As primeiras estrelas que existiram no universo

As primeiras estrelas do nosso Universo são um mistério para a ciência. Chamadas de estrelas da População III, até agora nenhuma delas foi registrada por nenhum telescópio. Apesar disto, a ciência já conseguiu deduzir algumas coisas sobre elas.

As estrelas que seguiram à população III são as da população II, que depois se seguiram às estrelas da população I. Mas não se sabe com certeza, por exemplo, se as estrelas da população III surgiram antes ou depois das primeiras galáxias.

Origem e formação

As estrelas da População III se formaram em condições especiais. Sendo as primeiras estrelas do universo, elas se formaram a partir de nuvens de hidrogênio e hélio, ou seja, sem nenhum elemento metálico (das famílias dos metais, na tabela periódica).

Esta diferença é crucial, porque as nuvens moleculares das quais as estrelas da população II e I se formaram tinham partículas de poeira, que ajudavam no processo de resfriamento.

Além disso, a abundância de hidrogênio e hélio (o universo era menor, e mais denso) fazia com que as estrelas da primeira geração fossem imensas – mas o tamanho máximo que elas podiam alcançar ainda é assunto de debate.

Outro aspecto das estrelas desta geração era sua velocidade de rotação. Rotadoras rápidas, grandes e quentes, estas estrelas são diferentes de tudo que vemos no céu, hoje.

Período de formação

Embora não tenhamos observado ainda qualquer destas estrelas, já sabemos exatamente onde procurar. As estrelas da população III se formaram depois que a radiação cósmica de fundo foi emitida, ou seja, elas começaram a se formar pelo menos 380 mil anos depois do Big Bang.

Além disso, a estrela mais antiga que já foi observada é a HE 1523-0901, uma estrela da população II, com uma idade de 13,2 bilhões de anos.

A observação desta estrela nos dá o limite para o fim da formação de estrelas da população III. Elas continuaram surgindo nos 500 milhões de anos seguintes, quando começaram a aparecer as estrelas de população II.

Muito provavelmente elas eram extremamente massivas e por isso muito instáveis, de vida relativamente curta. Este tipo de estrelas, sabemos hoje, tem uma vida muito curta e quando explode em uma supernova ou hipernova espalha suas entranhas enriquecidas com novos elementos além do hélio e do hidrogênio que as formaram originalmente. Estrelas são como fornos que, ao submeterem hélio e hidrogênio e pressões e calor tremendo, cozinham novos elementos em seu interior.

Observação

Pela distância, a luz das estrelas da população III deve ter sofrido um redshift (desvio para o vermelho) tremendo, colocando a luz delas na faixa do infravermelho.

Espera-se que o telescópio espacial James Webb, o substituto do telescópio espacial Hubble, que vai trabalhar exclusivamente na faixa do infravermelho, esclareça se estas estrelas realmente existiram, e quais são suas características.

Por enquanto, o que temos são hipóteses, e imagens criadas por artistas, como a foto acima, de uma pintura de Adolf Schaller. [Facebook]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Curta no Facebook:

4 respostas para “As primeiras estrelas que existiram no universo”

  1. Não sou um estudioso desta matéria, porém podemos admitir que houve realmente esta implosão, que explica uma bola de futebol com pressões negativas, sobre a sua superfície, onde bolas maiores, tenham pressionado a bola de menor resistência, o que não podemos saber, se pertencemos aquela bola ou a outras, como tudo está sobre a gravidade, que é gerada pelo movimento, poderia ser pensado coisas assim.

  2. q idéia mais idiota essa de o universo ter começado de fora para dentro… isso diria q o universo é totalmetne finito e bem delimitado, com um centro de choque violento no centro dele… a única coisa mais rápida q a velocidade da luz, é a velocidade de crescimento do universo, o q limita a nossa visão a uma imagem aproximada de 13,2 bilhão de anos. O que acredito, é que as estrelas da população III estão mais próximas que qualquer outra coisa, mas, não consiguimos ve-las, pois já se colapsaram, e viraram os buracos negros que existem no centro das galáxias, o que poderia explicar o tamanho, e a de onde surgiu a matéria prima das galáxias.

  3. As primeiras estrelas do universo que vemos agora, são realmente as ultimas. O universo não nasceu de dentro para fora e sim de fora para dentro. Se nascesse de dentro para fora, toda a matéria existente teria que estar dentro de um (ovo cósmico) universo, que não existia. Nascendo de fora para dentro, tudo se explica melhor. As matérias seriam formadas e foram se aglomerando, uma após outra e enchendo o universo. Seria como uma galáxia gigantesca. Veja na internet: “Um tour por todas as galáxias que conhecemos até hoje”. Este video não foi feito com esta intensão, mas explica melhor esta disparidade.

Deixe uma resposta