Coisas estranhas acontecem quando uma IA gera imagens a partir de música

Por , em 2.04.2020

As pessoas ainda aprendem a melhor forma de empregar as redes neurais artificiais, aprendizado de máquina e avanços em inteligência artificial. Entre as pesquisas práticas há a busca por empregar essas técnicas de forma a beneficiar a sociedade. Mas também há aquelas relacionadas a outras necessidades humanas como a criatividade e a arte.

Processamento automatizado de imagens tem sido um ponto forte das redes neurais artificiais. Ele foi abastecido em parte pelo grande compartilhamento de imagens pessoais na internet. Esse hábito contribuiu com um grande arquivo usado para treinar IAs para fazer coisas que vão desde envelhecer usuários até criar fotos realistas de pessoas que não existem.

Novas misturas

Mario Klingemann resolveu dar ritmo a essa mistura. Ele imaginou o que aconteceria se as redes neurais artificiais criassem rostos em sincronia com música. Klingemann usou a nova Rede Geradora Adversária (GAN, sigla do inglês), StyleGAN2, criada pela Nividia e liberada como ferramenta open source há mais de um ano.

A tecnologia GAN pode ser usada para criar uma imagem aparentemente real a partir de referências, envelhecer ou rejuvenescer rosto de pessoas em fotografias, colorizar e aumentar a resolução de imagens.

Klingemann ajustou a ferramenta com base no espectro sonoro do arquivo de áudio da música Triggernometry de Kraftamt. Seguidores do Twitter sugeriram que Klingemann destacasse alguns dos resultados mais expressivos. Parte desses horrores só é percebida quando o vídeo é visto a cada frame, porque as imagens passam rápido, de acordo com a batida da música.

O artista alemão Mario Klingemann usa redes neurais, códigos e algoritmos como ferramentas para produzir suas obras. Ele é artista residente do Google Arts & Culture. É considerado pioneiro no uso de aprendizado de máquina na arte. [Gizmodo, Interesting Engineering, Quasimodo]

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

2 comentários

  • Leandro Ernesto:

    A IA é racista?

    • Cesar Grossmann:

      Não é, mas até onde eu sei, as faces geradas dependem do conjunto de imagens usados para gerar as mesmas.

Deixe seu comentário!