Afinal, porque e até que ponto a acupuntura funciona?

Por , em 26.08.2010

Quanto mais nos afastamos do surgimento da Acupuntura na China (cuja data não é exata, mas calcula-se que sejam uns 2.000 anos), mais ela parece um tratamento médico revolucionário, moderno e “do futuro”. Apesar de ser usado pelos orientais há tanto tempo, para tratar dor e mal-estar, a técnica ainda enfrenta uma cética medicina ocidental, que procura provas de que o tratamento realmente funciona, e como funciona.

Quem experimenta, geralmente, refere se sentir melhor após uma sessão de acupuntura, na qual finas agulhas são inseridas profundamente na pele em pontos específicos do corpo. Apesar disso, cria-se o debate: será que é realmente a aplicação das agulhas que faz a diferença ou tudo não passa de um efeito placebo (que, bem ou mal, funciona assim mesmo)?

Essa fogueira de discussões ganhou mais lenha na semana passada, graças a um estudo médico em Houston (Texas). A pesquisa observou 455 pacientes com dolorosa artrite de joelho, a acupuntura não emitiu mais alívio do que um tratamento comum faria. Entre a Acupuntura e uma estimulação elétrica de nervos (outra técnica ainda em desenvolvimento), os resultados foram mais uma vez muito semelhantes.

Um acupunturista treinado, no entanto, procura personalizar o tratamento de sintomas específicos para cada paciente. Assim, nem todos recebem as agulhadas da mesma maneira, o que sugere que o tratamento possa funcionar melhor para algumas pessoas e nem tão bem para outras. A ideia, basicamente, é a seguinte: praticamente não existem no nosso corpo pontos inativos, nos quais a agulha não faz efeito algum. Dessa maneira, qualquer acupuntura, bem ou mal aplicada, implica em alguma mudança no organismo. Mesmo que a acupuntura tenha apenas um efeito placebo, é uma boa coisa, dizem os cientistas.

Estudos recentes sobre têm criado especulações de que a picada de uma agulha, não necessariamente da acupuntura, pode influenciar a maneira como o corpo processa e transmite os sinais da dor. Um estudo de 2007, que analisou 1.200 pacientes com dor nas costas (um dos fantasmas da meia idade, campeão disparado nos motivos que levam uma pessoa a procurar acupuntura). Metade dos pacientes receberam acupuntura e a outra metade recebeu tratamentos tradicionais no ocidente. Resultado: acupuntura 50% de eficiência, tratamentos antigos, 27%.

Não existe certeza, portanto, sobre quais são os fatores químicos e físicos que determinam a eficiência de acupuntura. Mas a técnica é benéfica de qualquer forma, seja pelos tais fatores “científicos”, seja por propiciar um efeito placebo. Mas há um porém: se for o caso do efeito placebo, seus benefícios não são permanentes como os pacientes esperam, e sim perene. Dessa forma, o alívio nas costas, que o pobre consumidor da acupuntura procura, não duraria mais do que poucos dias. De qualquer maneira, há ainda muito o que investigar a respeito do assunto. [The New York Times]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votos, média: 3,33 de 5)

10 comentários

  • Everton Carlos da Costa Cardoso:

    De acordo com a Medicina tradicional, a acupuntura talvez funcione pelo estímulo do Sistema Nervoso Central para que sejam liberados compostos químicos que aliviam a dor, melhoram o funcionamento do sistema imunológico e regulam outras funções do corpo humano.

  • antonio:

    Cesar esse teste de que fale foi publicado onde
    O que vicÊ diz é uma charlatanice…
    Quantos pacientes entraram nesse estudo 5, 50 500, ou 5000,
    é que quando os estudos da acupunctura funcionam, o argumento dos pseudocientistas é sempre o mesmo..
    O “n” é pequeno…
    Deixe-me perguntar Se tiver um frasco de veneno mortal, e outro de agua, e der a provar aleatoriamente a dez pessoas e as cinco que provaram do frasco de veneno morrerem, quantas pessoas terão de morrer até que o “n” seja suficiente?

    Obviamente o tamanho do “n” depende da magnitude e da direcção dos efeitos…
    E olhe que a eficácia da Medicina Chinesa, é muito grande! Mesmo que você não acredite

  • Eddy:

    Não são 2,000 anos, são 5,000 anos. Mesmo que fosse 2,000 anos, como algo que “não serve” sobreviveria tanto tempo????

    Placebo, outra coisa que melhor “deixamos de lado” dizem os farmacêuticos.
    Se a doença é um estado mental “decantado” ao corpo físico (poderíamos dizer somatização), estudar a função mental sobre a “cura” deveria ser nossa responsabilidade social. Ou curar de uma vez esse engano/ilusão que chama-se hoje de “realidade”.

    MENTAL também é um conceito que vai ter que ser muito ampliado ok amada familia humana?

    A psiconeuroimunologia a quase 30 anos indica isso.
    Se você pensa que vai se curar com um agulha ou com uma boa noite de amor… não vai fazer muita diferença. Bom, todos sabemos que sim têm uma linda diferença.

    Agora pergunto: Se você soubesse que pode curar-se com uma massagem, um passeio ou uma quimioterapia qual você escolheria?
    O problema focal é esse justamente, quanto mais longe dessa “idéia” você estiver, mais nas mãos de nossos escolados estarão. Qual idéia? A idéia de que você pode curar-se. Em verdade não é curar-se, é voltar ao seu estado natural de SER. Porque saúde é NORMAL.

    Então vêm os fantasmas escolados (formados por universidades sustentadas por corporações) e te enchem de medos. E aí não têm jeito, paralisado de medo você não toma riscos, você joga essa responsabilidade para cima de outro. Esse é o médico que vai remediar (dar remédio) para a situação.

    Se fosse como era antigamente, que o médico só ganhava seu salário quando o cliente estava com saúde. Quando caía doente parava de ganhar dinheiro. TUDO BEM.
    Mais hoje o que acontece? Você acha realmente que estes médicos (não todos obviamente, não gosto de generalizar mais com pouco tempo é mais fácil passar a mensagem, senão seria igual afirmar que todos os policiais são corruptos, ou todos os políticos são egoístas… que isso gente… somente 99% 🙂 )… Você acha que vão querer ajudar-te a sair rapidinho dessa situação ANORMAL de “doença”? Que tremendo conflito não? Ganhar dinheiro e sobreviver ou manter um sistema perpétuo de dependência/remediação?

    Mais sobre o tema, uma das perspectivas sérias e perseguidas, com o Dr. Ryke Hamer vejam os vídeos (acho que vão ter que copiar e colar o link completo):
    http://video.google.es/videoplay?docid=-1521978235347176166&hl=ca#
    +
    http://video.google.es/videoplay?docid=-1521978235347176166&hl=ca#docid=-
    4544090866377476126

  • Nelson:

    A acupuntura funciona por que o acupunturista trabalha com energias. Essa energia circula todo o nosso corpo. Como funciona com o trabalho de energias e essa energia também é pensamento, portanto o pensamento negativo atrapalha o bom funcionamento da cura.

  • Ana:

    Nem na emergência resolveram o meu problema, com injeções de antiinflatmatórios e + 5 dias de antiinflamatório (contratura na região lombar). Eu mal conseguia caminhar. Foram 11 dias de dor quase insuportável

    Depois que foi na acupunturista (que também é fisioterapeuta, biomédica e fitoterapeuta, potanto, não é uma “charlatã”), comecei a melhorar. Ainda estou com os adesivos de silício por mais alguns dias, mas já consigo trabalhar e dirigir. No total, já são 14 dias, mas os últimos três, após a acupuntura, conseguindo retormar algumas atividades.

  • Jin:

    se eu tenho uma dor e provoco outra dor em outra parte do corpo (com a agulha no caso), eu sentirei menos a dor anterior por que o cérebro divide a percepção da dor para estes dois pontos de dor. Agora imagine várias agulhas, é claro que a pessoa vai deixar de sentir a dor original.

  • Elizabeth:

    Pois eu tinha dor no braço que nem remédio, nem fisioterapia davam jeito, até que um médico colocou uma agulha no ponto exato em que a dor era mais intensa. Depois dessa sessão de acupuntura a dor nunca mais voltou.

  • Cesar:

    Esqueceram o outro teste da acupuntura: um ator que fazia de conta que era acupunturista, enquanto enfiava agulhas em qualquer lugar, um acupunturista “de verdade” e um médico ocidental usando técnicas da medicina moderna, para tratar não lembro o quê. Quem se deu melhor? O ator que só fazia de conta que era acupunturista.

    Parece que a gente tem um potencial pra se curar quando é tratado por charlatães que não está no gibi. O que explica por que a acupuntura e a homeopatia “funcionam”, e continuam populares.

    • Hilton:

      Mas tanto a “falsa” conto a “verdadeira” ainda sim funcionam mais que os tratamentos usuais.
      O que levanta a questão: Quem engana mais?

  • ana paula camoesas:

    Agulhas,para mim,só as de costurar e mesmo assim não as uso porque picam os dedos.

Deixe seu comentário!