Droga usada em câncer de pele reverteu o Alzheimer em ratos

Publicado em 12.02.2012

A ciência é cheia de descobertas acidentais. E mais uma delas veio, dessa vez uma boa notícia: pesquisadores concluíram, sem querer, que uma droga usada para tratar um tipo de câncer rapidamente inverteu o mal de Alzheimer em ratos.

No estudo, os cientistas deram aos ratos megadoses de bexaroteno, uma droga usada para tratar um tipo de câncer de pele chamado de linfoma cutâneo de células T.

Dentro de 72 horas, os ratos mostraram melhorias dramáticas em memória. Além disso, mais de 50% de placas amiloides – uma característica do mal de Alzheimer – tinham sido removidas do cérebro.

Gary Landreth, pesquisador-chefe do estudo, advertiu que, apesar dos resultados serem impressionantes em ratos, podem não funcionar em pessoas. “Precisamos avançar rapidamente, mas com cautela”, disse.

A pesquisa

Ratos – e seres humanos – com Alzheimer têm níveis elevados de uma substância chamada beta-amilóide no cérebro. Testes de patologia nos ratos mostram que o bexaroteno baixa os níveis de beta-amilóide e eleva os níveis de apolipoproteína E no cérebro, o que ajuda a manter os níveis de beta-amilóides baixos.

Os cientistas testaram a memória dos animais com a doença, tanto antes quanto depois da droga. Por exemplo, os ratos com
Alzheimer caminhavam direto para uma gaiola onde eles tinham anteriormente levado um choque doloroso, mas após o tratamento com bexaroteno, os ratos se lembraram do choque e se recusaram a entrar na gaiola.

Em outro teste, os cientistas colocaram papel de seda em uma gaiola. Ratos normais instintivamente usam o papel em sua gaiola para fazer um ninho, mas os ratos com Alzheimer não conseguem descobrir o que fazer com a seda. Após o tratamento com a droga, os ratinhos com Alzheimer fizeram um ninho com o papel.

Uma das grandes vantagens do bexaroteno é que ele já é aprovado para uso em humanos, o que significa que os pesquisadores podem mover para testes em humanos mais cedo do que se fosse uma droga completamente nova.

Landreth espera poder experimentar a droga em humanos saudáveis dentro de dois meses, para ver se tem o mesmo efeito. Os participantes do estudo receberiam a dose padrão que pacientes com câncer geralmente recebem. Como a droga tem alguns efeitos colaterais – pode aumentar o colesterol, por exemplo -, o cientista pretende usá-la em níveis ainda mais baixos conforme o estudo se desenrola.[CNN]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 25 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

5 Comentários

  1. Minha mãe têm 84 hanos perdemos o pai e o marido à mais ou menos 4 hanos; por isso entrou em depressão mas mesmo asim,apresenta sinais de Alzheimer,como posso abrandar isso ou pelo menos,retornar um pouco a sua memoria ? somos de origem Italiana não sei se isso tem algo que possa ajudar.
    Agradeceria se pudesse ajudar.

    Thumb up 2
  2. “Gary Landreth, pesquisador-chefe do estudo, advertiu que, apesar dos resultados serem impressionantes em ratos, podem não funcionar em pessoas. “Precisamos avançar rapidamente, mas com cautela”, disse.”

    Simples (tá bom, não tão simples assim), basta fazer um estudo com usuários dessa droga, já que ela já faz parte do tratamento de câncer.

    Ótima notícia….

    Thumb up 3
  3. Seria bom que tornassem esse medicamento o mais rápido possível para quem tem alzheimer agora!

    Thumb up 3
  4. Interessante, talvez haja mais drogas que atualmente são usadas para tratar certas doenças, mas que podem ser usados para tratar e até curar outras doenças, espero que a comunidade medica abra os olhos para esse tipo de descoberta, pois a cura para varias doenças pode estar de baixo do nosso nariz.

    Thumb up 1
  5. Graande Natasha! Agora sim, uma notícia veramente interessante e bastante completa, com conteúdo e cumpre o que a chamada promete. Parabéns! Você é Super!

    Thumb up 2

Envie um comentário

Shares
Share This

Compartilhe

Seus amigos vão adorar

Shares
Leia o post anterior:
leao5-e-leoa
Você pode salvar uma espécie ameaçada caçando-a?

Segundo um estudo, a...

Fechar