Se o universo tem 14 bilhões de anos, porque vemos coisas a 32 bilhões de anos-luz?

Por , em 21.08.2012

Em 2003, um trabalho publicado no Physical Review Letters apontava que o raio do universo visível não poderia ser inferior a 46,5 bilhões de anos-luz. Em janeiro de 2011, o Hubble encontrou aquele que é considerado o mais distante objeto já observado, uma estrutura estelar chamada UDFj-39546284, cuja luz viajou por 13,2 bilhões de anos, e que deve estar a aproximados 31,7 bilhões de anos-luz de distância.

Se você acompanhou todos estes números, deve estar se perguntando “se a luz do UDFj-39546284 partiu dele há 13,2 bilhões de anos atrás, como é que este objeto pode estar a 31,7 bilhões de anos-luz de distância”? Os números não batem. Será que os astrofísicos realmente sabem o que é uma grandeza e o que significa um número ser maior que o outro?

Pode apostar que os astrofísicos sabem de tudo isto. Qual a explicação para esta divergência, então? Ocorre que o universo está em expansão. Se ele está em expansão, então quando a luz viajou por 13,2 bilhões de anos, o caminho que ela percorreu é diferente de 13,2 bilhões de anos-luz; é maior.

Você pode imaginar um trem saindo de uma estação, em direção a uma estação que se encontra a uma distância qualquer. Logo depois que o trem parte, a distância começa a sofrer expansão. A estação que ele partiu está mais longe do que a distância que o trem já percorreu, e a distância que o trem ainda tem que percorrer não está diminuindo tão rápido como deveria.

Da mesma forma que o nosso trem metafórico, quando a luz deixou o corpo em questão, a distância que a luz percorreu já é menor que a distância que a separa de sua origem. Da mesma forma, o espaço à frente também está em expansão, e a distância que o raio de luz terá de percorrer até atingir o Hubble vai ficando cada vez maior.

E não é só isto que está acontecendo. O espaço em que o próprio raio está também está em expansão. E o raio vai ficando cada vez mais esticado, o comprimento de onda vai ficando cada vez maior, e vai se alterando em direção aos comprimentos maiores de onda.

Quando ele chegar ao Hubble, os astrofísicos e astrônomos verão as marcas de uma viagem tremenda: de onde veio aquele raio de luz e a que distância se encontra o corpo luminoso que o emitiu, 13.200.000.000 anos atrás.[Enganos sobre o Big Bang – MIT, EveryJoe, USP]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (6 votos, média: 5,00 de 5)

41 comentários

  • Elinael Oliveira Araujo:

    OU, estamos tratando de uma imensurável mentira. Então não há nada que explique. Tudo falácia.

    • Cesar Grossmann:

      Ué, os trabalhos científicos estão aí, os dados também. É só verificar, se tiver erro, é só apontar eles. Se você estiver certo, vai ganhar o Nobel.

    • Chiquinho Barbosa:

      É isso mesmo Elinael, pois além da distância percorrida ainda tem que contar o tempo a luz leva para chegar até nós. Isto está muito mal exp

  • SergioK:

    Ainda não faz sentido, a relatividade diz que nada viola a velocidade da luz, pois temos que considerar o observador e a compressão do tempo. Lembram da explicação clássica de dois observadores andando a velocidades próximas da luz um de encontro ao outro, eles não verão o outro a velocidade acima da luz pois o tempo se comprime. Assim, do nosso ponto de observação, a matéria do universo não pode se espalhar por uma distância maior que a luz andaria no mesmo tempo. Algo está errado.

    • Diego Braga:

      Sérgio, em física existe a relatividade especial e a relatividade geral. Levando em conta a relatividade geral, alguns físicos defendem que não é a matéria que se expande pelo universo e sim o próprio universo. Então a velocidade de recessão de uma galáxia pode ser maior que a da velocidade da luz, porque quanto mais o fóton viaja pelo espaço, mais o espaço se expande.

    • SergioK:

      Isto traria duas consequências estranhas: a velocidade da luz pode ser diferente dependendo da direção do movimento (direção a favor ou contrária à expansão do universo) e a velocidade da luz medida em um ponto não é uma constante absoluta e tem seu valor continuamente alterado em função do tempo, ou seja, conforme aquela região do espaço se expande. É isso mesmo?

    • SergioK:

      Então pelo nosso ponto de observação (E=mC^2), a velocidade da luz andando na mesma direção da expansão do universo seria maior do que C, e a velocidade da luz na direção oposta seria menor. Já que C não é mais absoluto, posso imaginar que, conforme o universo e o espaço se expandem, C pode se alterar em função do tempo. É isso mesmo?

  • Jorginho:

    É o homem tentando entender os mistérios do Universo…
    E com ele à sua insignificância!
    Isso me faz lembrar o caso dos cegos e o elefante:
    O elefante é parecido com um tronco.
    Não, o elefante parece uma mangueira grossa!
    Nada disso! O elefante parece mesmo com uma imensa folha de taioba!
    Todos estão errados! O elefante parece mesmo com uma corda!

    Assim é o Universo que para alguns não passa de 13,7777777777777777777777777777777777777… bilhões de anos!
    E, ele é tão grande que o infinito se fecha dentro dele!
    E, por último: Voltará ser menor que um grão de areia!
    Nós!? Ah, somos meros átomos falantes!
    Falei!!!

    (Que Deus nos perdoe por tantas ignorâncias!) sic

  • Edson Aurélio Hudson:

    Sabendo a idade do universo, conseguimos determinar seu raio?

  • Gerlan Jose:

    Cara, ano-luz não é unidade de tempo e sim de distância.
    Quando se fala em 14 Bilhões de anos atrás, é a respeito do tempo, e quando se fala em 13 ou 30 anos-luz, se trata da distância que esse objeto está em relação à terra.

    • ico:

      Você está equivocado Gerlan, Um ano luz e a distancia que a luz percorre durante um ano, não se pode determinar a distanacia percorrida sem que se acrescente o tempo que que levou para percorrer, se vemos uma estrela a 13 anoz luz, tanto ela está a treze anoz luz de distância como está 13 anoz luz no passado. Aliás a pergunta que você deu aula para responder nem toca nesse assunto da lúz.

  • Mar Mor:

    A idade do universo dada hoje como aproximadamente 13,7 bilhoes de anos é dada como a idade definitiva do universo mas na verdade este numero é a medida do desvio para o vermelho de uma super nova do tipo 1a que é conhecida como luz padrão pois se sabe exatamente a quantidade de luz que ela emite! Se outra super nova do tipo 1A for achada e o desvio para o vermelho for maior que a ultima a dar este numero de 13,7 bilhoes de anos, este novo desvio para o vermelho sera a nova idade do universo, ou seja na ciência nada se pode afirmar com certeza absoluta pois com o avanço tecnologico novos dados são adquiridos e portanto novas conclusões, existe no cérebro humano uma grande nescessidade de definições absolutas, mas no entanto a vida e a pröpria ciência nos ensina que nada é definitivo ou absolutamente preciso, vide o principio da impredivisibilidade da posição de um eletron, nós só podemos afirmar que existe uma nuvem ao redor do núcleo de um atomo e que o eletron ou eletrons estão mais ou menos por ali, mas nunca precisamente aonde ele se localiza a um dado momento ! Portanto nossa mente quer explicações definidas, e para provar isto é só um de nós Brasileiros mestiços, sairem do Brasil e viajar por terras aonde não houve muita mistura de etnias ( não raças pois só existe o Homo Sapiens ) e ver a cara das pessoas de lá tentando entender e definir de onde nós somos, pois a cor de pele diz algo, a cor e estrutura do cabelo outra coisa, a estrutura ossea não corresponde exatamente ao de ninguem definitivamente, o formato dos olhos pode dizer mil coisas, e o Gringo fica perguntando de onde exatamente você é, principalmente se a pessoa falar outra lingua perfeitamente !
    A mente humana busca constantemente definição mas na verdade como no exemplo do povo Brasileiro não podemos ter a resposta pois somos compostos de diversas Etnias, e bem misturadas por uns 400 anos ou mais coisa que na verdade só está realmente vindo a acontecer em outros paises por agora !
    Nós sempre nos misturamos desde o inicio, Portugueses, indios, Africanos, Europeus no Geral e por fim Asiaticos ! Podem ate dizer na America que lá é um caldeirão cultural, mas aqui é um caldeirao cultural que acendeu o fogo e esta misturando faz 400 anos ! Por lá o caldeirão só foi aceso e misturado pelos ultimos 40 anos ! Portanto não se espantem se novos dados cientificos vierem a mudar totalmente nossa visão do Universo, eu prefiro assim é menos entediante, tudo muda o tempo todo no mundo, a vida vem em ondas como o mar, num indo e vindo infinito…..já cantava o Lulu Santos !!

  • Reis Gonzaga:

    Teorias;teorias e teorias; to quase eu melhor crer nos religiosos; o q eu não queria.Na minha opinião; não houve nenhum big-bang;no meu achometro; o q havia na real; uma baita estrela q continha tudo isto q podemos e o q por ventura poderemos no futuro ver.Ela esplodiu esplhando massa incadescente por todos lados e ai; pronto; aqui estamos nós. Mas as idéias dos cientistas não deixa de ser válida.

    • Cesar Grossmann:

      Reis, qualquer ideia tem o seu valor, e vale mais a ideia que conta com evidências na natureza, pelo menos quando são ideias a respeito da natureza, não acha?

      No caso do Big Bang, existem numerosas evidências a favor desta ideia. Tantas evidencias que todas as hipóteses e teorias que estão surgindo na ciência para explicar a origem e evolução do Universo incluem o Big Bang. Em outras palavras, não dá para tentar explicar a origem e evolução do Universo sem incluir nesta explicação a expansão acelerada a partir de um estado denso e quente, cerca de 14 bilhões de anos atrás.

      Mas se você quiser que a sua ideia seja aceita, você vai ter que ser revestida de mais coisas, primeiro de um arcabouço teórico. A Teoria do Big Bang tem a Teoria da Relatividade e a geometria de Minkowski como parte de suas bases. O cálculo usado nestas teorias envolve o cálculo tensorial, além do integral e diferencial.

  • Alberto Campos:

    Rone100theone / 22.08.2012
    Li seu comentário e gostei do seu pensamento. Quantas dúvidas esta matéria causou nos colegas aí abaixo? Realmente tem alguma coisa de errado na teoria do big bang. Veja meu pensamento no blog: “Olhando o Universo”. A idéia do big bang, parece ser imposta para continuarmos neste mistério sem fim, com discussões intermináveis que abastecem esses forum de cosmologia.

  • Alberto Campos:

    Rogerounielo Rounielo França / 26.08.2012
    Seu comentário é quilométrico. É bem maior que o texto acima. Quando comecei a lê-lo, gostei destas frases, logo no inicio de seu comentário. Em seguida, quando percebi sua crença religiosa, abandonei a leitura. Como meu comentário é superior ao seu em palavras eu sugiro ler o blog: “Olhando o Universo”. Realmente o universo nasceu de fora para dentro e não de dentro para fora. Toda esta duvida apresentada no texto, é causada pela péssima teoria do big bang. Veja uma outra teoria sem o big bang.

  • Rogerounielo Rounielo França:

    PARA: ORGANIZAÇÕES PÚBLICAS, ORGANIZAÇÕES PRIVADAS E CIDADÃOS DO BRASIL E DO MUNDO,

    Para conhecimento,

    1. Pergunta: Se o universo tem 14 bilhões de anos, porque vemos coisas a 32 bilhões de anos-luz?

    2. Resposta: por que o Universo se desenvolve de fora para dentro e não de dentro para fora como pensam os cientistas, do planeta terra, atualmente.

    3. Quando os cientistas observam o Universo com seus telescópios potentes estão visualizando as partes mais novas do Universo, criadas depois da criação do sistema solar.

    4. As partes mais velhas do Universo, criadas antes da criação do sistema solar, não podem ser vistas pelo olho humano, uma vez que estão em outras dimensões mais etericas do que a dimensão em que se localiza o sistema solar.

    5. Parte 0 (Volume 000).P. OS SETE SUPERUNIVERSOS. No que concerne ao Pai Universal – enquanto Pai –, os universos são virtualmente não existentes; Ele trata com as personalidades; Ele é o Pai das personalidades. NAQUILO QUE CONCERNE AO FILHO ETERNO E AO ESPÍRITO INFINITO – COMO PARCEIROS CRIADORES –, OS UNIVERSOS TÊM LOCALIZAÇÃO E SÃO INDIVIDUAIS, ESTANDO SOB O GOVERNO CONJUNTO DOS FILHOS CRIADORES E ESPÍRITOS CRIATIVOS MATERNOS. NO QUE DIZ RESPEITO À TRINDADE DO PARAÍSO, FORA DE HAVONA, HÁ APENAS SETE UNIVERSOS HABITADOS, OS SETE SUPERUNIVERSOS OS QUAIS TÊM A SUA JURISDIÇÃO NO CÍRCULO DO PRIMEIRO NÍVEL ESPACIAL PÓS-HAVONA. Os Sete Espíritos Mestres irradiam a sua influência para fora, a partir da Ilha Central; e a vasta criação constituindo, assim, uma roda gigantesca, cujo núcleo é formado pela eterna Ilha do Paraíso e os sete raios, as irradiações dos Sete Espíritos Mestres, formando o perímetro, as regiões exteriores do grande universo. No começo da materialização da criação universal foi formulado o esquema sétuplo de organização e o governo dos superuniversos. A primeira criação pós-Havona foi dividida em sete segmentos colossais, e os mundos-sedes dos governos desses superuniversos foram projetados e construídos. O esquema atual de administração tem existido praticamente por toda a eternidade, e os governantes desses sete superuniversos são apropriadamente chamados Anciães dos Dias. O UNIVERSO LOCAL, AO QUAL PERTENCE O VOSSO SISTEMA, ESTÁ SEGUINDO UM CURSO DEFINIDO E BEM COMPREENDIDO, NO SENTIDO ANTI-HORÁRIO, NA ROTA DE UM GIRO IMENSO, E QUE CIRCUNDA O UNIVERSO CENTRAL. ESSA TRAJETÓRIA CÓSMICA ESTÁ BEM REGISTRADA E É CUIDADOSAMENTE CONHECIDA DOS OBSERVADORES DAS ESTRELAS DO SUPERUNIVERSO, DO MESMO MODO QUE AS ÓRBITAS DOS PLANETAS QUE CONSTITUEM O VOSSO SISTEMA SOLAR SÃO CONHECIDAS PELOS ASTRÔNOMOS DE URÂNTIA. Urântia está situada em um universo local e em um superuniverso ainda não completamente organizados, e o vosso universo local está na proximidade imediata de inúmeras criações físicas parcialmente completas. Vós pertenceis a um dos universos relativamente recentes. Mas não estais hoje vos lançando descontroladamente em um espaço não traçado, nem estais oscilando cegamente rumo a regiões desconhecidas. Estais seguindo a trajetória ordenada e predeterminada do nível espacial do superuniverso. VÓS ESTAIS AGORA PASSANDO PELO MESMO ESPAÇO QUE O VOSSO SISTEMA PLANETÁRIO – OU OS PREDECESSORES DELE – ATRAVESSOU EM IDADES ANTERIORES; E, EM ALGUM DIA NO FUTURO REMOTO, O VOSSO SISTEMA – OU OS SUCESSORES DELE – IRÁ NOVAMENTE ATRAVESSAR O MESMO ESPAÇO DENTRO DO QUAL ESTAIS AGORA MERGULHANDO TÃO RAPIDAMENTE. A ORGANIZAÇÃO DOS SUPERUNIVERSOS. Há sete superuniversos no grande universo; e eles estão constituídos, aproximadamente, do modo como a seguir se expõe: 1. O SISTEMA. A UNIDADE BÁSICA DO SUPERGOVERNO CONSISTE EM CERCA DE MIL MUNDOS HABITADOS OU HABITÁVEIS: SÓIS ABRASADORES, MUNDOS FRIOS, PLANETAS MUITO PRÓXIMOS DE SÓIS QUENTES E OUTRAS ESFERAS NÃO ADEQUADAS, PARA SEREM HABITADAS PELAS CRIATURAS, NÃO ESTÃO INCLUÍDOS NESSE GRUPO. ESSES MIL MUNDOS ADAPTADOS PARA SUPORTAR A VIDA SÃO CONSIDERADOS UM SISTEMA, MAS NOS SISTEMAS MAIS RECENTES APENAS UM NÚMERO RELATIVAMENTE MENOR DESSES MUNDOS PODE SER HABITADO. CADA PLANETA HABITADO É PRESIDIDO POR UM PRÍNCIPE PLANETÁRIO; E CADA SISTEMA LOCAL TEM UMA ESFERA ARQUITETÔNICA COMO SUA SEDE CENTRAL, SENDO GOVERNADO POR UM SOBERANO DO SISTEMA. 2. A CONSTELAÇÃO. UMA CENTENA DE SISTEMAS (CERCA DE 100 000 PLANETAS HABITÁVEIS) FORMA UMA CONSTELAÇÃO. CADA CONSTELAÇÃO POSSUI UMA ESFERA ARQUITETÔNICA COMO SEDE CENTRAL E É PRESIDIDA POR TRÊS FILHOS VORONDADEQUES, OS ALTÍSSIMOS. CADA CONSTELAÇÃO TAMBÉM POSSSUI UM FIEL DOS DIAS, COMO OBSERVADOR E EMBAIXADOR DA TRINDADE DO PARAÍSO. 3. O UNIVERSO LOCAL. UMA CENTENA DE CONSTELAÇÕES (CERCA DE 10 000 000 DE PLANETAS HABITÁVEIS) CONSTITUI UM UNIVERSO LOCAL. CADA UNIVERSO LOCAL TEM UM MUNDO-SEDE CENTRAL ARQUITETÔNICO MAGNÍFICO, E É GOVERNADO POR UM DOS FILHOS CRIADORES COORDENADOS DE DEUS, DA ORDEM DOS MICHAÉIS. CADA UNIVERSO É ABENÇOADO PELA PRESENÇA DE UM UNIÃO DOS DIAS, REPRESENTANTE DA TRINDADE DO PARAÍSO. 4. O SETOR MENOR. UMA CENTENA DE UNIVERSOS LOCAIS (CERCA DE 1 000 000 000 DE PLANETAS HABITÁVEIS) CONSTITUI UM SETOR MENOR DO GOVERNO DE UM SUPERUNIVERSO; TEM UM MUNDO-SEDE CENTRAL MARAVILHOSO, DE ONDE OS SEUS GOVERNANTES, OS RECENTES DOS DIAS, ADMINISTRAM OS ASSUNTOS DESSE SETOR MENOR. HÁ TRÊS RECENTES DOS DIAS, PERSONALIDADES SUPREMAS DA TRINDADE EM CADA SEDE CENTRAL DE UM SETOR MENOR. 5. O SETOR MAIOR. UMA CENTENA DE SETORES MENORES (CERCA DE 100 000 000 000 DE MUNDOS HABITÁVEIS) PERFAZ UM SETOR MAIOR. CADA SETOR MAIOR É PROVIDO DE UMA SEDE CENTRAL EXTRAORDINÁRIA PRESIDIDA POR TRÊS PERFEIÇÕES DOS DIAS, PERSONALIDADES SUPREMAS DA TRINDADE. 6. O SUPERUNIVERSO. DEZ SETORES MAIORES (1 000 000 000 000 DE PLANETAS HABITÁVEIS) CONSTITUEM UM SUPERUNIVERSO. CADA SUPERUNIVERSO É PROVIDO DE UM MUNDO-SEDE CENTRAL ENORME E GLORIOSO, E É GOVERNADO POR TRÊS ANCIÃES DOS DIAS. 7. O GRANDE UNIVERSO. SETE SUPERUNIVERSOS FORMAM O GRANDE UNIVERSO, COMO ESTÁ ORGANIZADO ATUALMENTE, CONSISTINDO EM APROXIMADAMENTE SETE TRILHÕES DE MUNDOS HABITÁVEIS, MAIS AS ESFERAS ARQUITETÔNICAS E AINDA UM BILHÃO DAS ESFERAS HABITADAS DE HAVONA. OS SUPERUNIVERSOS SÃO GOVERNADOS E ADMINISTRADOS INDIRETA E REFLETIVAMENTE, DO PARAÍSO, PELOS SETE ESPÍRITOS MESTRES. O BILHÃO DE MUNDOS DE HAVONA É DIRETAMENTE ADMINISTRADO PELOS ETERNOS DOS DIAS, CADA UMA DESSAS PERSONALIDADES SUPREMAS DA TRINDADE PRESIDINDO A UMA DESSAS ESFERAS PERFEITAS. Excluindo as esferas do Paraíso-Havona, o plano da organização do universo provê as seguintes unidades: Superuniversos (7). Setores Maiores (70). Setores Menores (7.000). Universos Locais (700.000). Constelações (70.000.000). Sistemas Locais. (7.000.000.000). Planetas Habitáveis (7.000.000.000.000). Cada um dos sete superuniversos é constituído, aproximadamente, como se segue: Um sistema abrange aproximadamente 1.000 mundos. Uma constelação (100 sistemas) 100.000 mundos. Um universo (100 constelações) 10.000.000 de mundos. Um setor menor (100 universos)1.000.000.000 de mundos. Um setor maior (100 setores menores) 100.000.000.000 de mundos. Um superuniverso (10 setores maiores) 1.000.000.000.000 de mundos. O SETOR DE SAGITÁRIO E TODOS OS OUTROS SETORES E DIVISÕES DE ORVÔNTON ESTÃO EM ROTAÇÃO EM TORNO DE UVERSA, E ALGUMAS DAS CONFUSÕES FEITAS PELOS ASTRÔNOMOS DE URÂNTIA VÊM DAS ILUSÕES E DISTORÇÕES RELATIVAS PRODUZIDAS PELOS SEGUINTES MOVIMENTOS MÚLTIPLOS DE REVOLUÇÃO: 1. A translação de Urântia em torno do seu sol. A órbita do vosso sistema solar em torno do núcleo da ex-nebulosa de Andronover. A rotação da família estelar de Andronover e dos seus grupos ligados, em torno do centro composto de rotação-gravidade da nuvem estelar de Nébadon. A oscilação da nuvem estelar local de Nébadon e das suas criações, em torno do centro sagitariano do seu setor menor. A rotação de uma centena de setores menores, incluindo o de Sagitário, em torno do seu setor maior. O giro dos dez setores maiores, os chamados fluxos estelares, em torno de Uversa, a sede central de Orvônton. O movimento de Orvônton e dos seis outros superuniversos em torno do Paraíso e de Havona, a procissão em sentido anti-horário do nível espacial superuniversal. ESSES MOVIMENTOS MÚLTIPLOS SÃO DE DIVERSAS ORDENS: AS TRAJETÓRIAS ESPACIAIS DO VOSSO PLANETA E DO VOSSO SISTEMA SOLAR SÃO GENÉTICAS, INERENTES À SUA ORIGEM. O MOVIMENTO ABSOLUTO ANTI-HORÁRIO DE ORVÔNTON TAMBÉM É GENÉTICO, INERENTE AOS PLANOS ARQUITETURAIS DO UNIVERSO-MESTRE. TODAVIA, OS MOVIMENTOS INTERMEDIÁRIOS SÃO DE ORIGEM COMPOSTA, SENDO, EM PARTE, DERIVADOS DA SEGMENTAÇÃO CONSTITUINTE DA ENERGIA-MATÉRIA NOS SUPERUNIVERSOS E, EM PARTE, PRODUZIDOS PELA AÇÃO INTELIGENTE E PROPOSITADA DOS ORGANIZADORES DA FORÇA DO PARAÍSO. Os universos locais ficam mais próximos uns dos outros, à medida que se aproximam de Havona; as órbitas são maiores em número, e há uma superposição crescente, camada por camada. Em pontos mais distanciados do centro eterno, todavia, há cada vez menos sistemas, camadas, órbitas e universos. AS NEBULOSAS – AS ANCESTRAIS DOS UNIVERSOS. Embora a criação e a organização do universo permaneçam sempre sob o controle dos Criadores infinitos e dos seus coligados, todo o fenômeno desenrola-se segundo uma técnica ordenada e em conformidade com as leis gravitacionais da força, da energia e da matéria. Contudo, há algo de mistério associado à potência-carga universal do espaço; nós entendemos plenamente a organização das criações materiais do estágio ultimatômico em diante, mas não compreendemos plenamente os ancestrais cósmicos dos ultímatons. Confiamos que essas forças ancestrais tenham a sua origem no Paraíso, porque elas oscilam sempre, dentro do espaço ocupado, exatamente nos contornos periféricos gigantescos do Paraíso. Se bem que não seja sensível à gravidade do Paraíso, essa potência-carga do espaço, ancestral de toda a materialização, responde sempre à presença do Paraíso inferior, estando, aparentemente, conectada ao circuito de entrada e de saída do centro do Paraíso inferior. A ORIGEM DOS CORPOS ESPACIAIS. A maior parte da massa contida nos sóis e planetas de um superuniverso origina-se nas rodas nebulosas; uma parte muito pequena da massa de um superuniverso é organizada pela ação direta dos diretores de potência (como na construção das esferas arquitetônicas), embora uma quantidade constantemente variável de matéria origine-se no espaço aberto. Quanto à origem, a maioria dos sóis, planetas e outras esferas, pode ser classificada em um dos dez grupos seguintes: 1. OS ANÉIS CONCÊNTRICOS DE CONTRAÇÃO. NEM TODAS AS NEBULOSAS SÃO ESPIRAIS. MUITAS DENTRE AS IMENSAS NEBULOSAS, EM VEZ DE DIVIDIREM-SE EM SISTEMAS DUPLOS DE ESTRELAS OU EVOLUÍREM COMO UMA ESPIRAL, PASSAM POR UMA CONDENSAÇÃO, COM A FORMAÇÃO DE ANÉIS MÚLTIPLOS. POR PERÍODOS LONGOS, UMA NEBULOSA ASSIM MOSTRA-SE COMO UM ENORME SOL CENTRAL, COM INÚMERAS NUVENS GIGANTESCAS DE FORMAÇÕES ANULARES DE MATÉRIA QUE GIRAM AO SEU REDOR. 2. AS ESTRELAS REDEMOINHADAS ABRANGEM AQUELES SÓIS QUE SÃO LANÇADOS DAS GRANDES RODAS MATRIZES DE GASES ALTAMENTE AQUECIDOS. ELES NÃO SÃO ATIRADOS COMO ANÉIS, MAS EM PROCISSÕES, EM SENTIDOS OPOSTOS. AS ESTRELAS REDEMOINHADAS TAMBÉM SÃO ORIGINADAS EM OUTRAS NEBULOSAS, QUE NÃO AS ESPIRAIS. 3. OS PLANETAS DE EXPLOSÕES DE GRAVIDADE. QUANDO UM SOL NASCE DE UMA NEBULOSA NA FORMA DE ESPIRAL OU DE BARRA, NÃO RARO ELE É ATIRADO A UMA DISTÂNCIA CONSIDERÁVEL. UM SOL COMO ESSE É ALTAMENTE GASOSO E, SUBSEQÜENTEMENTE, DEPOIS QUE SE TENHA RESFRIADO E CONDENSADO UM POUCO, PODERÁ CHEGAR A GIRAR PRÓXIMO DE UMA MASSA IMENSA DE MATÉRIA, DE UM SOL GIGANTESCO OU DE UMA ILHA ESCURA DE ESPAÇO. ESSA APROXIMAÇÃO PODE NÃO SER SUFICIENTE PARA RESULTAR EM COLISÃO, MAS PODE SER SUFICIENTE PARA PERMITIR QUE O EMPUXO DA GRAVIDADE DO CORPO MAIOR COMECE A PROVOCAR CONVULSÕES, DO TIPO MARÉ, NO CORPO MENOR, INICIANDO, ASSIM, UMA SÉRIE DE SOLEVANTAMENTOS, SEMELHANTES A MAREMOTOS, QUE OCORREM, SIMULTANEAMENTE, NOS DOIS LADOS OPOSTOS DO SOL EM CONVULSÃO. NO SEU AUGE, ESSAS ERUPÇÕES EXPLOSIVAS PRODUZEM UMA SÉRIE DE AGREGAÇÕES DE TAMANHOS VARIADOS DE MATÉRIA, AS QUAIS PODEM SER PROJETADAS ALÉM DAS ZONAS DE DOMÍNIO DA GRAVIDADE DO SOL EM ERUPÇÃO, TORNANDO-SE ESTABILIZADAS, ASSIM, EM ÓRBITAS PRÓPRIAS, EM TORNO DE UM DOS DOIS CORPOS ENVOLVIDOS NESSE EPISÓDIO. MAIS TARDE, OS CONGLOMERADOS MAIORES DE MATÉRIA UNEM-SE E, GRADUALMENTE, ATRAEM PARA SI OS CORPOS MENORES. É DESSE MODO QUE MUITOS DOS PLANETAS SÓLIDOS DOS SISTEMAS MENORES SÃO TRAZIDOS À EXISTÊNCIA. O VOSSO PRÓPRIO SISTEMA SOLAR TEVE EXATAMENTE ESSA ORIGEM. 4. AS FILHAS PLANETÁRIAS CENTRÍFUGAS. OS SÓIS ENORMES, QUANDO EM CERTOS ESTÁGIOS DE DESENVOLVIMENTO, E CASO A SUA VELOCIDADE DE GIRO SE ACELERE MUITO, COMEÇAM A DESPRENDER GRANDES QUANTIDADES DE MATÉRIA, QUE PODEM SER REUNIDAS SUBSEQÜENTEMENTE ATÉ FORMAREM PEQUENOS MUNDOS, OS QUAIS CONTINUAM A GIRAR EM TORNO DO SOL PROGENITOR. 5. AS ESFERAS COM DEFICIÊNCIA DE GRAVIDADE. HÁ UM LIMITE CRÍTICO PARA O TAMANHO DAS ESTRELAS INDIVIDUAIS. QUANDO UM SOL ALCANÇA ESSE LIMITE, A MENOS QUE A SUA VELOCIDADE DE REVOLUÇÃO DECRESÇA, ESTÁ CONDENADO A SE PARTIR; A FISSÃO DO SOL ACONTECE, E UMA NOVA ESTRELA DUPLA DA MESMA VARIEDADE NASCE. INÚMEROS PLANETAS PEQUENOS PODEM FORMAR-SE, SUBSEQÜENTEMENTE, COMO SUBPRODUTO DE TAL QUEBRA GIGANTESCA. 6. AS ESTRELAS DE CONTRAÇÃO. NOS SISTEMAS MENORES, O PLANETA EXTERIOR DE MAIOR TAMANHO ALGUMAS VEZES ATRAI PARA SI OS SEUS MUNDOS VIZINHOS, ENQUANTO OS PLANETAS PRÓXIMOS DO SOL COMEÇAM O SEU MERGULHO TERMINAL. COM O VOSSO SISTEMA SOLAR, ESSE FIM SIGNIFICARIA QUE OS QUATRO PLANETAS INTERNOS SERIAM ATRAÍDOS PARA O SOL, ENQUANTO O MAIOR PLANETA, JÚPITER, SERIA AUMENTADO GRANDEMENTE PELA ABSORÇÃO DOS MUNDOS REMANESCENTES. UM FIM COMO ESSE, DE UM SISTEMA SOLAR, RESULTARIA NA PRODUÇÃO DE DOIS SÓIS ADJACENTES, MAS DESIGUAIS: UM TIPO DE FORMAÇÃO ESTELAR DUPLA. TAIS CATÁSTROFES SÃO POUCO FREQÜENTES, EXCETO NOS LIMITES DAS AGREGAÇÕES ESTELARES DO SUPERUNIVERSO. 7. AS ESFERAS CUMULATIVAS. PEQUENOS PLANETAS PODEM SURGIR LENTAMENTE DAS ACUMULAÇÕES DE VASTAS QUANTIDADES DE MATÉRIA QUE CIRCULAM NO ESPAÇO. ELES CRESCEM POR AGREGAÇÃO DE METEOROS E COLISÕES MENORES. EM CERTOS SETORES DO ESPAÇO, AS CONDIÇÕES FAVORECEM TAIS FORMAS DE NASCIMENTO PLANETÁRIO. MUITOS MUNDOS HABITADOS TIVERAM ESSA ORIGEM. 8. OS SÓIS EXTINTOS. ALGUMAS DAS ILHAS ESCURAS DO ESPAÇO SÃO SÓIS ISOLADOS, EXTINTOS, CUJA ENERGIA-ESPAÇO DISPONÍVEL JÁ FOI TOTALMENTE EMITIDA. AS UNIDADES ORGANIZADAS DE MATÉRIA APROXIMAM-SE DA CONDENSAÇÃO PLENA, DA CONSOLIDAÇÃO VIRTUALMENTE COMPLETA; E SÃO NECESSÁRIAS ERAS E MAIS ERAS PARA QUE MASSAS TÃO ENORMES DE MATÉRIA ALTAMENTE CONDENSADA SEJAM RECARREGADAS NOS CIRCUITOS DO ESPAÇO, SENDO, ASSIM, PREPARADAS PARA OS NOVOS CICLOS DE FUNÇÃO NO UNIVERSO, DEPOIS DE UMA COLISÃO OU DE ALGUM OUTRO ACONTECIMENTO CÓSMICO IGUALMENTE REVIVIFICADOR. 9. AS ESFERAS DE COLISÃO. NAS REGIÕES DE AGRUPAMENTOS MAIS DENSOS, AS COLISÕES NÃO SÃO RARAS. ESSE REAJUSTAMENTO ASTRONÔMICO É ACOMPANHADO POR IMENSAS MODIFICAÇÕES DE ENERGIA E TRANSMUTAÇÕES DE MATÉRIA. AS COLISÕES QUE ENVOLVEM SÓIS MORTOS INFLUEM PECULIARMENTE NAS CRIAÇÕES DE AMPLAS FLUTUAÇÕES DE ENERGIA. OS DESPOJOS DE COLISÕES FREQÜENTEMENTE CONSTITUEM OS NÚCLEOS MATERIAIS PARA A FORMAÇÃO POSTERIOR DE CORPOS PLANETÁRIOS ADEQUADOS À HABITAÇÃO DOS MORTAIS. 10. OS MUNDOS ARQUITETÔNICOS. ESTES SÃO OS MUNDOS CONSTRUÍDOS DE ACORDO COM OS PLANOS E AS ESPECIFICAÇÕES, PARA ALGUM PROPÓSITO ESPECIAL; TAIS COMO SÁLVINGTON, A SEDE CENTRAL DO VOSSO UNIVERSO LOCAL, E UVERSA, A SEDE DO GOVERNO DO VOSSO SUPERUNIVERSO. Durante os tempos de energia em excesso, há perturbações de potência e flutuações de calor, acompanhadas de manifestações elétricas. Durante os tempos de carência de energia, crescem as tendências que a matéria tem de agregar-se, condensar-se e sair do controle, nas órbitas mais delicadamente equilibradas, resultando em ajustamentos sob a forma de marés ou colisões, que rapidamente restauram o equilíbrio entre a energia circulante e a matéria mais literalmente estabilizada. Prever e entender, de outras maneiras, tais comportamentos dos sóis abrasadores e das ilhas escuras do espaço, estão entre as tarefas dos observadores celestes das estrelas. OS CIRCUITOS DOS SUPERUNIVERSOS. OS CIRCUITOS UNIVERSAIS DO PARAÍSO DE FATO PENETRAM OS REINOS DOS SETE SUPERUNIVERSOS. ESSES CIRCUITOS DE PRESENÇA SÃO: A GRAVIDADE DA PERSONALIDADE DO PAI UNIVERSAL, A GRAVIDADE ESPIRITUAL DO FILHO ETERNO, A GRAVIDADE MENTAL DO AGENTE CONJUNTO E A GRAVIDADE MATERIAL DA ILHA ETERNA. ALÉM DOS CIRCUITOS UNIVERSAIS DO PARAÍSO E DAS ATUAÇÕES-PRESENÇAS DOS ABSOLUTOS E DAS DEIDADES EXPERIENCIAIS, APENAS DUAS DIVISÕES DE CIRCUITOS DE ENERGIA OU DIVISÕES DO PODER, FUNCIONAM NO NÍVEL ESPACIAL DO SUPERUNIVERSO: OS CIRCUITOS DOS SUPERUNIVERSOS E OS CIRCUITOS DOS UNIVERSOS LOCAIS. OS CIRCUITOS DO SUPERUNIVERSO: 1. O CIRCUITO DA INTELIGÊNCIA UNIFICADORA DE UM DOS SETE ESPÍRITOS MESTRES DO PARAÍSO. ESTE CIRCUITO DE MENTE CÓSMICA É LIMITADO A UM ÚNICO SUPERUNIVERSO. 2. O CIRCUITO DO SERVIÇO REFLETIVO DOS SETE ESPÍRITOS REFLETIVOS, EM CADA SUPERUNIVERSO. 3. OS CIRCUITOS SECRETOS DOS MONITORES MISTERIOSOS; DE ALGUM MODO INTERLIGADOS EM DIVÍNINGTON E DAÍ DIRIGIDOS AO PAI UNIVERSAL NO PARAÍSO. 4. O CIRCUITO DA INTERCOMUNHÃO DO FILHO ETERNO COM OS SEUS FILHOS DO PARAÍSO. 5. A PRESENÇA INSTANTÂNEA DO ESPÍRITO INFINITO. 6. AS TELEDIFUSÕES DO PARAÍSO; OS COMUNICADOS ESPACIAIS DE HAVONA. 7. OS CIRCUITOS DE ENERGIA DOS CENTROS DE POTÊNCIA E DOS CONTROLADORES FÍSICOS. Os Circuitos do Universo Local: 1. O do espírito outorgado dos Filhos do Paraíso, o Confortador dos mundos de auto-outorga. O Espírito da Verdade, o espírito de Michael em Urântia. 2. O circuito das Ministras Divinas, Espíritos Maternos do universo local: o Espírito Santo do vosso mundo. 3. O circuito de ministração da inteligência a um universo local, incluindo a presença diversamente atuante dos espíritos ajudantes da mente. OS GOVERNANTES DOS SUPERUNIVERSOS. O alto governo espiritual dos domínios do espaço-tempo está instalado nas sedes centrais dos superuniversos. O ramo executivo do supergoverno, que tem origem nos Conselhos da Trindade, é dirigido diretamente por um dos Sete Espíritos Mestres da supervisão suprema, seres que se assentam nas cátedras de autoridade do Paraíso e que administram os superuniversos por intermédio dos Sete Executivos Supremos, estacionados nos sete mundos especiais do Espírito Infinito, os satélites mais externos do Paraíso. As sedes centrais dos superuniversos são os locais de morada dos Espíritos Refletivos e dos Ajudantes Refletivos de Imagem. Dessa posição intermediária, esses seres maravilhosos conduzem as suas imensas operações de refletividade, ministrando assim ao universo central acima e ao universo local abaixo. O conselho coordenado do superuniverso é composto de sete grupos executivos, previamente nomeados, e dos seguintes governantes de setores e de outros supervisores regionais: 1. Os Perfeições dos Dias – os governantes dos setores maiores do superuniverso. 2. Os Recentes dos Dias – os diretores dos setores menores do superuniverso. 3. Os Uniões dos Dias – os conselheiros do Paraíso para os governantes dos universos locais. 4. Os Fiéis dos Dias – os conselheiros do Paraíso para os governantes Altíssimos dos governos das constelações. 5. Os Filhos Instrutores da Trindade, que podem encontrar-se a serviço nas sedes centrais dos superuniversos. 6. Os Eternos dos Dias, que podem estar presentes nas sedes centrais dos superuniversos. 7. Os sete Ajudantes Refletivos de Imagem – porta-vozes dos sete Espíritos Refletivos, os quais, por intermédio deles, representam os Sete Espíritos Mestres do Paraíso. A ASSEMBLÉIA DELIBERATIVA. É EM MUNDOS COMO UVERSA QUE OS SERES QUE SÃO REPRESENTANTES DA AUTOCRACIA DA PERFEIÇÃO E DA DEMOCRACIA DA EVOLUÇÃO ENCONTRAM-SE FRENTE A FRENTE. O RAMO EXECUTIVO DO SUPERGOVERNO ORIGINA-SE NOS REINOS DA PERFEIÇÃO; O RAMO LEGISLATIVO PROVÉM DO FLORESCIMENTO DOS UNIVERSOS EVOLUCIONÁRIOS. A ASSEMBLÉIA DELIBERATIVA DO SUPERUNIVERSO ESTÁ CONFINADA AO MUNDO-SEDE CENTRAL. ESSE CONSELHO LEGISLATIVO, OU DE ACONSELHAMENTO, CONSISTE EM SETE CASAS E CADA UNIVERSO LOCAL ADMITIDO AOS CONSELHOS DOS SUPERUNIVERSOS ELEGE UM REPRESENTANTE NATIVO PARA CADA UMA DELAS. OS ALTOS CONSELHOS DE TAIS UNIVERSOS LOCAIS ELEGEM ESSES REPRESENTANTES ENTRE OS PEREGRINOS ASCENDENTES GRADUADOS DE ORVÔNTON, QUE SE ENCONTRAM EM UVERSA E QUE ESTÃO CREDITADOS PARA O TRANSPORTE ATÉ HAVONA. A DURAÇÃO MÉDIA DO SERVIÇO É DE CERCA DE CEM ANOS DO TEMPO-PADRÃO DO SUPERUNIVERSO. OS GOVERNOS DOS SETORES. Um setor maior compreende cerca de um décimo de um superuniverso e consiste em uma centena de setores menores, dez mil universos locais e cerca de cem bilhões de mundos habitados. Esses setores maiores são administrados por três Perfeições dos Dias, Personalidades Supremas da Trindade. As cortes dos Perfeições dos Dias são constituídas de modo muito semelhante às dos Anciães dos Dias, exceto por eles não fazerem o julgamento espiritual dos reinos. O trabalho desses governos de setores maiores tem a ver, principalmente, com o status intelectual de uma ampla criação. Os setores maiores detêm todas as questões de importância para o superuniverso, na rotina da natureza administrativa, julgando-as, dispensando-as e tabulando-as, para reportá-las aos Anciães dos Dias; desde que não se relacionem, diretamente, com a administração espiritual dos reinos nem com a execução dos planos de ascensão dos mortais, feitos pelos Governantes do Paraíso. O pessoal do governo de um setor maior não é diferente daquele do superuniverso. Os governos do setor menor são presididos por três Recentes dos Dias. A administração deles ocupa-se, precipuamente, com o controle físico, a unificação, a estabilização e a coordenação rotineira da administração dos seus universos locais componentes. Cada setor menor abrange até cem universos locais, dez mil constelações, um milhão de sistemas; ou seja, cerca de um bilhão de mundos habitáveis. Os mundos-sedes de um setor menor são o grande local de encontro dos Mestres Controladores Físicos. Esses mundos-sedes estão cercados por sete esferas de instrução que constituem as escolas de admissão ao superuniverso e são os centros de aperfeiçoamento, visando aos conhecimentos físicos e administrativos a respeito do universo dos universos. OS PROPÓSITOS DOS SETE SUPERUNIVERSOS. Existem sete propósitos maiores que se desenvolvem na evolução dos sete superuniversos. Cada um desses propósitos maiores, na evolução de um superuniverso, encontrará a sua expressão mais plena em apenas um dos sete superuniversos e, desse modo, cada superuniverso tem uma função especial e uma natureza única. ORVÔNTON, O SÉTIMO SUPERUNIVERSO, AQUELE AO QUAL O VOSSO UNIVERSO LOCAL PERTENCE, É CONHECIDO, PRINCIPALMENTE, PELA SUA IMENSA E PRÓDIGA OUTORGA DO MINISTÉRIO DE MISERICÓRDIA AOS MORTAIS DOS REINOS. É RENOMADO PELA MANEIRA SEGUNDO A QUAL PREVALECE A JUSTIÇA, TEMPERADA PELA MISERICÓRDIA; E PELA QUAL O PODER GOVERNA, CONDICIONADO PELA PACIÊNCIA; ENQUANTO OS SACRIFÍCIOS NO TEMPO SÃO FEITOS LIVREMENTE PARA ASSEGURAR A ESTABILIZAÇÃO NA ETERNIDADE. ORVÔNTON É UM UNIVERSO QUE É UMA DEMONSTRAÇÃO DE AMOR E DE MISERICÓRDIA. (Link http://rounielo.blogspot.com/2011/08/parte-0-volume-000p-os-sete.html)

    Atenciosamente,

    Brasília-DF, Brasil 26.08.2012

    CENTRO CIENTÍFICO UNIVERSAL PARA O PROGRESSO DA HUMANIDADE

    CONSCIÊNCIA CÓSMICA NO PLANETA TERRA, POR INTERMÉDIO DA CONSCIÊNCIA CRÍSTICA

    “SÓ A FRATERNIDADE E UNIÃO ENTRE OS SERES HUMANOS, DO MUNDO, PODERÁ RESOLVER OS PROBLEMAS SOCIAIS, AMBIENTAIS, ECONÔMICOS, FINANCEIROS E DE RELACIONAMENTO, DO PLANETA TERRA. NÃO HÁ IDEOLOGIA SUPERIOR À FRATERNIDADE UNIVERSAL”

    “O Ser Supremo protege os fracos, impede que os fortes exacerbem o mau do seu egoísmo, em prejuízo ainda maior dos fracos e também protege os próprios egoístas do seu próprio egoísmo, pois ama todas as criaturas da mesma maneira.”

    “quando os bons não se apresentam ao campo de batalha a vitória da injustiça é justa.”.

    “O poder que os homens possuem, no Planeta Terra, serve para nos ensinar que o maior PODER DO MUNDO é o PODER de dominar-se a si mesmo, que é um PODER MENOR, que te leva ao PODER MAIOR, QUE É NÃO TER PODER ALGUM”.

    “ADOREMOS O PAI UNIVERSAL! SAUDEMOS O SER SUPREMO!

    Rogerounielo Rounielo de França
    Advogado – OAB SP 117.597
    Pós-Graduado em Direito Público pela Faculdade Fortium
    Mestre Maçon – Loja Areópago de Brasília nº 3001
    Mestre Maçon – Loja de Pesquisas Maçônicas do GODF nº 3994
    Grande Oriente do Brasil-GOB
    Grande Oriente do Distrito Federal-GODF
    Mestre. Loja Uversa nº 5.342.482.337.666. Filiada ao Grande Oriente de Uversa, jurisdicionada pelo Sétimo Grande Oriente Super-Universo Orvônton, vinculado ao Reino Estelar do Universo dos Universos do Tempo e do Espaço (Ilha do Paraíso).
    Especialista em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas-FGV
    Certificação CPA 10 pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais-ANBIMA
    Participante do Centro Espírita André Luiz-CEAL
    Funcionário do Banco do Brasil S.A. Diretoria de Micro e Pequenas Empresas
    Blog: http://rounielo.blogspot.com
    Final

    • Alex Falcone:

      Baseada em que essa sua tese?

    • Vitor Christo:

      No passado acreditávamos que as leis de Newton, sobre gravidade, eram imutáveis, mais tarde percebemos que era uma particularidade das teorias de Einstein.
      Eu me arrisco a dizer que a atual teoria de Einstein, mais especificamente no que tange a E=MC2, está incompleta, e tenho uma sugestão que explicaria algumas falhas no big bang, e também o comportamento da luz nos horizontes de evento dos buracos negros.

      A velocidade é uma relação de espaço pelo tempo, no início espaço e tempo não tinham as mesmas caracteristicas fícas que têm hoje. Acredito que com um instrumento suficientemente preciso, poderemos verificar que a velocidade da luz está experimentando variações infiniesimais a cada segundo que passa. Uma vez que o tecido espaço/tempo está se expandindo.

      que tal se a gente fizesse uma pequena alteração na equação e=mc2 ?
      isolando o C da equação de Einstein e adicionando 1/ST;

      C= (E/M)^1/2 + 1/ST
      ST é uma grandeza numérica para definir espaço tempo,
      no início ST → 0 , e o valor de C → oo;
      nos tempos atuais como ST → oo, o valor de C tende a ser o valor
      conhecido.

      Creio que minha colocação pode ser de grande ajuda, para corrigir nossa miopia
      sobre o entendimento do big bang.

    • Joaquim Azevedo:

      Se uma pessoa não me convence com 20 palavras, não consegue convencer-me com 2.000. Dictuim sapienti satest; prefiro intelligenti pauca.

  • Rogerounielo Rounielo França:

    PARA: ORGANIZAÇÕES PÚBLICAS, ORGANIZAÇÕES PRIVADAS E CIDADÃOS DO BRASIL E DO MUNDO,

    Para conhecimento,

    Pergunta: Se o universo tem 14 bilhões de anos, porque vemos coisas a 32 bilhões de anos-luz?

    Resposta: por que o Universo se desenvolve de fora para entro e não de dentro para fora como pensam os cientistas, do planeta terra, atualmente.

    Quando os cientistas observam o Universo com seus telescópios potentes estão visualizando as partes mais novas do Universo, criadas depois da criação do sistema solar.

    As partes mais velhas do Universo, criadas antes da criação do sistema solar, não podem ser vistas pelo olho humano, uma vez que estão em outras dimensões mais etericas do que a dimensão em que se localiza o sistema solar.

    Atenciosamente,

    Brasília-DF, Brasil 26.08.2012

    CENTRO CIENTÍFICO UNIVERSAL PARA O PROGRESSO DA HUMANIDADE

    CONSCIÊNCIA CÓSMICA NO PLANETA TERRA, POR INTERMÉDIO DA CONSCIÊNCIA CRÍSTICA

    “SÓ A FRATERNIDADE E UNIÃO ENTRE OS SERES HUMANOS, DO MUNDO, PODERÁ RESOLVER OS PROBLEMAS SOCIAIS, AMBIENTAIS, ECONÔMICOS, FINANCEIROS E DE RELACIONAMENTO, DO PLANETA TERRA. NÃO HÁ IDEOLOGIA SUPERIOR À FRATERNIDADE UNIVERSAL”

    “O Ser Supremo protege os fracos, impede que os fortes exacerbem o mau do seu egoísmo, em prejuízo ainda maior dos fracos e também protege os próprios egoístas do seu próprio egoísmo, pois ama todas as criaturas da mesma maneira.”

    “quando os bons não se apresentam ao campo de batalha a vitória da injustiça é justa.”.

    “O poder que os homens possuem, no Planeta Terra, serve para nos ensinar que o maior PODER DO MUNDO é o PODER de dominar-se a si mesmo, que é um PODER MENOR, que te leva ao PODER MAIOR, QUE É NÃO TER PODER ALGUM”.

    “ADOREMOS O PAI UNIVERSAL! SAUDEMOS O SER SUPREMO!

    Rogerounielo Rounielo de França
    Advogado – OAB SP 117.597
    Pós-Graduado em Direito Público pela Faculdade Fortium
    Mestre Maçon – Loja Areópago de Brasília nº 3001
    Mestre Maçon – Loja de Pesquisas Maçônicas do GODF nº 3994
    Grande Oriente do Brasil-GOB
    Grande Oriente do Distrito Federal-GODF
    Mestre. Loja Uversa nº 5.342.482.337.666. Filiada ao Grande Oriente de Uversa, jurisdicionada pelo Sétimo Grande Oriente Super-Universo Orvônton, vinculado ao Reino Estelar do Universo dos Universos do Tempo e do Espaço (Ilha do Paraíso).
    Especialista em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas-FGV
    Certificação CPA 10 pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais-ANBIMA
    Participante do Centro Espírita André Luiz-CEAL
    Funcionário do Banco do Brasil S.A. Diretoria de Micro e Pequenas Empresas
    Blog: http://rounielo.blogspot.com
    Final

  • Franco4:

    Existe aí nesta questão dois erros absolutos: Ou o universo não tem 14 bilhões de anos, ou uma estrutura estelar não pode ter se formado em apenas 800 milhões de anos logo após o esfriamento do bing-bang, considerando por exemplo que a própria terra levou 4,5 bilhões de anos para se formar é muito pouco tempo para tanta criação. Quanto a luz destas imagens atingir as lentes do Hubble é óbvio que deve-se considerar a expansão do universo a esticar o percurso, mas isto só não explica claramente a questão.
    Franco.

    • Cesar Grossmann:

      A Terra se formou em alguns milhões de anos. Ela tem 4,5 bilhões de anos de idade, mas o processo que deu origem ao planeta se completou em um “piscar de olhos” cósmico.

    • Marcos Xs:

      Franco4 concordo com vc, como a terra pode levar 4,5 bilhões de anos para se formar , e todo o UNIVERSO com Trilhões de Galaxias levar apenas +-14 bilhões de anos para se formar?
      Isto é ILÓGICO , é muito pouco tempo para tanta criação (Galaxias, Sois , planetas , etc).

  • Rone100theone:

    O pressuposto do Big Bang como algo único e em um único ponto no Universo , para mim nunca foi algo que se harmoniza com estas medições. Se são observados “objetos a 31,7 bilhões de anos-luz de distância”, não seria mais fácil afirmar que eles apareceram, foram criados lá mesmo e naquele tempo? Porque imaginar um Único Big Bang? É claro que o Universo está se expandindo.. Mas o que dizer de Galaxias que colidem umas com as outras? Se a Matéria das duas se originou em um único ponto, mesmo levando em conta a gravidade a matéria escura , a energia escura, e bilhões de anos de deslocamento das duas galaxias, não considero isso possível. Em documentários afirmam que no começo a matéria do Big Bang se deslocou mais rápido que a velocidade da luz.. chamam isso de inflação cósmica. Eu chamo isso de ” forçar” uma explicação pra algo que não podem explicar, alem de contradizer as próprias leis da física que entendemos. Resumindo NÃO acredito no modelo clássico do Big Bang. Mas sim em VÀRIOS atos de CRIAÇÂO há bilhões de anos atrás.

    • Chiquinho Barbosa:

      É isso mesmo, concordo com você. Não acredito no Big Bang, é muito ilógico…

  • Jairo R. Morales:

    Talvez uma forma uma forma bastante boba de explicar o assunto seria assim:

    Duas meninas estão jogando bola em alto mar, cada uma encima de uma jangada diferente. A principio a bola não leva mais do que 2 seg. para sair da menina “a” até a menina “b”.

    Porem, uma onda mais forte faz com ambas as jangadas se afastem uma da outra, e agora a bola leva 20 seg. para ir da menina “b” de volta para a menina “a”.

    O mesmo ocorre com a luz: Nosso universo tem 13.2 bilhões de anos, porem com a expansão, a distancia entre as galáxias está aumentando e com isso fazendo com que a luz leve três vezes mais tempo para chegar de um ponto.

    Como a bola no exemplo acima 😉

    • Murilo Mazzolo:

      Legal, mas no caso pra ficar de acordo, enquanto a onda separa as duas jangadas, a bola esta realizando a viagem do ponto “A” para o “B”, o que levaria 20segundos se a bola fosse jogada após distanciarem-se, na realidade leva menos, já que expande enquanto ela mais se aproxima da outra jangada…

  • jodeja:

    Complicado esse trem, né? Quando se fala em universo, cada um de nós entende de uma forma. Sou pra lá de leigo no assunto, mas já ouvi de algumas pessoas que hoje se deve dizer multiversos ou pluriversos, porque nosso universo seria apenas o sistema solar. Como considerar nosso um objeto mais distante encontrado e o que há do outro lado desse objeto? Admiro e respeito os cientistas e não duvido do que dizem, se fico com um pé atrás, talvez pela minha ignorância de não entender como “o nosso universo chegou aos dias atuais de 24 horas, é isso mesmo? Desculpem-me e não me levem a mal.

  • Cesar Grossmann:

    Lisandro, novamente, ninguém está afirmando que existem alguns astros aparentando ser “mais velhos” que o próprio Big Bang.

    • Jairo R. Morales:

      @Cesar Grossmann:

      Concordo, o proprio texto deixou isso bastante claro.

      “(…)se a luz partiu dele há 13,2 bilhões de anos atrás, como é que este objeto pode estar a 31,7 bilhões de anos-luz de distância? Os números não batem. Será que os astrofísicos realmente sabem o que é uma grandeza e o que significa um número ser maior que o outro?

      Pode apostar que os astrofísicos sabem de tudo isto. Qual a explicação para esta divergência, então? Ocorre que o universo está em expansão. Se ele está em expansão, então quando a luz viajou por 13,2 bilhões de anos, o caminho que ela percorreu é diferente de 13,2 bilhões de anos-luz; é maior.

      Você pode imaginar um trem saindo de uma estação, em direção a uma estação que se encontra a uma distância qualquer. Logo depois que o trem parte, a distância começa a sofrer expansão. A estação que ele partiu está mais longe do que a distância que o trem já percorreu, e a distância que o trem ainda tem que percorrer não está diminuindo tão rápido como deveria.

      Da mesma forma que o nosso trem metafórico, quando a luz deixou o corpo em questão, a distância que a luz percorreu já é menor que a distância que a separa de sua origem. Da mesma forma, o espaço à frente também está em expansão, e a distância que o raio de luz terá de percorrer até atingir o Hubble vai ficando cada vez maior.”

  • Cesar Grossmann:

    Lisandro, ninguém está afirmando que tenha sido fotografado um objeto mais antigo que o Big Bang. O artigo é sobre a distância percorrida pela luz e a distância comóvel.

  • Hugo:

    Acho que entendi, mas ficou uma dúvida, pelo menos para meu cérebro mediano.

    Considerando que a Terra está num extremo do universo e o UDFj-39546284 no extremo oposto, o universo tem um diâmetro de 31,7 bilhoes de anos-luz. Então, considerando que viajaram na mesma velocidade, tanto a terra quanto o UDFj-39546284 percorreram uma distância de 15,85 bilhões de anos-luz desde o bigbang, a 14 bilhoes de anos.

    Segundo estas contas, os dois objetos viajaram mais rápido que a luz. Alguém me explica onde está meu erro?

    • Cesar Grossmann:

      Bom, o primeiro erro é que a Terra não está em um extremo do universo. Ela está no centro do seu próprio universo visível, e UDFj está no extremo deste universo visível centrado na Terra.

      Sobre a velocidade de expansão, acredita-se que no período chamado de inflação a velocidade de expansão realmente foi superior à da luz. Mas como se trata da expansão do Universo e não de um corpo acelerando, não há violação do limite de velocidade do universo.

    • elisa:

      Mas se a expansão é acelerada, como dizem, o que veremos se esta expansão superar novamente a velocidade da luz?
      Veremos os fatos se reverterem, como um filme rodando ao contrário?

  • Andre Luis:

    A foto desta matéria é incrível, são vários anos-luz em apenas alguns pixels da imagem!

    • Cesar Grossmann:

      São bilhões de anos-luz em uma imagem. É um campo ultra profundo do Hubble. Uma imagem fantástica, que é uma viagem no tempo e na distância descomunais. Você tem direito de olhar ela por horas e pensar que a distância que te separa destas gigantescas galáxias é tão grande, tão grande, tão grande, tão grande, tão grande, tão grande, que você nunca vai conseguir compreender realmente o quão grande é esta distância: a gente não está preparado para lidar com distâncias tão grandes. A gente nem faz ideia de como representar uma distância tão grande.

      Se você acha que eu estou exagerando, troca cada ano-luz pelo equivalente em quilômetros: cerca de 10 trilhões (10.000.000.000.000) de quilômetros. Multiplica isto por 13 bilhões (13.000.000.000), e olha para cada zero, sabendo que ele representa uma grandeza a mais que o seu amiguinho da direita.

    • Victor B. Iturriet:

      se eu não me perdi com tantos zeros, seriam 10^13 (10 trilhões) multiplicado por 13*10^9 ou seja, 13*10^22 Km

      130.000.000.000.000.000.000.000

      Alguem sabe pronunciar isso?

  • Murilo Mazzolo:

    Cara… intendi, mas meu crânio está queimando agora!!! kkkkk
    Legal isso, mas será que existe algum objeto mais distante que esse?

    • Cesar Grossmann:

      É uma boa pergunta, Murilo. Talvez exista. Só vamos saber com certeza se encontrarmos algum objeto mais distante…

      Em outras palavras, esta pergunta não pode ser respondida com um “não”. Teríamos que conhecer todos os objetos do Universo e suas distâncias para ter certeza que este é o mais distante.

      Sobram as únicas respostas honestas:

      “É possível, mas não sabemos.” e, depois que a gente encontrar um objeto mais distante, “sim, existe o objeto recém-descoberto que é mais longe que este daí”.

    • Murilo Mazzolo:

      Beleza…
      Só uma dúvida que tenho desde quando era criança:
      O universo é Finito ou Infinito? Se é Finito, o que vem nas ultimas “camadas” dele, e oque acontece depois dele? Outros Universos?
      E se ele foi Infinito, como é possível astronomicamente falando, algo que não tem fim? Sempre me perguntei isso desdas primeiras aulas de Ciências no Fundamental… kk

Deixe seu comentário!