Quer ficar bêbado e não passar mal? Esse spray é a solução

Publicado em 7.05.2012

Se consumir álcool é moralmente correto ou não, não sei, mas alguém em sã consciência abriria mão da diversão e da confraternização proporcionada pela degustação dessa bebida ilustrada aí em cima?

Muitas pessoas dizem sim a essa questão e afirmam que gostariam de ficar bêbados sem beber coisa alguma e sem sofrer os efeitos colaterais usuais, como as dores de cabeça, por exemplo.

Para atender a essa demanda, o cientista e inventor franco-americano David Edwards, em conjunto com o designer francês Philippe Starck, criou o spray de boca WAIHH Sensações Quantum.

Esse produto deixa seu usuário instantaneamente bêbado. Mas nada é perfeito e, com o WAIHH, não seria diferente. Seu efeito é curtíssimo, cerca de poucos segundos.

De acordo com seus inventores, cada sopro do spray espirra 0,075 mililitros de álcool, produzindo um choque sensorial imediato. Para se equivaler a um único drink, seria necessário aplicar mil doses do produto.

Pode parecer algo totalmente sem propósito, mas essa invenção pode ser bem útil para os alcoólatras, ajudando em seus tratamentos. Seu custo é de 26 dólares – aproximadamente 49 reais.

Não é a primeira vez

O spray tem, porém, uma série de primos, que causam efeitos similares. É o caso de uma pílula de álcool criada pelo cientista russo Evgeny Moskalev. Seu pulo do gato foi transformar o álcool em pó, que, por sua vez, pode ser condensado em pílulas.

Os testes de Moskalev tiveram sucesso. Ele conseguiu criar uma pílula com 96% do teor alcóolico médio encontrado em licores.

Agora Moskalev se debruça sobre pílulas alcóolicas com sabores. Por isso, em breve, se quiser, em vez de pedir uma garrafa de uísque, cerveja ou vinho, toma uma pílula com o respectivo aroma.

Utilizada por alguns adolescentes estadunidenses, uma opção mais drástica é o uso de tampões, segundo o site Examiner e a revista especializada em justiça juvenil Juvenile Justice Information Exchange.

Trata-se de molhar os tampões em bebidas alcóolicas e, depois, colocá-los na vagina (no caso feminino) ou no reto (no caso masculino).

Como?!

Você leu certo. Mas quais as razões para essa medida?

Aqueles adolescentes proibidos de consumirem álcool recorrem a ela, por três motivos. Primeiro, o cheio do álcool não fica tão evidente quanto se fosse consumido normalmente. Segundo, a pessoa fica bêbada mais rápido, pois a substância entra direto na circulação sanguínea. Terceiro, não causa vômitos, mas pode levar à morte por envenenamento alcóolico.

E aí? Vai de quê: spray, pílula ou tampão?[OddityCentral/HuffingtonPost/Examiner/TimesOfIndia/JuvenileJustice/Foto]

Autor: Luan Galani

é jornalista. Entusiasta da Teoria-M, é um rato de biblioteca apaixonado pelo que a ciência pode nos proporcionar. Nas horas vagas, é um amante inveterado de música erudita, que pede perdão aos russos por ainda considerar Mozart a grande lenda.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

4 Comentários

  1. eu proponho acaba com a propaganda de bebidas alcoólicas: na televisão,nas rádios,nos jornais,revistas, internet e outdoors.

    Thumb up 11
  2. Uma dúvida… se tomar a pílula do russo, será que acusa no bafometro?!

    Homem enfiar um OB embebido de alcool no reto é o fim da picada!

    No caso da mulher, juntaria 2 coisas que gosto muito… me faz pensar em sexo oral…

    Thumb up 4
    • O bafômetro não mede o álcool bebido, mede o álcool exalado pelos pulmões. E como este álcool foi parar lá? Pelo sangue. Então, exceto pelo método do spray, nenhum método vai conseguir enganar o bafômetro…

      Pelo menos pelo que eu sei…

      Thumb up 9
    • Saquei!

      Obrigado pela resposta.

      Thumb up 1

Envie um comentário