Dia do Orgulho Geek: porque todos somos nerds

Por , em 24.05.2012

Você sabe que dia é hoje? O Dia do Orgulho Geek, ou Dia do Orgulho Nerd (“geek” é o termo em inglês para o “nerd” mais ligado a tecnologia).

E como todo nerd que se preze, a data escolhida para celebrar o direito de ser geek é o dia da première do primeiro filme da série Star Wars, o Episódio IV: Uma Nova Esperança, que ocorreu em 25 de maio de 1977.

Criado na Espanha e comemorado desde 2006, o Dia do Orgulho Nerd se espalhou rapidamente pelo mundo todo por seu apelo francamente atrativo: todos somos nerds.

E não adianta negar. A palavra “nerd” vem muitas vezes acompanhada de certos preconceitos e estereótipos, e por conta disso algumas pessoas se apressam em fugir da definição. Mas, se formos pensar bem, lá no fundo, nem que seja bem no fundão, todos somos um pouco nerds.

Então, em homenagem a todos nós, lançamos a série “Dia do Orgulho Geek”, com artigos temáticos divertidos. Prontos para comemorar?

Existe um geek dentro de todos nós

Geração Y ou Millennials. Ou seja, nós, queridos jovens de 18 a 34 anos. O que a gente mais quer? Fácil de responder: tecnologia, tecnologia, tecnologia. Smartphone, iPhone, iPad, HDTV, GPS, tudo que puder tornar nossa vida mais fácil/melhor.

Com isso estabelecido, volto a perguntar: o que os nerds querem? Pois é. Se “obsessão por tecnologia” for um fator para ser considerado nerd, já era! Ninguém escapa.

Por conta do Dia do Orgulho Geek, a empresa de tecnologia Modis realizou um estudo nos EUA sobre “atitudes nerds”. Dos 1.008 americanos acima de 18 anos que responderam a pesquisa, 17% se identificaram como “geeks”, afirmando serem viciados em tecnologia ou relacionados a ela de alguma forma.

Para tudo! Se dependência de tecnologia for um critério geek, a maioria de nós se qualifica, certo? Quer tenhamos admitido, quer não. Afinal, a mesma pesquisa concluiu que 70% de todos os participantes têm dificuldade em passar um dia inteiro sem um de oito dispositivos, incluindo computador, smartphone e MP3 player.

Você também com certeza já passou um dia inteiro na internet, passa mais tempo “conectado” do que “desconectado”, usa seu celular em momentos inapropriados (como no banheiro ou na mesa de jantar), etc.

Claro que o uso da tecnologia já não é privilégio do reinado absolutamente e verdadeiramente geek. Uma pesquisa do ano passado revelou que nove em cada dez brasileiros têm pelo menos um celular. A ANATEL (Agência Nacional de Telefonia) informou que 97,96% de nós possuem telefone móvel. Aposto que esse ano já existe mais celulares do que pessoas no Brasil.

Somos de longe a geração mais “tecnológica” que já existiu. Julgamos as pessoas por suas tecnologias, temos dificuldade em ficar longe das nossas, etc.

Então, pode ser que nesse mar todo de nerds, alguns verdadeiramente geeks se destaquem. Os nerds autoproclamados, por exemplo, são totalmente conectados, mas adoram mídia antiga.

Segundo a pesquisa da Modis, 71% dos nerds disseram que caneta e papel são os itens que seriam mais difíceis de ficar sem por um dia (contra 60% de “não nerds”). O computador é o segundo item mais valorizado (58% dos geeks acha isso contra 29% do resto dos participantes), em seguida do carro e café ou chá de manhã.

Apesar de tudo isso, a mentalidade “geek” e a mentalidade geral da população estão se tornando bem próximas. Por exemplo, qual seria o evento mais estressante para um geek e para uma pessoa não nerd? Perder a carteira é a resposta de ambos.

Alguns estereótipos permanecem, no entanto. Para os geeks, o próximo evento mais estressante seria a perda de arquivos em seu disco rígido. Para os outros, seria o rompimento de um relacionamento. E quase duas vezes mais nerds (38 versus 20%) ficariam bravos se perdessem seu smartphone, assim como são mais propensos a mexer com aparelhos enquanto dirigem (45 versus 30%).

Ainda assim, vai dizer que não tem um pouquinho disso tudo em você, pessoa que não se considera nerd? Tudo bem. Você não precisa. Nós, os orgulhosamente nerds, vamos comemorar esse dia! Parabéns para nós![LiveScience, Wikipedia, OPopular]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

11 comentários

  • Ana Suzuki:

    Tenho 74 anos e sou tarada por computador. Não ligo muito para celular nem gosto de telefone fixo e tampouco ligo para redes sociais. Meu negócio é pesquisar, aprender, uma fome de conhecimento que não cessa nunca e que só vai acabar quando eu
    ficar caduca ou morrer. Fico chateadíssima quando o Google não responde à minha pergunta e não há nenhum bom fórum disponível
    sobre o assunto que me interessa no momento. Só então vou para os livros.

  • Flor de Lis:

    Que menininho fofo!

  • luysylva:

    Motivação: viva para aprender, não para vencer
    Estudante ideal

    Imagine o estudante ideal.

    Focado no aprendizado, na melhoria dos seus conhecimentos, mais nas próprias notas e no próprio conhecimento do que em como os colegas o veem.

    Em uma palavra, um estudante ideal está centrado na competência, e não na competição.

    Sua motivação é entender e aprender, e não simplesmente provar o quanto é inteligente ou esperto.

    Já se demonstrou que a motivação influencia resultados em testes de QI mas, mais importante, que a motivação é essencial para que a pessoa sinta-se sadia.

    Funcionário ideal

    Mas será possível desenvolver essa motivação intrínseca em outros ambientes, nas empresas, por exemplo?

    Afinal, em tempos da problemática e egoísta Geração Y, quem não desejaria colaboradores com elevados níveis de engajamento e desempenho, com resiliência frente às falhas e com uma verdadeira sede de conhecimento?

    Este foi o tema que apaixonou Paul O’Keefe, na Universidade de Stanford (EUA).

    E, segundo suas conclusões, um ambiente que estimule o aprendizado pode automaticamente aumentar a motivação das pessoas, mesmo que elas sejam recém-chegadas de ambientes competitivos.

    Estar em um ambiente que estimule o aprendizado pelo aprendizado amortece as preocupações de superar os outros, melhorando a motivação intrínseca.

    “Uma vez que essa orientação tenha sido fomentada e reforçada, os padrões adaptativos de motivação se mantêm,” afirma o pesquisador. “Isto sugere que a orientação a objetivos pode sobreviver em uma variedade de diferentes climas.”

    Orientação para objetivos

    Orientação para objetivos é o termo psicológico usado para explicar o padrão mental aplicado a atividades relacionadas ao atingimento de metas.

    As pessoas tendem a adotar uma abordagem orientada a objetivos dependendo da situação ou do ambiente, e essa adoção adquire uma certa estabilidade ao longo do tempo.

    Mas se se trata de uma orientação a objetivos, qual é o foco?

    Geralmente há dois tipos de orientação a objetivos que as pessoas adotam: a mestria, ou domínio de um saber, e o desempenho.

    A mestria é descrita como um foco no aprendizado e na melhoria – o estudante ideal.

    A orientação ao desempenho se concentra em demonstrar competência em relação aos outros – tentar parecer inteligente, ou evitar parecer estúpido, por exemplo, ou simplesmente superar os outros para conseguir uma promoção.

    Do ideal para o real

    Os psicólogos tendem a concordar que uma orientação à mestria, ou ao domínio de uma área ou de um saber, é altamente adaptativa, e carrega consigo as qualidades mais positivas, incluindo perseverança, busca de desafios e desejo de aprender.

    Uma orientação ao desempenho também pode produzir resultados positivos – promoções no emprego, por exemplo – mas com um custo elevado, porque as pessoas focadas em superar os outros e parecer espertas são mais ansiosas e se preocupam mais.

    O’Keefe e seus colegas fizeram então diversos experimentos para verificar na prática, se a exposição a ambientes orientados para o aprendizado têm efeitos de longo prazo, eventualmente comprovando sua maior adaptabilidade e seus melhores resultados.

    Como há poucos ambientes orientados ao aprendizado, os cientistas queriam saber se a experiência desses ambientes ideais poderia ajudar as pessoas que são deslocadas para ambientes competitivos.

    Como motivar pessoas

    A resposta é parcialmente sim.

    A valorização dos objetivos mais elevados sobrevive durante um bom tempo.

    “As pessoas mantêm esses padrões motivacionais adaptativos mesmo quando vão para um ambiente diferente, que não dá suporte imediato à orientação para o aprendizado,” explica o pesquisador.

    “Nós queremos criar estudantes, funcionários e membros de equipes ideais. Nós queremos as pessoas fazendo o que fazem porque amam fazê-lo. Sabemos que não é assim que nossa sociedade está estruturada, de forma que o quanto fizermos para incentivar as pessoas a adotar a busca de aprendizado, a mestria, já representará um grande passo nesse sentido,” resume O’Keefe.

    Segundo ele, professores e gerentes podem dar mais liberdade de escolha e mais autonomia para suas equipes, em vez de darem ordens e ficarem verificando cada detalhe, no “microgerenciamento”, que é como os cientistas chamam o famoso “pegar no pé”.

    Os líderes também podem estruturar ambientes que encorajem os riscos intelectuais, em vez de punir os erros.

    A redução das comparações e das competições também pode fomentar a mestria e reduzir as orientações ao desempenho.

  • luysylva:

    Os líderes dveem estruturar ambientes que encorajem os riscos intelectuais, em vez de ficar “pegando no pé” e punindo os erros.

  • JLKLEIN:

    por q sera q todo o brasileiro gosta de imitar os norte americanos??????? tenho dó gente nos somos melhores q eles.

  • luysylva:

    eu queria ser um nerd!
    aos meno honorário hehhe!

  • Guilherme Euripedes:

    Lambda Lambda Lambda Jovens e Velhos Nerds!!!

    Viva ao Dia do Orgulho Nerd/Geek!

    Parabéns para todos nós que somos suficientemente evoluídos para sofrermos preconceitos e não ligarmos NADA pra isso!

    Que nossa EXP seja sempre dobrada.
    Que nossos acertos sejam sempre críticos.
    Que nossos HDs nunca travem.
    Que nossa moda nunca vire moda.
    Que nossa mídia seja sempre nossa.
    Que nossa internet nunca caia.
    Que o WiFi seja sempre liberado.
    Que nossos saves nunca sumam.
    Que nossos games fiquem sempre melhores.
    Que nossas séries sempre acabem com final.
    Que nossos animes/desenhos não tenham filler.
    Que nossos mangás/HQs não deixem de ser lançados.
    Que nossos cosplays sejam sempre perfeitos.
    Que nossas namoradas(os) sejam Nerds/Geeks.

    E que nunca falte Toalha, Coca-cola e Amigos Nerds/Geeks para compartilhar tudo isso conosco!

    • Yagami Raito:

      Se o WiFi não estiver liberado nos damos um jeitinho de quebra a senha ou simplesmente descobri-la.

  • Marcelo Carvalho:

    E ai pessoal, temos que lembrar que em homenagem ao escritor Douglas Adms, hoje tambem é o dia da Toalha. Então pessoal “Não entrem em Pânico”
    Até logo é obrigado pelos peixes!!

  • Dahn___:

    é nos no HD, blue-ray, celula, sei la decidam a midia regravavel ou nao que to na duvida, o mundo é dos nerds, muita exp e LUCK neste dia, e evitem a grama alta

  • Marte:

    Felicidade para todos. Vida longa e próspera, também.

Deixe seu comentário!