Por que a Curiosity em Marte está proibida de investigar a água encontrada?

Por , em 1.10.2015

Esta semana, os cientistas da NASA anunciaram que haviam encontrado evidências químicas de água líquida na superfície de Marte. Mesmo que a descoberta tenha uma fundamentação convincente, a existência de rios sazonais de água no planeta vermelho nunca será 100% confirmada até que possamos ver, tocar e analisar a água. Se não há seres humanos em Marte para fazer isso, nós vamos ter que estudar essa água indiretamente, através de nossos robôs lá.

A questão é que não podemos. A sonda Curiosity da NASA está a cerca de 50 quilômetros do local onde os cientistas suspeitam que exista água marciana em estado líquido, mas graças a um tratado internacional assinado em 1967, ela não tem permissão para chegar perto.

Isso porque, para chegar na superfície de Marte, a Curiosity teve que viajar 225 milhões de km a partir da Terra através do espaço, e ao longo do caminho pode ter pego sujeira, poeira e todos os tipos de micróbios misteriosos que a deixam muito longe de ser estéril. A pobrezinha não teve a chance de tomar um banho.

Mesmo que os cientistas façam o seu melhor para esterilizar seus equipamentos até que cheguem ao seu destino por meio do que o astrônomo Alan Duffy, da Universidade de Swinburne, na Austrália, descreve como um “salão de bronzeamento ultravioleta muito intenso”, se eles não podem garantir a esterilização, não há como se aproximar da água.

“Uma vez que a água líquida parece estar presente, temos que tomar precauções extras para evitar a contaminação dela pela vida terrestre”, explica Rich Zurek, cientista-chefe do programa Marte da NASA. “Nossos robôs atuais não foram esterilizados com o grau necessário para ir para uma área onde a água líquida pode estar presente”.

Curiosity em Marte: Mãos amarradas

Cada país na Terra está vinculado às disposições do Tratado de 1967 sobre Espaço Exterior, que proíbe “qualquer pessoa de enviar uma missão, robô ou ser humano para perto de uma fonte de água no temor de contaminá-la com a vida terrestre”.

Não que a NASA não pudesse esterilizar completamente as suas sondas se quisesse. Segundo Malcolm Walter, astrobiólogo da Universidade de Nova Gales do Sul, na Austrália, eles poderiam expor a Curiosity a quantidades absurdas de calor e radiação que iriam acabar com qualquer coisa que conseguisse sobreviver à viagem da Terra, sem sombra de dúvida, mas se fizessem isso, eles estariam acabando com componentes eletrônicos internos da sonda no processo. Não é exatamente prático.

“Para deixá-la completamente esterilizada, eles teriam que usar radiação ionizante ou quantidades de calor realmente poderosos, sendo que ambos danificariam os componentes eletrônicos”, diz Walter. “Então, eles vão tão longe”.

O que fazer?

Qual é a solução? Nós todos sabemos que a NASA está planejando enviar seres humanos a Marte pela primeira vez em meados de 2030, então talvez alguns astronautas sortudos verão a água marciana líquida com seus próprios olhos. Outra opção seria enviar robôs para Marte que seriam capazes de construir outros robôs que podem investigar a água com pouco risco de contaminação. No ano passado, a Nasa anunciou que está desenvolvendo robôs que podem imprimir infraestrutura 3D em Marte, então esta também poderia muito bem ser uma possibilidade.

Até lá, a Curiosity e sua amiga Opportunity terão que se contentar com o estado de ambiguidade de sua limpeza e ficar bem longe da água. [Science Alert]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votos, média: 3,67 de 5)

11 comentários

  • Paulo Felix:

    Não querem contaminar… Não podem descontaminar… Não podemos ir lá… Não podemos deixar de ir… O que fazer?

  • Silas Stephan Siqueira:

    Não acontece em Marte igual ao que acontece na terra, em que qualquer objeto que caia na atmosfera se incendeia atingindo altissimas temp.

  • Cristiano Prado:

    dessa maneira nunca vao conquistar o espaço, pensem nos antigos conquistadores ,se não conseguissem morreriam tentando…

  • Marcos Fontes:

    Ao menos poderiam se aproximar a uma distância segura para fazerem contato visual.

  • Edson Mota de Souza:

    engraçado isso na verdade, porque ninguém garante que os microrganismos terrestres presentes na Curiosity conseguiram sobreviver em marte

    • Marcelo Ribeiro:

      O problema é que ninguém garante o contrário. Na realidade há inúmeros microorganismos extremamente durões, vários que sequer precisam de oxigênio e outros que vivem em locais muito gelados ou super quentes. Simplesmente não há como garantir.

    • Bruno Sampaio:

      Não duvido que alguns tardígrados tenham sobrevivido, sobrevivem de 0 absoluto até 150ºc, ao vácuo total (espaço), radiação e etc…

  • Marcelo Sagara:

    Comecei achando muita frescura… Mas pensando com calma, é um cuidado que deve sim ser tomado, por vários motivos.

  • Cristiano Prado:

    talvez não seja tao razoável assim,desse jeito nunca vao explorar outros planetas,,,,é muita frescura demais

  • Marcelo Negreira:

    Desculpa esfarrapada…
    A sonda poderia se aproximar apenas o suficiente para as câmeras filmarem o que existe lá.

  • Cesar Grossmann:

    É bastante razoável.

Deixe seu comentário!