Projeto de U$ 1 bilhão planeja trazer amostras do manto da Terra

Por , em 3.10.2012

O manto é uma camada da Terra de 3.000 km de espessura que fica diretamente abaixo da crosta do nosso planeta, prolongando-se em profundidade até ao limite exterior do núcleo.

O que sabemos sobre ele gira muito em torno de pressupostos: enquanto 68% da massa da Terra é formada pelo manto, só temos uma ideia “razoável” do que ele é feito e como funciona.

Estudar amostras dessa camada poderia ajudar os cientistas a responder importantes perguntas sobre as origens e a evolução da Terra: quase todo o fundo do mar e os continentes são originários do manto.

“O manto é o motor que impulsiona o funcionamento do nosso planeta e a razão pela qual temos terremotos, vulcões e continentes”, explica Damon Teagle, da Universidade de Southampton (Reino Unido), um dos principais cientistas do projeto.

A ideia de estudá-lo, apesar de brilhante e interessante para o conhecimento humano, só deve se concretizar em meados de 2020. Isso porque ainda precisamos aperfeiçoar nossa tecnologia e reunir todo o dinheiro necessário para tal empreitada: cerca de US$ 1 bilhão (R$ 2 bilhões), para perfurar 6 km abaixo do fundo do mar e alcançar o manto da Terra.

Chegando ao manto

A fim de trazer amostras do manto, a equipe de cientistas precisa encontrar uma maneira de atravessar rochas ultraduras com 10 km de extensão através de tubos de perfuração, um verdadeiro desafio técnico. O buraco que os tubos perfurarão será de apenas 30 cm de largura do fundo do oceano ao interior do manto, um feito incrível de engenharia.

A tarefa fica ainda mais complicada pelo fato de ser realizada no meio do oceano. A perfuração precisa acontecer lá porque no oceano é a onde a crosta da Terra está mais fina, em torno de 6 km, em comparação com cerca de 60 km em terra. A equipe já identificou três possíveis locais, todos no Oceano Pacífico, onde a empreitada seria possível.
Para finalizar, também precisaríamos atracar com segurança um navio enorme sobre as partes mais profundas do Oceano Pacífico.

A boa notícia é que um provável “navio explorador do manto” já existe: o navio japonês Chikyu, que já estabeleceu novos recordes mundiais para o buraco científico mais profundo feito no mundo.

A broca desse navio chegou a 2,2 km no fundo do mar recentemente, e é capaz de chegar muito mais longe. O problema é que a tecnologia de perfuração precisa melhorar antes disso, já que as brocas de Chikyu duram apenas cerca de 50 ou 60 horas antes de precisarem ser substituídas, o que hoje faria com que o projeto levasse anos.[POPSCI, CNN]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

3 comentários

  • Marcos-DF2:

    Como diz meu mestre chinês, com sotaque: “Isso não bom !!” …

  • Raphael Saunders:

    Interessante, mas ao mesmo tempo perigoso. Vão mexer em algo que tá quieto, e vai que isso causa um terremoto ou sei lá? e tomara que não encontrem nada comercialmente valioso, se não vão começar a perfurar todo o planeta, acabando com ele, que nem fazem atrás de petróleo.

  • Duda Weyll:

    Eu não me lembro o nome do projeto, mas a URSS já tentou isso: todas as brocas testadas viraram caldo. rs

    Magnésio, Silício, Ferro e Alumínio abundantes, sem falar no ouro que corre em futuros veios, bem, isso vai dar problema no futuro se acharem uma forma de explorar. xD

Deixe seu comentário!