Será que o universo começou com um Big Bang?

Por , em 3.03.2014

Será que o universo começou com um Big Bang?

Um físico da Universidade de Heidelberg afirma que não.

De acordo com seu modelo teórico , o professor  e doutor  Christof Wetterich, contrapõe a ideia de expansão cósmica a partir de uma grande explosão.

Segundo sua teoria o nascimento do universo se estenderia para o passado infinito, a partir de um estado extremamente frio e estático que então ao longo de trilhões de anos vem se aquecendo paulatinamente, se expandido e se tornando dinâmico.

Este ponto de vista se sustenta a partir de pressupostos teóricos fundamentados na ideia de que as massas de todas as partículas estariam aumentando constantemente, como consequência da ação dos bósons de Higgs e que ao invés do universo se expandir  a partir de uma grande explosão, ele estaria se expandindo lentamente e também estaria eventualmente encolhendo ao longo de períodos de tempo muito prolongados.

Na teoria do Big Bang quando mais nos aproximamos do instante dessa grande explosão mais forte a geometria do espaço-tempo é curvada pela ação da gravidade até um ponto onde as leis físicas não são mais consideradas, o que é denominado de singularidade.

Nesse cenário a curvatura do espaço-tempo se torna infinita a ponto de produzir uma ignição. Decorrido infinitésimos de segundos após essa grande explosão o universo extremamente quente e denso iniciaria sua expansão, com a criação do tempo e do espaço, da matéria e da energia.

No entanto, segundo Wetterich uma interpretação bastante distinta desta abordagem é também possível, valendo-se dos mesmos dados obtidos pelo conjunto de observações astronômicas realizadas até hoje.

Se as massas de todas as partículas elementares crescerem ao longo do tempo e atuarem sobre a força gravitacional, é possível deduzir um inicio lento e frio para o universo, contrastando com a teoria da grande explosão – porém, sem invalidá-la.

Nesse novo ponto de vista, o universo sempre existiu e sua primeira situação seria praticamente estática, sem um instante de ignição como o que preconiza o modelo do Big Bang, mas sim uma inflação lenta e paulatina que se estenderia por um longo período de tempo imerso no passado.

Por seus cálculos se assume que os primeiros eventos significativos, e que são indiretamente observáveis hoje, ocorreram ao longo de 50 bilhões de anos no passado e não no bilionésimo de bilionésimo de bilionésimo de segundo logo após o Big Bang.

Seu modelo teórico explica a energia escura e a questão do “universo inflacionário ” por meio de um único campo escalar que muda com o tempo, com todas as massas se tornando cada vez maiores em função do valor deste campo, acorde às descobertas sobre o bóson de Higgs  que apontam  que as massas de partículas , de fato, dependem desses valores de campo.

Além de descrever o “nascimento” do universo sem a necessidade de uma singularidade, e mesmo de um “instante de criação”, a nova abordagem pode responder facilmente a questão base do que deve ter existido antes do Big Bang.

Algo que vem incomodando tanto a comunidade de físicos que o próprio Stephen Hawkins se saiu com a piada, de que antes do Big Bang se estaria preparando o inferno para pessoas que fazem esse tipo de pergunta.

Piadas a parte, tudo indica que muita coisa ainda vai sair dessa cornucópia.

Quem viver verá!

-o-

[Leia os outros artigos de Mustafá Ali Kanso]

 

LEIA SOBRE O LIVRO A COR DA TEMPESTADE do autor deste artigo

À VENDA NAS LIVRARIAS CURITIBA E ARTE & LETRA

Navegando entre a literatura fantástica e a ficção especulativa Mustafá Ali Kanso, nesse seu novo livro “A Cor da Tempestade” premia o leitor com contos vigorosos onde o elemento de suspense e os finais surpreendentes concorrem com a linguagem poética repleta de lirismo que, ao mesmo tempo que encanta, comove.

Seus contos “Herdeiros dos Ventos” e “Uma carta para Guinevere” foram, em 2010, tópicos de abordagem literária do tema “Love and its Disorders” no “4th International Congress of Fundamental Psychopathology.”

Foi premiado com o primeiro lugar no Concurso Nacional de Contos da Scarium Megazine (Rio de Janeiro, 2004) pelo conto Propriedade Intelectual e com o sexto lugar pelo conto Singularis Verita.

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

14 comentários

  • Cícero R. P.:

    Non sequitur!

    1. Logo surge a pergunta óbvia e lógica. Quem criou o tempo necessário para as condições iniciais de passado infinito na formação das partículas, culminando no big-bang?

    2. Um universo eternamente inativo seria impossível, já que teria que existir no ZERO ABSOLUTO. Um estado impossível e estático onde nada teria ocorrido.
    A matéria no início poderia ser qualquer coisa, menos fria, estando concentrada numa bola de fogo com temperaturas de bilhões e bilhões de graus Kelvin!…

    • Cesar Grossmann:

      O “tempo necessário” tem que ter um criador?

  • Peterson Souza:

    se não houve um big bang então de onde vem a energia para o universo expandir?

  • HFC:

    Uma dica legal, Mustafá, é deixar os colegas que leem o Hype ver o artigo de Wetterich.

    O artigo está disponível no Arxiv – http://arxiv.org/abs/1401.5313

    • Mustafá Ali Kanso:

      Não estou impedindo ninguém de ler o artigo do Wetterich.

      Afinal quem entende de cálculo integral e limites a ponto de entender o artigo no original também sabe consultar o Google .

      Ou não? 🙂

      Grato pela audiência

  • Larissa Maria Bella:

    Ainda que achemos respostas para nossas duvidas, em questão de segundos estaremos nos questionando o resultado da nossa certeza e o que existiu antes dela.

    Somos apenas matéria e energia, esta é a certeza absoluta. Nosso pensamento é energia pura.

    • Lucas Noetzold:

      que construtivo

    • HFC:

      Não Larissa, nosso pensamento não é energia. Nosso pensamento é o processo de interação de neurônios em nosso cérebro.

    • Peterson Souza:

      se não houve um big bang então de onde vem a energia que aquece o universo para ele se expandir?

  • luiz26:

    um vazio e não entendo como chegaram a conclusão de que antes existia um vazio, não se pode afirmar nem que era o vácuo, afirmar que o que não se sabe é o nada é não aceitar contestações para isto é o cumulo da ignorância.
    Não contesto o Big Bang apenas contesto que seja o ponto de partida de tudo que conhecemos, se alguns cientistas afirmam que há um trilhão de anos sumirao as evidencias do Big Bang será que já não sumiram as do que existiam antes da singularidade se expandir.

    • Marcelo Ribeiro:

      O que havia antes do Big Bang ninguém pode dizer. Podemos criar hipóteses mas não adianta teorizar coisas das quais não temos absolutamente nenhum dado.

    • Fernando Fernandes:

      Não acredito que este seja o criador dado como sua forma de agente : Uma explosão de matéria a qual tudo estaria tudo concentrado etc ; O que mais pode se associar são um B. Negro por sua natureza esp. e singular grandeza , o que deve haver um retorno do mesmo processo nascem outros Universos a partir de extinção de outro/s ; So mente teoria ,,,

  • luiz26:

    Incrível como alguns cientistas ainda se ofendem com este questionamento junto a veracidade do Big Bang, pode ser que tenha ocorrido realmente uma grande explosão de grandes consequências para o universo inclusive mudando toda sua estrutura, porem afirmar que antes desta explosão não havia nada absolutamente nada chega a
    ser uma falácia, ora se alguma singularidade se expande para algum lugar ou direção obviamente a direção para onde se expande é um espaço a ser preenchido não necessariamente…

    • Cesar Grossmann:

      Acho que nenhum cientista se ofende com o questionamento, o que ofende é alguém que não sabe absolutamente nada sobre o assunto vir proclamar que está tudo errado, que a teoria dele é que está certa, sem nem mesmo apresentar uma vírgula qualquer de evidência.

      Uma nova hipótese tem que explicar o que a hipótese antiga explica e o que ela não explica também, pelo menos. Além de estar de acordo com as evidências existentes.

Deixe seu comentário!