Algas podem limpar locais contaminados por radiação

Por , em 5.04.2011

Sempre que ocorre um acidente nuclear de grande porte, como o que se seguiu ao tsunami no noroeste do Japão no mês passado, a ciência revê seus métodos de como consertas estragos e limpar locais contaminados da radiação. Há algumas maneiras mais eficazes para isso, outras menos, mas pesquisadores da Universidade do Noroeste do Japão parecem ter encontrado um novo e revolucionário meio: as algas.

Usar algas para fins científicos avançados já é um procedimento corrente na ciência. Mas esta novidade surgiu quando um dos cientistas da universidade descobriu que existe uma alga, chamada de Closterium moniliferum, que é capaz de capturar átomos de Estrôncio das superfícies. Com isso, poderia servir para remover um dos elementos radioativos presentes em acidentes nucleares, o Estrôncio-90.

O perigo do Estrôncio é sua semelhança química com o cálcio. Em um local contaminado, pode perfeitamente penetrar em ossos, no leite e no sangue das pessoas ou de animais consumidos por nós. Em áreas amplas onde o risco de contaminação é alto, isso se transforma em uma bola de neve. E a função da Closterium moniliferum é justamente capturar esse Estrôncio.

A alga em questão, na verdade, está atrás de Bário, outro elemento, mas também acaba retendo Estrôncio no processo. Por isso, os cientistas consideram que se coloque Bário junto com as algas, em locais contaminados, para acelerar o processo. Com isso, calculam os cientistas, pode-se limpar grandes áreas de conteúdo radioativo em questão de minutos. É uma segura economia de tempo e dinheiro para países que sofrem acidentes nucleares. [PopSci]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

6 comentários

  • chapecoense:

    podia levar algas para marte para retirar a radiação de la

  • Exordium:

    Maneiro a idéia..mas isso me levantou uma questão..tipo:
    As algas retém o estrôncio,peixes pequenos se alimentam dessas algas,peixes maiores se alimentam dos pequenos e nós nos alimentamos dos peixes maiores,então,no fim o material radioativo viria p nós mas d maneira indireta.À não ser q essa alga “sintetise” o estrôncio,sem acumulá-lo durante sua vida.Mas msm assim a idéia não deixa d ser boa.

  • Hugo SM:

    REMOVER??? E a mesma coisa de varrer o lixo para baixo do carpete,ou apenas uma parte de ele o Estroncio.O desastre esta ai e vai ficar por dezenas ,centenas ou milhares de anos a depender do elemento radioativo.

  • Bolonhesa:

    E no final vão servir essa alga no sushi usaushuahsauhsaushaush

  • Daniel:

    todo elemento radioativo com o passar dos anos perde sua radiotividade, sera que não teria como acelerar esse processo? Seria mais eficiente…
    E uma opnião…

  • Gustavo Souza:

    Nossa que bom! Pode-se minimizar de forma barata os problemas. Mesmo assim ainda acho melhor deixar a energia nuclear de lado.

Deixe seu comentário!