Doação de órgãos: como a estupidez humana pode ser uma propaganda genial

Por , em 20.10.2014

A doação de órgãos costuma ser um tema delicado, que muitas vezes tem um apelo emocional quando retratada em peças de publicidade – já que, em sua essência, é o final de uma vida dando esperanças de uma melhor para outra pessoa. É um ato absolutamente nobre e carregado dessa emoção que é ter a chance de fazer o bem até postumamente.

Mas essa não é a única abordagem possível para esse tema.

Prova disso é a campanha abaixo, que até me faltam palavras para dizer quão genial ela é.

A sacada das peças, como você vai ver, tem uma pegada de humor e um fundo de verdade que tornam o argumento irrefutável.

Campanha de doação de órgãos

A criação é da agência de publicidade belga Duval-Guillaume. Para fazer a campanha, eles usaram um vídeo que retrata o ápice da estupidez humana com um texto inteligente e bem humorado que amarra a ideia e a torna única e digna de aplausos.

Primeiro, vamos ao vídeo:

Ele tem como base um vídeo que viralizou na internet – e é fácil ver por quê. Se tem uma coisa que a internet nos ensina todos os dias é que existe ser humano para tudo nessa vida, inclusive um cara que se acha esperto por aparar os arbustos com uma serra elétrica giratória. Ele serviu de insight para a campanha, que é finalizada com uma assinatura que diz, em tradução livre: “8 dos órgãos dele podem ser doados. Para nossa sorte, o cérebro não é um deles”.

A campanha ganhou variações para cartazes que dizem o mesmo, mas são ilustrados com outros exemplos também muito estúpidos:

doação de órgãos ads 03 doação de órgãos ads 02 doação de órgãos ads 01

As peças foram feitas para a ONG “Reborn To Be Alive”. A ideia é mostrar que pessoas fazem coisas estúpidas o tempo todo, mas, se você quiser ser uma delas, pelo menos seja um doador de órgãos.

Em resumo: se não for dar valor a sua própria vida, dê sua vida para outras pessoas. [Gizmodo]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 1,00 de 5)

2 comentários

  • Dinho01:

    Quem diria que iria se encontrar uma utilidade para a estupidez humana!

  • Cesar Grossmann:

    Além de doar os órgãos, o sujeito ainda ganha um prêmio. O Darwin Awards.

Deixe seu comentário!