.

    O Amor é sempre benigno, pois assim que estabelecido, norteará nossas ações acima de qualquer sentimento enganoso.

    • Surreal:

      O amor é um sentimento realmente muito forte e ainda mais intenso quando vem acompanhado pela paixão. Uma fusão entre o carinho e a sexualidade. Este tipo de amor por vezes é tão forte que muitas vezes surgem os ciúmes, a depressão, a possessividade…E quando acaba, torna-se algo destrutivo.
      A verdade é que nem todo o amor deste género dura para sempre.
      Contudo, existe o outro tipo de Amor. Existe o amor de mãe ou de pai que nunca acabam, mesmo que os filhos morram. Amor de pais que fazem tiudo pelos filhos e inclusive podem sacrificar a própria vida. O amor fraternal, esse é o que também não tem limite temporal nem espacial. O tipo de amor que faz com que muita gente ainda boa e altruísta neste mundo d~eem muito ou tudo o que têm, lutam pela liberdade e sobreviv~encia dos outros, cooperam de modo a haver um mundo melhor. Sem esse tipo de amor o nosso planeta poderia encontrar-se na ruína total.

Comentários fechados

Os comentários deste post foram encerrados.