Espetacular rocha sedimentar marciana é fotografada pela sonda Curiosity

Por , em 12.09.2016
Esta foto mostra um afloramento de rochas em camadas dentro da região de Murray Buttes. Curiosity examinou de perto esse afloramento, chamado de "formação de Stimson", durante a primeira metade de 2016. A estratificação dentro do arenito indica que ele foi depositado pelo vento com a migração de dunas de areia

Esta foto mostra um afloramento de rochas em camadas dentro da região de Murray Buttes. Curiosity examinou de perto esse afloramento, chamado de “formação de Stimson”, durante a primeira metade de 2016. A estratificação dentro do arenito indica que ele foi depositado pelo vento com a migração de dunas de areia

Aos poucos, os pesquisadores estão desvendando todo o passado geológico de Marte. Novas imagens coloridas feitas pela sonda Curiosity da NASA mostram que o planeta não perde em nada para os parques naturais da Terra.

O robô está atualmente explorando a região de Murray Buttes em Mount Sharp. Os montículos e mesas de Marte são restos erodidos de arenito antigo que se originaram quando os ventos depositaram areia na região, depois do Mounte Sharp ter se formado.

Outro ângulo da formação de Stimson

Outro ângulo da formação de Stimson

“Estudar estes montículos de perto nos deu uma melhor compreensão das dunas de areia antigas que se formaram e foram enterradas, quimicamente alteradas por águas subterrâneas, exumadas e erodidas para formar a paisagem que vemos hoje”, disse o cientista da missão Curiosity, Ashwin Vasavada, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA em Pasadena, Califórnia, EUA.

Marte e o potencial de vida

As novas imagens representam a última parada de Curiosity em Murray Buttes, por onde o robô tem passeado por pouco mais de um mês.

Essa imagem mostra uma encosta inclinada na região de Murray Buttes. A borda da cratera Gale, onde Curiosity desembarcou em 2012, é visível à distância através da névoa empoeirada

Essa imagem mostra uma encosta inclinada na região de Murray Buttes. A borda da cratera Gale, onde Curiosity desembarcou em 2012, é visível à distância através da névoa empoeirada

A partir desta semana, a sonda vai se dirigir mais para o sul, para a base do último montículo que deve analisar. Em seguida, Curiosity vai subir o Mount Sharp, deixando para trás essas formações espetaculares.

A sonda aterrou perto de Mount Sharp em 2012. Curiosity chegou à base da montanha em 2014, depois de encontrar com êxito nas planícies que rodeiam antigos lagos marcianas evidências de condições que teriam sido favoráveis para micróbios florescerem, se Marte tiver hospedado vida.

Formação de Stimson

Formação de Stimson

Camadas de rocha que formam a base do monte acumulavam sedimentos nesses lagos antigos bilhões de anos atrás. No Mount Sharp, Curiosity está investigando como e quando as condições marcianas habitáveis do passado que a missão descobriu acabaram evoluindo para as condições mais secas e menos favoráveis para a vida hoje. [Phys]

Formação de Stimson

Formação de Stimson

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (10 votos, média: 4,40 de 5)

Deixe seu comentário!