Perda de peso: droga à base de planta “desliga” a fome

Por , em 11.09.2018

Um novo estudo do Centro Alemão de Pesquisas Helmholtz Zentrum München identificou um composto potencialmente útil encontrado em uma planta usada na medicina tradicional chinesa capaz de “desligar” a fome em ratos.

Os cientistas já estão testando a substância, chamada celastrol, em seres humanos.

Se o químico se provar eficaz em pessoas também, isso significa que estaremos mais perto de vencer a luta contra a obesidade.

Santo Graal

Projetar uma pílula capaz de diminuir a fome sem causar efeitos colaterais significativos é o santo graal da pesquisa sobre obesidade.

Embora existam fatores metabólicos, psicológicos, sociais e genéticos envolvidos na obesidade, uma droga simples e econômica que reduza o apetite com segurança a longo prazo poderia fazer uma enorme diferença na vida das pessoas batalhando contra a condição.

De acordo com um dos autores do estudo, Dr. Paul Pfluger, os médicos muitas vezes pedem às pessoas com obesidade que percam 5 a 10% do seu peso corporal por ano, mas essa meta raramente é alcançada.

O composto, produzido pela planta Tripterygium wilfordii, nativa do sul da China, pode ajudar os pacientes a completarem esse objetivo. Romper essa “barreira” é importante, porque a perda de peso significativa leva a uma melhora no metabolismo e doenças metabólicas associadas, como diabetes tipo 2.

Como funciona

Ao longo dos anos, o celastrol foi testado como tratamento potencial para artrite reumatoide e câncer. Em 2015, seu potencial para tratar a obesidade foi analisado pela primeira vez.

Os cientistas descobriram que, em ratos obesos, esse composto ativava os centros de saciedade, ou áreas do cérebro que nos dizem que já estamos satisfeitos.

Em pessoas com obesidade, tais centros de saciedade podem ser “defeituosos”. No nosso organismo, o tecido adiposo, ou gordura corporal, libera um hormônio chamado leptina que desencadeia a sensação de “estar cheio”. Algumas pessoas se tornam resistentes à leptina; isso significa que, embora a substância química ainda esteja presente no sangue e na gordura, não causa mais a mesma sensação de saciedade, levando a excessos.

O celastrol pode restaurar a sensibilidade à leptina e, portanto, a sensação de saciedade.

Os resultados do estudo

Em ratos, a administração do celastrol resultou em um consumo muito menor de alimentos.

“Correspondentemente, observamos uma perda média de cerca de 10% do peso corporal em uma semana”, relatou o Dr. Pfluger.

Embora precisemos conter nossa empolgação enquanto aguardamos os resultados dos estudos de acompanhamento realizados em seres humanos, o Dr. Pfluger está confiante de que o celastrol funcionará da mesma maneira.

De acordo com o pesquisador, o sistema de leptina em camundongos é quase idêntico ao dos seres humanos, de forma que o experimento é promissor.

Vale observar, porém, que o celastrol não substituirá outras intervenções no estilo de vida, como dieta e exercícios. A droga pode, no entanto, fornecer um impulso muito bem-vindo para os esforços de perda de peso de um indivíduo. [MedicalNewsToday]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (18 votos, média: 4,89 de 5)

Deixe seu comentário!