Estranha criatura de 520 milhões de anos é descoberta

Publicado em 26.06.2013

reconstruction

Cientistas descobriram uma nova criatura fossilizada em forma de charuto que viveu cerca de 520 milhões de anos no Marrocos.

Equinodermos modernos normalmente têm simetria de cinco pontos, como os cinco braços da estrela do mar. A espécie, nomeada Helicocystis moroccoensis, tem características que a colocam como o equinodermo mais primitivo até o momento com simetria radial (esse sistema em que o corpo é arranjado em cinco partes em volta de um eixo central).

A criatura marinha primitiva também podia mudar a forma de seu corpo, de fina a mais larga. Os pesquisadores dizem que este é um animal de transição que pode ajudar a explicar como os primeiros equinodermos evoluíram.

A descoberta

Em 2012, Andrew Smith, paleontólogo do Museu de História Natural em Londres e seus colegas estavam escavando sedimentos datados de cerca de 520 milhões de anos nas montanhas da cordilheira Anti-Atlas, no Marrocos, quando descobriram vários exemplares do estranho fóssil.

Notando que era um animal novo, os pesquisadores analisaram a criatura e concluíram que ela viveu no antigo supercontinente chamado Gondwana (que seria a maior parte do hemisfério sul hoje) durante a explosão cambriana, um período em que todas as criaturas que habitaram os mares e terras do planeta diversificaram-se dramaticamente.

Um dos mais antigos equinodermos conhecidos, o Helicoplacus (encontrado nas Montanhas Brancas, na Califórnia, EUA), tinha corpo assimétrico. Atualmente, todos os equinodermos modernos começam como larvas com simetria bilateral, o que levantava a questão de como e quando o plano corporal de cinco pontos das criaturas se originou.

A resposta

H. moroccoensis tem um corpo cilíndrico que se estende até quatro centímetros de comprimento. A boca do animal é no topo de seu corpo. Seu esqueleto é feito de calcita.

“É um animal em forma de charuto, capaz de expandir e contrair essa forma”, explica Smith. “Às vezes, pode ser curto e gordo, e às vezes pode ser longo e fino”.

Quando viveu, essa pequena criatura do mar mudava de forma usando um arranjo espiral de cinco ambulacras (“ranhuras”) provenientes da sua boca, que se abria e fechava para capturar pedaços de comida que flutuavam na água.

A espécie recém-descoberta é o mais antigo equinodermo conhecido com cinco ambulacras, e por isso pode lançar uma luz sobre como esse grupo de animais evoluiu para sua forma corporal atual.

H. moroccoensis foi encontrado em sedimentos que contêm vários outros equinodermos bizarros, muitos dos quais com formas corporais malucas, que vão desde completamente assimétricas até bilateralmente simétricas. Essa grande variedade sugere que as criaturas estavam passando por um período de diversificação dramática na época.[LiveScience]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 25 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

3 Comentários

    • A informação está correta, é um animal de transição, por causa do seu sistema nervoso ser do tipo radial simples, mais primitivo que o Sistema Nervoso Difuso. Estes animais não possuíam cérebro.

      Thumb up 11

Envie um comentário

Leia o post anterior:
girl_drinking_coke_by_wizzmi-d5o2c1p
Coca-Cola causa problemas cardíacos?

Em Mônaco, uma mulhe...

Fechar