Nebulosa do Ovo Frito, a monstruosa estrela que já expeliu 4 sóis

Por , em 29.09.2011

Hipergigantes amarelas – estrelas muito massivas de duração relativamente curta – parecem ser extremamente raras no universo.

Essa imagem em infravermelho, capturada no Observatório Europeu do Sul pelo Very Large Telescope (VLT), é a melhor já feita de uma dessas estrelas monstruosas. Ela mostra o centro da estrela gigantesca, rodeada por duas conchas de material ejetado.

Essa estrela é mil vezes maior do que o sol, mas não tinha sido previamente identificada como uma hipergigante amarela, apesar do seu incrível brilho luminoso.

Agora, ela está em um dos estágios mais voláteis de sua vida: já expeliu a massa de quatro sóis em um período de algumas centenas de anos.

A concha dupla de material expelido motivou o nome da estrela: Nebulosa do Ovo Frito. Toda essa atividade sugere que em breve a estrela irá explodir como uma supernova. [NewScientist]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

16 comentários

  • helder alves fonseca:

    adorei o comentario do cesar, de ele citar sagam, e tbm de dizer q somos provalmente restos de explosoes de supernovas ou hipernovas. mas de de dizer q somos restos de impactos de duas estrelas de neutrons tbm e demais. afinal estrelas de massas muitos maiores q o sol tem sim elementos muitos mais pesados e atomos de hidrogendio em maior numero.essas explosoes que ejetam materiais para outros planestas e estelas, na verdade sao tudo obra do arquiteto de universo

  • magoado:

    estrelas tão grandes….e o homem tão pequeno,
    coisas pra refletir na grandeza daquele que as criou !!!!

  • Gabriel:

    tipo não entendi a parte do tamanho? eles quiseserão diser que em quilometro quadrado é mil veses maior do que o noso sol? ou eles quiserão diser que sua massa é mil veses maior que do nosso sol?

    se for a massa… quando ocorrer a super nova, segundo astronomia ,essa estrela vai virar um posivel buraco negro.

    caso se for so o tamanho sem maiores compresoes. ai ela virara uma estrela ail. feita sómenti de nucleo e tipo supe mais muito soper pesada. sento se um pedacinho de nada (tipo uma pedrinha de um tamanho do celular que nós usamos no dia a dia ) a terra sera no minimo esterelizada.

    • Gabriel:

      coreção (XD) sento se um pedacinho de nada cair na terra a tal sera no minimo esterelizada.

      …compreçoes. ai ela virara uma estrela azul. …

    • Jonatas:

      Não, na verdade eles dissram mil vezes no diâmetro da estrela. o do Sol é 1,4 milhão de km, o dessa estrela é 1,4 bilhão de km. É tão grande que no lugar do Sol preencheria o Espaço até a órbita de Júpiter. Se fizer o cálculo do volume, em km³, ela deverá ser mais de 1 bilhão de vezes maior que o Sol.

    • Gabriel:

      massa não quer diser nessesariamenti volume
      e sim agrupamento de moleculas de ferro e etc…
      isso que diser massividade de uma extrala pode ser maior que de nosso sol e bem menor em diametro .

      mais eu tenho quase sertesa que quiserão diser o que vc falou.
      mais o que bem interessa é o tamanho e a massividade dela não é?
      não gostei da postagem do site.( desta ves pelo menos)

  • CAMPOS:

    Esta estrela parece que explodiu parcialmente e lançou um anel de matérias que provavelmente dará início a uma porção de planetas, como aconteceu provavelmente com o nosso sol.

  • Walfrido Lourenço de Souza:

    Dá para extrair muitas riquezas delas. Só não dá para viver lá, que é muito quente, pode suar muito.

  • EltonPaes:

    Nerds… mal posso ver seus movimentos…

  • Jonatas:

    VY Canis Majoris, HiperGigante Vermelha, entre 1500 e 3000 vezes o diâmetro do Sol. Em volume, 27 bilhões de sóis.
    Terra- Volume: 1.086.781.292.542 km³
    Sol – Volume: 1.436.755.040.241.732.108 km³ (1,3 milhão de terras)
    VYCM – Volume: 38.792.386.086.526.766.908.536.720.497 km³
    (27 bilhões de sóis)
    Sol – Massa: 1
    VYCM – Massa: (50 – 100)
    Se colocassem esse monstro no lugar do Sol, sua superfície chegaria até a órbita de Urano.
    Estrela pra ninguém botar defeito…

    • Lulu:

      Hum… acho que o tamanho da VY CJ, se colocada no lugar do sol, seria até Júpiter, ‘somente’…

  • Jonatas:

    Hipergigantes amarelas são enormes, mas as hipergigantes vermelhas são ainda maiores. Porém, embora só estrelas muito massivas virem hipegigantes, tamanho não significa mais massa. São estrelas muito expandidas, muito quentes e com baixa densidade nas camadas exteriores mais expandidas. O mais interessante acontece em seus interiores, uma verdadeira alquimia cósmica, elementos se transformando, hidrogenio em hélio ainda continua, mas mais pra dentro helio se transforma em carbono, carbono em oxigenio ou nitrogenio, oxigenio em silicio, silico em metais cada vez mais pesados. Quando explodem em supernova, ou hipernova, alimenta o universo com elementos exóticos.

    • Cesar:

      É a nucleossíntese estelar, que levou Carl Sagan a afirmar que somos poeira de estrelas. Só que parece que em estrelas só se formam elementos até o Ferro, elementos com número atômico maior precisam de condições tão radicais que os cientistas supõe que só aconteçam em explosões de hipernovas (acho que já saiu matéria sobre isso no Hypescience). O ouro é o mais radical deles, existe uma hipótese de que ele surge na colisão entre duas estrelas de nêutrons! Imagina só, eu tenho preso no dedo o testemunho de um dos eventos mais radicais que acontecem no Universo!

    • Jonatas:

      Cesar, tu é físico ou astronomo ou apenas um leitor vorás? e que me parece conhecer bastante. Legal citar Sagan, tenho partes da série “Cosmos” e é incrível como um astrônomo em uma época mais escassa de recursos tenha elaborado uma síntese de conteúdo tão leve e mesmo assim rica em informção, com poucos ou nenhum erro em relação a astronomia atual. Um poeta e um cientista, até mesmo pra leigos no assunto as apresentações dele soavam interessantes e compreensíveis. Faz sentido o que disseste das hipernovas. Como são raras, é bem raro encontrar os maiores números atômicos na natureza, como o Urânio.

    • Jonatas:

      acho que as hipergigantes amarelas e vermelhas devem ser raras porque alem de serem muito massivas – apenas colossais concentrações de matéria em nebulosas parrudas podem origina-las – , a estrela precisa ter estabilidade suficiente pra chegar a esse estagio de expansão… pra não explodir de cara quando o astro é só uma hipergigante azul… Como hipernovas também não são um evento lá muito comum, vemos o fato disso nos elementos de grande numero atomico serem mais raros na natureza. Eta Carinae por exemplo, tem mais de 100 massas solares (canis majoris parece ter metade disso) e acho que antes de crescer pra virar um balão vermelho desses ela entra em colapso e explode numa hipernova…

    • Magnus:

      “Alquimia cósmica”, gostei desse termo…

Deixe seu comentário!