O sistema solar que poderia conter 60 Terras

Por , em 1.06.2014
A separação entre as duas estrelas é de cerca de 100 unidades astronômicas (1 AU =149.597.871 quilômetros). Cada estrela tem uma configuração, com várias Terras, ou várias Júpiteres com luas como a Terra

A separação entre as duas estrelas é de cerca de 100 unidades astronômicas (1 unidade = 149.597.871 quilômetros). Cada estrela tem uma configuração, com várias Terras, ou vários Júpiteres com luas como a Terra

O astrofísico Sean Raymond, do Observatório de Bordeaux, na França, projetou um sistema estelar hipotético com tantos mundos semelhantes à Terra quanto possível, sem quebrar as leis da física. O número final? Incríveis 60 planetas.

Sean queria fazer um arranjo de planetas cientificamente plausível. Todos os mundos precisavam ser gravitacionalmente estáveis ao longo de bilhões de anos, já que não faz sentido criar um arranjo no qual os planetas simplesmente não conseguem ficar em órbita, espiralando em direção ao “sol” (à sua estrela-mãe).

Ele se baseou na literatura científica recente, mas tirou licença artística em alguns casos, quando era impossível escolher entre dois cenários por causa da falta de dados.

O sistema

Sean escolheu uma estrela anã vermelha como “mãe” do sistema em vez de uma como o sol, porque ela tem uma massa menor e vive mais tempo, oferecendo uma zona habitável estável.

Usando a ciência, ele determinou que um planeta do tamanho da Terra também pode ter uma lua quase do tamanho da Terra, com os dois mundos orbitando um ponto central.

Dois pares de planetas podem orbitar uma estrela na mesma distância desde que estejam separados por 60 graus, graças a dois pontos gravitacionalmente estáveis. No nosso sistema solar, esses pontos são normalmente habitados por asteroides e não planetas (os “troianos” – Júpiter tem milhares, a Terra tem um), mas nada impede que sejam planetas.

Há espaço para seis pares nessas configurações na zona habitável de uma anã vermelha, ou seja, 24 planetas habitáveis no sistema.

ultimate_solarsystem1-002

Vamos aumentar esse número?

É simples. Gigantes gasosos, como Júpiter, não são habitáveis para a vida como a conhecemos, mas podem ser orbitados por luas parecidas com a Terra (como as luas Europa e Enceladus, que orbitam Júpiter e Saturno, respectivamente, e que são ótimas candidatas para a vida fora da Terra).

Uma anã vermelha pode ter quatro planetas semelhantes a Júpiter, cada um com cinco luas como a Terra. Além disso, os espaços dos troianos podem permitir mais dois planetas como a Terra em ambos os lados dos “Júpiteres” em órbita, aumentando o número total de mundos habitáveis ao redor da anã vermelha para 36.

ultimate_solarsystem2-0031

Se o sistema for binário, ou seja, tiver duas anãs vermelhas separadas pela distância entre o nosso sol até a borda do sistema solar, sendo que uma estrela tem a primeira configuração com 24 mundos, e a segunda tem 36, temos um sistema final com 60 planetas habitáveis.

Podemos encontrar algo assim no universo?

Infelizmente, provavelmente não.

Segundo Mikko Tuomi, da Universidade de Hertfordshire, em Hatfield, no Reino Unido, que ajudou a descobrir o sistema estelar com o maior número de planetas conhecidos, essa é uma ideia instigante, mas as chances de um sistema desse tipo realmente se formar no universo real são mínimas.

“Isso é devido à falta de matéria perto da zona habitável no disco de acreção a partir do qual os planetas se formam”, diz Tuomi.

De fato, seria um grande feito para a natureza. [NewScientist]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

6 comentários

  • Cesar Grossmann:

    Fantástico trabalho. A mecânica celeste é incrível!

  • Cesar Desiderá:

    Essa matéria me fez lembrar duma série de ficção cientifica, firefly. A série se passava num sistema solar como esse, com dezenas de planetas e luas habitáveis. Muito bom o artigo!

  • Eduardo B. Ozorio:

    ”Dois pares de planetas podem orbitar uma estrela na mesma distância desde que estejam separados por 60 graus…”, puxa, realmente eu não sabia disso!! Acho que tem a ver com os pontos L4 e L5 de Lagrange, que na orbita de Júpiter são asteroides como o artigo informa. Então estes corpos ”poderiam” mesmo ser um planeta a mais no sistema solar??
    Sorry for my ignorance 🙂

    • Cesar Grossmann:

      Tem tudo a ver com os pontos lagrangeanos. Aliás, é o único jeito de ter três corpos compartilharem a mesma órbita, é se um deles for bem grande, e os outros dois forem menores e estiverem nos pontos lagrangeanos do primeiro.

      A hipótese do Big Splash, sobre a origem da Lua, argumenta que um planetoide co-orbital ao nosso teria crescido tanto que sua órbita acabou ficando instável e ele acabou colidindo com a Terra.

  • Naldo Soares:

    Provavelmente sim, é possível, se você levar em consideração infinitos universos.

    • Cesar Grossmann:

      Se você considerar um só universo infinito, então a probabilidade de que um sistema assim exista é de 100%. E devem haver infinitas variações deste sistema.

Deixe seu comentário!