5 razões para cancelar as Olimpíadas Rio 2016

Por , em 27.06.2016

Estamos a menos de dois meses da cerimônia de abertura das Olimpíadas Rio 2016, e uma pesquisa conduzida pela asseguradora Allianz Global Assistance mostra que 49% dos norte-americanos acreditam que as Olimpíadas de 2016 deveriam ser canceladas, adiadas ou movidas para outro país, principalmente pela preocupação em relação ao vírus Zika e segurança.

Além disso, 71% deles disse não ter interesse em viajar ao Rio para o evento, sendo que destes, a maioria diz que a doença tem certo peso nesta decisão, enquanto apenas 18% diz que faria a viagem, mas com preocupação sobre o vírus.

Então vamos aos motivos apresentados pelo colunista norte-americano Adam Tod Brown, que é conhecido por suas opiniões polêmicas e nada populares.

5. Zika vírus

zika olimpiadas

Apesar de o Centro de Controles e Prevenção de Doenças dos EUA ter como recomendação oficial que mulheres grávidas evitem o Brasil e que quem visite o país tome uma série de prevenções, inclusive por até seis meses depois de retornar aos EUA, a médica da Organização Mundial da Saúde, Margaret Chan, afirma que não há razão para cancelar, adiar ou mudar o local dos jogos de 2016.

Já Adam tem uma opinião diferente, e não sentiu muita confiança na informação de que o número de mosquitos geralmente cai durante o inverno brasileiro. Segundo ele, o problema está no “geralmente”. “Os ovos dos mosquitos não morrem, eles apenas ficam dormentes quando o clima fica frio. Mas isso muda junto com o clima. Qualquer aumento na temperatura ou umidade, e os ovos vão nascer”, diz ele.

Ele lembra que 150 médicos norte-americanos assinaram uma carta no último mês de maio para a OMS, pedindo o cancelamento ou adiamento dos jogos. “A OMS é a mesma organização que aceitou dinheiro de companhias como Coca-Cola e Nestlé para decidir como lutamos contra a obesidade e diabetes nos Estados Unidos. É como se cartéis de droga decidissem como evitar que cocaína entre no país. Podem me chamar de louco, mas acho que confio mais dos 150 médicos do que na OMS”, argumenta ele.

Atletas olímpicos desistem de competir no Rio

4. A infraestrutura

ciclovia olimpiadas

Adam aponta que vários locais de provas ainda não estão prontos, como o velódromo. “Esta parece uma ótima hora para lembrar a todos que estamos a menos de 50 dias do começo dos jogos”, diz ele. “Na verdade, o governo acaba de cancelar o contrato com a empresa responsável pela construção”.

Mesmo que esses locais fiquem prontos, é provável que sejam terminados em um prazo tão apertado que não haverá tempo para um evento teste.

“A falta de eventos teste é especialmente preocupante quando você pensa na história infeliz do projeto ciclístico associado a essas Olimpíadas. Estou falando da Ciclovia Tim Maia, a enorme faixa de bicicletas que foi entregue em janeiro. Assim que ela foi aberta, o local virou alvo de ladrões. Isso é ruim, mas ainda é melhor que o último problema, que é aquela seção que caiu por causa do mar abaixo, matando duas pessoas”, critica.

Ele teme que o mesmo pode acontecer com outras estruturas dos jogos por conta da pressa em terminar as construções. Adam também falou sobre a declaração do Estado de Emergência no Rio de Janeiro por causa das contas olímpicas.

3. Segurança

polica rio

Adam cita os casos do assalto à mão armada de um atleta paralímpico da Austrália no mês de junho e da invasão por bandidos de um dos cinco hospitais escolhidos para tratar atletas do evento. Cerca de 20 homens fortemente armados entraram no local para resgatar um traficante que era atendido no local.

“Podemos chamar isso de besteira de filme, mas isso acontece no Brasil o tempo todo”, diz ele.

Claro que o caso do afastamento da presidente do Brasil não passou em branco para o norte-americano. “O governo atual do Brasil está completamente em frangalhos neste momento”, afirma. Ele também mostra receios de que o evento seja atrapalhado por protestos políticos.

Outra preocupação é em relação a violência no Complexo da Maré, que fica perto do aeroporto e do estádio que vai receber a cerimônia de abertura.

2. A poluição

guanabara olimpiadas
Um dos maiores argumentos dos países interessados em sediar um evento do porte das Olimpíadas é que as melhorias feitas para a competição ficam de herança para aquela comunidade. Os brasileiros tiveram uma overdose desse discurso com a Copa do Mundo FIFA 2014, mas muitos já suspeitavam que este argumento não funciona muito bem na prática no Brasil.

Uma das mais importantes melhorias no Rio seria a despoluição da baía de Guanabara. Há alguns meses, porém, sabemos que este projeto não será cumprido em tempo. E os atletas estrangeiros também estão muito bem informados sobre este problema sério.

Velejadores estrangeiros que estão treinando no Rio de Janeiro neste mês de junho relatam que não estão percebendo melhora na qualidade da água da baía. Eles se deparam com animais mortos e muito lixo flutuando na praia do Flamengo.

Outro problema sério é o corte no pagamento dos ecobarcos, responsáveis por recolher o lixo flutuante do ponto. Desde o mês de janeiro as três empresas que cuidam do serviço não são pagas. Já entre as 17 ecobarreiras prometidas, apenas 9 foram instaladas até agora. A Secretaria de Estado de Ambiente, porém, garante que tudo estará pronto até o mês de julho.

Adam lembra que além da sujeita visível, o que mais preocupa é a presença de vírus, bactérias e outros agentes causadores de doenças. “Um ‘super-bicho’ resistente a antibióticos estava presente na água (…). Eles juram que a poluição não é um risco para a saúde, mas isso é porque eles não estão testando a água para patogênicos virais”, diz ele.

1. Olimpíadas para quem?

olimpiadas para quem
Adam diz que até os brasileiros não querem as Olimpíadas neste momento. “Quando quase todos os aspectos do seu país estão caóticos, a última coisa que passa pela sua cabeça é conseguir lugares bons para a final de mergulho”, aponta ele.

O governo brasileiro percebeu que a venda dos ingressos estava baixa no mês de abril, quando apenas metade deles haviam sido vendidos. Já para as paralimpíadas, esse número era ainda mais baixo, com apenas 12% dos ingressos vendidos.

Uma das soluções encontradas pelo ministro do esporte, Ricardo Leyser, foi que o próprio governo compre os ingressos restantes, especialmente para as paralimpíadas, e os distribuam para escolas.

“Sei que não é o que os entusiastas do esporte querem ouvir, mas nesse ponto, a forma mais óbvia de garantir que as Olimpíadas aconteçam sem problemas é cancelar tudo e tentar novamente em outro lugar daqui a quatro anos”, conclui ele, muito polêmico. E você, o que pensa sobre este evento na presente conjuntura brasileira? [Cracked, Deadspin, Yahoo News, The Guardian, CDC]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votos, média: 5,00 de 5)

8 comentários

  • Guilherme Varejão:

    Está claro!! Continuamos apenas com as belas paisagens e outro evento como este no Rio, ou no Brasil, está longe de permitirem …

  • Guilherme Varejão:

    Quem estão adorando o tal do “Legado Olímpico” são os nossos maravilhosos políticos …

  • Guilherme Varejão:

    Sem dúvida. Não temos condições de eventos como este, principalmente em nosso Rio de Janeiro. Apesar de ainda termos belas paisagens e só…

  • Marcus Henriques Coutinho:

    Combinado é combinado , ninguém pediu pra fazer a olimpíada aqui, Foi o governo que fez um loby para traze-la. Agora temos que cumprir

  • duda28:

    Xô com as olimpiadas, isto não interessa ao povo, é coisa pra rico que não tem o que fazer.

  • Tibulace:

    O Brasil, tem dinheiro DE SOBRA, para abrigar as Olimpíadas, não é mesmo?Se tiver a prova de mergulho mais fundo na corrupção, nós ganhamos!

  • Davi:

    eu acho que deve ter sim olimpiadas no Brasil, sabesse lá quando outro evento desses ocorrerá aqui de novo

    • EvandroJGC:

      Do jeito que tá andando a coisa, é capaz desse evento sepultar outras chances futuras pra cá…

Deixe seu comentário!