Os mais importantes telescópios do mundo

Publicado em 22.08.2010

Afinal, as observações astronômicas não são feitas apenas pelo Hubble. Cada telescópio possui características únicas que fazem dele “especialista” em determinada área. Conheça os mais importantes:

Hubble Space Telescope – Nasa

Em funcionamento desde 1990, ele merece o lugar no topo da lista. Ele tem observado o espaço através da órbita da Terra por 19 anos e é conhecido como o avô dos telescópios. O Hubble foi o primeiro dos grandes telescópios a ser construídos pela Nasa. Durante suas observações o Hubble ajudou a esclarecer alguns mistérios astronômicos: a escala do espaço, o ciclo de vida das estrelas, buracos negros e a formação das primeiras galáxias. Atualmente, está passando por uma reforma e espera-se que ele fique por mais cinco anos em atividade.

Observatório Chandra de raios-X – Nasa

É o terceiro dos quatro maiores telescópios da Nasa, criado em 1999, e é o mais poderoso telescópio de raios-X do mundo. Chandra foi batizado em homenagem ao físico Subrahmanyan Chandrasekhar, e examina as emissões de raios-X feitas por alguns dos mais estranhos objetos espaciais, incluindo quasars – que são enormes nuvens de gás e poeira que são sugadas por buracos negros. Os raios-X são produzidos quando a matéria é aquecida a milhões de graus. O Chandra já “trabalhou em equipe” com vários outros telescópios, incluindo o Hubble, para criar imagens compostas do nosso universo. Entre as conquistas do Chandra estão a descoberta de buracos negros e do Buraco Negro Supermassivo da Via Láctea, o Sagittarius A.

Telescópio Espacial Spitzer – Nasa

O Spitzer foi o último dos grandes telescópios da Nasa a ser lançado, em 2003, e reúne informações sobre a radiação infravermelha que emana de objetos cósmicos – incluindo galáxias distantes, buracos negros e até cometas do Sistema Solar. A radiação infravermelha é difícil de ser observada diretamente do chão da Terra, pois é muito absorvida pela nossa atmosfera – por isso o Spitzer, assim como o Chandra e o Hubble, orbitam o nosso planeta e não estão fixos no solo. Uma das mais conhecidas conquistas do Spitzer é ter sido o primeiro telescópio a captar a luz de um exoplaneta. Como terá que passar por se aposentar muito em breve, daqui a dois anos (o líquido que o resfria está acabando), será substituído pelo Herschel, da Agência Espacial Européia.

Observatório Espacial Hershel – ESA e Nasa

O Hershel foi lançado no dia 14 de maio de 2009, juntamente com o telescópio Planck. Herschel é o maior e mais poderoso telescópio infravermelho, que observa ondas emitidas pelos mais frios objetos do Universo. Ele foi projetado para buscar água em cometas e nuvens espaciais. Ele também irá observar estrelas em formação. Assim como seu predecessor, o Spitzer, espera-se que ele também consiga mais informações sobre exoplanetas.

Observatório Planck – ESA

O “colega de lançamento” do Herschel, Planck, se concentrará na luz do Universo. Ele irá procurar vestígios da primeira luz a brilhar no cosmos. Parece difícil, certo? Suas missões também incluem: mapear o campo magnético da Via Láctea em 3D, e buscar respostas nos mistérios da matéria e da energia escuras.

Kepler Mission – Nasa

Outro que foi lançado em 2009, o novo telescópio “caçador de planetas” da Nasa irá buscar especificamente outros planetas que tenham características parecidas com a Terra. Para isso o Kepler irá buscar variações características na luz de estrelas que indicam que há planetas orbitando-as (ele começará com uma “pequena” amostragem de 100 mil estrelas próximas). Os astrônomos esperam que ele encontre planetas cuja temperatura possibilite a existência de água líquida.

Telescópio Fermi de Raios Gama – Nasa

O Fermi “trabalha” com a mais extrema forma de energia no cosmos: os raios gama. Esse tipo de raios podem revelar alguns dos mais energéticos eventos no espaço, incluindo pulsares, energia escura e buracos negros.

Explorador Swift de Explosões de Raios Gama – Nasa

Como o Fermi, o Swift também procura por raios gama – mas por explosões, as mais poderosas do Universo. O Swift pode detectar a explosão e, em menos de um minuto, posicionar-se de modo a observá-la melhor. [Space.com]

Autor: Luciana Galastri

é jornalista. Viciada em livros, lê desde publicações sobre física a romances de menininha do estilo "Crepúsculo". Toca piano desde os oito anos de idade e seu estilo de música preferido é o metal.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

26 Comentários

  1. Para podemos, nós superar cada dia é presciso saber mais a respeito de onde tudo começou, és que eu daria a minha vida para saber tudo sobre o espaço, otimo!!

    Thumb up 4
  2. Sao estes “olhos cientificos” que nos iam dar a primeira informacao caso onvesse um perigo de colisao com a cometa por exemplo,por suca via, atravez da tecnilogio nuclear poder-se-ia evitar o pior. Nao e disperdicio de forma alguma.

    Thumb up 3
  3. Apoio o Cesar! Tenho certeza que quase todos aqui assistem filmes, não é possivel nao assitir pelo menos 1! Entao desvendar o espaço é essencial para nos! Ate parece que voce nunca se perguntou nada sobre o universo! AHH VÁH! Todos temos duvidas sobre o universo! Pessoas que não apoiam esse tipo de pesquisa são assim “ignorantes” e não pensam e nem seus poucos pensamentos são produtivos ou de questões mais complexas! xD

    Thumb up 4
  4. O ditado popular que diz “ME ENGANE QUE EU GOSTO “… QUAL O MAIS FÁCIL? OLHAR PARA O UNIVERSO OU PARA A TERRA? quem esta mais perto? Esse negócio de fotos de satélites é para enganar,se vc olhar as fotos verá que foram feitas por telescópios.Bisbilhotar a vida do visinho , só pra isso é que serve.”espiões” Há várias fotos do Huble de mulheres peladas nos terraços dos prédios. Fique esperto e não se engane.

    Thumb up 3

Envie um comentário

Leia o post anterior:
antartica
Aquecimento global: o mar antártico se expande enquanto o gelo ártico derrete

Eventualmente, porém...

Fechar