Dieta do Shake: O homem que vive sem comida

Por , em 23.05.2013

Rob Rhinehart vive sem comida. Como? Se alimentando de algo chamado Soylent, que ele descreve como “uma forma eficiente de alimentar a humanidade, pela primeira vez na história”.

Rhinehart percebeu que a comida não funciona. Pelo menos, não muito bem. Sua função é fornecer energia e nutrição que o corpo necessita, mas é cara e leva muito tempo para se preparar. Muitas pessoas no mundo não podem se dar ao luxo de comer corretamente, enquanto outros comem tão mal que tornam-se obesos, o que prejudica a saúde.

Ou seja, de uma forma ou de outra, comer é um problema para milhões, talvez bilhões de seres humanos.

Mas Rhinehart promete uma solução: Soylent. Investidores já prometeram mais de US$ 100.000 (cerca de R$ 200 mil) para a fabricação de sua invenção. Além disso, uma campanha de crowdfunding já lhe trouxe outros US$ 100.000 em pouquíssimo tempo. Mais de 1.000 apoiadores pagaram US$ 65 (cerca de R$ 130) para receber fornecimento de Soylent para uma semana.

Rhinehart planeja usar esses novos fundos para fabricar seu produto em quantidades industriais – e, pelo jeito que a coisa anda, ele deve fazer sucesso.

Soylent: a dieta do shake que funciona

A substância se destina a fornecer todos os nutrientes e calorias que um corpo humano necessita – em outras palavras, pretende substituir alimentos. Para consumi-la, basta misturar o pó com água e beber.

Rhinehart, 24 anos, diz que está vivendo principalmente de Soylent desde fevereiro. “É muito doce. O gosto é quase como uma massa de bolo”, conta.

O inventor estudou ciência da computação e engenharia elétrica em Georgia Tech (EUA). Ele diz que Soylent foi inspirado por quanto tempo e dinheiro ele gastava em comida, que sequer fazia bem para sua saúde. “Este é um problema antigo para os solteiros”, conta.

Seu primeiro trabalho foi a pesquisa. Em sites, livros e publicações acadêmicas de acesso livre, ele aprendeu sobre biologia, fisiologia, nutrição, biodisponibilidade, mecanismos metabólicos e sobre todas as diferentes substâncias que compõem um ser humano.
Ele começou a ver seu corpo como uma máquina, que exigia uma lista finita de necessidades para funcionar de forma eficiente. Assim, escreveu todas e se dedicou a descobrir onde poderia comprá-las, o mais barato possível.

acadêmicas adquiri a maioria dos 32 componentes de Soylent em empresas de fornecimento de produtos químicos, sintetizados em formas que o corpo pode absorver.

Alguns dos produtos de Soylent são derivados de alimentos reais (azeite fornece a gordura, por exemplo), mas não muitos. “O cálcio vem de calcário”, explica.

Além de resolver um problema para solteiros desinteressados na culinária, Rhinehart prevê que sua invenção alimente pessoas passando fome em países em desenvolvimento.

A solução para o problema da fome?

Suplementos de nutrição não são nenhuma novidade. Mas Soylent de fato reflete algo sobre a cultura atual: a falta de tempo para cozinhar e limpar. Na visão de Rhinehart, o ato de comer é uma tarefa que a tecnologia pode tornar mais eficiente, ou mesmo eliminar totalmente.

Além disso, também reflete os temores sobre recursos escassos: a preocupação de que podemos não ter comida suficiente no futuro, ou infra-estrutura para distribuí-la e alimentar a crescente população da Terra de forma confiável.

O sonho de substituição de alimentos existe há centenas de anos, e é popular entre escritores de ficção científica e comunidades utópicas. Embora a ideia possa apelar a um pequeno grupo de pessoas que acham que comer é uma tarefa exaustiva, para melhor ou para pior, a maioria das pessoas realmente gosta de comer, e acha comida agradável.

Também não está claro se uma única substância pode substituir todos os alimentos, conforme explica Maudene Nelson, nutricionista do Instituto de Nutrição Humana da Universidade de Columbia (EUA). “Nutricionalmente, eu não acho que seja possível fazer um alimento que ofereça tudo o que o corpo precisa”, diz. “Esta é uma forma obsessiva de fazer escolhas alimentares. Não é excesso obsessivo, mas é microgestão obsessiva”.

Segurança alimentar x adoção global

Rhinehart faz exames de sangue regulares desde que passou a comer apenas Soylent para ver como a dieta o afetava a nível molecular.
O experimento mostrou algumas desvantagens. Em seu blog, ele descreveu ter dores nas articulações depois de três meses, que sumiram quando ele acrescentou enxofre à mistura do produto. Ele diz que ainda janta comida tradicional com os amigos cerca de duas vezes por semana. Fora isso, ele bebe Soylent. “Tem sido intensamente libertador. Eu nunca mais terei que me preocupar com comida”, conta.

A tentativa de Rhineharte não é a primeira do tipo. Outros já estão procurando reestruturar a forma como comemos. A NASA, por exemplo, está financiando uma companhia que quer sintetizar o alimento com uma impressora 3D. Preocupações sobre produção de carne suficiente para satisfazer a demanda mundial por proteína levaram ao aumento do interesse em comer insetos, entre outros debates.

Rhinehart afirma que não está sugerindo que todos comam Soylent. Ele não espera que a maioria das pessoas goste de consumir tanto quanto ele consome. Mas ele diz que o “viés emocional” para alimentos não faz sentido.

“A maioria das coisas mais úteis no mundo está muito longe da natureza neste momento”, diz ele. “Nós ainda usamos uma versão muito antiga de comida”. Por isso, ele quis dizer o tipo que vem de plantas e animais. Você concorda?

A próxima etapa do projeto Soylent é testá-lo em outras pessoas. Rhinehart está trabalhando atualmente com seis voluntários, sendo que apenas alguns deles concordam que a saciedade é alcançada. As mulheres, em particular, estão tendo dificuldades, segundo o engenheiro. “Elas têm necessidades nutricionais diferentes, terei que adaptar o produto”, diz.[BusinessWeek, Telegraph]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 2,00 de 5)

50 comentários

  • Fernandu Z-luciu:

    soylent! soylent! soylent! soylent!

  • Marcio Novaes:

    KKKKKK Herbalife mudou de nome…. KKKKKKKKK
    Mais um produto a base de soja mais caro do que deveria ser.!!!

  • Lênine Pablo Alves:

    Não gosto da ideia comer ter sua magia,desde o preparo do prato ate saborear essas barras seriam boa solução para fome em países subdesenvolvidos ou para pessoas com rotina muito corrida mas para mim nem tanto talvez quando atrasado aqui ou ali mas nada rotineiro

  • Maiconfz:

    Só vai dar certo se tiver gosto de bacon!

  • Rafael Carvalho:

    Só de substituir a refeição com carne, dando saciedade e prazer na ingestão já é suficiente!!!

  • Robson Lopes:

    Muito legal isso, se isso se tornar viável, poderemos utilizar a comida tradicional apenas por prazer, sair com amigos nos fins de semana, ou mesmo por opção de vida. Mas a grande oportunidade que se abriria com esse experimento seria uma forma mais ágil e barata de acabar com a fome no mundo, as famílias teriam acesso a uma fonte barata para equilibrarem sua nutrição até terem a possibilidade de se automanterem e assim passar a consumir os alimentos tradicionais, imaginem a revolução que isso causaria em alguns países africanos, na Índia ou mesmo em algumas áreas aqui no Brasil, realmente seria algo fantástico.
    Bem nutridas as pessoas conseguem ter mais energia para o trabalho, os estudos e assim conseguiriam sair de forma mais fácil e rápida da situação da miséria, a miséria é um perverso ciclo vicioso, que quanto mais miserável você é, mas miserável será no futuro, porque você não dispõe mais de forças para lutar contra esse terrível mal, seu raciocínio já não funciona mais e as energias que lhe sobram, são apenas para o instinto da subsistência, em suma, você se torna um animal, no sentido mais vergonhoso que essa palavra tem nos vocabulários da humanidade.

  • Elson Sartori Junior:

    Eu se fosse ele jamais escolheria esse nome. Conforme citaram acima, no filme Soylent Green, que aqui no Brasil foi nomeado como “No mundo de 2020”, esse é o alimento utilizado em um mundo escasso e sem recursos e a verdade sobre ele é aterradora: “Soylent verde é feito de gente!”(Soylent Green is people!)… Hehehehe!!! 😉
    Leiam mais na Wikipedia:
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Soylent_Green (em português, mas um artigo resumido)
    http://en.wikipedia.org/wiki/Soylent_Green (em inglês, bem mais completo)

    • Guilherme Euripedes:

      Obrigado pelo Spiler! o/

    • Elson Sartori Junior:

      Spoiler de um filme de 1973??? Hahahahah… 😀
      Desculpe… Não foi minha intenção! 😉

    • Guilherme Euripedes:

      Sempre tem os atrasados =D

      Ainda não assisti 1984, Duna, MadMax, Blade Runner, Pulp Fiction…

    • Cesar Grossmann:

      Pow, spoiler é spoiler, não importa se o filme é “Metropolis”, do Fritz Lang, ou “Tropa de Elite 2”.

    • Diane Branco:

      Era o que eu ia comentar. Eu não comeria o Soylent.

  • Patrícia Naomi:

    Que moço mais formoso! 🙂

    Btw, passar o resto da minha vida sem comer bacon… pra que?

  • Nailton:

    Gostei da reportagem, eu gostaria que isso fosse possível 100%

  • O Contrato Social:

    É por isso que eu digo: quem com ferro fere com ferro será ferido

    • Nailton:

      Olá Contrato, gostaria de entender oque esse adágio tem a ver com a reportagem ( o conteúdo )?

  • gloria:

    E os intestinos dessas pessoas como funciona?Otempo de experimento é curto, será q vai dar bom resultados com o passar dos anos?Duvido muito!O problema da fome será resolvido quando a igualdade social for alcançada e igualada e a ganancia dos povos sanada, uns tem demais enquanto outros ñ tem nada!

    • Doriedson Fortes:

      isso de igualdade social nunca será realidade!! é da natureza humana ser ganancioso… vivemos num mundo capitalista onde os ricos ficam mais ricos e os pobres são como escravos que alimentam cada vez mais os que estão no poder! O proprio governo é uma prova disso! eles não estão nem ai se vc passa fome… o que importa é se a economia está em ordem! Uma prova disso são os paises da África que ninguem quer saber a verdade.

    • AnĝeloHaqr-Li Falko:

      Não existe isso de natureza humana e inato. Cada individuo é função de diversas variáveis entre elas a cultura na qual está inserido.
      O contra-exemplo simples que inválida a ideia de “natureza humana ser gananciosa” é o fato de que em diversas tribos nativas tais comportamentos são inexistentes.

    • Camila Silva:

      na veia!!!!falou tudo

  • Jhonata Ferreira:

    Galera, o fato nao é voce deixar de estar comento ex: arroz, feijao e uma saladinha, para tomar esse “néctar com gosto de massa de bolo”, e sim aplicar isso eficientemente (o que é bem dificil), em paises cuja fome assola milhares de pessoas como na Africa. Seria uma boa alternativa para eles ja que ensinar os mesmos a plantar arroz, feijão e criar gado sem infraestrutura seria impossível. Jamais iria trocar minha alimentaçao por essa massa, ja que a magica esta no sabor de cada alimento.

  • Broke:

    Soylent Green ???

  • Constantine:

    É comida do mesmo jeito sô, uai!

    Achei que ia falar da capacidade humana de viver sem comer ou até de beber também chamada Inédia.Existe vários casos no mundo e o mais recente documentado e que até saiu na mídia é o caso do indiano Prahlad Jani,alega que não bebe e come a 67 anos.

    Existe outros casos que a pessoa vive de luz,SunGazing.
    Os cientistas que estudaram o caso ficaram tão putos que nem publicou na academia de ciência.

    Mas gostei deste biscoito ai hehe

  • Roger:

    “O homem que vive sem comida” … se alimenta de uma substancia que fornece todos os nutrientes que o corpo humano necessita… e também “…janta comida tradicional com os amigos duas vezes por semana”…. Esse tipo de manchete é um saco!!!

  • Marko Costa:

    Mas Soylent ou… Soylent Green (o.O)? Rs
    Ah, mundão variado – uns comem demais, outros (por opção ou imposição da desigualdade) não comem quase nada, e outros ainda comem d tudo https://www.youtube.com/watch?v=9AGVzzdF0qE

  • Mike Duarte:

    Lembrei-me de um filme chamado Soylent Green de 1973, que se passa em 2022. Uma sociedade alimentada com ração (tabletes verdes), que eram feitos de… hehe restos de pessoas mortas.
    O filme até é interessante, mas eu gosto de filmes que tentam criar uma visão de como será o futuro.
    Porém, como alguns comentários colocaram não comemos apenas para suprir as necessidades do organismo, mas também pelo prazer: aromas, cores, texturas, consistências e sabores tornam o ato de comer uma das melhores atividades humanas.

  • Hatsue:

    É a solução que sempre sonhei… também considero uma grande perda de tempo ter que pensar em fazer a comida e mesmo comer. Tem muitas coisas muito mais interessantes para se fazer no tempo que se ocupa com comida.
    Gostaria muito de ter acesso a esse tipo de solução.

  • Rafael Soler:

    Efeito colateral: o instagram deixaria de ser usado.
    Brincadeira kk

  • Rosa Rivero:

    Boa idéia para alimentar as populações famintas que não possuem recursos naturais suficientes … Deveria ser aplicada urgentemente, pois muitos já morrem de inanição …

  • Julia Sá -Jô Guia:

    E essa agora, vejo cada uma!!!!

  • Troy Lemke:

    Vi um filme quando jovem, chamado “Green Soylent”!! Ficção Científica! Recomendo! Olha, não tá nada longe daquilo não! e lá tinha um tal de soylent! Tomara que o que o cara esteja oferecendo não seja feito da mesma coisa que aquilo…

  • digiomni:

    Só faltou citar que ele é e continua um gatinho mesmo com o Soylent hahahaha
    É a nutricionista tem razão cada pessoa tem uma quantidade X de nutrientes que lhe é necessária muda muito por conta de tamanho, idade e condição ambiental, em lugares mais frios por exemplo as pessoas necessitam de mais gordura do que em lugares mais quentes …

    Mas a iniciativa é ótima 🙂

  • Alexandre Semmer:

    Isso ae é Herbalife kkkk

  • Yago Orsolon:

    Eu tambem! Eu to vivo ate hoje sem ninguem ter me dado uma COMIDA! kkk

  • Falcone Big:

    Ideia fantástica, é pena que a indústria da fome ainda é maior!
    =(

  • Fernando Frias T P:

    Quero é pimbar, POW!!

  • Addans Layon:

    MATRIX ?

  • Giuliano Costa:

    Não tirando valor da ideia do cara ai de cima… Para resolver o problema de comida é tão mais fácil um planejamento familiar e um controle de natalidade.

  • Iuri Paula:

    Quais os efeitos colateras?

    • Cesar Grossmann:

      O risco de qualquer dieta radical: que você não esteja ingerindo algum componente importante para o corpo. Deficiência de vitaminas, por exemplo.

    • Guilherme Euripedes:

      Creio que déficit de vitaminas seja o menor dos problemas e o mais fácil de resolver.

      Mas o problema principal estará no mecanismo de saciedade do corpo humano. Se o estômago não se expandir, mesmo que ele ingira um alimento nutricionalmente suficiente, ele continuará a sentir fome, e isso o fará comer mais, e o comer mais será excessivo.

      Ele deve colocar alguma substância para regular o sistema central para regular a fome, como é utilizado nos remédios para emagrecimento hoje, mas todos os remédios para emagrecimento tem efeitos colaterais indesejáveis, por isso não são muito recomendados.

      De uma forma ou de outra, vai ser difícil resolver esse problema… A menos que a pessoa se submea a uma cirurgia de redução de estômago, ela vai sentir fome muito rápido.

  • Iuri Paula:

    Foi a melhor solução de combater a fome,porque já ouvi muitas lorotas de que a fome vai acabar,no Brasil o povo não usa camisinha ou preservativo durante as relações sexuais porque sexo é prazeroso e viciante e é porque também muita gente fazendo até 20 filhos por causa da bolsa família visando dinheiro,quanto mais gente no mundo menos água,comida,emprego,educação,saúde haverá devemos controlar rígidamente a natalidade.
    Desejos nunca terá fim,porque o homem sempre tem desejos e querem realizar,não procura entender as consequências quando se
    arrependem acha ruim.
    Esses são os tipos de fome que conheço e cito as consequências.

    • Cesar Grossmann:

      Ninguém de sã consciência (ou mesmo por pura ganância) vai se encher de filhos para ganhar mais bolsa-família. Simplesmente não compensa.

      Existem alguns mitos relacionados ao bolsa família, mitos que nascem do ódio ao governo e à simples campanhas de difamação e desinformação promovidas pela “oposição”. Um deles é o que o bolsa-família estimula o ócio. Nada mais longe da verdade. Além disso, onde tem bolsa família as gestantes são obrigadas a fazer pré-natal, e depois a criança tem que visitar o pediatra regularmente. Criança em idade escolar tem que frequentar a escola e aí por diante.

      E mãe com vinte filhos? Você conhece ou viu alguma?

    • Robson Lopes:

      Você simplesmente não sabe do que está falando meu caro, ouviu o galo cantar e não sabe onde, acredita realmente que não há miseráveis no Brasil? O governo anunciou que está acabando com a miséria, não quer dizer que essas famílias que eram miseráveis agora se auto-sustentam, mas sim que podem se alimentar pelo menos 3 vezes ao dia, a miséria tem conceituação própria pela ONU e não é, necessariamente, o governo de um país que a define.
      Quanto a controle rigoroso de natalidade, mais uma prova de que você não sabe o que fala, afinal a Europa está sofrendo desse mal, população idosa, sem renovação, os jovens, os nascimentos, fazem bem a um país, renovam a classe trabalhadora, trazem uma massa de crianças que já vem com a gama de informações daquele momento, então normalmente pensam além daquilo que já têm, assim as nações que possuem grande massa de jovens crescem mais e são mais criativas, e tem um poder de trabalho muito, mas muito grande mesmo.
      Se você tirar um pouco do seu preconceito, diminuir sua ignorância cultural e tiver menos rancor, talvez possa enxergar seu próprio país por uma ótica bem mais otimista, será que o mundo todo está errado quanto ao Brasil?

  • Mariana Souza:

    pode resolver o problema das pessoas que passam fome e tal,mas sei la a magia está no gosto dos alimentos na diversidade dos sabores…esse negocio tem gosto de massa de bolo..

    • Shadow Broker:

      Essa ideia seria o ultimo recurso pra mim também. A graça é comer. Eu não seria feliz ‘bebendo’ massa de bolo.

    • Robson Nascimento:

      Pizza, cachorro-quente, batata-frita, lasanha, panqueca, macarronada, churrasco… Esse cara está maluco! kkkk Brincadeira, entendi o ponto de visto dele, mas em partes, pois quando ele diz “que o ‘viés emocional’ para alimentos não faz sentido”, o contra-argumento é justamente o seu comentário, Mariana! Privar o paladar não faz sentido! 😉

    • Robson Lopes:

      Concordo Mariana, quero curtir o meu sushizinho, mas que é uma ideia super legal é, pode ajudar muita gente no mundo, inclusive em algumas ocasiões onde precisamos de mais tempo, terminar o TCC, concluir uma grande pesquisa, finalizar um projeto, economizar pra comprar algo legal, mas o mais crucial, com certeza, é poder reduzir, ou mesmo, eliminar a fome no mundo.

  • Evandro Oliveira:

    Isso se chama Ração Humana. Já há vários no mercado.
    O Exército possuí.
    Uma vez assisti um documentário sobre abrigos de sobrevivencia. Em que eles armazenam quantidades enormes dessas raçoes (tipo uma barra de proteina) que contem todos os nutrientes e calorias essenciais para sobreviver, e que dura muitos anos sem estregar.

    É apenas marketing de mais um produto no mercado com a mesma finalidade.
    Agora, há muitos outros fatores benéficos dos alimentos, sobretudo vegetais e frutas que só de insdustrializar perde nutrientes.
    ALém disso, os alimentos fornecem uma vastidão de sabores… de cores para o nosso paladar… ter que passar o resto da vida, dias, ou mesmo meses, apenas tomando um sheike desse barato… aff!… uma vez por causa de uma cirurgia fiquei 1 mes só tomando sopa, mesmo que de vários sabores.. depois fiquei um bom tempo sem querer ver sopa de novo… imagine isso!

  • Celita Beckmann:

    muito boa eu gostaria disso.

Deixe seu comentário!