A imagem mais profunda já feita do universo

Por , em 14.10.2012

Na astronomia, lidamos com objetos muito mais tênues do que a vista humana consegue captar, às vezes tão tênues que mesmo um olho artificial, como uma câmera fotográfica, tem que ficar aberto durante horas para registrar o objeto: é a chamada fotografia de longa exposição.

O Telescópio Espacial Hubble é capaz de fazer fotografias de longa exposição, mas de um tipo que não poderia ser feito aqui na Terra.

Para tanto, o telescópio seleciona uma pequena região do céu onde aparentemente não há nada, um trecho completamente escuro. Em seguida, seu sensor aponta para aquela região por 11 dias. O resultado final é incrível, e já gerou imagens belas, como as do Campo Ultra Profundo Hubble (HUDF).

Na imagem abaixo, cada ponto de luz é uma galáxia: são cerca de 10.000 somente naquele pequeno trecho do céu.

Fazendo uma extrapolação para o céu inteiro, que é 10 milhões de vezes maior que o trecho fotografado pelo Hubble, os astrônomos chegaram a um número incrível: o nosso universo deveria ter no mínimo 100 bilhões de galáxias.

Mas este não é o fim da história. Existem galáxias que tem o brilho mais fraco ainda, que 11 dias de observação do Hubble não são suficientes para captar. E existem também galáxias que tem sua luz desviada para o vermelho além da faixa captada pelos filtros vermelhos do Hubble. Quantas galáxias não apareceriam a mais se os astrônomos tivessem um pouco mais de paciência?

Foi o que fizeram. Repetiram o mesmo processo, só que durante um período de 23 dias, espalhados pelo período de uma década, mais do que o dobro do tempo do Campo Ultra Profundo, e em uma região ainda menor.

O resultado é o Campo Extremamente Profundo do Hubble (XDF).

A imagem parece familiar porque uma uma parte do campo ultra profundo foi escolhida para ser fotografada ainda mais profundamente.

E, sem surpresas, ainda mais galáxias apareceram na mesma região do espaço. A imagem abaixo serve de comparação: trata-se da mesma região do espaço, tanto no HUDF (esquerda) quanto no XDF (direita):

Bastante impressionante, não? O XDF tem talvez 75% mais galáxias por trecho de céu que o HUDF! Aplicando este resultado para o céu inteiro, o número de galáxias do universo passam de no mínimo 100 bilhões para no mínimo 175 bilhões de galáxias.

Novamente, a aplicação deste resultado é feita multiplicando o número de galáxias encontradas pelo XDF – 5.500 -, pelo número de vezes que cabe o XDF no céu inteiro – cerca de 32 milhões. Veja a comparação do XDF com o tamanho da lua, em um quadrado que cobre um ângulo de 1°.

Mas este ainda não é o fim da história. Ainda há um novo capítulo a ser escrito. O XDF foi feito para captar mais galáxias que estão a uma distância entre 5 e 9 bilhões de anos-luz, fracas demais para serem captadas pelo HUDF. Mas ele encontrou a maioria das novas galáxias na região além dos 9 bilhões de anos-luz.

Só que esta região, além dos 9 bilhões de anos-luz, é uma região em que as galáxias estão com o redshift (desvio para o vermelho) além da sensibilidade do Hubble. Para captar a imagem de mais galáxias, precisamos de um telescópio tão poderoso quanto o Hubble, mas que trabalhe na região do infravermelho.

O Telescópio Espacial James Webb (JWST) será este telescópio. Quantas galáxias veremos com este telescópio que vai trabalhar apenas na faixa do infravermelho? Alguns estimam que o número mínimo de galáxias passe da casa do trilhão.

Enquanto o JWST não fica pronto, lembramos do Hubble, e de que quanto mais olhamos, mais e mais galáxias encontramos.[The Crux Blog]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

19 comentários

  • Nelson José Santos:

    Eu sou o centro do Universo, como todos nós, se partindo em linha reta de qualquer parte de meu corpo esta linha (teoricamente) ira para o infinito e em qualquer direção que atue… além do que somos matéria interestelar (extraterrestres) não somos deste planeta.

  • Jonas Pimentel:

    É justamente isso que eu ia falar, o universo não tem centro, o local do big bang é o local onde vc estar nesse momento, certas medidas humanas não fazem sentido se incorporadas ao universo.

  • Fernandu Z-luciu:

    existem mais galáxias que comentários

  • Rodrigo Gonçalves:

    Magnífico. É legal imaginar que tudo isso tenha sido originado com o Big Bang. A dúvida é: explodiu do nada ou alguém coordenou? Belas imagens. Ansioso pelas imagens do novo telescópio.

  • Eric Musashi:

    Pow, todo tópico tem que ter gente que sequer compreende a teoria do big bang reclamando dela? Acho que deviam começar a excluir comentários não relacionados com a postagem.

  • Alberto Campos:

    Vejam o absurdo que diz a teoria do big bang. Toda a matéria e toda a energia do universo estavam contidas no atomo primordial. Este átomo teria que ser estupidamente grande e não um simples átomo primordial. O universo é extremamente gigantesco. Ele é maior ainda que os 78 bilhões de anos luz estimados.

    • Thiago Stteffen:

      Não tem nada de absurdo. Não partiu tudo de um atomo primordial e sim de uma singularidade, dentro dessa singularidade haviam as 4 forças da natureza que são: eletromagnetismo, gravidade, força nuclear forte e força nuclear fraca.

  • Andre Luis:

    Com estas comparações com a Lua, ficou bem fácil compreender o campo de visão mencionado. Talvez com um telescópio mais potente e com mais recursos tecnológicos, se altere inclusive esta especulação do “trilhões de galáxias” Uma coisa eu tenho certeza: O Universo é muito misterioso, e esses assuntos quanto a distâncias, tempo, e também vida fora da Terra, são tópicos que mais impulsionam o gostar pela astronomia!!!

  • Murilo Mazzolo:

    Magnífico! Sério… to sem palavras!!!
    Isso ainda é no Campo Visível do Universo não é? Ainda não tem as prováveis Galáxias que nunca veremos, por causa da distância e a demora que leva a ainda levaria para sua luz chegar até nos? Ou isso não se aplica ao Hubble?
    Tipo, o Universo tem 13,7 Bilhões de anos. Então seria possível ver Galáxias á uma distância máxima da 13,7 bilhões de Anos-luz, não é? Como aquela mais distante e velha galáxia já registrada á 13,2 Bilhões de Anos-Luz… Isso é se é que é possível ter algo acima dessa distância, já que desconheço esses assuntos… alguém pode me responder Por favor? Obrigado!

  • Paulo Roberto Ferreira Câmara:

    SEM DUVIDA NENHUMA!!!O NUMERO DE GALAXIAS COM T E J WEB PASSARÁ DE TRILHÃO!!!!ISTO ASSUSTA ATÉ NÓS PESSOAS QUE TEMOS ALGUMA NOÇÃO DE ASTRONOMIA!!!PARA TAMANHA MAGNITUDE ACREDITO QUE DEVEMOS PENSAR DE UMA FORMA ESPIRITUAL MAIS AMPLA!!!!PARABENS PELA PAGINA A MELHOR ATÉ AGORA!!!ABÇS FUIIIIIIII

  • elisa:

    Imagina se apontar para a mesma região por um período de 90 dias…

  • aguiarubra:

    Impressionante!!!!

  • Glauco Ramalho:

    O James Webb não tinha sido cancelado??

    • Cesar Grossmann:

      Houveram rumores de cancelamento. Talvez o seu cancelamento tenha sido contemplado no tempo do Bush, quando ele disse “vamos voltar para a Lua” mas não deu dinheiro para isto. Talvez ele tenha sido ressuscitado…

    • Cesar Grossmann:

      Tem um pouco da história do JWST na Wikipedia: http://en.wikipedia.org/wiki/James_Webb_Space_Telescope

  • Alberto Campos:

    Não entendo estas fotos ultra deep field. Nas fotos normais vemos galáxias vermelhas como as mais longincuas. Nas fotos ultra deep field, deveriamos ver todas em infravermelho. Como é uma luz invisivel eles coloriram as galáxias para ser possivel visualia-las. Entretanto cometeram um erro, porque aparecem galáxias até azuis. Será que coloriram arbitrariamente? ou foi proporcionalmente. Eu disconfio que o redshift usado para se determinar as distancias das galáxias, acrescenta erros. A poeira cósmica filtra a cor azul e ultravioleta e deixa passar o vermelho e o infravermelho com facilidade. Na periferia do universo existe mais poeira cósmica, que vai se tornando menos consentada a medida que caminhamos para o centro do universo. Sendo assim isto dará a ilusão de expansão acelerada do universo. A poeira cósmica é mais abundante na periferia, por que é lá que ela é gerada. Vai se aglomerando, juntamente com gases (hidrogenio) e formando corpos celestes que vão enchendo a periferia e caminhando para o centro. Exatamente como acontece com as estrelas das galáxias. Para maiores detalhes ver: “Olhando o Universo”.

    • Eric Musashi:

      Ixi, começou como um comentário despropositado, uma dúvida, para depois se revelar como essa velha “teoria” de internet. Não há “periferia” ou “centro”, só para começar.

Deixe seu comentário!