Parece uma foto só, mas são 7

Por , em 18.12.2012

Você já percebeu que, às vezes, tira uma foto e ela não ficou como você está enxergando o objeto? Esta imagem é a composição de uma mescla de 7 fotos diferentes. Foi feita utilizando uma técnica chamada HDR uma sigla se traduz em algo como Alto Alcance Dinâmico.

O que é HDR

Fotos HDR tem um “quê” de hiperrealismo. Elas captam muito mais tonalidades de cores do que as fotos comuns. As fotos HDR acabam ficando mais próximas com o que o olho humano (e o cérebro) enxerga nas sutilezas das tonalidades do que fotos simples. Em outras composições HDR o fotógrafo utiliza licença artística para transmitir o que preferir alterando contraste, claridade, tonalidades de cor, etc.

É uma técnica que usa várias fotos da mesma exata cena, geralmente tiradas com tripé em sequência, mas também podem ser feitas sem o tripé. As fotos são tiradas com diferentes níveis de exposição, ou seja, luminosidade. No mínimo três fotos: uma com a claridade ideal, outra mais clara e outra mais escura como na imagem abaixo.

Em seguida a mesclagem é feita utilizando software, neste caso o Photomatix. Quanto mais fotos, mais detalhes de luminosidade são captados e mais “hiperrealista” a imagem se parecerá.

Câmeras tipo DSLR oferecem a possibilidade de configurações para tirar as fotos automaticamente em sequência, como uma metralhadora, sem a necessidade de configurar sua câmera a cada foto, individualmente. Algumas câmeras automáticas também podem vir com esta função. O iPhone captura imagens separadas para composição HDR Consulte o manual da sua.

Foto de Rithauddin

Foto de Sprengben

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

8 comentários

  • Neto Alves:

    Fantastico.

  • Rudolf:

    A primeira foto ficou linda, mas acho que mostraria melhor o que é HDR se mostrasse a casa da esquerda, que aparece nitidamente na terceira foto que compõe o HDR.

    • Marcelo Ribeiro:

      Tem razão. Eu poderia ter feito isto. E deveria. Mas acabei preferindo usar a licença artística para destacar as nuvens e não distrair com outros detalhes. Foquei mais em composição do que HDR mesmo.

  • Lucas Noetzold:

    e como o olho humano (ou cérebro) faz esse processo, ou então, porque vemos tonalidades de forma mais regulada que as cameras?

    • Rudolf:

      Nosso olho consegue captar muito mais tons entre o totalmente preto e o totalmente branco do que as melhores câmeras.

      Faça um teste bem simples: Olhe para uma janela aberta no seu quarto. Você vê os detalhes do interior do quarto ao mesmo tempo que o doexterior. Já uma câmera não consegue. Se você ajustar para ver o interior o exterior fica estourado (totalmente branco) ou você ajusta para o exterior e o interior fica escuro.

    • Cesar Grossmann:

      Ilusão criada pelo cérebro. Quando você está olhando uma paisagem, a pupila está constantemente ajustando-se às condições de luminosidade do que está sendo observado, então você tem a impressão de ver tudo ao mesmo tempo. Pelo menos foi o que eu ouvi falar…

    • Cesar Grossmann:

      Encontrei uns artigos (em inglês) sobre o intervalo dinâmico do olho humano (na verdade, da retina) e como ele se compara com a máquina fotográfica:

      http://en.wikipedia.org/wiki/Human_eye#Dynamic_range

      http://en.wikipedia.org/wiki/Dynamic_range#Dynamic_range_and_human_perception

      http://www.cambridgeincolour.com/tutorials/cameras-vs-human-eye.htm

      http://www.cambridgeincolour.com/tutorials/dynamic-range.htm

      http://www.clarkvision.com/articles/eye-resolution.html

    • Lucas Noetzold:

      Que bom então que sei ler em inglês! Faz sentido ter algo a ver com a pupila, mas não entendo como o olho (como o amigo Rudolf falou) é capaz de captar duas imagens com índices de luminosidade contrastantes e “balancear” elas. Isto sem que seja necessário olhar diretamente para as duas dando chance para a pupila ajustar-se, por exemplo: quando estou olhando algo no quarto e a janela está aberta ainda sou capaz de perceber um pássaro voando sem olhar diretamente (visão periférica).
      A única possibilidade que vejo quanto a isso é de que o olho humano tenha uma sensibilidade gigante a diferenças de tons e luminosidades e o próprio cérebro ajusta a imagem quando está muito contrastante.
      Obs.: Escrevi o comentário antes de ler os artigos, talvez eu ainda encontre uma resposta lá.

Deixe seu comentário!