Toda a informação digital do mundo cabe em um único cérebro humano

Segundo uma nova pesquisa, se fosse possível colocar todos os dados do mundo em CDs e empilhá-los, a pilha se estenderia da Terra para além da lua.

Esse e muitos outros dados e conclusões foram descobertos por Martin Hilbert e Priscila López, que assumiram a difícil tarefa de descobrir quanta informação está lá fora, e como seu armazenamento mudou com o tempo.

Toda a infra-estrutura tecnológica do mundo tem uma capacidade incrível de armazenar e processar informações, que alcançou 295 exabytes em 2007 (um número com 20 zeros), um reflexo da transição mundial quase completa para a era digital.

Hilbert e López pesquisaram mais de 1.000 fontes e peneiraram através de 60 categorias incrivelmente completas de tecnologias analógicas e digitais, de papel e discos de vinil até discos Blu-ray. Ao todo, os pesquisadores dizem que o mundo poderia armazenar 295 trilhões de megabytes comprimidos; comunicar quase dois quatrilhões de megabytes, e realizar 6.4 trilhões de MIPS (milhões de instruções por segundo) em computadores de propósito geral.

Alguns dos resultados parecem óbvios, como o fato da internet e redes de celular terem crescido bastante (28% ao ano), enquanto a TV e o rádio cresceram muito mais lentamente. Outros são mais surpreendentes, como a descoberta de que 75% da informação armazenada do mundo ainda estavam em formato analógico em 2000, principalmente sob a forma de cassetes de vídeo. Em 2007, 94% da informação do mundo era digital.

Em 2007, todos os computadores de uso geral no mundo computavam 6,4 x 1018 instruções por segundo. Segundo os pesquisadores, fazer isso a mão levaria 2.200 vezes o período desde o Big Bang.

A evolução é clara: em 1986, primeiro ano examinado pela dupla, 41% de todas as computações eram feitas por calculadoras. Em 2000, os computadores pessoais estavam fazendo 86% da computação. Até 2007, hardwares de videogames estavam fazendo 25% das computações. No geral, consoles de jogos tem mais poder de computação do que os supercomputadores do mundo.

Os telefones celulares representavam 6% de todas as computações em 2007. É importante notar que esse é o primeiro ano que o iPhone foi lançado, e um ano antes que alguém pudesse comprar um celular desse estilo no mercado de massa. É justo supor que este número tem aumentado exponencialmente desde então.

Porém, eis uma informação que não tem comparação: no grande esquema de informação, estes números que parecem gigantes são apenas um “pontinho”. Eles são ainda menores do que o número de bits armazenados em todas as moléculas de DNA de um ser humano adulto solteiro.

Por exemplo, as 6,4 x 1018 instruções por segundo que a humanidade realizou em computadores de uso geral em 2007 estão na mesma área que a estimativa do número máximo de impulsos nervosos executados pelo cérebro humano em um segundo. Quem precisa de computador? [POPSCI]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Curta no Facebook:

18 respostas para “Toda a informação digital do mundo cabe em um único cérebro humano”

  1. nem mesmo os mais poderosos supercomputadores do mundo não são capazes de processar imensa quantidade de informação quanto um inseto, tomando por base que todo o ser é computacional e as informações circulam por quase todo o sistema orgânico, o todo é um sistema único e extremamente complexo. (afirmo com conhecimento de causa, com formação em Tecnologia em Sistemas Para Internet, programar um sistema de tamanha complexidade será necessário ainda muitas mentes brilhantes trabalhando juntas intensivamente em paralelo por tempo ainda desconhecido)

  2. Mas ainda não sabemos usar nossa mente de forma certa, ou sabemos, sem meu computador não saberia o nome da vizinha, agora, com meu computador.. posso saber o nome do bairro inteiro..,

    Outra coisa, neste trecho:

    Eles são ainda menores do que o número de bits armazenados em todas as moléculas de DNA de um ser humano adulto solteiro.

    Os casados podem armazenar menos informação?

  3. O mal é importante. Dele, resulta os problemas. Dos problemas, o desenvolvimento da nossa inteligência. Parafraseando o titio Einstein, “A mente que se abre a um novo problema nunca mais volta ao seu tamanho original”.

  4. Essa informação esta meio confusa, por que o mundo cria informação a cada milesimo de segundo no espaço do tempo, acho pouco provavel o homem possui isso tudo. Então ele seria ONICIENTE ou ate mesmo um DEUS. Mais de qualquer forma, é bom saber disso.

  5. Não aprendemos nas escoals a desfrutar e se aventurar nas capacidades do nosso próprio corpo, memória e inteligência. Apenas a “saber um punhado de coisas” úteis para uma profissão (útil para as atuais expectativas do momento = mediocre/1000) e os deveres e direitos perante o Estado e a comunidade.

    Talvez, de fato, não precisariamos de computadores, se soubessemos usar o que o mais fantastico ser existente é capaz (o homem)… mas quem está interessado nisso? É apenas trabalhar para comer, beber, divertir-se, dormir… até morrer.

  6. Há uma pequena confusão na informação. Os bits armazenados nas moléculas de DNA não representam a capacidade cognitiva do cérebro humano.
    Assim como o número de impulsos nervosos também não representa que todas as informações correspondentes sejam armazenadas.

  7. “Eles são ainda menores do que o número de bits armazenados em todas as moléculas de DNA de um ser humano adulto solteiro”.

    Os casados têm mais informação em seu DNA?

  8. Acredito que ja estamos mesclando de certa forma nos mesmos com a informacao digital e as maquinas que evoluem a cada segundo.Mas para conseguirmos evoluir ao tal ponto de conseguirmos “pular” uma fase da evolucao…Talvez demore milhoes de anos novamente ate encontrarmos o minimo de uma base global que ficaria mais forte ate conseguirmos mudar de fase…Essa base nao eh nada mais que nossa atual politica capitalista de hoje,,,Aqui fica meu pensamento 😉 T.

  9. Isso só prova que nossa máquina vital, que levou milhões de anos para se desenvolver, é nosso verdadeiro tesouro em meio tanto alvoroço digital.

    Pensamento filosófico: Quando futuramente conseguirmos evoluir de maneira mesclar nós mesmos com máquinas, seres bióticos, não mais precisaremos de “extraterrestres” pois seremos muito mais evoluídos do que eles mesmo.

Deixe uma resposta