Porque o símbolo da medicina é uma serpente em um cajado?

Publicado em 14.03.2011

bastao asclepio simbolo medicina

Lá vem um médico vestido na sua roupa branca com o desenho de uma serpente enrolada em um cajado. Hein?! Porque será que esse é um símbolo tão conhecido da medicina, decorando uniformes e embalagens farmacêuticas? De que forma tal desenho bizarro se tornou um emblema para a profissão?

A explicação humorística da cobra é que se o paciente sobreviver o médico cobra, se morrer cobra do mesmo jeito. A razão correta mostra que o antigo emblema tem histórias interessantes por detrás.

Na verdade, existem duas versões do símbolo. A versão alada é conhecida como um caduceu, e a vara é um bastão que foi conduzido pelo deus do Olimpo Hermes.

Na mitologia grega, Hermes foi um mensageiro entre os deuses e os humanos (o que explica as asas) e um guia para o submundo (o que explica o cajado). Hermes era também o padroeiro dos viajantes, o que torna a sua ligação com a medicina adequada, pois antigamente os médicos tinham que percorrer grandes distâncias a pé para visitar seus doentes.

Em uma das versões do mito de Hermes, ele recebe o bastão de Apolo, o deus da cura. Em outra versão, ele recebe do rei dos deuses, Zeus, entrelaçado a duas fitas brancas. As fitas foram substituídas mais tarde por serpentes, já que a história diz que Hermes usou a vara para separar uma briga entre duas cobras, que então se enrolaram nele e permaneceram lá em harmonia e equílibrio.

Outra representação do símbolo é o bastão de Asclépio, que não tem asas e apenas uma serpente. Filho de Apolo e da princesa humana Coronis, Asclepius é o semideus grego da medicina. Segundo a mitologia, ele era capaz de restaurar a saúde dos enfermos e trazer os mortos de volta à vida.

Em uma lenda, Zeus matou Asclepius com um raio por perturbar a ordem natural do mundo, ressuscitando os mortos, enquanto outra versão indica que Zeus o matou como punição por aceitar dinheiro em troca da realização de uma ressurreição. Depois que ele morreu, Zeus colocou Asclepius entre as estrelas como a constelação de Ophiuchus, o Serpentário, ou “portador da serpente”.

Os gregos consideravam as serpentes sagradas, e as usavam em rituais de cura para honrar Asclepius, já que seu veneno era corretivo e sua pele era considerada um símbolo de renascimento e renovação. [LifesLittleMysteries]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

Natasha Romanzoti

é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

27 Comentários

  1. Cesar Grossmann / 6.11.2012
    Duvido que a mitologia hebraica tenha influenciado a mitologia grega. Quer dizer, quem é que dava bola para o que pensava um povinho atrasado e beligerante que vivia na Palestina, 3.000 anos atrás? A rainha de Sabá? Claaaaro…
    .
    A cultura desse povinho atrasado influenciou não somente o mundo antigo, como também o moderno. Claro, isso se você vive no planeta terra! 😀

  2. PRECISAMOS ESCLARECER PARA O BEM DA INFORMAÇÃO:

    O relato de Moisés com a serpente de cobre enrolada em um poste que posssuia poderes de cura ocorreu do ano 1513 ANTES DE CRISTO (ano aproximado da escrita do livro de Exodo).
    O relato de Asclépio (que deriva da Ilíada de Homero) foi escrito, segundo historiadores, apenas entre 850 ANTES DE CRISTO E 1194 ANTES DE CRISTO!!!
    .
    Portanto, para os DESINFORMADOS, o relato Bíblico de Moisés é, no mínimo, 500 anos mas antigo que os escritos que citam Asclépio!!!! Isso coloca o relato do poste com a serpente de Moisés em um período muito anterior a QUALQUER MITOLOGIA GREGA!!! Assim, a mitologia absorveu o relato Bíblico, e não o contrário.
    .
    POrtanto, história mais antiga de um relato de um poste com uma serpente enrolada que cura é o relato Bíblico e não a mitologia.
    .
    Por consequencia, este relato da Bíblia influenciou outros povos, haja vista o “ídolo serpente de cobre enrolada em um poste” permanecer a vista do povo por 700 anos até ser destruído pelo Rei de Judá Ezequias. 700 anos foram suficientes para que o mundo todo conhecesse o relato e esse fosse “plagiado” por Homero na Ilíada com o relato de esculápio (Isso se de fato Homero existiu).
    .
    Quando cito Moisés não falo de um personagem fictício. Ele é um personagem histórico, aceito por cristãos, judeus e islâmicos, além de se haver mais comprovação arqueológica de sua existência do que de existência de Homero.

    • Duvido que a mitologia hebraica tenha influenciado a mitologia grega. Quer dizer, quem é que dava bola para o que pensava um povinho atrasado e beligerante que vivia na Palestina, 3.000 anos atrás? A rainha de Sabá? Claaaaro…

    • Os gregos nem sequer existiam, quando esses povinhos ditos por você atrasados já possuíam conhecimentos avançados sobre diversos assuntos, que por sinal os gregos vieram logicamente a copiar mais tarde.

    • kkkkk moisés é um personagem histórico kkkkkk ta serto!. religiosos.. como sempre criando falsas afirmações. E não se esqueça q seu deus tbm é só mais uma estória pra boi dormir. kkk se um homem que levantou um cajado e dividiu o mar em 2 não é algo ficticio então eu to loko…

    • Tem que ser um cristão para dizer tamanha asneira. Dizer que a mitologia grega foi influenciada por Moisés, um ser desconhecido e adorado por meia dúzia de pobres coitados, é entrar no TOP 5 das burrices do ano.

    • leia os contos Sumérios. ai você vai saber a origem do Caduceu e de todos os contos . eles só foram escritos por volta de 6.000 A.C

  3. Bapa123,parabéns cara, mandou muita sabedoria…Eu achava que era símbolos secretos dos médicos,tipo:Se cura ‘cobra’ se mata ‘cobra…piadinha fdp essa hein??

  4. As cobras entrelaças significam o nosso DNA e o cajado é sabedoria. Cilindros de bronze da civilização suméria de 12000 anos já continham estes símbolos.

  5. Uma outra explicação ainda mais antiga que estas vem do antigo Egito onde Toth(Hermes Trismegisto)Deus da sabedoria e conhecimento, usava esta cajado para estabilizar as energias dos seu pacientes, e outras coisas mais.

    Foi o mais longe que consegui rastrear sobre a historia desse cajado.

  6. Esse símbolo que aparece no inicio do post não é o símbolo da medicina. O símbolo da medicina, o bastão de asclepius é apenas um bastão e UMA cobra. Esse símbolo com duas cobras e asas (caduceu) é o símbolo do Comércio. Essa é uma confusão antiga. Realmente esse símbolo do comércio é ate mais bonito que o da medicina, na minha opinião… Mas não é o correto. Existe uma explicação sobre isso que eu disse na contracapa de um grande livro na medicina, realmente não consigo agora me lembrar qual (talvez o Guyton, Fisiologia Medica, ultima edição..?) Tenho uma explicação bem completa em um post do meu blog sobre o símbolo da medicina: http://tinyurl.com/4jkvaae

  7. O cajado, ou bastão, longo como o Bo japonês ou mesmo mais curtos, como o caduceu, o yawara stick, tb conhecido como bastão do judô, ou ainda mais curto como o Kubotan – do qual sou adepto – e ainda os bastões de comando dos generais,e até umas varinhas mais finas sempre representadas em imagens de bustos egípcios e mais, uma vara longa utilizada para empurrar/remar embarcações diversas como as gôndolas, por exemplo, e diversas outras versões sempre estiveram presentes nas mais variadas culturas humanas sendo utilizados como armas, símbolos de poder e/ou autoridade. Conheço tb uma referência a esse símbolo da medicina que o relaciona aos chakras e elementos da cultura hindu.

  8. Esqueceram de mencionar a passagem bíblica, onde Moisés por ordem de Deus fez uma serpente de bronze estendida em um bastão e todos os enfermos que olhavam para ela ficavam curados.

  9. Isso tem a ver com o fogo serpentino, energia que corre pela coluna vertebral a partir do coccix e subindo até o chakra coronário. Alguém aí da área complemente ou conteste essa informação.
    Abraço a todos

  10. Eu achava que era por causa do Moisés. No Êxodo existia uma passagem em que o povo no deserto descrentes estava planejando uma rebelião. E a ira divina enviou duas serpentes para atacar a todos que rebelaram. Então Moisés pegou seu cajado, e cravou nas serpentes e deixou dependurado, e quem foi atacado por essas serpentes, seria curado. Eu achava que era isso, apesar que foi muito bem antes do apogeu da cultura greco-romana.

  11. Verificando a similiaridade entre estas lendas e a história bíblica ocorrida 1500 anos antes de Cristo, vemos o povo israelita sofrendo uma praga onde serpentes acometeram o povo no deserto próximo do Monte Hor. Foi dito a Moisés que erguesse uma serpente de metal numa haste. Números 21.8,9 “E disse o Senhor a Moisés: Faze uma serpente ardente e põe-na sobre uma haste; e será que viverá todo mordido que olhar para ela. E Moisés fez uma serpente de metal e pô-la sobre uma haste; e era que, mordendo alguma serpente a alguém, olhava para a serpente de metal e ficava vivo”.
    Deus prescreveu a Moisés, a construção de uma serpente de bronze para a qual cada um podia olhar com fé e ser curado. Jesus referiu-se a este relato em João 3.14-15. Ele explicou claramente que a serpente de bronze tipificava sua colocação na cruz. Nossa cura espiritual quanto física, vem de olhar para o Cristo crucificado e nos identificarmos com ele: “pelas suas pisaduras fostes sarados” (1 Pedro 2.24).

    • Gostei muito, agora faz sentido.Estava enjoado de lendas.

Envie um comentário