Se o mundo fosse vegetariano, haveria menos da metade de emissões de CO2 a partir de alimentos

Por , em 29.06.2014

Mais que um quarto de nossas emissões de gases do efeito estufa vêm da produção de alimentos. Isso significa, entre outras coisas, que se a população mundial parasse de comer carne, a emissão de carbono diminuiria.

Nós sabemos disso já faz um tempo. No entanto, os cientistas não sabiam exatamente quanto economizaríamos com a troca de bifes para hambúrgueres de tofu.

Agora, um novo estudo da Universidade de Oxford (Reino Unido) afirma que o vegetarianismo poderia reduzir a emissão de gases de efeito estufa para menos da metade do que é hoje. Isso é uma queda muito maior do que as estimativas anteriores calculavam.

No passado, pensávamos que se o mundo virasse vegetariano, poderíamos cortar em 25% as emissões relacionadas com a alimentação. No entanto, tudo depende do que você come. Com algumas substituições, as emissões poderiam até mesmo aumentar.

Peter Scarborough e seus colegas resolveram fazer as contas usando dados das dietas reais de mais de 50.000 pessoas no Reino Unido, calculando suas emissões de carbono relacionadas com a alimentação.

Eles descobriram que, se as pessoas que comem mais de 100 gramas de carne por dia – o equivalente a um bife de alcatra relativamente pequeno – se tornassem vegetarianas, sua contribuição de carbono relacionada com a comida diminuiria em 60%, economizando o equivalente a 1,5 toneladas de dióxido de carbono por ano.

Talvez de forma mais realista, se uma pessoa reduzisse seu consumo de carne para menos de 50 gramas por dia, as emissões relacionadas com os alimentos cairiam em um terço. Isso economizaria quase uma tonelada de CO2 a cada ano.

Diferentes graus, diferentes economias

Pescatarianos, que comem peixe, mas não outros tipos de carne, são quase tão amigos do meio ambiente quanto os vegetarianos, gerando apenas cerca de 2,5% mais emissões relacionadas com os alimentos. Mas os veganos superam os vegetarianos, emitindo 25% menos gases do efeito estufa em comparação com os que ainda comem ovos e laticínios.

Vale lembrar a diferença entre esses dois regimes alimentares. Enquanto o vegetariano exclui todos os tipos de carne (boi, peixe, frutos do mar, porco, frango e outras aves), bem como alimentos derivados de carne, veganos são pessoas que não consomem nenhum produto que tenha origem animal ou que tenha sido testado em animais, como alguns cosméticos e produtos de limpeza, o que também exclui gelatina, lacticínios, ovos e mel, por exemplo.

“Em geral, há uma tendência clara e forte de redução das emissões de gases de efeito estufa em dietas que contêm menos carne“, diz Scarborough.

Levando em conta não só o consumo alto de carne do mundo, bem como o grande desperdício de alimentos que existe (de acordo com o ONU, 1,3 bilhão de toneladas de alimentos são desperdiçados anualmente, segundo relatório de 2013), os pesquisadores afirmam que diminuir a quantidade de carne pode fazer uma enorme diferença para o meio ambiente.

Além disso, essa é uma ação contra o efeito estufa mais fácil para as pessoas realizarem do que parar de usar seu carro, por exemplo. [NewScientist, ONU, GiroGourmet]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

8 comentários

  • Dinho01:

    E como fica a polêmica sobre se nós precisamos ou não nos alimentarmos de proteína animal?!

    • Cesar Grossmann:

      Precisar, precisamos. Existem nutrientes necessários para nosso corpo e que só são encontrados na carne. Por enquanto.

      A ideia, e eu acho que vai ter que ser feito e aceito, é colocar alguns genes animais em plantas, para produção de coisas como vitaminas e compostos de ferro de absorção facilitada.

      Acho que, no futuro, todos comerão algas e fungos geneticamente modificados, com todos estes componentes. Vai ser a “geleia real” humana…

  • jose Senen de Alencar:

    Diminuiria não só o CO2, mas também muitas outras coisas terríveis que existem, como a raiva, a violência e outros males. Reparem, os animais que não comem carne, são pacíficos , não atacam e são fáceis de serem domesticados, daí, o homem carnívoro, e malvado os explora e maltrata.

    • Cesar Grossmann:

      Jose, acho que uma coisa não tem nada a ver com a outra. Existem animais vegetarianos bastante hostis e violentos (elefantes são estritamente vegetarianos, e podem ser bastante violentos e hostis), e carnívoros bastante dóceis (o gato doméstico não é um carnívoro que foi domesticado? E o cão doméstico?).

  • Ayrton:

    Vegetais ou carne ? Este não é o problema. O grande problema é o tamanho da população mundial. 7.2 bilhões. É gente demais.

  • Thereza Camello:

    Será que realmente diminuiria??? E o aumento de terras cultiváveis para dar conta de todo este contingente humano para alimentar? Quando consumimos apenas vegetais, consumimos muito mais volume de alimento (a digestao é mais rapida), ou seja o alimento `mais “leve”, o que nos obriga a comer mais e mais vezes. Sera que nao trocamos 6 por meia duzia??? Creio que o que realmente precisamos é consumir menos, armazenar e distribuir melhor e sem duvida diminuir o enorme desperdicio de alimentos.

    • Cesar Grossmann:

      Thereza, o estudo justamente fez a pergunta de qual a “pegada” de diversos tipos de dieta. Você pode conferir o mesmo em http://link.springer.com/article/10.1007%2Fs10584-014-1169-1

      Você pode baixar o estudo completo em PDF para ver se as comparações e as conclusões fazem sentido.

    • Guilherme Bittencourt:

      Thereza vc esta esquecendo do nível trófico , vegetais (produtores) tem mais energia que os consumidores primários e secundários, uma mesmo espaço de terra onde e plantado soja, alimenta muito mais pessoas q se o mesmo espaço fosse usado para criar bovinos.

Deixe seu comentário!