Alguns vídeo games tornam as crianças mais afetuosas e colaboradoras

Por , em 21.06.2009

Esta conclusão chegou depois que pesquisadores realizaram três estudos separados, feitos em diferentes países e com crianças de diferentes idades e com abordagens diferentes. Todos os estudos mostraram que jogar vídeo games com conteúdo pró-social fez com que os jogadores se tornassem mais colaboradores com os outros.

“Vários estudos documentam uma relação entre vídeo games violentos e comportamento agressivo”, afirma Douglas Gentile, psicólogo da Universidade Estadual de Iowa, nos Estados Unidos. “Esta pesquisa é a primeira que documentou os efeitos positivos de jogar vídeo games pró-sociais”, diz. Estes jogos envolvem personagens que ajudam e colaboram com outros, de modos não violentos.

“Os estudos mostram o mesmo tipo de impacto em três grupos de idades diferentes em três culturas muito diferentes”, afirma Brad Bushman, da Universidade de Michigan (EUA). As pesquisas foram realizadas nos EUA, no Japão, Cingapura e na Malásia. Os resultados semelhantes em todas as localidades mostram que as descobertas são válidas e que podem ser generalizadas, de acordo com Bushman.

Um dos estudos foi realizado em Cingapura com crianças com média de 13 anos, e mostrou que realmente há uma relação entre vídeo games violentos e comportamentos mais agressivos, mas também mostrou uma forte relação entre vídeo games pró sociais e crianças mais dispostas a ajudar os outros.

Em outro estudo, realizado nos Estados Unidos, jovens de 19 anos responderam a questões quanto a suas preferências de jogos violentos ou não, e depois receberam uma lista de tarefas que poderiam pedir para outra pessoa fazer. Se a pessoa conseguisse realizar a tarefa, ganharia dez dólares. A pesquisa com 161 jovens mostrou que aqueles que jogavam vídeo games violentos tiveram maior tendência a dar as tarefas mais difíceis aos outros, e serem menos colaborativos.

Outra pesquisa foi feita no Japão e estudou o comportamento em longo prazo de quase dois mil jovens de dez a 16 anos, que responderam um questionário sobre quantas vezes haviam ajudado alguém no último mês e como era sua exposição a vídeo games não violentos. Três meses depois, responderam a outro questionário, que mostrou uma relação entre a exposição a esse tipo de jogos e um comportamento mais prestativo. De acordo com Bushman, “isso mostra que há uma espiral de melhora com o uso de jogos pró sociais, em contraste com uma espiral de decadência com o uso de jogos violentos e comportamentos agressivos”. “Analisados em conjunto, as descobertas mostram que jogar vídeo games, por si só, não é bom ou ruim para as crianças”, afirma Bushman. “É o tipo de conteúdo do jogo que tem o maior impacto, e não o tempo que se passa jogando”, diz. [Science Daily]

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

6 comentários

  • EricaCris:

    Cresci jogando Mortal Kombat e nunca quis arrancar a cabeça de ninguém rsrs Acho que os jogos só influenciam muito se a pessoa tiver mesmo uma mente mais influenciável. É parecido com a situação que vemos de pessoas querendo agredir atores que fazem papel de vilões nas novelas. Mas por que condenar os jogos? Ou, no caso, as novelas? Para mim, parece apenas uma forma mais fácil de escapar do temido “assumir a responsabilidade” por seus atos e problemas (psicológicos ou não), ou seja, é muito mais fácil jogar a culpa na primeira coisa que ver na frente.

  • Ladislau Neto:

    Acho que toda e qualquer arte ou obra tem uma influência no ser humano, em suas visões e pensamentos. Mas não se pode ficar condenando ou censurando determinado tipo de linguagem de comunicação… A vida não é conto de fadas. Que dizer, talvez também seja, mas se é, também não é só isso. A maior atrocidade já cometido pela humanidade, segundo a História, foi a Segunda Guerra Mundial, com um massacre de milhões de inocentes. Não existiam videogames naquela época.

    O que vai fazer diferença na vida da criança é o conhecimento que ela recebe. Sua educação e informação. Não adianta querer jogar essa responsabilidade em videogames ou seja lá o que for.

  • Renan Lemes:

    Eu concordo plenamente com as pesquisa acima mencionada . Sou estudante de pedagogia , e vou trabalhar com crianças após formado , e através de algumas observações feitas por mim mesmo , descobri que as crianças que jogam games educativos ou que requeiram muito o uso de raciocínio lógico e coordenação motora , vão bem na escola , além de estarem aprendendo com mais facilidade línguas estrangeiras. Os games violentos , podem influenciarem sim , mas existem crianças que são mais vulneráveis, são aquelas que já nascem com algum problema psicológico , não grave , mas que se não observado pode fazer com que essa criança ao crescer se torne violenta e agressiva.

  • Angela Bitello:

    Olá.
    Penso, que os jogos violentos, são capaz de influenciar sim, o comportamento de nossas crianças e adolecentes.
    Através da insõnia, não querem fazer mais as tarefas da aula e ficam agressivos principalmente com os pais.

  • Rocha:

    Não sou da área de humanas, nem tenho conhecimento sobre isto, mas este estudo não me parece conclusivo. Ele, por exemplo, não havalia se pessoas “violentas” prefiram jogos violentos, e pessoas mais sociáveis escolham jogos apresentados aqui como pró-sociais.
    Ou seja, o jogo torna a pessoa mais sociável, ou a pessoa sociável que joga aquele jogo.

  • Fernando:

    Viva ao Donkey Kong!

Deixe seu comentário!