Carne não está destruindo o planeta, diz especialista

Por , em 28.12.2018

O consumo de carne está na mira das pessoas que se preocupam com o meio-ambiente. Estudos mostram que o consumo de carne deve ser diminuído drasticamente para que possamos salvar o planeta. Mas este não é um consenso. Outros especialistas e estudos também mostram que a influência da carne nas mudanças climáticas não é tão grande quanto se pensa. Em um texto publicado no portal The Conversation, Frank M. Mitloehner, professor de Ciência Animal e especialista em Extensão da Qualidade do Ar, da Universidade da Califórnia, nos EUA, rebate alguns pontos sobre os problemas causados pela produção pecuária no meio ambiente. O texto completo pode ser lido abaixo:

“À medida que a escala e os impactos da mudança climática se tornam cada vez mais alarmantes, a carne é um alvo popular. Os militantes pedem que o público coma menos carne para salvar o meio ambiente. Alguns ativistas pedem a taxação de carne para reduzir o consumo. Uma alegação-chave subjacente a esses argumentos sustenta que, globalmente, a produção de carne gera mais gases do efeito estufa do que todo o setor de transporte. No entanto, esta afirmação é comprovadamente errada, como mostrarei. E sua persistência levou a falsas suposições sobre a ligação entre carne e mudança climática.

Minha pesquisa se concentra em maneiras pelas quais a agricultura animal afeta a qualidade do ar e a mudança climática. Na minha opinião, há muitas razões para escolher a proteína animal ou optar por uma opção vegetariana. No entanto, a carne e os produtos precedentes da carne não são a panacéia ambiental que muitos nos fazem acreditar. E se levada ao extremo, (a ideia de diminuir o consumo de carne) também poderia ter consequências nutricionais prejudiciais.

Definindo corretamente os registros da carne e dos gases de efeito estufa

Uma boa parte da má reputação da carne gira em torno da afirmação de que a pecuária é a maior fonte de gases de efeito estufa no mundo. Por exemplo, uma análise de 2009 publicada pelo Worldwatch Institute, baseado em Washington, D.C., afirmou que 51% das emissões globais de GEE vêm da criação e processamento de gado.

De acordo com a Agência de Proteção Ambiental dos EUA, as maiores fontes de emissões de GEE dos EUA em 2016 foram a produção de eletricidade (28% do total de emissões), transporte (28%) e indústria (22%). Toda a agricultura foi responsável por um total de 9%. Toda a agropecuária contribui com menos da metade desse montante, representando 3,9% do total das emissões de gases de efeito estufa dos EUA. Isso é muito diferente de afirmar que o gado representa tanto ou mais do que o transporte.

Por que o equívoco? Em 2006, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês) publicou um estudo intitulado “Livestock’s Long Shadow”, que recebeu grande atenção internacional. Afirmava que o gado produzia impressionantes 18% das emissões mundiais de gases de efeito estufa. A agência chegou a uma conclusão surpreendente: a pecuária estava fazendo mais para prejudicar o clima do que todos os modais de transporte combinados.

Esta última alegação estava errada e foi corrigida por Henning Steinfeld, autor principal do relatório. O problema foi que os analistas da FAO usaram uma avaliação abrangente do ciclo de vida para estudar o impacto climático da pecuária, mas um método diferente quando analisaram o transporte.

Para o gado, eles consideravam todos os fatores associados à produção de carne. Isso incluiu emissões da produção de fertilizantes, conversão de terras de florestas em pastagens, cultivo de ração e emissões diretas de animais (arrotos e estrume), do nascimento até a morte.

Dieta humana nos últimos 20 mil anos trouxe grandes mudanças físicas

No entanto, quando analisaram a pegada de carbono dos transportes, ignoraram os impactos no clima, desde a fabricação de materiais e peças de veículos, montagem de veículos e manutenção de estradas, pontes e aeroportos. Em vez disso, eles consideraram apenas o escape emitido por carros, caminhões, trens e aviões.

Como resultado, a comparação da FAO das emissões de gases de efeito estufa da pecuária com as do transporte foi bastante distorcida.

Eu apontei essa falha durante um discurso para colegas cientistas em São Francisco em 22 de março de 2010, o que levou a uma enxurrada de cobertura da mídia. Em sua defesa, a FAO imediatamente assumiu o erro. Infelizmente, a alegação inicial da agência de que a pecuária era responsável pela maior parte das emissões mundiais de gases de efeito estufa já havia recebido ampla cobertura. Até hoje, lutamos para “desligar” esse sino.

Em seu relatório de avaliação mais recente, a FAO estimou que a pecuária produz 14,5% das emissões globais de gases de efeito estufa provenientes de atividades humanas. Não há avaliação comparativa do ciclo de vida completo para o transporte.

No entanto, como Steinfeld apontou, as emissões diretas de transporte versus gado podem ser comparadas e equivalem a 14% versus 5%, respectivamente.

Abandonar a carne não salvará o clima

Muitas pessoas continuam pensando que consumir carne tão raramente quanto uma vez por semana fará uma diferença significativa no clima.

Mas, de acordo com um estudo recente, mesmo que os americanos eliminassem todas as proteínas animais de suas dietas, reduziriam as emissões de gases do efeito estufa nos EUA em apenas 2,6%. De acordo com nossa pesquisa na Universidade da Califórnia, em Davis, se a prática da Segunda-Feira sem Carne fosse adotada por todos os americanos, veríamos uma redução de apenas 0,5%.

Além disso, as mudanças tecnológicas, genéticas e de manejo que ocorreram na agricultura dos EUA nos últimos 70 anos tornaram a produção pecuária mais eficiente e menos intensiva em gases de efeito estufa. De acordo com o banco de dados estatísticos da FAO, o total de emissões diretas de gases de efeito estufa provenientes da pecuária norte-americana caiu 11,3% desde 1961, enquanto a produção de carne bovina mais do que dobrou.

A demanda por carne está aumentando nas economias emergentes e em desenvolvimento, com o Oriente Médio, o Norte da África e o Sudeste Asiático à frente. Mas o consumo de carne per capita nessas regiões ainda é menor que o dos países desenvolvidos. Em 2015, o consumo médio anual de carne per capita nos países desenvolvidos foi de 92 quilos, comparado a 24 quilos no Oriente Médio e Norte da África e 18 quilos no Sudeste Asiático.

Aquecimento global pode ser muito pior do que o previsto, sugere estudo

Ainda assim, dado o crescimento populacional projetado no mundo em desenvolvimento, certamente haverá uma oportunidade para que países como os Estados Unidos tragam suas práticas sustentáveis ​​de criação de gado para a mesa.

O valor da agricultura animal

Remover animais da agricultura dos EUA reduziria as emissões nacionais de gases de efeito estufa em um grau menor, mas também tornaria mais difícil atender às necessidades nutricionais.

Muitos críticos da agricultura animal são rápidos em apontar que, se os agricultores criassem apenas plantas, poderiam produzir mais quilos de comida e mais calorias por pessoa. Mas os humanos também precisam de muitos micro e macronutrientes essenciais para uma boa saúde.

É difícil criar um argumento convincente de que os Estados Unidos têm um déficit calórico, dadas as altas taxas nacionais de obesidade de adultos e crianças. Além disso, nem todas as partes das plantas são comestíveis ou desejáveis. A criação de gado é uma maneira de agregar valor nutricional e econômico à agricultura de plantas.

Como um exemplo, a energia nas plantas que o gado consome é mais freqüentemente contida na celulose, que é indigesta para humanos e muitos outros mamíferos. Mas vacas, ovelhas e outros animais ruminantes podem quebrar a celulose e liberar a energia solar contida neste vasto recurso. Segundo a FAO, cerca de 70% de todas as terras agrícolas em todo o mundo são terras que só podem ser utilizadas como pastagens para o gado ruminante.

A população mundial está atualmente projetada para atingir 9,8 bilhões de pessoas até 2050. Alimentar essa quantidade de pessoas irá gerar imensos desafios. A carne é mais rica em nutrientes por porção do que as opções vegetarianas, e os animais ruminantes prosperam em grande quantidade em rações que não são adequadas para humanos.

A criação de gado também oferece uma renda muito necessária para os pequenos agricultores das nações em desenvolvimento. Em todo o mundo, o gado fornece um meio de subsistência para 1 bilhão de pessoas.

As mudanças climáticas exigem atenção urgente, e a indústria pecuária tem uma grande pegada ambiental global que afeta o ar, a água e a terra. Estes, combinados com uma população mundial em rápido crescimento, nos dão muitas razões convincentes para continuar a trabalhar por maior eficiência na agricultura animal. Eu acredito que o lugar para começar é com fatos baseados na ciência.”

O texto de Mitloehner também foi publicado no portal Science Alert. Lá, o editor do portal faz uma nota lembrando que a correção de 2010 do autor do relatório da FAO, mencionada no texto, foi financiada por uma concessão do Beef Checkoff Program, um programa de marketing e pesquisa financiado pelos produtores de carne americanos destinado a “aumentar a demanda interna e / ou internacional de carne bovina”. [The Conversation, Science Alert]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (27 votos, média: 4,04 de 5)

Deixe seu comentário!