Efeito Scharnhorst diz que velocidade mais rápida que a luz é possível

Por , em 27.03.2013

Viagem mais rápida do que a luz poderia ser possível – mas apenas em distâncias muito pequenas, e só porque a velocidade da luz que nós pensamos como absoluta está sendo, na verdade, diminuída, conforme sugere uma nova teoria.

Quando falamos “velocidade da luz” queremos dizer a velocidade da luz no vácuo, simbolizada pela letra “c”, e, por definição, igual a 299.792.458 metros por segundo. Pensamos nela como o limite de velocidade de objetos no universo – nada viajava mais rápido do que isso.

O que muitas vezes nos esquecemos, no entanto, é que é perfeitamente aceitável viajar abaixo deste limite.

Sempre que a luz atinge um material transparente, diminui de velocidade – seja esse material ar, água ou diamante. De um modo geral, quanto mais denso o material, mais a luz diminui de velocidade.

Este abrandamento é um detalhe técnico. Os fótons não caem abaixo do que consideramos a velocidade da luz; eles apenas interagem com uma grande quantidade de objetos no seu caminho.

A enorme quantidade de desvios e as interações entre as duas extremidades de, por exemplo, um prisma de vidro, faz com que a luz que viaja através dele seja medida como viajando a um nível ligeiramente inferior do que os livros de física chamam de constante “c”. Ou seja, o único lugar que a luz é completamente livre para se mover em velocidade “c” é no vácuo.

Entra a espuma quântica, que surge das massas de pequenas partículas que os físicos pensam que saltam entre a existência e a não existência no vácuo. Essas minúsculas partículas também devem interagir com a luz que se move através do suposto vácuo. Essa interação deve ser muito fraca, mas ainda deve desacelerar a luz – mesmo no vácuo.

Isso seria inteiramente teórico se não houvesse circunstâncias em que a densidade das partículas diminui no vácuo, mas há um exemplo. Em meados dos anos 1990, os cientistas observaram o Efeito Casimir. Todas as partículas no vácuo também podem ser descritas como ondas. Se você colocar duas placas juntas no vácuo, haverá menos ondas que se encaixam entre elas do que ondas que se ajustam a qualquer um dos lados das placas. As placas se aproximam, pois há menor densidade de energia entre elas do que fora delas.

E esse espaço entre as placas necessariamente tem poucas partículas, menos do que o espaço à sua volta – ou do que qualquer outra parte do vácuo do espaço. Um físico, Klaus Scharnhorst, percebeu que a menor densidade de partículas pipocando dentro e fora do espaço entre as placas permitiam que a luz viajasse mais rápido do que o que nós pensamos ser a velocidade da luz. Gabriel Barton, outro físico, chegou à mesma conclusão independentemente. Obviamente, testar tal ideia é um desafio.

Mesmo se confirmarmos a teoria, a distância pequena sobre a qual ela trabalha deixa a viagem mais rápida do que a luz ainda mais teórica do que prática. Mas pode ser uma maneira irrefutável de ir mais rápido que a velocidade da luz que conhecemos.[io9]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 4,00 de 5)

11 comentários

  • David Vasconcelos:

    Dor de barriga é mais rápido que a velocidade da luz. Antes de ligar a luz já estava todo borrado!

  • WalterZ:

    Putz..
    Ok. Concordo! Só que isso não faz a menor diferença. A velocidade de luz no vácuo é de 299.792.458 metros por segundo enquanto que a velocidade da Luz “entre duas placas no vacuo” deve ser 299.792.459 metros por segundo, ou algo parecido…
    É só uma simples curiosidade.

  • Andre Luis:

    A velocidade é algo formidável, parece que o ser humano é que não se dá muito bem com ela, talvez com mais e mais teorias como estas possamos ter a convicção real dos limites da velocidade e enteder de fato a sua física atrelada.

  • Wiliam Cesar:

    Não passa de teoria

    • Gustavo Túlio:

      Assim como quase tudo na ciência. Mesmo “provando”, não quer dizer que esteja correto. Podemos provar algo hoje, anos depois descobrir algo e refutar essa teoria (comprovada)antiga.

  • Octavio:

    “299.792.458 metros por segundo”.

    Creio que a velocidade da luz mencionada no texto está errada por estar em metros e não Quilômetros.

    • Dinho01:

      Divida por 1000 e você terá Km/s

  • Marco337:

    Os físicos já esgotaram suas descobertas ( maioria ao acaso ) e passam a querer explorar ciência em cima de ciência. Hoje revisam mais que criam. Eu sempre defini os cientistas como pessoas talentosas, criativas e com grande dom de “transformar ” a matéria prima da natureza. Os benefícios que a ciência nos trouxe são incontáveis. Mas esse texto, pura teoria. Aliás se há algo que fascina e intriga os cientistas físicos é a questão de espaço e tempo.

  • DJX:

    Engraçado quando falam sobre espuma quantica, existe um erro conceitual da teoria no post, porque na teoria a relação da entrada e saida ou abertura e fechamento dos mini-buracos negros e brancos que criam a realidade ou o aparecimento do foton ( que causam o colapso de função de ondas probabilisticas) esses mesmos buracos são a espuma quantica, e isso está inteiramente relacionado à gravidade como acima cita Jean Carvalho.
    A idéia da velocidade da luz ser menor ou maior depende e unicamente do referencial por causa da gravidade, oras, se a gravidade já é uma consequencia (talvez) da interação da propria espuma quântica, não conseguiremos medir a sua velocidade exata nunca, pois o referencial muda junto com o medidor, ou seja, tudo depende da região espaço-tempo que estamos inseridos, depende de uma possivel constante gravitacional ( que não é cosntate e sim mutavel, mas parece constante para quem está dentro dela 😉

  • Jean P. Carvalho:

    Como está no texto: “Se você colocar duas placas juntas no vácuo, haverá menos ondas que se encaixam entre elas do que ondas que se ajustam a qualquer um dos lados das placas. As placas se aproximam, pois há menor densidade de energia entre elas do que fora delas.”

    Ué, não seria esta então uma explicação p/ a gravidade?

  • Thel Martins:

    Eu acredito que existam coisas que são mais rápidas que a luz por natureza, e acredito que são tão rápidas que não podem ser detectadas!

Deixe seu comentário!