NOVO TRANSTORNO ALIMENTAR: exigência excessiva com a comida

Por , em 1.12.2010

Tem gente que não gosta muito de kiwi. Outros que preferem não tomar refrigerante. É normal que, na dieta das pessoas, haja alguns alimentos que cada um particularmente não gosta. Mas e quando você escolhe demais o que vai comer e limita muito a sua dieta? Há adultos que não comem comida, por exemplo, tem nojo de comida, rejeitam coisas diferentes e conseguem comer apenas besteiras.

Bob Krause tem 63 anos e admite que ainda come como uma criança que tem nojo de comida. Ele gosta de manteiga de amendoim, biscoitos, sanduíches de queijo grelhado, leite com achocolatado e alguma outra coisa. Qualquer refeição muito diferente lhe dá nojo.

Essa situação ajudou a arruinar dois casamentos de Bob, limitar as suas opções de carreira e tornar a maioria das ocasiões sociais fontes de estresse. Quando esse tipo de comportamento alimentar fica no caminho da vida profissional ou social das pessoas, e se torna um modelo ruim para seus filhos, continua sendo normal?

Pesquisadores acreditam que Bob seja um dos milhares que sofrem de uma doença até então desconhecida: o “distúrbio alimentar seletivo”, que são as pessoas muito exigentes para comida. Em vez de ter algum alimento que elas preferem evitar, como a maioria das pessoas, as com transtorno alimentar seletivo comem muito poucos alimentos. E não é frescura ou teimosia. Essas pessoas experimentam a comida de forma diferente do resto.

A maioria das pessoas com este transtorno tem muita vergonha do seu repertório limitado de alimentos, e não medem esforços para mantê-lo oculto, seja evitando eventos sociais, ou inventando desculpas para não comer.

Para se ter uma ideia da prevalência do problema, em julho de 2010 os pesquisadores lançaram um registro on-line, incluindo uma longa pesquisa. Em menos de cinco meses, 7.500 pessoas com o distúrbio alimentar seletivo se registraram, sendo que mais de 11.000 teriam iniciado o inquérito sem concluí-lo.

Os pesquisadores planejam fazer uma análise formal dos dados no próximo ano, mas resultados preliminares sugerem que esse transtorno alimentar é distinto das outras patologias. A pesquisa foi cuidadosamente construída para descartar doenças como o distúrbio obsessivo-compulsivo ou anorexia e bulimia, por exemplo.

Os cientistas ainda não sabem se o distúrbio tem suas raízes na biologia ou na psicologia de uma pessoa. Mas parece haver alguns temas comuns. Por exemplo, comedores seletivos tendem a gostar de alimentos similares, com ênfase nos suaves e processados.

Eles adoram sal; batatas fritas são uma das favoritas. Bacon é a única carne que muitos deles comem. Frutas, legumes e álcool são desprezados em sua maior parte, com possíveis exceções como cerveja e cenouras cruas.

Teriam essas pessoas um “super paladar”? Ou seja, pessoas que, devido à sua composição genética, provam certos sabores de forma mais aguda do que os outros? Talvez, mas isso não é suficiente para explicar a seletividade. Afinal, sabores fortes não são necessariamente ruins.

Além disso, a pesquisa sugere que essas pessoas rejeitam alimentos com base em qualidades sensoriais e não pelo gosto: elas não gostam do cheiro e da aparência da maioria das comidas.

Alguns também tendem a associar emoções negativas com a comida. Muitas pessoas relatam ter tido refluxo ácido ou problemas gastrointestinais na infância, por exemplo.

Problemas alimentares em crianças

Este transtorno alimentar em crianças é mais comum. Os pais devem evitar que as crianças façam associações negativas com a comida. As crianças estão em maior risco de se tornarem adultos seletivos demais sempre que o meio ambiente de alimentação é coercitivo ou tenso.

Segundo os especialistas, as refeições em família devem ser divertidas. Elas não são um tempo para discutir, repreender sobre notas, ou reclamar de hábitos alimentares. E jantar em família deve acontecer regularmente, para a criança observar as pessoas desfrutarem de uma variedade de alimentos, e ser exposta a cheiros diferentes, mesmo que não coma muito. As crianças precisam aprender a lidar com suas preferências.

Bob, no entanto, acha que não há nada que seus pais poderiam ter feito para ajudá-lo. E mesmo interessado em uma cura, é pessimista. Ele dirige um grupo de apoio on-line para comedores seletivos, e entre os seus 1.700 membros ativos, ele ouviu apenas uma história de sucesso: uma pessoa que foi capaz de expandir seu repertório de comida suficientemente para encontrar algo para comer na maioria dos restaurantes.

Os pesquisadores oferecem tratamento a comedores seletivos. Eles também admitem que não sabem até onde eles podem superar o distúrbio. Em vez disso, os cientistas se concentram em ajudar as pessoas a superar o constrangimento, e se sentirem no direito às suas próprias preferências.

Segundo os pesquisadores, o componente mais importante é ensinar amigos e familiares que a pessoa não está fazendo isso de propósito. Somente neste contexto de suporte um comedor seletivo pode se sentir seguro o suficiente para tentar algo novo – sem garantia de que vá gostar, é claro. [LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

73 comentários

  • Alexandre Oliveira:

    Minha alimentação se resume a: pão, queijo, salsicha, leite e refrigerante. Só devo estar de pé por Deus mesmo. Não consigo vencer isso.

  • Istéfani da Matta:

    Nossa, me deparei com muitas das histórias contadas aqui, pois sempre fui assim. Tive e tenho vários problemas para explicar para todos.

  • Indra de Albuquerque:

    Gente, eu to quase dando pulinhos aqui em saber q não sou a unica assim. É muito difícil contar pras pessoas como eu me alimento…

  • Indra de Albuquerque:

    Mas, a quase 24 anos, eu não como “comida, comida mesmo”, e ultimamente tenho enjoado até o meu nescau com pão.

  • Indra de Albuquerque:

    Poucos caracteres pra uma longa historia.

  • Indra de Albuquerque:

    Eu não como “comida”, sabe, arroz, feijão, macarrão, nenhum tipo de carne, e quando eu falo nenhum tipo, é nenhum tipo mesmo, nem ovo

  • Rhaay Figueredo:

    Tenho nojo da comida de outras pessoas, só como da minha ou da minha mãe, fui muito criticada e chamada de fresca já fui humilhada por isso.

  • Rhaay Figueredo:

    Eu nunca conseguir comer carne , macarrão, verduras , nem todas frutas , tenho nojo do cheiro e da apresentação da comida ,

  • Victor Gabriel:

    Eu tenho 15 anos e acabei de descobrir que é exatamente isso que eu tenho! Eu me identifiquei em LITERALMENTE TODAS AS AFIRMAÇÕES

    • Cesar Grossmann:

      Se isto atrapalha a tua vida, então procure ajuda profissional.

  • Emerson Colaço:

    Água também sempre foi um problema para tomar, sinto um gosto horrível e não é porque sou fresco tento tomar mais não Consigo.

    • Cesar Grossmann:

      Emerson, provavelmente este transtorno deve ter algum tipo de tratamento. Procure ajuda profissional, um médico vai poder diagnosticar corretamente teu problema, e sugerir um tratamento.

  • Emerson Colaço:

    Pessoal isso tem cura? Atualmente eu não estou conseguindo comer direito, arroz, feijão, o frango quando cozido eu sinto um gosto muito ruim

  • Questionador Alheio:

    Realmente muito ruim você querer ser como todo mundo mas não conseguir, eu até me esforço mas na maioria das vezes boto tudo pra fora…

  • Maikon Falcão:

    Eu tenho 17 anos…
    Meu caso é muito semelhante ao de todos, quando eu era bebê ainda e quando chegou na fase dr largar o peito eu tive muito dificuldade para provar outros alimentos, todos os alimentos, então minha mãe me alimentava com leite como neston, faria láctica entre outros.
    Fui crescendo e nada mudou, nao comia carne, peixes e galinhas.
    Minha mãe batia no líquidificador e nada também, não comia de jeito nenhum, cheguei a apanhar bastante por isso.
    Resumindo: Hoje em dia não como…

    • Ana Carolina Marques Dutra:

      tenho um filho de 7 anos so toma leite ninho,sutagem pao variado como tudo que é coisa menos comida ,ja levei no medico,comoda nada

    • Indra de Albuquerque:

      Eu sou assim também, apanhei muito quando criança, mas de nada adiantou.

  • Fabiana Lima:

    Sempre tive dificuldade em alimentar minha filha de 4 anos e meio, qdo bebe rejeitava Papinhas, mamadeiras, etc a única cois q a alimentava era o leite materno. Depois, consegui introduzir algumas frutas, mas sempre muito pouquinho…depois desenvolveu um a aversão a carne, se sentir cheiro vomita. Ate então não me preocupava tanto pois come bem frutas , verduras, etc. Mas agora começou a vomitar todos os dias na escola ao ver os amiguinhos comendo, diz ser por causa do cheiro. Não sei como agir

    • Mirella Cruz:

      Ola, não reaja contra sua filha. Peça aos professores para colocar ela longe dos outros alunos na hora das refeiçoes. Meu filho tem hoje 19 anos e passou por isso, não force ela a comer o q não quer é a pior coisa que se faz. De ano em ano faço um check up e o medico dele diz que ele esta ótimo, ele anda de bicicleta uns 40km todos os dias e mau adoece. Tenta dar pra ela leite de soja, eu compro o da Nestlé Sollys é o melhor, tem vários sabores. Boa sorte.

  • Ely Sousa:

    Desde criança tenho isso e que louco agora é saber que tem nome. Finalmente. Eu me achava/acho um E.T., em tudo na matéria eu me identifiquei e com muitos dos comentários também. Não estou sozinha como eu pensava. Poxa, na adolescência começou a ser um inferno porque a minha condição foi se limitando, fui me questionando de algum motivo pra eu ser assim. Não, não é frescura, nem preguiça, nem anorexia, nem muito menos minha mãe teve culpa. Simplesmente meu organismo rejeita comida.

    • Indra de Albuquerque:

      To me sentindo aliviada também em saber que não sou “a estranha” como todos chamam…

  • Mirella Cruz:

    Sol Moreno.
    Meu filho faz exames de ano em ano, a pedido do medico, e sempre dá bom. A sua sorte q o seu filho come presunto o meu não come nenhum tipo de carne só queijos. Compra leite de soja( Solley da Nestlé), o medico dele falou q um copo equivale a um prato de arroz,feijão, bife e batata frita. Meu filho anda de bicicleta todos os dias, faz muito bem. Não se preocupe com o futuro , um antigo médico dele,q eu não gostava, falou q e ia morrer antes dos 20 anos, ele tem 19 e é super…

  • Renato Antunes:

    Muito legal , mais gente aparecendo , e contando , mais ainda nunca vi nenhuma reportagem na tv sobre isso , ou mais matérias falando ainda :(, o fogo que levo uma vida normal , mais mesmo assim as pessoas olham estranho quando sabem , pra namorar é horrível kkk , quem for da grande São Paulo pode me adicionar no Face para falarmos sobre isso , e eu saber que não tem só eu assim.

    • Ely Sousa:

      O chato é explicar pras pessoas e ver o olhar de “que bicho estranho é vc”.

  • Thuly Costa:

    Sempre soube que tinha algo de errado comigo em relação a comida, minha dieta é basicamente de pães, queijo, presunto, carne apenas de gado, nada de molho ou cozido apenas frito, e para comer certos alimentos tenho que adicionar ou ketchup ou farrofa pronta. Por causa da minha alimentação já fui em vários médicos desde muito pequena, e todos falavam para minha mãe me deixar sem comer, dar remédio que me deixa com fome, dizinham que minha mãe não tinha pulso firme comigo entre outras coisas.

  • Danilo Barbosa:

    Também tenho isso, não como nenhum tipo de fruta e nenhuma legumes ou verduras, Arroz e feijão ainda desse, mas passo a maior parte do tempo comendo besteira, pães, biscoitos , batata doce…. enfim. Sou bem dificil de ficar doente, gripe mesmo demoro pakas pra ficar gripado ou resfriado, mas quando fico meu sistema imunológico demora a se regenerar e ai passo mais tempo do que o normal para me curar do que eu esteja sentindo.

  • Vivian Malaman:

    Também sofro com isso. 🙁

  • Carla Mattei:

    Estou assim com frango refogado e outras comidas que tem cheiro um pouco forte. Filé de frango por exemplo, só consigo comer ou a parmegiana ou bem frito e crocante. Carne, só como moída; em pedaços, eu tenho nojo. Quanto a parte de legumes e verduras, é bem tranquilo. Em compensação, adoro laticínios em geral e comidas gratinadas.

    • Karen Patrini:

      Heey ,tmb sou assim como vc ..o problema é que apareceu do nada…sempre gostei de carne e agora tem me dado nojo….estranho O.o

  • Anndy Rodriguês:

    Olá , tenho 20 anos e nunca , nunca na vida eu consegui comer comida (arroz e feijao) quando pequeno meus pais tentarão fazer eu comer mais sempre que tentava eu vomitava tudo . Hj em dia vivo de paes, pastel, bolacha, salgadinho etc.. so “porcaria” . Não me considero muito diferente de meus colegas em partes de esforço físico, me considero até mais forte que eles , me sinto bem ultimamente , bem de saúde, nunca procurei um medico também, vivo uma vida normal como a de qualquer outra…

    • Mirella Cruz:

      Eu só preocupo com a baixa resistencia, ele faz exames de ano em ano, glicemia, colesterol e etc. Tbm não fica doente e anda quase 20km todos os dias de bicicleta.

  • Ana Lopes:

    Desde de criança, não gostava de comer, tbm era terrivel as horas de almoço e jantar, pq meus pais me faziam comer de td, e eu n gostava, e vomitava td q colocavam pra eu comer. Hj em dia continuo nao comendo bem, mas consegui acrescentar certos alimentos q não comia antes, como o feijão, mas n como feijão diariamente, so qdo a cara e o cheiro está bom. Tbm não gosto de leite, so bebo leite qdo bebo danone, ou suco de alguma fruta com leite. Legumes e verduras não são todos q como.

  • Mirella Cruz:

    Meu filho tem 19 anos e é como vcs. Deste bebe ele não consegue comer comida. Os alimentos dele são: batata frita no almoço, pastel de queijo ou pizza de 4 queijos de jantar e de lanches pão com mussarela e outros queijos, pão de queijo. O medico dele falou que é a dieta alimentar que o organismo dele aceita e que é pra deixar pq esta fazendo bem de alguma forma. Se ele mudar ou força em comer algo anormal pra ele irá fazer mal. Uma coisa boa que ele bebe e faz muito bem é leite de soja.

    • Marcelo Ribeiro:

      É bom mandá-lo fazer alguns exames. Li anos atrás de um rapaz que só comia sanduíche de queijo quente e morreu de cirrose aos 20 e poucos anos por causa do excesso de gordura.

    • Sol Moreno:

      Mirella meu filho vai fazer 14 anos e estou desesperada pois ele tbm é assim nunca comeu arroz e feijão ou qq outra comida saudável, a dieta dele consiste em pão françês com presunto, pizza de presunto e mussarela, e leite desnatado com achocolatado, de vez em qdo miojo somente de galinha, já levei ao médico, psicologo, nutricionista e nada adiantou…tenho muito medo de no futuro ele ter problemas de saúde, pois provavelmente é isso q vai acontecer, ele tem nojo do cheiro e de ver a comida

  • Kalucha Jibrail:

    Complicado porque ninguém entende isso e acha que é frescura. Não como nenhum tipo de fruta e só o cheiro já me dá ânsia de vomito. Quando eu vou comer, eu vou pela aparência e pelo cheiro. Se nenhum dos dois não forem agradáveis, não dá!
    Sempre que vou comer algo eu pergunto do que foi feito. Não adianta me enganar, porque meu paladar sente TUDO. Por esse motivo, passo a maior parte do tempo comendo porcaria. É difícil viver assim. As pessoas te olham com cara de “essa dai é fresca”.

    • Mirella Cruz:

      Meu filho tbm é assim, ele faz vomito com o cheiro da comida fazendo. Junto com ele eu vou tentando fazer, com o que ele come, coisa diferentes. Deixa pra lá o que os outros falam, eu sou chamada de mãe desnaturada e outras coisas….

    • Gavião Pato:

      eu achei que era doido

    • Rute Correa:

      Ja procurei ajuda profissional e não resolveu. Penso que falar bastante sobre isso com pessoas que têm o mesmo problema pode ajudar bastante. Só de interagir aqui ja esta me aliviando.

  • Alfran Carvalho:

    Nunca imaginei que fosse ser tão descrito assim. Tenho 22 anos e as horas das refeições em grupo são sempre um martírio, apesar de que com o tempo vc vai se acostumando. Conheço outros que eram como eu mas que com o tempo foram expandido sua dieta até chegar a um nível “aceitável”. Já eu ainda estou caminhando nesse rumo, mas agora fiquei motivado e feliz em ver que existem outros como eu que passaram situações semelhantes às que eu tenho passado durante toda a vida e que me entendem melhor.

  • Renato Antunes:

    Descobrir que você não é o único em parte da um pouco de alivio, pelo menos eu ainda consigo comer carne , mais também como a maioria tenho sérios problemas com os demais tipos de comida , especialmente o cheiro de algumas que é quase insuportável pra mim , pena que eu não acho mais nada sobre isso na internet 🙁

  • Bruno Rios:

    Bem tenho 23 anos e nunca consegui comer alimentos saudaveis, desde pequeno sempre foi um inferno a hora do almoço para mim, não suporto arroz, feijão, cenoura, salada, carnes, frango, peixe e outras coisas. So como batata frita pão de queijo e panqueca com queijo(sem molho), apanhei muito por minha familia achar q era frescura tds me chamavam de estranho e sempre evitei almoçar fora de casa. E tem outra complicação eu ñ consigo mastigar as coisas que ñ gosto, meu almoço e arroz e feijão

    • Bruno Rios:

      Meu almoço e arroz e feijão com cenoura ou outros legumes tds os dias e eu ñ consigo mastigar isso, amasso td e engulo. Fui crescendo e as pessoas falaram q ia melhorar e não melhorou, comecei a trabalhar e quando o pessoal descobriu isso foi um espanto tremendo fiquei com medo de perde meu emprego mais meus colegas hj ja se acustumaram, as vezes quero levar minha namorada pra algum lugar bom mais fico pensando se vai ter algo que eu goste ou ñ. Eu acahava realmente q eu era anormal mais vejo

  • Fátima Mota:

    Gente agora fiquei com uma dúvida. Nós podemos ir diminuindo a quantidade de alimentos que gostamos de comer?! Porque tipo, tenho percebido que alguns alimentos que antes eu comia agora sinto nojo e isso é um pouco constrangedor e estranho. Me identifiquei com o cara do texto, pois eu só como se a aparência estiver bastante agradável aos meus olhos e alguns alimentos me dá vontade de vomitar. Isso piora com o tempo? Alguém sabe dizer?

    • Hayat Akustik:

      igualzinho a mim, ante eu adorava leite, hj não posso nem sentir o cheiro \=

  • gisele:

    Sou feliz, nunca me senti diferente de ninguém, nunca me incomodei por não comer de tudo como todos ao meu redor…apenas uma coisa me incomoda, simplesmente as pessoas se incomodarem comigo.
    Desde pequena tenho problemas do tipo: mães de amiga não querer me levar para viajar, pq não como de tudo…
    Hj so tenho uma preocupação, minha filha…pq não desejo isto para ela, quero que ela coma de tudo.
    O que me incomoda, nesta minha seletividade para comer, eh que tenho sérios problemas com a balança, já que so consigo comer besteiras e creio que meu metabolismo seja lento.

    Quem quiser me add no facebook p trocar experiências…giselecollares

  • Kalucha Jibrail:

    Sinto que está começando a ficar muito difícil de comer o básico arroz e feijão. Na maioria das vezes já como empurrada, agora quando o cheiro está um pouco diferente eu mal consigo engolir. e logo após ingerir certos tipos de alimentos quase que a força, sinto uma enorme vontade de vomitar.

    • Fátima Mota:

      Também estou assim, mas com outros alimentos. Alguns eu não consigo nem olhar, linguiça por exemplo… me dá nojo e se eu comer um pedaço bem pequeno já quero vomitar. Arroz e feijão eu prefiro comer um separado do outro, e arroz refogado é um problema porque se eu ver muito óleo nele também não como. Em fim, a comida tem que estar sequinha ou com uma aparência bem limpa!

  • Beattrice R. Neves:

    o que incomoda essas pessoas é o cheiro e aparência da comida? será que “arte com comida” ajudaria? ‘-‘

  • leandroSouza:

    Caraca, descobri o nome do meu problema ! Pra mim o problema começou quando eu tinha4 anos. Até então, comia de tudo, até jiló e fígado batido no liquidificador! Com 4 anos, fiz uma cirurgia de adenoide (nariz, ouvido e garganta). Bom, não sei o que a minha cirurgia teve a ver com isso, mas depois dela nunca mais consegui comer os alimentos que sempre comia. O que eu gostava é como se meu corpo passasse a rejeitar. Alguns alimentos não como por causa do gosto, outros por causa do cheiro e textura e alguns por causa da aparência. Meu cardápio é limitadíssimo e as vezes tento comer outra mas é difícil . Amo frango assado e frito mas fui tentar comer o Patitas que é frango empanado da perdigão, mas não consegui engolir aquilo (não sei se foi a cebola ou a pimenta que são ingredientes que fazem parte que não gosto). Não consigo comer frios (mortadela, presunto, queijo, mussarela e etc) carne cozida, pizza, legumes e verduras, macarrão, peixe, hambúrguer, feijoada e mais um monte de coisa. O que como basicamente é , arroz, feijão, ovo, frango assado ou frito, torresmo, bisteca , bacon (apenas frito e bem crocante), carne de boi (bife ou assada), milho, batata frita, mandioca e só. Frutas como uma boa parte (as que mais tem aqui no Brasil). Deu um pouco mais de 10 tipos de alimentos. Não suporto o cheiro de pizza, queijo ralado e outros queijos fortes (engraçado q pão de queijo como alguns, mas quando é um queijo mais cremoso não desce de jeito nenhum). Cheio de peixe e frutos do mar me incomodam, sopa também não e por ai vai. Muitos dizem que é frescura, birra , mas não é ! Se pudesse lógico que gostaria de ser “normal”. E como alguns falaram aqui, isso também me trouxe e continua trazendo bastante constrangimento. Já perdi muita coisa nessa vido por a penas não poder acompanhar meus amigos pra uma pasteleira, ou pra um McDonald, rabi bis, casa da esfirra, viajar pra muitos lugares longe de casa, e etc…Me convidaram pra ir num almoço comunitário dia 24/06 e já tenho até pensado nas desculpas pra dar (pensei até em fazer jejum pra não precisar comer lá..) As vezes peço para minha mãe, algo diferente pra tentar aprender a comer mas é difícil . Quando era pequeno, entrei numa escola particular e lá eles davam a comida e era obrigado a comer, as comidas me davam anseia e minha professora me obrigava comer tudo o que eles tinham (isso só aumentou meu problema , até vomitei várias vezes por causa disso. Akelas polentas que me obrigavam a comer lá ai ai ai…) Fico feliz que tenham descoberto o nome do problema, tomara que também encontrem um tratamento eficiente pra poder ajudar a gente a superar isso. (detalhe, tenho 22 anos) … Abraço pessoal

  • ives:

    ola vi muitas conversas mas eu nao consigo comer comida ou seja arroz e feijao nao consigo isto ja fas mas de 25 anos hoji est com 50 anos e estou vivo e nunca por enquanto fiquei doente grave eu apenas janto uma vez por semana mas tomo somente energesicos vitamina c complimido as vesestomo 2 colher de mel puro tb de manha nao gosto de pao somente uma xicara de cafe de manha resumindo sei la que acontece ja fiz exames para ver nada de ulceras nada de azia mas estou vivo magro altura 1.75 peso 60 kg se alguem puder me ajudar fico agradecido alias nao sinto fraqueza nada espero solução abraços do amigo ives

    • Felipe R R Melo:

      Amigo Ives, passe seu contato, também sofro desse transtorno, descobri matérias como esta anteontem, meu email é feliperrmelo@gmail.com. Estou fazendo psicoterapia há 2 meses (agora q enfim tomei coragem de tentar mudar isto). Acho super bacana juntar pessoas para conversar disto, cada um poder compartilhar seu caso (só o que se sentir a vontade).

      Abraços.

    • Flavia Maia:

      Meu filho tem 8 anos de idade e também se alimenta de forma bastante seletiva. Desde que ele nasceu enfrentamos juntos essa situação. Ele começou rejeitando o peito. Isso já é um grande problema para maioria das mães, imagina para mim, sendo eu enfermeira? Estava acostumada a orientar minhas pacientes quanto à importância do aleitamento materno não só para a saúde do bebê, mas também para o estreitamento do vínculo mãe-filho. O que fazer então? Logo, eu e meu esposo providenciamos uma bombinha pra retirada do leite. Aquilo era sofrido e cansativo, eu passava o dia inteiro tirando leite do peito. Lembro de certo dia, depois de horas tirando leite (quem já passou por isso sabe o que estou falando), por algum descuido o recipiente caiu e quase todo leite foi embora. Eu comecei a chorar. Estava muito triste com aquela situação, mas não fazia nem idéia do que ainda estava por vir. É lógico que não consegui fazer essa retirada pelo tempo necessário (6 meses) e logo precisei recorrer ao NAN. Na fase do NAN a minha consciência doía menos porque as crianças costumam engordar com leite artificial e toda mãe fica mais feliz com um bebê fofinho nos braços. Só que aos 4 meses as coisas começaram a mudar. Era a hora de começar com as sopinhas de legume, papinhas de frutas, sucos, etc. Ele comia muito mal, rejeitava quase toda a comida, mas até aí eu conseguia me acalmar porque os especialistas diziam que a criança precisa provar várias vezes o alimento pra gostar dele (ou não!!!). Lembro-me de nessa fase ele ter experimentado mamão e maçã raspadinhos, banana amassada, sopa de legumes (feitas em casa e comprada pronta), chambinho e suco de laranja (às vezes batido com outras frutas), mas ainda era o leite que o sustentava.
      Quem já passou por isso sabe que a gente ouve todo mundo e tenta de tudo. – “Você tá dando muito leite pra ele… o leite alimenta e ele fica sem fome pra comida.” Legal, faz sentido! Aí eu ia lá, diminuía o leite e nada. – “Ele não está com fome, deixa ele te pedir comida e aí você saberá que está na hora de alimentá-lo.” Ok, pode ser! Espera, espera, espera… Até hoje meu filho diz que duas coisas nunca vou ouvir da sua boca: “tô com fome!” e “tô cansado!”. Algumas pessoas diziam que era esperteza de criança, que, como as outras, ele só queria comer besteira. Mas que besteira se meu filho nunca tomou um refrigerante e nem nunca comeu uma pizza, hambúrguer, coxinha, biscoitos, iogurtes, sorvetes, bolos, pudins, etc? Aliás, como eu invejava ver uma criança comendo biscoito recheado! Como desejava que meu filho, como toda criança, também gostasse de comer essas besteiras!
      Bom, o tempo foi passando, muita gente dando palpite. A maioria, é claro, dizendo que isso era fase e que logo ia passar. Até na internet os profissionais diziam que era só uma questão de dar tempo ao tempo. Hoje tenho certeza de que são pouquíssimos os profissionais que conhecem o assunto, sejam eles médicos, nutricionistas, psicólogos, psiquiatras, etc. Sabe de uma coisa, eu nem condeno mais os familiares e amigos que acham que é besteira. Eu também não tinha idéia do problema até passar por ele!
      Bom, o tempo foi passando e, de novo, apenas a alegria de ver meu filho aceitar um biscoito recheado por volta dos 3 anos de idade. Tudo que pudesse oferecer uma reserva energética para ele e o aproximasse de outras crianças era muito bem vindo. Até hoje ele gosta de apenas três tipos de biscoito recheado. Tem que ser sempre do mesmo sabor e da mesma marca. Se mudar, complica. Enfim, voltando ao assunto, certo dia, assistindo Discovery, pude conhecer a história de uma adolescente americana que até aquela idade só havia comido chocolate. Vê-la aparentemente saudável, é claro, me deixou muito feliz; imaginar que tinha descoberto o problema do meu filho também, mas conhecer o seu sofrimento e o quão duro era para ela aquele tratamento me angustiava. Tratava-se de uma adolescente que estava sofrendo muito porque não podia dormir na casa das coleguinhas e nem sair com elas para comer uma pizza. Ela estava na fase de querer namorar e talvez por isso tenha decidido que precisava mudar e que não dava mais para suportar ser tão diferente dos demais. Lembro que se falou muito pouco do tratamento, mas que consistia na introdução paulatina de alimentos à sua rotina. No caso dela, começou com torrada. Ela não suportava torrada, mas todos os dias ela tinha um encontro com aquele pedaço (pedaço mesmo) de pão torrado para comer. A primeira vez que comeu parecia estar comendo a pior comida do mundo, mas com o tempo parece que foi se tornando suportável e acrescentada à sua rotina. Conforme se adaptava a um alimento ia acrescentando outros à dieta. Eu confesso que quando vi esse programa fiquei mais feliz com a alimentação do meu filho, afinal de contas ele já tomava leite com sustagem de morango (se mudar não come), suco de laranja (mais nenhuma fruta), pão quente (feito na chapa), arroz, caldinho de feijão, purê de batata e peito de frango bem picadinho. É claro que a comida, bem pouquinha, ainda é como um fardo que ele precisa carregar, mas menos mal porque ele ainda come. Às vezes também aceita peixe se pensar que é frango ou carne moída e ovo se eu lhe der na boca. Aliás, essa é uma outra dificuldade que ele tem: comer sozinho. Prefere sempre que eu lhe dê a comida. Como preciso diminuir o problema ao invés de aumenta-lo, evito ao máximo. Comer é sempre um tédio por isso ele inventa de tudo na hora da comida. Quer conversar, quer ler… Ele adora ler gibis na hora da refeição. Eu já tirei os gibis para ver se se concentrava mais no que estava fazendo e se se alimentava mais rápido, mas nada, a lentidão era ainda maior e ele fazia o que fosse preciso para se distrair. Se tivesse produtos à mesa ele queria ler os rótulos, se não tivesse nada na mesa ele fazia bolinhas com grão de arroz pra jogar futebol. Enfim… (sem palavras).
      Quanto à genética, acho que pode influenciar. Eu brigo com a balança desde os 15 anos de idade. Na minha infância era como a maioria das crianças, rejeitava apenas os legumes e verduras. Minha mãe me obrigava comer de tudo e lembro-me de dormir algumas vezes sobre o prato. Tudo que não gostava quando criança continuo sem gostar. Como meu filho tenho a característica de não provar um alimento por achar que não vou gostar. Não adianta insistir. Já meu esposo, come mais legumes e verduras que eu, gosta de misturas que não gosto, mas não come carne vermelha, do frango só come o peito, não come nada pastoso (cremes, pures, etc.), não come nada que tenha caldo (sopas, ensopados, etc.) e nem toma leite. Meu marido sofre piadinhas em todas as festas, mas já é adulto e se vira encarando na brincadeira, mas temo pelo meu filho, pela forma como vai lidar com tudo isso.
      Há quem diga para deixar pra lá, mas só eu sei o quanto meu filho sofre. Por várias vezes ele chorou, e muito, por não ser como as outras crianças. Ele é bastante inteligente e dramático, mas tenho a certeza de que o sofrimento nesta causa é real. Por ser muito inteligente, já se preocupa com seu futuro, pois quer ser jogador de futebol. Sofre por não poder passar o dia na casa de um colega ou viajar para um hotel com a família. Nas festinhas de aniversário não chega nem perto da mesa. Quando mais novinho também tinha ânsia de vômito só de ver um amiguinho comer. Como não tinha irmãos procurei cercá-lo de amiguinhos da mesma idade para vê-los comendo. Hoje, se não gosta do cheiro de uma comida ele sai de perto. Quando oferecem o que ele não gosta ele diz que já comeu ou que não quer, mas adultos que sabem que ele não gosta de comer sempre fazem brincadeiras de mal gosto por considerarem besteira ou algo parecido.
      Enfim, estou repartindo com vocês a história não só do meu filho, mas de toda a nossa família na esperança de juntos entendermos um pouco mais esse distúrbio alimentar e, quem sabe, descobrirmos uma saída para esse problema.
      Qualquer novidade, ajuda, sugestão … peço que entrem em contato comigo por E-mail: maiaflavia@hotmail.com.

  • Bia:

    Gente, que coisa louca….. Desde criança eu convivo com este tipo de problema, mas parece que quanto mais o tempo passa, mais se intensifica, ou dificulta as coisas…. Não como praticamente nada (que presta). Eu pensava que era apenas costume, que cresci assim, mas lendo esta reportagem, vejo que realmente trata-se de um disturbio. Não como carnes em geral, pouquissimas frutas e legumes. Morro de nojo de comida feita por outra pessoa que não eu.Não consigo comer em restaurantes, no maximo uma pizza ou um lanche, mas tambem não é em qualquer lugar. Trabalho em uma empresa que fornece alimentação, e fica em outra cidade, portanto não tenho como almoçar em minha casa, simplesmente não almoço durante a semana, há 6 anos, tomo apenas shake. Eu realmente pensava que era “frescura” minha, mas agora começo a aceitar que talves seja um disturbio. apesar de estar acostumada com isso, é dificil ficar escutando das pessoas que é frescura, que sou nojenta. Seria muito mais facil ser “normal” (rsrss), pois muitas vezes deixo de participar das coisas, por este motivo, sem contar a dificuldade em fazer dieta (rsrsss) . Deixo de acompanhar amigo a alguns lugares. Se alguem souber indicar o tratamento ou profissional que poderia procurar, gostaria de obter algumas respostas e quem sabe viver de uma maneira mais normal… Obrigada

  • Victória:

    Quando eu era menor teve uma época que eu não comia nada além de sanduíche de queijo quente(só queijo Quality) e até o refrigerante me que eu sempre tomava me fazia vomita!Hoje como mas coisas ,mas tenho manias como nunca misturo café com leite liquido e outras coisas que as pessoas acham besteiras.Não sei se tenho este distúrbio,espero que não xd!

  • Juliana Campos Maciel:

    Gostaria de saber sobre crianças que rejeitam qualquer alimento desde o nascimento. É sobre um bebê de 15 meses e q n se alimenta e ha rejeição até por alimentação através de sondas. Ninguém descobriu nada ainda.
    Obrigada
    Se puderem dar alguma informação ou sobre algum site q fale sobre esse problema, agradeço.

  • carla:

    PESQUISANDO NO GOOGLE SOBRE DISTURBIOS ALIMENTARES, TENTANDO ACHAR UMA RESPOSTA PARA UMA CRIANÇA QUE NÃO COME NADA ME DEPAREI COM ESSE SITE…MEU FILHO TEM 7 ANOS E NUNCA COMEU ALGUM TIPO DE COMIDA NORMAL(SALADA ,ARROZ, FEIJÃO,CARNE, FRUTAS)QUANDO VAMOS COMER ELE SE ESCONDE POIS DIZ NÃO SUPORTAR O CHEIRO E QUE TEM NOJO E SE CHEGAMOS PERTO ELE VOMITA,EU ENTENDO O DESESPERO DE QUALQUER MÃE E ACHO QUE ISSO É UMA DOENÇA SIM E POR SINAL GRAVE INDEPENDENTE DE CLASSE SOCIAL, AS VEZES PENSO COMO ELE CONSEGUE FICAR DE PÉ POIS A UNICA ALIMENTAÇÃO QUE CONSIGO DAR PRA ELE É UMA MAMADEIRA E SÓ SE ELE ESTIVER DORMINDO, ENTÃO IMAGINEM AS NOITES QUE TENHO, QUANDO SEUS AMIGUINHOS LHE CONVIDAM PRA IR AOS ANVERSARIOS ELE JÁ DIZ QUE NÃO QUER IR POIS NÃO QUER VER A MESA DOS COMES,HOJE PROCURO COMPRAR O QUE ELE PEDE PRA COMER QUEIJO RALADO,BATATA FRITA,E TENHO QU ESCONDER TEMPEROS COMO CALDO KNNOR PQ ELE COME UM TABLETE SE EU DEIXAR…ENTÃO ESPERO QUE QUEM NÃO CONVIVE E NÃO SABE O QUE É ISSO NÃO FAÇA COMENTÁRIOS RIDICULOS…SE TIVER ALGUEM QUE POSSA ME AJUDAR AGRADEÇO PQ JÁ PROCUREI TODOS OS MEDICOS POSSIVEIS E NADA JÁ NÃO SEI O QUE FAZER MAIS TBM NÃO QUERO DESISTIR…ABRAÇOS

    • Ana Maria:

      Sei bem o que passa , tenho um filho de 3 anos e se comporta quase do msmo jeito , tem nojo de comida e qundo alguem come na frente dele tbm vomita , ja busquei algumas pessoas e descobri que é emocional , ele agora vai começar um tratamento pscologo . qualquer duvida mande o email

  • Elaine Aparecida:

    Tenho um filho de 3 anos, que acho que sofre deste “distúrbio alimentar seletivo” pois até uns oito meses de idade comia com dificuldade papinhas mais comia.Derepente foi parando de comer, se recusava e então suas refeições eram substituidas pois se não fossem ele ficava até cinco horas sem comer. Ele nunca comeu arroz se insistimos ele vomita e chora .Vendo uma reportagem num domingo crianças comendo biscoito de barro me senti super mal. Geralmente o almoço (batata frita)não janta toma leite ou outra coisa, come frutas e seu paladar é mais agussado para refeições doces,enfim suas refeições não são refeições ditas normais.Já busquei diversas formas é mais facil dizer o que não busquei ainda, descabelei chorei andei por varios medicos e nada… Hoje o que faço e ser seletiva para que ele possa se alimentar, se gosta de alguma alimento compro, mas não desisti. A ultima ajuda foi de uma Nutricionista que me orientou convida-lo a me auxiliar na cozinha para que ele tenha contato com alimentos manusei e sinta os odores.
    Não desista nunca !!!!

    • Ana Maria:

      Deu certo?

    • Euralia Faria:

      Elaine,

      Faz tempo que postou seu comentário. Se ver minha resposta por favor entre em contato comigo… estou passando um caso identico ao seu. Quero saber como anda seu filho e o que vc fez ou conseguiu. Meu e-mail lalafaria.lf@gmail.com, estou desesperada não sei mais o que fazer.
      Abs

      Euralia

  • HUGO SM:

    VANIA,LUCIANA e CRIACINHA:

    Aqui se fala de um distúrbio alimentar e la vem vcs com comentários piegas e simplistas sobre condição social.
    O remédio para o distúrbio de vcs e tomar Semancol !!

  • mirella paula:

    Meu filho tem este disturbio, e nós não somos ricos, e sofremos deste os seus 8 meses.Realmente o gasto é muito grande, pois não é qualquer coisa, qualquer coisa mesmo, que ele come.Vcs já viram uma criança ir em uma festinha e nem chegar perto do bolo ou de um brigadeiro,de coxinha ou empadinha. Hoje ele sai com os amigos e fica sem comer,pois não come nada que venha de origem animal,nem pizza nem sanduiche.Carne nem pensar,arroz, feijão ,macarrão e etc.Vc quer fazer ele feliz é fritar uma porção de batata frita e comprar pastel de queijo,são o que ele ama.Hoje ele tem 16 anos e esta em um psicologo para tentar conviver bem com este disturbio com relação à familia, que não aceita esta alimentação que pra eles são errada. Uma coisa eu aprendi com meu filho,hoje eu não perturbo mais com aquele falação sobre comida, pergunto o que ele quer experimentar algo e compro,se não gostar não insisto, se gostar passo a comprara. Um abraço a todos.

    • Roberto:

      Quando comecei a ler seu comentário me vi narrando todas as particularidades de meu filho sobre a alimentação. Hoje ele tem 7 anos, mas aparenta 4 ou 5 anos. Come muito pouco e o que come é a borda da pizza, pao de sal puro, franlitos (Bobs) e Nescau em caixinha. Esse é o cardápio dele. Já tem 3 anos fazendo terapia e tem acompanhamento com nutricionista e nutróloga. Até hoje não conseguimos mudar seu transtorno.

  • luciana:

    Vania tem razão, roubar caldo maggi dá cadeia, pensar em roubar , se for pobre também,assisti uma audi^ncia em que o sujeito estava preso porque foi pego dentro de uma escola comendo a merenda escolar, já se for rico, cleptomaníaco, a coisa muda de figura.

  • Vânia:

    Esse tipo de distúrbios só pode vir de países onde as mesas são tão fartas, a ponto das crianças brincarem(??!!!) de guerra de comida!!Num país como o nosso,onde há muita gente em situação de risco alimentar,os casos devem ser muito raros.Os que sofrem desse distúrbio aqui provavelmente são gente que nunca foi pobre.Afinal a cleptomania,por exemplo,é coisa de rico,afinal se o pobre for pego “dando elza” em alguma coisa,ora,é ladrão safado!!kkk Mas o rico é ladrão com elegância,é cleptomaníaco.Ó me deixe,viu!!!

  • Hugo:

    Meu Padrasto sofria de este distúrbio,carnes,frios e batatas eram sua dieta mais o interessante é que 2 dos 3 filhos também tinham os mesmos gostos.Genética,hábitos adquiridos? não sei,mais sofriam muito por este motivo.

  • criancinha:

    De qualquer modo, eu que sou pobre to livre deste distúrbio….. – (in)felizmente….rsrsrs

  • criancinha:

    Exigência com a comida…seria mesmo distúrbio alimentar, ou consequência de uma vida regrada em disponibilidade financeira?

  • osmarina:

    gostaria de receber ,mais algumas informações sobre alimentação infantil.obrigada

  • Natureza:

    Meu Deus!

    Eu sempre tive problemas com a comida, são raras as coisas que eu como, comparado ao que não como. Sofri muito desde a infância, com todos me chamando de birrenta, mimada ou que fazia isso pra chamar a atenção. Sempre tinha alguém pra insistir pra que eu comesse o brócolia ou o alface, dizendo que o tomate era bom ou a cenoura fazia bem pros olhos… E daí?

    Até hoje é dificil, ninguém entende, perguntam o porque e é uma novela sempre, tentar explicar que simplesmente não consigo comer igual a todo mundo.

    Fora o constrangimento que é, convites pra comer na casa de alguem, restaurante até vai, porque há opções… mas como tu vai pedir: ‘olha, tu pode fritar batatas pra mim? Eu só como com isso!’, não dá, né?

    • Bia:

      Meus Deus Natureza, te entendo, e como te entendo. É realmente sempre um constrangimento sair com alguem que não te conhece, ou ir comer na casa de alguem. Te falo que até já deixei de tentar outro setor, em pensar como explicar aos novos companheiro que não como, é de fato muito CONSTRANGEDOR. Mas vamo que vamos, né?! Um abraço

    • Felipe:

      Meninas, sei muito bem do que vocês estão falando, pois passo pelo mesmo problema! Estou fazendo psicoterapia no momento (comecei há dois meses)… estou ainda um pouco cético em alguma perspectiva de recuperação, ainda que parcial, mas preciso tentar alguma coisa… estou quase chegando aos 28 anos e esse transtorno cada vez me sufoca mais! Um forte abraço para vocês, gostaria de manter contato! Se por um lado é triste saber q existem pessoas que sofrem como eu, por outro lado é confortador saber que não estou sozinho nessa e que a ciência tem trabalhado em cima desse tipo de transtorno.

Deixe seu comentário!