Religião x pensamento analítico: pessoas que pensam de forma crítica tendem a acreditar menos em Deus

Por , em 21.07.2017

Algumas pessoas são mais religiosas do que outras. Isso é um fato incontestável. Quando tentamos explicar essa diferença na crença que alguns têm, frequentemente nos concentramos no papel da cultura ou da educação. Embora essas influências sejam importantes, novas pesquisas sugerem que nosso nível de crença religiosa também pode ter a ver com o quanto confiamos na intuição versus o pensamento analítico.

Por que a religião ainda existe?

Em 2011, Amitai Shenhav, David Rand e Joshua Greene, da Universidade de Harvard, publicaram um artigo que mostra que as pessoas que tendem a confiar em sua intuição são mais propensas a acreditar em Deus. Eles também mostraram que incentivar as pessoas a pensar intuitivamente aumentava a crença das pessoas em Deus. Com base nessas descobertas, em um artigo recente publicado na revista Science, Will Gervais e Ara Norenzayan, da Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá, descobriram que encorajar as pessoas a pensar analiticamente reduz sua tendência a acreditar em Deus. Juntas, essas descobertas sugerem que a crença pode, pelo menos em parte, decorrer de nossos estilos de pensamento.

Pensamento analítico x crença religiosa

A pesquisa de Gervais e Norenzayan baseia-se na ideia de que possuímos duas formas diferentes de pensar que são distintas, mas relacionadas. Compreender estas duas formas, muitas vezes referidas como Sistema 1 e Sistema 2, pode ser importante para entender nossa tendência para a fé religiosa. O pensamento do Sistema 1 depende de atalhos e outras regras mais dependentes da experiência do que de comprovação científica, enquanto o Sistema 2 depende do pensamento analítico e tende a ser mais lento e requerer mais esforço. Resolver problemas lógicos e analíticos pode exigir que anulemos nossos processos de pensamento do Sistema 1 para utilizar o Sistema 2. Os psicólogos desenvolveram uma série de técnicas inteligentes que nos encorajam a fazer isso. Usando algumas dessas técnicas, Gervais e Norenzayan examinaram se o Sistema 2 leva as pessoas a não acreditar em Deus e na religião.

Por exemplo, eles fizeram que os participantes visualizassem imagens de obras de arte que estão associadas ao pensamento reflexivo (como O Pensador, de Rodin) ou a imagens mais neutras (como o Discobulus, de Myron). Os participantes que viram O Pensador relataram crenças religiosas mais fracas em uma pesquisa posterior. No entanto, Gervais e Norenzayan se perguntavam se mostrar arte às pessoas poderia ter tornado a conexão entre pensamento e religião muito óbvia. Nos próximos dois estudos, eles criaram uma tarefa que preparou o pensamento analítico mais sutilmente. Os participantes receberam conjuntos de cinco palavras dispostas aleatoriamente (por exemplo, “alto asas o voa avião”) e foram convidados a excluir uma palavra e reorganizar as outras para criar uma frase mais significativa (por exemplo, “o avião voa alto”).

Alguns dos participantes receberam frases misturadas contendo palavras associadas ao pensamento analítico (por exemplo, “análise”, “razão”) e outros participantes receberam frases que apresentavam palavras neutras (por exemplo, “martelo”, “sapatos”). Depois de decifrar as frases, os participantes preencheram uma pesquisa sobre suas crenças religiosas. Em ambos os estudos, este sutil lembrete do pensamento analítico fez com que os participantes expressassem menos crença em Deus e religião. Os pesquisadores não encontraram relação entre as crenças religiosas anteriores dos participantes e seu desempenho no estudo. O pensamento analítico reduziu a crença religiosa, independentemente de quão religiosas as pessoas eram no início do teste.

Religião atrofia o cérebro?

Em um estudo final, Gervais e Norenzayan usaram uma maneira ainda mais sutil de ativar o pensamento analítico: fazendo com que os participantes preenchessem uma pesquisa que medisse suas crenças religiosas impressa em uma fonte normal ou em uma fonte difícil de ler. Pesquisas anteriores mostraram que fontes difíceis de ler promovem o pensamento analítico, forçando os participantes a diminuírem o ritmo e a pensarem com mais atenção sobre o significado do que estão lendo. Os pesquisadores descobriram que os participantes que preencheram a pesquisa que foi impressa em fontes pouco claras expressaram menos crença em comparação com aqueles que preencheram a mesma pesquisa com a fonte clara.

Diferenças no pensamento

Os resultados ajudam a explicar por que alguns de nós são mais propensos a acreditar que os outros. Pesquisas anteriores descobriram que as pessoas diferem em sua tendência de ver propósitos e causas no mundo. Essas diferenças nos estilos de pensamento podem ajudar a explicar por que alguns de nós são mais propensos a se tornar crentes.

Mas por que e como o pensamento analítico pode reduzir a crença religiosa? Embora sejam necessárias mais pesquisas para responder a esta pergunta, Gervais e Norenzayan especulam sobre algumas possibilidades. Por exemplo, o pensamento analítico pode inibir nossa intuição natural para acreditar em agentes sobrenaturais que influenciam o mundo. Alternativamente, o pensamento analítico pode simplesmente sobrepor nossa intuição para acreditar e nos fazer prestar menos atenção a ela. É importante notar que, em todos os estudos, os participantes variaram amplamente em sua afiliação religiosa, gênero e raça. Nenhuma dessas variáveis ​​encontrou-se significativamente relacionada com o comportamento das pessoas nos estudos.

Como melhorar seu pensamento crítico

Gervais e Norenzayan apontam que o pensamento analítico é apenas uma das razões porque as pessoas podem ou não ter crenças religiosas. Além disso, essas descobertas não dizem nada sobre o valor inerente ou a verdade das crenças religiosas – eles simplesmente falam sobre a psicologia de quando e porque somos propensos a acreditar. Mais importante ainda, elas fornecem evidências de que, ao invés de serem estáticas, nossas crenças podem mudar drasticamente de uma situação para outra, sem que possamos saber exatamente por quê. [Scientific American]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (14 votos, média: 4,14 de 5)

Deixe seu comentário!