Esqueça seus problemas: pílula pode apagar memórias ruins

Por , em 8.06.2011

Boa notícia para quem assistiu ao filme “Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças” e se identificou com o personagem que procurava uma forma de deletar memórias. O procedimento não é exatamente igual ao da ficção, mas quase.

Se você pudesse, tomaria uma pílula que apagasse suas memórias mais dolorosas? Para a maioria de nós, seria difícil optar por perder peças do nosso passado, mas para quem possui problemas realmente sérios, como transtorno de estresse pós-traumático, a tal pílula pode trazer um grande alívio.

Em um estudo que se parece muito com uma cena do filme, os pesquisadores mostraram que a medicação pode realmente ajudar a apagar más lembranças.

Eles contaram com a presença de 33 estudantes universitários, que assistiram a uma apresentação de vídeo cuja história mostrava uma pequena menina sofrendo um terrível acidente durante sua visita à casa dos avós. Enquanto a menina e seu avô estavam construindo uma casa de passarinho, uma serra acabou cortando uma das mãos da menina. Uma das fotos mostradas aos voluntários do estudo é de sua mão mutilada.

Embora a mão da garota acabasse sendo salva no hospital e a história tivesse um final feliz, a apresentação é psicologicamente difícil de ser encarada porque tende a provocar nos espectadores sofrimentos emocionais, explica a autora do estudo, Marie-France Marin. “Não é divertido de assistir”, explica. “O vídeo é carregado de uma grandes emoções, complicadas de digerir”.

Antes do vídeo, Marin havia instruído seus voluntários a assistir com muito cuidado a apresentação. Depois, ela e seus colegas coletaram amostras de saliva para medir níveis do hormônio do estresse, o cortisol.

Três dias depois, os voluntários do estudo voltaram ao laboratório. Alguns deles haviam recebido um placebo, enquanto o resto havia ingerido uma de duas doses de uma droga que controla e limita a quantidade de cortisol circulando no corpo.

A teoria é de que o cortisol está de alguma forma envolvido na preservação de memórias, especialmente aquelas carregadas de emoção, explica Marin. Ao reduzir a quantidade de cortisol no organismo, os cientistas talvez sejam capazes de mexer com a memória – mesmo depois que ela já tenha sido criada e armazenada no cérebro.

Quando Marin pediu aos voluntários que tentassem se lembrar do vídeo de apresentação, aqueles que tinham recebido a droga para o controle do cortisol tiveram maior dificuldade para recordar os detalhes mais dolorosos. Quanto maior a dose, mais difícil se tornava a tarefa de recordar.

Quatro dias depois, os voluntários retornaram ao laboratório. Surpreendentemente, o impacto da droga sobre a memória ainda era aparente: voluntários que a tomaram continuavam apresentando dificuldades em lembrar as cenas emocionalmente intensas.

Marin espera que o estudo possa um dia ajudar pessoas que sofrem de transtorno de estresse pós-traumático (TSPT). Ela suspeita que, no ambiente certo, a droga pode ajudar a diminuir a potência do evento traumático que desencadeou a situação. A ideia é que o paciente retome o assunto do evento com um psicoterapeuta, depois de ter tomado a droga.

Uma das conclusões mais intrigantes do estudo é o fato de que as lembranças não são tão sólidas e imutáveis como imaginamos. Cada vez que pensamos sobre elas em nossas mentes parece haver uma chance de “editar” o que aconteceu, conta Marin.

“Isso significa que realmente podemos mudá-las ou mesmo criar falsas memórias”, observa. “É uma questão que deve ser investigada. Ainda podemos mudar as memórias uma vez que já estão formadas? Parece que sim. E isso levanta questões éticas quando se trata de testemunhas de um crime, por exemplo”, cita.[MSN]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

7 comentários

  • Ema Loureiro:

    Será que o cortisol não fará apenas com que a chamada das memórias ao consciente não seja efectuada completamente, não deixando a memória de ter um papel em algum trauma, sendo assim mais difícil de o resolver, sendo que as memórias no consciente se tornam vagas?

  • Douglas:

    Voê nunca deve esquecer o que foi de ruim no seu passado, vamos supor, se alguem fez algo muito rum no passado, e se arrependeu, ele nunca vai cometer o mesmo erro, se ele lembrar que isso aconteceu.

  • ana:

    POW SERIO COMECEI A LER E PENSEI Q IAM DAR A PILULA PARA A MENINA Q PERDEU A MAO, E NAO PRA QUEM ASSISTIU ALGO KKKKKKKKKKKK

  • Túlio:

    Mesmo não lendo a noticia, somente pelo texto podemos pensar: “São as péssimas memórias que fazem com que nós, seres humanos, evitemos os erros do passado, assim sendo se as excluísse, todo mundo erraria, e consequentemente a “evolução humana” entraria em desaceleração. Portanto ainda sim, por mais que seja boa a idéia, não é a melhor…”

    Abraços.

  • renato_kami:

    só queria saber uma coisa…como ter certeza que vão apagar a coisa certa n tipo o dia do casemento da pessoa ou o nascimento do primeiro filho? =X…tbm da pra pensar em um bom roteiro pra filme sobre controle mental das massas =D

  • EP:

    Eu tomaria.

    Sei que tem algumas memórias ruins que ajudam a evitar que cometamos o mesmo erro no presente ou futuro, mas algumas lembranças ruins são totalmente inúteis e dolorosas. Quero essa pilula!

  • bigorno:

    A mim dava-me jeito apagar certas coisas, apesar de aprendermos com o passado, isso comigo não acontece, nunca aprendo, de tal modo mais valia apagar.

Deixe seu comentário!