Neurônios podem ter um enorme efeito em cadeia

Você já deve ter ouvido falar naquela teoria sobre efeitos em cadeia, que diz o seguinte: quando uma borboleta bate as asas no Brasil, provoca um furacão nos Estados Unidos, ou algo parecido. Para cientistas da Universidade da Califórnia (EUA) essa teoria pareceu fazer sentido, mas não em seu significado literal. Eles estão se dedicando a testes baseados nessa ideia para esclarecer aspectos ainda obscuros sobre o funcionamento do cérebro humano.

Os neurônios são a chave do estudo. A ideia do cientista que coordena o projeto foi a seguinte: provocar uma pequena perturbação em um neurônio e observar se ela poderia dar origem a um efeito em cadeia e resultar em consequências observáveis no corpo. Para isso, eles controlaram a transmissão de impulsos de um neurônio de um rato.

Para determinada tarefa, eles provocavam um impulso extra nos dendritos (porção final de cada neurônio), para observar a continuidade. Esse único impulso a mais causou trinta novos impulsos na transmissão para o neurônio seguinte, esses trinta causaram, cada um, novos trinta impulsos no seguinte, e assim por diante. Pode parecer insignificante sabendo que os dendritos produzem milhões de impulsos, mas a interferência se propaga, por sua vez, por milhões de neurônios.

Isso pode ajudar a explicar porque às vezes nós confundimos coisas, nos esquecemos de umas e lembramos outras. Nosso cérebro absorve muitas informações a cada momento, o que torna comuns essas “interferências” (impulsos nervosos fora do que seria normal, se você passasse o dia todo sem pensar em nada), a cada instante. Por isso, embaralhamos informações.

Mais uma vez, nasce a comparação com computadores. Se pudéssemos ouvir o ruído no interior de nossos cérebros (ainda bem que não podemos) veríamos que é muito mais barulhento do que qualquer computador, já que são muito mais impulsos se cruzando a cada instante. Os neurônios estão ligados uns aos outros como em uma gigantesca fiação (tal como os computadores) então, uma pequena alteração parece ser mesmo capaz de fazer uma grande diferença no conjunto. Cada neurônio conecta-se a outros dez mil, em média. Se pudéssemos colocar todos eles lado a lado, em uma única linha, seriam 8.000 km de neurônios. Mais do que você vai caminhar em uns dez anos, no mínimo. [Science Daily]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Curta no Facebook:

3 respostas para “Neurônios podem ter um enorme efeito em cadeia”

  1. Não sei se é verdade, mas me disseram que quando você tampa os ouvidos, o ruido que você escuta, é o som do seu cérebro trabalhando, não sei se é verdade. Mas se você fica com o olhar vago, sem pensar em nada, e mexe por exemplo o pé, parece que você ouve uma pequena alteração no “volume” do ruido

    • não sou atualmente nenhum tipo de ciêntista mais sei que pelos conceitos basicos que tenho, que quando pode-se ter o cilêncio total aqui na terra, o barulho em forma de apito que se houve é na realidade a preção atmosferica de nosso planeta.

      E os barulhos de tremedeira que se houve quando tapa os hovidos é na realidade o barulho de ceu corpo, pois o som se propaga muitas veses mais rapido pelo sólido ou liquido, do que pelo “ar”.

Deixe uma resposta