Cobras se casam em vila no Camboja! Veja a cerimônia

Por , em 4.01.2011

O mundo é um lugar incrível. E quanto mais a gente conhece, mais esquisitices parecem se proliferar no mapa. Esse com certeza é o caso dessa história que você vai conhecer agora. A história de um lugar praticamente esquecido por todos, mas que tem uma tradição que chama atenção. Seja pela força de sua crença, pelo exotismo dos protagonistas ou até pelo motivo que é realizada. Que, acredite se quiser, é o mais nobre possível.

Afinal, o que você faria para abençoar seu povo? Acredito que não precisamos viajar para muito longe para nos supreendermos com essa resposta.

cobras se casam no camboja

Mais de mil pessoas se reuniram na vila Sit Bow, no Camboja, para assistir ao casamento de duas cobras. Lá, eles acreditam que casando os animais, a vila será abençoada com prosperidade.

A cerimônia de casamento das cobras

O nome do noivo é Krong Pich; a noiva se chama Chamerun. E toda a vila foi convidada para prestigiar a exótica cerimônia.

Os habitantes do Camboja, em sua maioria são budistas, mas acreditam que espíritos habitam o corpo de animais – então cada vez que algum bichinho bizarro aparece em alguma vila, há boatos de que ele poderia estar incorporando algum espírito importante.

O casamento foi realizado porque videntes disseram aos donos das cobras (que são realmente animais de estimação) que os répteis eram almas gêmeas abençoadas pelos deuses e que, se eles não se casassem, a vila toda seria tomada por uma onda de má-sorte. Com um aviso desses, acho que eu também providenciaria uma cerimônia o mais rápido possível!

No casamento, dois monges budistas abençoaram o casal enquanto o resto da vila cantava músicas tradicionais de matrimônio. Confira as fotos:

É tão estranho e fascinante ao mesmo tempo, não é? Esse é o mundo em que vivemos. Rico, supreendente e cheio de surpresas.

[OddityCentral]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

29 comentários

  • Branca:

    Até as cobras casam e você não.

  • criancinha:

    Ok, Zé

  • Zé:

    Acho que estamos de acordo então, criancinha. Pelo menos nos pontos principais. Concordo com vc que a crença da pessoa, seja ela qual for, e principalmente a religião, que é um conjunto de crenças e ritos compartilhados, não podem ser obstáculos para a ciência. Da mesma forma a ciência não se deve colocar no lugar da religião, pois em sua origem ela também se baseia na crença de que á natureza segue uma lógica e pode ser racionalizado e conhecido pelo homem. Na minha opinião religião e ciência tem objetivos diferentes: a primeira busca o conforto e salvação da alma, a segunda busca o conhecimento da verdade. Não existe garantia alguma que qualquer um dos dois objetivos possa ser alcançado, a não ser que ambos são inclinações da natureza humana.

    Obrigado pela oportunidade de discussão e por ter dado seu ponto de vista e escutado o meu.

    Att.
    []s

  • criancinha:

    Ciência e fé são duas faces da mesma moeda. Ambas são formas de se buscar um conforto da curiosidade humana pela busca do saber verdadeiro.

    A fé só reflete aquele medo do desconhecido que todos nós temos, e por ser tão pavoroso necessitamos urgentemente de respostas, por mais que possam “doer”. A ciência é nada mais do que o homem aprendendo a lidar com seus medos e respeitar a natureza como ela é, e não como queremos que ela seja.

    Existem mesmo necessidades humanas ditas irracionais, mas são inerentes à sua condição fisiológica, não podem ser colocadas em pedestal a ponto de se fazerem absolutas, o que pode gerar discriminação e intolerância. Vejo que a fé pode tender a esta consequência, pois ela necessariamente inibe a curiosidade humana (caracteristica essencial para o desenvolvimento da intelectualidade humana), levando, portanto, ao conformismo e comodismo.

    Veja como “fé” qualquer forma de crença em determinada ideologia, a qual se segue por puro conforto mental, sem o ceticismo devido para que uma idéia se faça tão clara para si como se ele próprio a tivesse descoberto: sejam crenças teístas, sejam crenças ateístas.

    O importante então é que o homem nunca perca seu desejo de saber mais do que “sabe”, que se atreva a criticar e opniar acerca das tradições e comportamentos irracionais “divinizados”. Deve permanecer em constante diálogo com a natureza.

    É isso que eu louvo no conhecimento cientifico: sua característica de se auto criticar, de buscar evidências da verdade, levando consigo descobertas da natureza mas sem paixões,para não carregar a fé em nenhuma de suas afrimações (isso é até difícil, pra não dizer utópico, pois a paixão também é da natureza humana).

    Mas eu não sou contra o que voce disse. Temos que respeitar todas as formas de comportamento, que não nos agridam ou a outrem. Mas devemos respeitar sobre tudo o ser humano em si, que nasceu dentro de uma tradição, lhe dando a oportunidade de observar a natureza sob novos prismas, se assim o querer claro (aqui está o respeito) – por mais que isso possa extinguir essas “manifestações culturais” com o tempo….

    Att.

  • Zé:

    entendo… porém certos comportamentos ditos “irracionais”, ou crenças, considero que fazem parte da própria natureza humana. São formas de explicar o desconhecido, o que a ciência não pode alcançar pois está fora de seu escopo. O ser humano tem outras necessidades além daquelas que promovem o desenvolvimento intelectual, e essas necessidades são igualmente úteis… são o que dão sentido a sua existência incerta, pois a ciência nunca dá certeza, mas apenas uma explicação provável, que pode ser refutada e que não é duradoura, já que para que haja evolução científica, tem que seu conhecimento tem que ser dessa natureza.

    A tendência de evolução da humanidade acredito que segue o caminho que você propõe. E num futuro, talvez não muito distante, exista apenas uma cultura unificada, dado a globalização que hoje observamos. Certas manifestações culturais serão apenas regionalismo… Temo que a ciência passe a ocupar o lugar das crenças “não racionais” observadas hoje. Acho que devemos manter em vista que uma coisa é conhecer algo e outra coisa e crermos, ou termos fé. Ambas fazem parte da necessidade humana e dão sentido à nossa existência… o vazio provocado pela perda de uma dessas necessidades pode provocar grandes prejuízos ao homem e à sua convivência em sociedade. Pelo menos é o que suponho. 🙂

  • criancinha:

    errata: troque “sub-cultura” por “qualquer cultura”, fica mais imparcial.

    att.

  • criancinha:

    Eu não falei em nenhum momento que a minha cultura é superior à qualquer outra. Eu também patico comportamentos que são irracionais e ilógicos, que não contribuem para o meu desenvolvimento intelectual.

    Se voce amplia o conceito de cultura, então eu reduzo minhas deduções anteriores à determinados “comportamentos” culturais.

    Tem comportamento sim que é fútil e não contribui em nada para a sociedade e o ser humano. Isso é que merece tratamento para ser mudado, caso os seus adeptos o façam por absoluta ignorância, e não somente por algum tipo de prazer.

    O que devemos aproveitar de uma “sub-cultura”? Tudo aquilo que eles pratiquem e que seja comprovadamente útil para o desenvolvimento intelectual, por mais que o façam por motivos alheios (“sobrenaturais”). Só isso que se precisa manter.

  • Zé:

    criancinha, que bom, pelo menos vc ainda acredita que o ser humano, individualmente ainda pode ser “salvo”. Quando digo cultura, estou falando num sentido amplo, de complexo conjunto de crenças, costumes, conhecimentos, formas de comportamento… não digo no sentido de grau de evolução intelectual. Que o desenvolvimento intelectual é de extrema importância isso para mim é inquestionável… e pode existir em qualquer cultura.

    Só não acho que uma Cultura (nesse sentido amplo) deveria se considerar superior a outra, mas respeitá-la, preservá-la e dividir conhecimentos com essas… muitas culturas foram destruídas (e não só pela força) só para depois ser descoberto como aquela cultura era rica e poderia ensinar muito à nossa.

    Acho que a forma como se expressou beira a eugenia, base do nazismo. Considerar a SUA cultura como superior é fácil, tentador e perigoso…

  • criancinha:

    Zé, Hitler realmente tinha um pensamento semelhante ao meu, mas ele só discordava comigo em dois pontos:

    1) Para Hitler culturas involuídas merecem ser extintas somente pela força, pela opressão. E não por meio de paulatina instrução intelectual dos seus membros.

    2) Por fim, ele acreditava que a melhor cultura não é aquela que advém exclusivamente da evolução racional do ser humano, mas por acreditar na exisência de uma raça de humanos totalmente superior, a Ariana.

    Att.

  • luiz mario:

    criancinha, descordamos em outros assuntos passados mas desta vez você concordou comigo acho que nós 2 estamos evoluindo…mas enquanto isso permancescem os costumes bizarros e seus adeptos e as tragédias acontecendo, mas tudo que eles querem é ver chegar o carnaval e mais uma parada _ _ _ gente vamos ter um pouco de sensatez para vivermos um pouco mais de anos neste planeta não adianta tirarmos o lixo das encostas se não tirarmos o lixo do nosso interior(coração).

  • Zé:

    criancinha, é muito bonito o que vc falou… Hitler pensava igual a vc!

  • criancinha:

    Existem sim forma de cultura inferiores e outras superiores nesse mundo. A diferência vai estar no grau no grau de evolução intelectual dos seus membros que a praticam.

    Vão dizer que não há diferença evolutiva entre:

    -uma espécie de cultura que passa 18 horas por dia ajoelhada em frente a um crânio de animal, esperando que faça chover;

    -uma espécie de cultura que promove a pesquisa científica e investigação filosófica não dogmática, para conhecer e observar os acontecimentos da natureza;

    – ou entre uma espécie de cultura que prega que as pessoas com certo grau de deficiencia merecem um tratamento especial e mais adquado à sua realidade.

    – e outra cultura que enterra seres humanos vivos por nascerem com alguma deficiência, por que são encarnação do mal (isso é fato, praticada por tribo indígena amazônica)

    Cultura involuída deve ser mesmo extirpada da humanidade, não pela força, mas somente por meio da instrução e educação. O lugar deles é só museu e em livros.

    Qual é então e melhor cultura? A melhor é aquela originada tão somente da melhor razão, da intelectualidade, só isso.

  • cá:

    sei lá entendi….
    acho que não tem nada a ver…

  • luiz mario:

    Pra muita gente até um terreiro de macunba é cultura. sinceramente.

  • Walber:

    As vezes da vergonha ser um ser humano.

  • luiz mario:

    essa que aparece na foto do casamento é nossa amiga rosiane.

  • Zé:

    falando sério agora, concordo com a Rosiane! Esses costumes como carnaval, festas típicas, e mesmo o casamento entre cobras, são justamente a expressão da cultura do país e mostram sua riqueza… não tem essa de cultura mais evoluída ou melhor que a outra. Apenas são diferentes. Existe sim, infelizmente, culturas exploradoras e outras exploradas, há uma imposição de uma cultura sobre a outra que faz justamente que pessoas como o luiz mario faça comentário como esses, muito triste…

  • luiz mario:

    Bela cultura essa de fazer casamento de cobra, isso ai é 3º 4º… mundo, todo mundo sabe que a educação de paises como a do Brasil ocupa as últimas posições no ranking, é culçtura pobre quando não se tem educação.

  • Renata:

    Que bonitinho =)

  • Rosiane:

    Luiz Mario, que comentário infeliz!!! Não existe cultura rica ou pobre, são distintitas, particulares a cada povo e, portanto, nenhuma inferior à outra…Nossa, é um curto espaço pra que você possa entender isso…sugiro um pouco mais de leitura, pesquise o que significa o termo Cultura e até lá sugiro que se cale quando o assunto vier à tona…é como dizem, quando não se tem o que dizer é melhor se calar.

  • Zé:

    É verdade mesmo Cintia, já cultuam vacas há muito tempo??? Não me diga!!! Que coisa hein… ¬_¬

    Casamento de cobra com cobra, que absurdo fazem com esses pobres animais… acreditam que já ouvi falar de uma outra barbaridade que também fazem com indefesos animais: colocam aranhas para brigar!

    Onde estão os defensores dos direitos animais numa hora dessas?!

  • pedro:

    esso eum orror tem cuidado o mrido pode comer a outra ja vi esso

  • luiz mario:

    PAISES POBRES E SUAS CULTURAS POBRES COMO NO BRASIL TAMBÉM, OU VOCÊ JÁ VIU CASAMENTO DE COBRA NA INGLATERRA OU CARNAVAL FORA DE ÉPOCA NA DINAMARCA.

  • Manuel Bravo:

    Uma boa forma para inventar casamento (festa), coitados dos
    bichinhos, agora vão ter de cumprir leis de casamento
    humanas!!!

  • Reynaldo Andrade:

    No nosso pais, isto é comum já bem conhecido, casamento de cobra com cobra, até os cobras com cobras, se não o sistema financeiro por aqui já tinha deteriorado.

  • Cintia:

    já cultuam vacas há muito tempo…acorda…afff

  • pri:

    qual o problema? tem cobras se casando aqui tbm!!!

  • CRC:

    Criancinha, não podemos criticar a cultura de uma comunidade na medida em que temos rituais tão estranhos quanto.

  • Zé:

    É cada uma hein! Só falta agora cultuarem vacas… oh, whait!

Deixe seu comentário!