Viver sozinho pode aumentar o risco de morte por álcool

Publicado em 26.09.2011

Pessoas que vivem sozinhas têm maior risco de morrer por doenças relacionadas com o álcool e acidentes. Das 18.200 mortes relacionadas ao álcool indentificadas por pesquisadores em um período de seis anos, dois terços estavam entre os indivíduos que viviam sozinhos.

Vários estudos têm cada vez mais mostrado a importância das conexões sociais na promoção da saúde. Nesta pesquisa, os resultados mostram que viver sozinho pode aumentar o risco de abuso do álcool. Por isso, se você mora sozinho, não pode esquecer de tomar cuidado com a bebida.

As sociedades modernas têm enfraquecido as relações sociais, com menos pessoas se casando ou vivendo em grandes famílias. E de acordo com os pesquisadores, nas duas últimas décadas triplicou o número de americanos que dizem não ter confidentes próximos.

Enquanto a solidão é associada a um aumento do risco de morte, poucos estudos têm olhado para causas específicas deste aumento.

Pesquisadores analisaram informações de cerca de 80% das pessoas que morreram na Finlândia entre 2000 e 2007. Causas de morte relacionadas ao álcool, listadas nas certidões de óbito, incluíam doença hepática, intoxicação por álcool e acidentes, assim como a violência que envolve álcool.

Entre 2000 e 2003, os homens que viviam sozinhos tinham 3,7 vezes mais probabilidades de morrer de doença hepática em comparação com homens casados ou que moram junto. Entre 2004 e 2007, esse número quase dobrou. As mulheres que vivem sozinhas também tinham o risco aumentado, mas em menor escala.

Em 2004, uma redução de impostos fez com que o preço do álcool caísse na Finlândia. Além disso, as leis foram alteradas no país, legalizando a importação de quantidades praticamente ilimitadas de álcool de outros países da União Europeia.

O estudo mostrou que quando a disponibilidade de álcool aumentou, o risco de morte relacionado com o álcool também subiu para pessoas que vivem sozinhas. No entanto, o risco para as pessoas casadas e permaneceu quase o mesmo.

Uma razão para esse vínculo pode ser a de que as pessoas solitárias passam a se “automedicar” com uso excessivo de álcool. Além disso, os casais têm um ao outro para controlar seu consumo de álcool. Pessoas que vivem sozinhas não têm essa vantagem.

No entanto, o estudo não mostrou se o abuso de álcool foi a causa ou o efeito de viver sozinho. De qualquer forma, mais estudos são necessários para determinar se as descobertas se aplicam a outros países.

Se você mora sozinho, preste atenção ao seu consumo de álcool e evite acidentes. [LiveScience]

Autor: Patricia Herman

é aspirante a jornalista, tem 21 anos e adora ler, principalmente poemas e a filosofia alemã do século XIX. Tem um único grande vício: música.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

6 Comentários

  1. eu vivo so e solteiro ha ja 5 anos… mas nem por isso faço uso de alcool ou de qualquer substancia deformadora… o q mais atrai mesmo é a mulherada… ahahahaha!!!!!

    Thumb up 2
  2. Olá pessoal,

    Achei a matéria muito interessante. A solidão é mesmo terrível.

    As vezes as pessoas que estão solitárias, buscam um sentido para a vida, buscando uma válvula de escape.

    E de certa forma, o álcool consola. O problema é quando ele se torna um vício.;

    Quando as pessoas se sentem amadas, como certeza, o álcool não será um problema,pois elas estarão felizes.

    Na verdade, quando ele se torna um vício, então é porque algo está errado. Falta mais amor, com certeza. As pessoas não são uma ilha.

    O desafio é encontrar alguém de que valha a pena estar junto. Alguém que agregue valor à vida. Que a torne mais agradável.

    Parabéns à todos aqeueles que já encontraram seu par que agrega valor. E para todos os que estão solitários, desejo a todos que encontrem seu par.

    Felicidade à todos nós!

    Thumb up 3
  3. Bom…eu e minha esposa tomamos algumas nos fins de semana…sempre.
    Acho bom, e ela idem…é só uma forma de divertir.

    Thumb up 1
  4. Acredito que este estudo seja verdadeiro, pois comigo ocorre o inverso pois desde os quinze anos de idade que sou apaixonado por minha esposa e que agora estamos com 62 anos de vida, sendo 47 em comum, e como temos companhia 24 horas por dia, nós nunca tocamos em bebida alcoolica. Vocês poderiam estudar que uma forma de combater o alcoolismo seria uma grande realização amorosa.

    Thumb up 10

Envie um comentário

Leia o post anterior:
PF-inflation-fruit_1854456c
Quer emagrecer? Deixe os carboidratos “ruins” de lado

Se você quer emagrec...

Fechar