Produto químico extraído de TVs quebradas pode salvar vidas!

Por , em 22.06.2010

Seu irmãozinho resolveu abraçar o Luís Fabiano depois do gol ou estapear o Kaká depois da expulsão e quebrou sua TV LCD novinha? Pense pelo lado bom – a carcaça da TV pode, em teoria, salvar vidas!

Segundo uma nova pesquisa, químicos usados nesse tipo de televisão podem ser usados para combater infecções no corpo humano. O estudo foi feito pela Universidade de York, na Inglaterra, que indicou que o álcool polivinil (conhecido como PVA) pode lutar contra infecções e vírus – tanto na forma de remédio quanto na forma de produto de limpeza, para “desinfetar” sua casa.

Aquecendo e depois esfriando o PVA, depois desidratando a substância poderíamos ter um material com grande potencial para a medicina.

Também é uma boa notícia para o meio ambiente, já que teríamos um uso para as TVs inutilizadas e elas não ficariam contaminando lixões por aí com seus químicos. Testes ainda serão feitas para provar que o uso do PVA é seguro. Além disso, como o processo de extração do PVA só deve ser feito por profissionais, não tente fazer isso em casa! [Gizmodo]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 4,00 de 5)

5 comentários

  • Marcos Paulo Blasques Bueno:

    Não utilizaremos esse processo facilmente. A ‘reciclagem’ ou reaproveitamento das peças de tvs teria que ser um ramo bastante efetivo, para se separar os componentes adequadamente de milhares de equipamentos velhos, coletando assim quantidades ‘mínimas’ do produto, que passaria por inúmeros processos até ser seguro para uso pela medicina.

    Marcos Blasques – Twitter: marcpbb
    Cineasta e Compositor

  • Renato Bueno:

    @ Júlio César

    Você sabe a quantidade? ou supõe que sabe?

  • JoséRenan:

    com certeza. Uma quantidade considerável do lixo produzido hoje pode ser reciclada, o duro é justamente isso, reciclar. O Brasil recicla quase todo alumínio, mas o papel e o plástico estão muito pra trás ainda.

  • Marcos:

    O bom é que já é um começo …
    Abraços

  • Júlio César:

    Parece funcional, mas numa quantidade pequena demais pra fazer tanta diferença assim

Deixe seu comentário!