Cientistas estudaram 5 mil crianças-gênios por 45 anos e foi isso que eles descobriram

Por , em 19.09.2017

Se você acompanhar milhares de crianças brilhantes durante quatro décadas e meia, você vai aprender uma coisa ou duas sobre elas. Um estudo fez isso e descobriu algumas coisas interessantes, como essa: mesmo crianças com QI de nível de gênios precisam de professores para ajudá-los a atingir seu potencial máximo.

5 crianças prodígio que fazem sua vida parecer uma piada

Desde que começou, em 1971, o “Estudo da Juventude Matemática Precoce”, ou SMPY, rastreou 5.000 das crianças mais inteligentes dos EUA – os top 1%, 0.1% e até mesmo 0.01% de todos os alunos. É o estudo mais longo de crianças superdotadas na história.

Aqui está o que o estudo encontrou:

6. Elas levam vidas excepcionais

O SMPY (pronunciado “simpy”) testou inicialmente a inteligência das crianças usando o SAT, um exame padrão dos EUA, outros exames de entrada na universidade e outros testes de QI. Depois, os pesquisadores começaram a analisar fatores adicionais, como a matrícula da faculdade e os caminhos nas carreiras mais tarde na vida.

O que eles descobriram foi que as crianças mais dotadas passaram a ganhar doutorado, graus de pós-graduação e possuir patentes a taxas muito acima das crianças com menos talento. A maioria delas está entre os 5% do topo dos ganhadores de renda.

“Quer gostem ou não, essas pessoas realmente controlam nossa sociedade”, disse Jonathan Wai, psicólogo do Programa de Identificação de Talentos da Universidade de Duke.

5. As crianças geniais não recebem atenção suficiente

O problema é que as crianças geniais muitas vezes recebem pouca atenção de seus professores, que podem estar inclinados a considerar que estudantes brilhantes já atingiram todo seu potencial.

Quando os pesquisadores do SMPY analisaram a quantidade de atenção que os professores deram a essas crianças superdotadas, eles descobriram que a grande maioria do tempo de aula foi gasto ajudando estudantes de baixa realização a chegar à média.

O SMPY sugere que os professores devem evitar ensinar um currículo único. Em vez disso, devem concentrar-se em fazer o melhor que podem para criar planos de aula individualizados para os estudantes.

4. Pular um grau funciona

Para ajudar as crianças a atingir seu potencial, os professores e os pais devem considerar mudar uma criança superdotada em uma série, sugere a SMPY.

As 24 pessoas mais inteligentes do mundo

Quando os pesquisadores compararam um grupo de controle de alunos talentosos que não pularam uma série com aqueles que o fizeram, os alunos que pularam um ano tinham 60% mais chances de obter patentes e doutorado – e mais do dobro da probabilidade de obter um doutorado em campos relacionados a ciência, tecnologia, engenharia ou matemática.

3. A inteligência é altamente variada

Ser inteligente não significa apenas ter a capacidade de memorizar fatos ou lembrar nomes e datas. A SMPY encontrou repetidamente, ao longo de várias análises de acompanhamento, que algumas das crianças mais inteligentes possuem uma grande capacidade de argumentação espacial.

Essas crianças têm um talento para visualizar sistemas, como o sistema circulatório humano ou a anatomia de uma moto. Em 2013, pesquisas de acompanhamento encontraram uma forte conexão entre as habilidades de raciocínio espacial e o número de patentes arquivadas e artigos revisados ​​por pares publicados.

2. Testes padronizados nem sempre são uma perda de tempo

Testes padronizados – como o já citado SAT – não podem medir tudo o que os professores e os pais precisam saber sobre uma criança.

Mas os dados da SMPY sugerem que o SAT e outras medidas padronizadas de inteligência detêm algum poder preditivo – enquanto ainda contabilizam fatores como o status socioeconômico e o nível de prática.

Alimentação até os 3 anos pode afetar QI da criança

Camilla Benbow, uma das pesquisadoras que estudaram o SMPY, diz que esses testes são melhor utilizados para descobrir no que as crianças são boas, para que os professores possam concentrar sua atenção em diferentes áreas.

1. Uma mentalidade de crescimento não ofusca a capacidade cognitiva precoce

A psicóloga Carol Dweck descobriu que as pessoas bem sucedidas tendem a manter o que é conhecido como uma “mentalidade de crescimento” em oposição a uma “mentalidade fixa”. Eles se vêem como seres fluidos, em mudança, que podem se adaptar e crescer – eles não são estáticos.

O SMPY concorda com essa avaliação, mas também descobriu que os primeiros sinais de habilidade cognitiva em crianças podem prever o quão bem eles vão se desenvolver mais tarde na vida, ignorando toda a prática que pode ou não estar no caminho.

Com esse tipo de futuro no horizonte, cabe aos pais e professores reconhecer as habilidades no início e cultivá-las o máximo possível. [Business Insider]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (23 votos, média: 4,65 de 5)

1 comentário

Deixe seu comentário!