Avanço inédito: rins funcionais são feitos em laboratório

Por , em 23.09.2015

Uma equipe de pesquisadores vinculados a diversas instituições do Japão conseguiram produzir rins a partir de células-tronco que funcionaram como deveriam depois de serem transplantados em ratos e porcos. A equipe descreve seu trabalho e resultados em um artigo publicado na revista “Proceedings”, da Academia Nacional de Ciências dos EUA.

Os pesquisadores já tinha tido sucesso no passado usando células-tronco humanas para cultivar esses órgãos, mas, infelizmente, os rins até então tinham sido todos desenvolvidos sem uma via urinária – o meio pelo qual a urina sai do rim e chega a um tubo que o liga com a bexiga. Tais rins foram acometidos por hidronefrose, situação no qual incham com a urina.

Neste novo estudo, os pesquisadores descobriram uma maneira de cultivar um rim, uma via urinária e uma bexiga inicial. Todos eles replicaram com êxito o trabalho normalmente feito pelos órgãos naturais por um período de tempo.

Células-tronco para cultivar os rins

A equipe usou o método do nicho organogênico para cultivar os rins usando células-tronco de ratos, que, quando testados, foram capazes de produzir urina. Em seguida, eles cresceram uma via urinária, que era, na realidade, um tipo de tubo de drenagem. Então, produziram uma bexiga que seria compatível com o tubo de drenagem. Com todas as partes cultivadas, o rim foi colocado no interior de um rato, a via foi adicionada, assim como a bexiga produzida em laboratório. A nova bexiga foi, então, ligada à bexiga nativa do rato.

No final da operação, eles descobriram que todo o sistema funcionou. A equipe repetiu o que tinham feito com um animal muito maior, com um tamanho mais próximo dos seres humanos – um porco – e encontrou os mesmos resultados.

Nada garantido

A equipe ressalta que seu trabalho não prova de alguma forma que sua técnica funcionaria em humanos, e acrescenta que, mesmo se tudo continuar bem, cultivar e implantar órgãos similares em pessoas não é algo que possa acontecer em muito tempo. Ainda há muito trabalho a fazer, tal como ver o quão bem os órgãos funcionam a longo prazo, testar para se certificar de que eles não se tornem cancerosos e outros problemas.

Eles observam que ainda há muitas pesquisas em andamento analisando maneiras de usar células-tronco para rejuvenescer órgãos danificados, um processo que provavelmente seria mais rápido do que cultivar novos órgãos inteiros para as pessoas que precisam deles com urgência. [Medical Xpress]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

Deixe seu comentário!