É o aquecimento global que derrete o gelo da Antártica?

Há décadas, o gelo da Antártica vem derretendo. E o que causa esse evento? Apesar de haver um debate entre os cientistas, as evidências recentes sugerem que o aquecimento global é o que está por trás do fenômeno.

Segundo pesquisadores, é muito provável que o derretimento seja um resultado da mudança climática global. A partir de diferentes conjuntos de dados, incluindo amostras de gelo, os cientistas descobriram que a temperatura na Península Antártica e na metade ocidental do Continente Antártico aqueceu ao longo das últimas décadas mais rápido do que no passado.

Ao longo dos últimos 50 anos, os registros climáticos mostram que, enquanto as temperaturas do ar diminuíram em grande parte da Antártica, na Península Antártica têm aumentado em 2,5 graus Celsius, ou cerca de cinco vezes a taxa de aquecimento medida para o resto do mundo.

A NASA utiliza satélites para medir as temperaturas médias globais, monitorando objetos sensíveis ao calor no chão, e incorporando também registros via satélite. Usando esses dados, a NASA determinou que o aquecimento global causou a desintegração de grandes plataformas de gelo na Península Antártica em 1995 e 2002. Muitas dessas plataformas de gelo continuam a ruir.

O gelo nas bordas da Antártica está derretendo ou se partindo em icebergs mais do que está nevando no interior. Como não há neve suficiente para substituir o gelo que se perde nas bordas, no total, a maior parte do gelo está perdida na Península Antártica.

Os cientistas também observaram como a massa de gelo variava na Antártica, devido às variações na precipitação de ano para ano. Usando os dados, os pesquisadores foram capazes de controlar a quantidade de massa de gelo perdida devido a mudanças nos níveis de precipitação impactadas pelo fenômeno El Niño, um evento cíclico que causa águas mais quentes do que o normal no leste do Oceano Pacífico.

Juntos, a Península Antártica e o Mar de Amundsen contribuem com 0,3 milímetros por ano ao nível do mar global. A mudança de nível global do mar global é de cerca de 3 milímetros por ano.

Enquanto é provável que o El Niño tenha influência no derretimento de gelo da Antártida, muitos pesquisadores acreditam que o evento não pode ser totalmente atribuído ao fenômeno.

Segundo os cientistas, o El Niño é uma oscilação do clima, que varia ao longo de um período de quatro a sete anos. Ele definitivamente pode fazer com que um ano seja mais quente ou mais frio do que outros, mas não é possível que ele contribua com o aquecimento médio visto ao longo das últimas décadas.

A perda de gelo do oeste da Antártica é quase que certamente relacionada ao aquecimento global. Os pesquisadores atribuem a desestabilização e queda de blocos de gelo, cuja desintegração acelera a perda de gelo continental, ao aumento da temperatura do oceano Austral.

O El Niño também não pode dar conta do aquecimento global do Oceano Antártico, que é quase certamente implicado pela perda de gelo antártico.

Segundo os cientistas, determinar a causa exata de toda a mudança global, em específico do derretimento de gelo, é sempre difícil. Porém, as temperaturas mais quentes do ar, combinadas com águas mais mornas no oceano, parecem ser as principais culpadas. [LifesLittleMysteries]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Curta no Facebook:

11 respostas para “É o aquecimento global que derrete o gelo da Antártica?”

  1. Hoje parei para me informar mais a respeito do Aquecimento Global e saber o porque,do ser humano não entender o quanto isto é preocupante, então entendi que é como diz a Bíblia (O mundo perece por falta de conhecimento)vejo que temos pecado,por muitas vezes não estudarmos sobre o assunto ou simplesmente ignoramos essa situação.
    Obg Pelo Artigo Muito bom.

  2. Adorei este artigo, me ajudou muito à enteder um pouco mais sobre o aquecimento global, e as consequencias efetuadas por esse fenômeno na Antártica.
    Espero precisar pesqisar mais para enteder os acontecimentos do mundo onde moro
    Obrigada

  3. Edson Leandro de Almeida, vi uma entrevista há algum meses no canal livre da bandeirantes, onde um brasileiro também especialista no assunto afirmava a mesma coisa.
    Não sei o nome dele, talvez seja esse mesmo que voce citou, ele disse que entre 1936 e 1945 a terra teve uma temperatura média mais elevada do que hoje com muito menos gás carbônico na atmosfera.E disse ainda que estamos caminhando para uma era do gelo sim. Que esse aquecimento global é apenas uma fase que nosso planeta já passou várias vezes, faz parte do ciclo.

  4. Recomendo a quem interessa-se pelo suposto “aquecimento global”, a ler os artigos e livros do Dr. Luiz Carlos MOLION, ele afirma, com todos os argumentos e provas científicas que esta temperatura alta é normal a este tempo devido ao sol, e que iremos ter num futuro próximo um resfriamento leve do clima no planeta.

  5. O titulo induz o leitor ao erro.

    “Ao longo dos últimos 50 anos, os registros climáticos mostram que, enquanto as temperaturas do ar diminuíram em grande parte da Antártica, na Península Antártica têm aumentado em 2,5 graus Celsius”

    Ou seja, o que está realmente aquecendo é a Península Antártica, e não toda a Antártida.

    “Como não há neve suficiente para substituir o gelo que se perde nas bordas, no total, a maior parte do gelo está perdida na Península Antártica.”

    Mais uma vez, a parte que está perdendo gelo na Antártida, é a peninsula e não toda a Antártida.

    “O gelo nas bordas da Antártica está derretendo ou se partindo em icebergs mais do que está nevando no interior.”

    Fail. O interior da Antárida, é um dos locais mais secos do planeta, neva muito pouco na maior parte da Antártida, sempre foi assim, estima-se, que em alguns locais do interior da Antártida, já não neva a alguns milhares de anos, lá é seco dessa forma, por causa da temperatura baixa, basicamente a atmosfera tem a capacidade reter vapor d’água, mas a quantidade que a atmosfera pode reter, varia de acordo com a tempeatura, quanto mais baixa a temperatura, menos umidade a atmosfera pode reter. O único local de lá que tem neve em maior quantidade é no litoral. Todo aquele gelo e neve, presentes no interior do continente, é o resultado de pequenas nevadas que ocorrem a milhares de anos, e de pouco em pouco, chegou aos 4km de espessura de gelo, que há no interior da Antártida, pois lá a temperatura nunca é superior a 0°C, a não ser na penisula, que é também o local com menor latitude de lá, na verdade em grande parte da Antártida a temperatura não supera os -20°C.

    “El Niño é uma oscilação do clima, que varia ao longo de um período de quatro a sete anos”

    El niño, não é oscilação do clima, e sim o nome que é dado, quando a temperatura da superficie do oceano pacífico equatorial, está acima da média, o período de duração média de um El niño, ou La niña(que é o inverso do EL niño), é de aproxiadamente 1 anos e meio, mas há evidências, de que em períodos de 30 em 30 anos, que é denominado, oscilação decadal do Pacífico, há uma maior frequência de El niños ou La niñas, dependendo se a PDO(oscilação decadal do Pacífico) é negativa(favorecendo La niñas), ou positiva(favorecendo El niños), que como eu disse, esses períodos duram em média 30 anos, mas não quer dizer que quando a Pdo é negaiva, não vá ocorrer EL niños, ou quando positiva, não vá ocorrer La niñas, o que acontece é que há o favoreceimento de um dos dois,que ocorrem com maior frequência e duram mais tempo, e quando ocorre o outro inverso a fase da PDO ele dura pouco tempo.

    “Ele definitivamente pode fazer com que um ano seja mais quente ou mais frio do que outros, mas não é possível que ele contribua com o aquecimento médio visto ao longo das últimas décadas.”

    Errado, o El niño, necessáriamente aumenta a temperatura global, nunca, faz ela ficar abaixo da média, o fenômeno que faz a temperatura ficar abaixo da média é o La niña, e esse nunca faz a temperatura ficar acima da média, no ano em que ocorrer um La niña, a temperatura média do planetaficar acima do normal, então será a evidência definitiva de que o aquecimento global existe, e como eu disse o El niño contribui sim, para um aquecimento do planeta, devido a PDO, que dur em média 30 anos, e a média desses 30 anos, quando da fase positiva da PDO, tende a ser maior do que o normal. Isso ocorreu no passado e por que não ocorreria hoje?

    Minhas Considerações finais.
    A área da cobertura do gelo, levando-se em consideração todo o continente antártico, tem aumentado ano após ano, desde o final da década de 80, apenas a peninsula antártica é que vem perdendo gelo e aumentando de temperatura, o aquecimento da terra pode estar atrelada a fase positiva da PDO, que favore uma maior ocorrência de El niños, que afetam o a temperatura global, a uma menor ocorrência de raios côsmicos atingindo o planeta, devido ao aumento do campo magnético do sol, que afasta esses raios, que tem papel importante na formação de nuvens, e essas nuvens poderiam estar refletindo de volta para o espaço a radiação solar e impedindo o aumento da temperatura do planeta, mas bastou uma queda na atividade solar, que ano passado registrou a menor atividade em 100 anos, para a temperatura do planeta cair, Londres por exemplo está tendo esse ano, o mês de dezembro mais frio desde 1860.

  6. A superfície da Terra está se deslocando para o Norte
    Posted: 28 Sep 2010 04:44 PM PDT
    Estimativas científicas demonstram que a superfície da Terra está se deslocando 0,88 centímetros ao Norte por ano. Por enquanto, isso não tem nenhum impacto sobre a vida no planeta, apenas efeitos menores sobre satélites

    Segundo os cientistas, a superfície da Terra está se deslocando mais do que esperado. Enquanto você lê este texto, o planeta arrasta-se lentamente em direção ao Pólo Norte. Porém, esse deslocamento ao Norte, apesar de maior do que o esperado, só tem alguns efeitos menores sobre satélites, e nenhuma consequência aos seres humanos.
    Os cientistas acreditam que a mudança da superfície da Terra é em grande parte devido ao derretimento da camada de gelo que cobria a maior parte do Canadá e uma parte do norte dos Estados Unidos durante a última Era Glacial.
    Para calcular o deslocamento, os cientistas combinaram dados de satélites da NASA sobre gravidade, medições de GPS dos movimentos da superfície global e um modelo desenvolvido pela NASA que estima a massa de oceano da Terra a partir de qualquer ponto do fundo do oceano.
    Os pesquisadores descobriram que o deslocamento da massa de água em todo o mundo, combinada com a chamada repercussão pós-glacial, está mudando a superfície da Terra em relação ao seu centro de massa em 0,88 milímetros por ano em direção ao Pólo Norte.
    A recuperação pós-glacial é a resposta da parte sólida da Terra ao recuo das geleiras e a consequente perda desse peso. Como as geleiras recuaram no final da última Idade do Gelo, a terra que estava sob esse gelo começou a subir, e continua a fazer isso até hoje.
    As estimativas anteriores eram de 0,48 milímetros por ano. Segundo os pesquisadores, enquanto esse movimento ascendente do centro da Terra for de menos de um milímetro por ano, isso não terá qualquer impacto sobre a vida no planeta. Mas, se fosse algo parecido com um centímetro, então haveria uma enorme quantidade de mudanças.
    No passado, os cientistas criaram modelos que previam que, em relação ao centro de massa da Terra, a crosta sólida na superfície devia estar se movendo para o norte. Atualmente, os dados concretos recolhidos pela pesquisa apóiam a previsão do modelo.
    Apesar desse movimento não ter um impacto em nossas vidas, os pesquisadores dizem que poderia afetar o rastreamento de naves espaciais. Além disso, esse deslocamento pode dizer mais sobre como a Terra se deforma sob tensão.[LiveScience]

    Eis a minha opinião:

    Antes de tecer meu comentário deixem-me lembrar-lhes que teorias não passam de teorias; nada
    tendo sido provado… portanto, embora não possuindo cátedra para que uma teoria minha fosse reconhecida publicamente, esta seria tão válida como outra qualquer… e minha teoria diverge de todas de que eu tenha tido notícias até agora: Embora não sendo seguidor de ninguém, identifico-me muito com Carl Sagan, por meu cetismo nato e sou dado a examinar minhas próprias idéias antes de considerar sériamente opiniões alheias. Ex.: Não acredito que a crosta terrestre esteja deslocando-se anormalmente devido ao derretimento das camadas de gelo sobre este ou aquele lugar, mas, antes, justamente o contrário… ou seja: Devido à deriva irregular da crosta sólida do planeta sobre seu núcleo líquido/pastoso e ao atrito entre eles, é que temos um aquecimento extra, que denominamos hoje de aquecimento global, que faz com que as camadas de gelo comecem a derreter. Seria muito mais aconselhável para toda a humanidade, que os doutores olhassem um pouco para o espaço exterior e procurassem uma razão para o que acontece, ao invés de fazerem afirmações absurdas como a de que o ser humano é o responsável e causador do aquecimento global que vem aumentando sempre e aceleradamente. Pode muito bem ser que, como no passado, quando ainda não existíamos, alguma força provinda do espaço exterior, que causou tal força de maré sobre o nosso mundo, que fez com que êle estufasse de um dos lados… talvez em uma erupção vulcânica que teria dado origem à nossa Lua e ao continente original que teria dado origem a todos os continentes quando começasse a se fragmentar, sendo novamente atraído de volta pela gravidade do planeta, logo que êle estivesse livre da influência do que quer que por êle tenha passado, tal possa ocorrer… em menor ou maior proporção. O fato é que não podemos ter certeza disso, pois nada conhecemos do espaço exterior que não esteja no campo das teorias: O Big Bang, por exemplo, é uma teoria aceita… por mais esfarrapada que possa ser; os buracos negros, por sua vez, me fazem ter vontade de enfiar a cara em um buraco, salvo quando penso que talvez, contrariando a afirmação de Einstein: de que nada poderia deslocar-se em nosso universo com velocidade superior à da luz, alguns astrônomos afirmam que o universo expande-se aceleradamente e que as galáxias para além do universo observável afastam-se a velocidades tão grandes que nem mesmo sua luz consegue alcançar-nos, e então eu penso: “Se tal fosse possível, isto destruiria tudo em derredor, pois a imensurável massa de uma galáxia multiplicada pelo quadrado da velocidade da luz arrastaria consigo tudo ao seu alcance e, ao longe, em determinada posição relativa á rota pela qual ela teria seguido, tudo o que veríamos seria um buraco negro… mas, isto é uma teoria mais absurda ainda que a de uma estrela absorvendo massas muitas vezes maiores que a dela própria em uma singularidade.” Mas, há ainda muito que não pode ser explicado: como a matéria escura do universo… Bem, isto é apenas um comentário, mas, continuo discordando da opinião dos cientistas sobre o assunto inicial dessa conversa. David.

  7. …nao só o homem é culpado por tudo que esta acontecendo em nosso planeta mas sim todos nos, se cada um se preocupasse um pouco com a natureza talvez nao estivesse tao visiveis os impactos ambientais.
    mas ainda da tempo mmavos colocar a mente pra funcionar e prestar bem a atenção antes de jogar o lixo de nossas casas.

Deixe uma resposta