Por que a voz soa diferente quando a ouvimos em uma gravação?

Publicado em 6.08.2013

tonedeaf

Você já ouviu sua voz gravada em algum vídeo ou no telefone e se assustou com a diferença? Achou que nem era você?

O professor de audiologia da Universidade de Vanderbilt, Bem Hornsby, explica que “quando você fala, as pregas vocais da garganta vibram, o que faz com que a pele, o crânio e a cavidade oral também vibrem, e percebemos isso como som”.

As vibrações se misturam com as ondas sonoras e viajam da boca para o tímpano, dando a voz sua qualidade em geral – mais profundo, mais digno de som – que ninguém mais ouve.

Através de um dispositivo de alto-falante ou de gravação, você ouve o som apenas por via aérea. “O som que estamos acostumados a ouvir tem uma frequência menor de vibrações do que o osso”, diz Hornsby. “Nós gostamos disso porque soa rico e completo. Muitas pessoas se assustam com o som da reprodução, porque o nosso cérebro se esforça para aceitar que esta voz estranha é a nossa própria”. [PopSci]

Autor: Ana Claudia Cichon

é jornalista e curitibana, que agora tenta a vida em São Paulo. Apaixonada, doente e viciada por futebol, do tipo que troca o aniversário da mãe ou do namorado para ir ao estádio.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

12 Comentários

  1. IMAGINO QUE O NOSSO CÉREBRO PASSA A ACHAR A NOSSA PRÓPRIA VOZ FEIA, EM UMA GRAVAÇÃO, PORQUE ELE ESTÁ ACOSTUMADO A “OUVI-LÁ” DE UM JEITO DIFERENTE. PARA QUEM ESTÁ ACOSTUMADO A NOS OUVIR, NÃO A ACHARÁ FEIA. ENTÃO O CÉREBRO NÃO RECONHECE A VOZ, MAS RECONHECE O NOSSO JEITO DE FALAR. É COMO SE FOSSE UMA PESSOA ESTRANHA TENTANDO IMITAR A NOSSA VOZ.

    Thumb up 3
  2. Ana Claudia, desculpe, mas a tradução da frase “O som que estamos acostumados a ouvir tem uma frequência menor de vibrações do que o osso” não está correta. Estranhei quando li isso e fui ver o original, que diz: “The sound we’re used to hearing has a lower frequency from the bone vibrations”.

    Uma tradução melhor seria: “O som que estamos acostumados a ouvir tem uma frequência mais grave devido às vibrações do osso”. Ou seja, o som que ouvimos é mais grave, porque os ossos abafam as frequencias mais agudas.

    Thumb up 4
    • É isso aí. Você ouve a sua voz diferente do que os demais.

      Thumb up 10
    • Pois somos duas então, Lorenna. Também não gosto de ouvir a minha…e também pelo mesmo motivo.

      Thumb up 5
  3. Além disso, também há a qualidade tanto do Receptor quanto do Reprodutor do som.

    A grande gama dos microfones não captam nem 80% das vibrações reais, é como se tirasse uma foto em baixa resolução, e quanto maior a resolução do microfone mais caro ele é. Porém, vai além disso, pois a tecnologia não chegou a ser desenvolvida tão bem quanto o nosso sistema auditivo e nenhum microfone, por melhor que seja, é tão incrivel quanto nosso timpano o é, e desta maneira, os mics em geral são otimizados para pegar certas regiões de frequencias. Alguns modelos ainda MAIS CAROS conseguem captar muito bem todas as frequencias de 20 – 20k hz, mas ainda assim não é tão perfeito quanto o timpano. E em geral, precisam de algumas edições sintéticas para aperfeiçoar este som captado para ficar mais próximo do real.

    Se a recepção já é um problema, a reprodução também o é. As caixas de som reproduzem um som sintética, pois, a grosso modo, sai um som muito ‘redondinho’, e no real não é. Por melhor que busca ser as caixas de som, ela é uma minimização de centenas de variáveis de um som acustico para algumas poucos de um som eletronico.

    Você provavelmente nunca conseguirá ter a mesma impressão (no bom sentido) de ouvir eletronicamente uma orquestra do que ao vivo. Ambientes que buscam reproduzir o mais próximo do real, precisam investir muito em caixas de som de altissima qualidade, com vários dispositivos de saidas, multidirecionadas, e com varias barreiras no ambiente no sentido de refletir o som mais espalhadamente pelo ambiente, produzindo uma maior “confusão de ondas sonoras” (no bom sentido) no ambiente, buscando reproduzir assim sintéticamente um efeito mais próximo do real som acústico.

    Claro, há muitos detalhes sonoros que um ouvido não treinado jamais perceberia, todavia, para um ouvido treinado perceberia tanto que o som emitido se torna sem sal.

    Mas algo interesse a se notar. Que a emissão do som não é apenas através da boca, mas é um som, emitido por um conjunto de um objeto 3D real (uma pessoa, com suas formas etc, assim como um instrumento), e a captação do som também, não é apenas seu ouvido, mas é todo o seu organismo e corpo, inclusive aquele impacto que faz sentir vibrar dentro da barriga.

    Nada como um bom som ao vivo.

    Thumb up 76
    • “Que a emissão do som não é apenas através da boca, mas é um som, emitido por um conjunto de um objeto 3D real (uma pessoa, com suas formas etc, assim como um instrumento)… ”

      Já reparei que em algumas pessoas “obesas” a voz ou o timbre da voz parece ressoar diferente; mais grave ;)

      Thumb up 1

Envie um comentário