Japão é proibido de caçar baleias na Antártica

Por , em 31.03.2014

O Tribunal Internacional de Justiça da Organização das Nações Unidas (ONU) decidiu que o Japão deve suspender temporariamente seu programa de caça às baleias na Antártica.

O país acusado concordou com a Austrália, que trouxe o caso para a discussão em maio de 2010, que o programa não era para a investigação científica, como reivindicado anteriormente, e disse que vai acatar a deliberação, mas que “lamenta e está profundamente decepcionado com a decisão”.

O caso

A Austrália argumentou, em 2010, que o “programa de pesquisa” japonês era caça comercial disfarçada. O Japão, por sua vez, afirmou que o processo foi uma tentativa de impor normas culturais ocidentais sobre o país.

A carne de baleia é vendida comercialmente no Japão. Embora esse comércio não seja ilegal, levou às acusações da Austrália e outras nações contra a caça de baleias de que o Japão não estava fazendo ciência na Antártica.

Apesar do país ter assinado uma proibição da caça comercial desses animais em 1986, continuou a abater baleias no norte e no sul do Pacífico sob o pretexto da pesquisa científica.

Em uma decisão demorada, o juiz-presidente do tribunal da ONU, Peter Tomka, disse que o Japão não conseguiu provar que a matança de baleias em águas antárticas a cada inverno – no âmbito de um programa conhecido como Jarpa II – era para fins científicos.

O tribunal decidiu, por 12 votos a 4, cortar todas as autorizações e licenças para a caça às baleias do Japão na Antártica.

a9bb5addd3aecebc9c9fcf5c123ad6666260f197

Ocidente x Oriente

O Japão entrou em conflito várias vezes com a Austrália e outros países ocidentais, que se opõem fortemente a caça às baleias por razões de conservação.

O país asiático sustentou que o seu abate anual de 850 baleias-minke-antártica e 50 baleias-comuns, ameaçadas de extinção, foi necessário para examinar a idade, saúde, hábitos alimentares, exposição a toxinas e outras características das populações de baleias.

Além disso, tem argumentado que as baleias-minke-antártica e uma série de outras espécies são abundantes, e que suas atividades baleeiras são sustentáveis.

7ef8e1dabaa5f1c89d4fb72df094de5bc3f2a6a1

Por fim, em sua defesa, o Japão citou apenas dois artigos científicos revisados por outros cientistas sobre seu programa, que já matou 3.600 baleias-minke-antártica, além de várias baleias comuns e jubartes, desde 2005.

Tomka afirma que essa produção científica é bastante limitada, que o Japão não ofereceu justificação científica suficiente para o abate de um grande número de baleias e que falhou em explorar a possibilidade de recolha de certos dados científicos sem precisar matar os mamíferos.

Um porta-voz do Greenpeace no Reino Unido, Willie MacKenzie, saudou a decisão da ONU. “O mito de que esta caça era de qualquer forma científica pode agora ser desmentido de uma vez por todas”, disse.

No entanto, os problemas das baleias estão longe de terminar – perto do Japão, a Noruega e a Islândia matam muito mais desses animais por seu valor comercial, desafiando abertamente a proibição da Comissão Baleeira Internacional. [BBC, TheGuardian, Yahoo]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

5 comentários

  • Cesar Grossmann:

    Noruega e Islândia também estão na lista de países que ainda matam baleias.

    http://www.ifaw.org/united-states/our-work/whales/which-countries-are-still-whaling

  • GuiNoJudge:

    Porque um país tão desenvolvido como o Japão ainda não abandonou essa prática?Matança de baleias e golfinhos deve dar muito dinheiro.

    • Marcelo Ribeiro:

      Se agarrando a um tradicionalismo moribundo e nonsense para ter sensação de estar no controle do futuro.

    • Caleb Yamamoto:

      Sou contra a caça vendo pelo lado da preservação, mas é a cultura dos japoneses, isso acho que não pode se mudar assim de um dia para o outro. Eu cresci aqui no Japão, desde meus 14 anos e nunca comi e não pretendo comer carne de baleia.
      Se pelo menos fosse possível criar criadores de baleia para abate seria uma solução, como estão fazendo com o atum hoje em dia. Como eles mesmo dizem, “por que carne bovina pode ?”, em nossa cultura é totalmente diferente mas pra eles é a mesma coisa.

    • Marcelo Ribeiro:

      Assista ao documentário “Te Cove”. É possível que você esteja comendo e nem sequer sabe.

      Carne bovina é criada especialmente para isso, não é predação insustentável.

Deixe seu comentário!