Quantas “Terras” alienígenas pode haver na nossa galáxia? A resposta vai impressionar você

Por , em 12.02.2013

Nossa galáxia abriga cerca de 75 bilhões de estrelas anãs vermelhas (menores e menos brilhantes do que o Sol) e, de acordo com estudo recente (a ser publicado no The Astrophysical Journal), em torno de 4,5 bilhões são orbitadas por planetas do tamanho aproximado da Terra – alguns dos quais podem estar “a um pulo” do nosso planeta, em escala espacial.

“Pensávamos que seria preciso procurar por vastas distâncias para encontrar planetas como a Terra. Agora percebemos que provavelmente há outra Terra em nosso quintal, esperando para ser encontrada”, destaca a pesquisadora Courtney Dressing, do Centro Harvard-Smithsonian de Astrofísica.

Dressing e sua equipe chegaram a essa conclusão depois de analisar dados coletados pelo telescópio espacial Kepler, da NASA, que desde seu lançamento (em março de 2009) já detectou 2.740 possíveis exoplanetas – destes, apenas 105 foram confirmados até agora, mas estima-se que a maioria seja real.

Pequenos sóis

Os pesquisadores focaram nas anãs vermelhas e descobriram que quase todas são menores e mais “frias” do que se imaginava e que, por consequência, os planetas que as orbitam também são menores. Essas informações mais precisas ajudam, ainda, a calcular a extensão da “zona habitável” (em que o planeta estaria a uma distância apropriada para ter água líquida em sua superfície) de cada estrela.

Dos 2.740 “candidatos” (chamados de KOI, “objetos de interesse de Kepler”, em inglês), a equipe determinou que 95 orbitam anãs vermelhas, dos quais três estão localizados na “zona habitável” de sua estrela. São eles:

  1. KOI 1422.02: com 90% do tamanho da Terra, esse possível exoplaneta circula sua estrela a cada 20 dias. Se tudo for confirmado, ele pode ser a primeira “Terra alienígena” descoberta;
  2. KOI 854.01: possui 1,7 vezes o tamanho da Terra e uma órbita que dura 56 dias;
  3. KOI 2626.01: possui 1,4 vezes o tamanho da Terra e uma órbita que dura 38 dias.

Os três candidatos ficam a uma distância de 300 a 600 anos luz da Terra e a temperatura da superfície de suas estrelas ficam entre 3.150 e 3.260°C (a do Sol é de aproximadamente 5.540°C). Pelos cálculos dos pesquisadores, contudo, deve haver um candidato a cerca de 13 anos-luz do nosso planeta, uma distância relativamente curta em termos astronômicos.

Mais antigas que a Terra

Como as anãs vermelhas “vivem” mais do que estrelas maiores, é possível que alguns dos planetas que orbitam suas “zonas habitáveis” tenham formas de vida mais antigas do que as primeiras a surgir na Terra.

Outro aspecto importante das anãs vermelhas é que, quando “jovens”, elas frequentemente liberam ondas de raios ultravioletas, o que, segundo alguns cientistas, teria impedido o surgimento de vida mesmo em planetas que ficam em suas “zonas habitáveis”. Contudo, é possível que a atmosfera dos planetas os tenha protegido e que, além disso, condições adversas como essa possam ter ajudado a vida a evoluir.

Entre os canditados, há cinco orbitando a estrela Tau Ceti, localizada a 11,9 anos-luz da Terra. Destes, dois podem estar nas “zona habitável” da estrela.

Em suma, a ideia de que “o Universo é grande demais para só ter vida em um planeta” ganha mais força a cada dia.[Space.com] [The Astrophysical Journal]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (6 votos, média: 5,00 de 5)

12 comentários

  • A.S.S.:

    Eu sou um alien e sou de uma estrela classe g que nem vocês humanos, mas a única diferença é que meu planeta é Kepler 22 b, e junior lima eu quero dizer para você que está certo pois meu povo morava em Minus (Kepler 22 b) antes de ser escravizado pelos Ecremonts, mas eu e outros sobreviventes fugimos e nos humanificamos para viver neste planeta, mas quando pudermos voltaremos em um buraco de minhoca e soltaremos todos os minuctos.

  • Gabriel Gonzaga:

    Esse número poderá ser bem maior,considerando que possa existir vida diferente da nossa,movida não especificamente pelo que nos move,e sim por outro elemento quimico. Acredito que possa existir vidas bem diferente da nossa.

  • Cícero:

    Dizem que há mais planetas no universo que os grãos de areia das praias da Terra. Mas Pergunto: Será possível achar um grão de açúcar nesses grãos de areia, sem uma Causa Externa Inteligente?

    • PhysicistJB:

      Resposta: sim. Foram encontradas no espaço exterior cadeias e mais cadeias de açúcares. Próxima pergunta.

    • Cícero R. P.:

      Caro PhysicistJB,
      Qual é o estudo?

      E mesmo que tenham encontrado açúcares no espaço; isso é bem diferente de vida orgânica,… ainda mais inteligente como a nossa!

    • PhysicistJB:

      Prezado Cícero, tudo que fiz foi responder a tua pergunta. Porém, se você agora está se referindo a vida inteligente como necessidade de um projeto sobrenatural, então, temos uma outra questão, correto? Não precisamos debater sobre a tua fé.

    • Cícero R. P.:

      Caro PhysicistJB,
      Não seria nem uma questão de fé, e sim de algo racional e lógico.

      O nada, acaso e sorte (como alegam muitos ateus em sua fé absurda!) jamais poderiam originar existência de grandezas como: matéria, energia, espaço, tempo, em proporções matemáticas precisas de equilíbrio no universo; e em nosso sistema solar, com leis, constantes, processos e mecanismos regulatórios finos para a harmonia e vida orgânica complexa de várias formas, e ainda inteligente na Terra.

      O que evidencia um princípio antrópico fortíssimo, com nosso planeta devidamente configurado para proporcionar estes tipos de vida singulares em comparação a seus vizinhos.

      O universo manifesta criação complexa, organizada e inteligente, logo, é razoável supor um Projetista Inteligente Incausado Ilimitado Infinito; isto é uma NECESSIDADE!

    • PhysicistJB:

      Prezado Cícero.

      Como você diz que não é uma questão de fé se você fala de uma divindade com necessidade de início? Ora meu bom colega, impondo uma necessidade de projetista você ignora que para se formar QUALQUER substância complexa, são necessários bilhões de anos de interação entre forças NATURAIS como a gravidade, eletromagnetismo e outras. Isso é o que se pode medir e testar. Não um poder indetectável emanado por um alguém também indetectável que supostamente deixa rastros naturais ao invés de chegar pra todo mundo em meio a luzes e fenômenos impossíveis de serem realizados pelo natural e dizer: “filhos, eu estou aqui e vim cobrar de vocês toda devoção”! Perdão Cícero, mas, é muita fé mesmo.

      Porém, você tem muita razão quando fala que o NADA, ACASO e SORTE não cria coisa alguma. Mas, ao contrário do que você pensa, não são os ateus (muito menos cientistas sérios) que argumentam isso. São líderes religiosos bem desinformados que tratam o debate como se fosse. Preste atenção e saiba contra o que você está argumentando. Se você quiser, eu te explico com detalhes muito sobre o que você acredita ser a tal sintonia fina do Universo (as infundadas proporções perfeitas pra vida), bem como o engano religioso do nada criar tudo. Porém, não vou investir tempo nisso se você preferir continuar sem o conhecimento CIENTÍFICO dessa discussão e seguir em frente digerindo apenas o que os líderes religiosos dizem.

      Muita paz pra todos nós!

    • Cícero R. P.:

      Caro PhysicistJB,
      “você ignora que para se formar QUALQUER substância complexa, são necessários bilhões de anos de interação entre forças NATURAIS como a gravidade, eletromagnetismo e outras. Isso é o que se pode medir e testar”.
      Isso é sua interpretação, é sua crença descomunal, e de muitos que o tempo pudesse gerar ordem e complexidade… ademais gravidade, eletromagnetismo, forças forte e fraca requerem uma origem causadora; ou seria o deus nada como quer o astrofísico Hawking? 🙂
      O problema não é o big-bang, mas sim a incrível ordem que o segue. Se dependêssemos do acaso e sorte seríamos uma eterna sopa de poeira, partículas e radiação. O caos às cegas só geraria mais caos.
      Uma explosão amoral, impessoal, inanimada, material ter dado origem a seres morais, pessoais e inteligentes. Do nada ao tudo, do caos a ordem, do sem sentido ao sentido. Na origem e ordem da vida, em leis delicadas e precisas em fina harmonia, nas fartas evidências empíricas físicas/não físicas ao nosso redor corroboram um Criador Pessoal Inteligente.
      Robert Jastrow fundador do Instituto Goddard da NASA admite:
      “Agora vemos como a evidência astronômica leva a uma visão bíblica da origem do mundo. Os detalhes divergem, mas os elementos essenciais presentes tanto nos relatos astronômicos quanto na narração do Gênesis são os mesmos: a cadeia de fatos que culminou com o homem começou repentinamente e num momento preciso no tempo, num flash de luz e energia.” (A scientist caught p.14).

      Arno Penzias descobridor da radiação pós-explosão – prêmio Nobel também diz:
      “A maneira mais fácil de encaixar as observações com os parâmetros recentes é admitir que o Universo tenha sido criado do nada, num instante, e que continua a se expandir” (Show Me God, p.156).
      “Não um poder indetectável emanado por um alguém também indetectável que supostamente deixa rastros naturais ao invés de chegar pra todo mundo em meio a luzes e fenômenos impossíveis de serem realizados pelo natural e dizer: “filhos, eu estou aqui e vim cobrar de vocês toda devoção”!
      Note que o método científico estuda as leis naturais; e estas são eventos repetíveis, regulares, previsíveis. Contudo a detecção direta de Deus e seus eventos milagrosos sobrenaturais (como origem do mundo e da vida) são eventos singulares, extraordinários, irregulares, imprevisíveis que fogem aos instrumentos e metodologia científica tradicional limitada e falha que estuda a natureza e seus fenômenos naturalmente causados.
      Mas nos caso da ciência das origens; assim como a história do nosso planeta; todos os cientistas acreditam que a origem do universo e a origem da vida são eventos singulares, especiais e não-repetíveis.
      Não somente a origem de matéria, energia, espaço e tempo e suas leis de forma finamente ajustada hoje e ontem no universo, assim como pela analogia, cientistas aprenderam que certos níveis de complexidade específica originam-se apenas em seres inteligentes.
      Acharíamos estranho e insensato se um professor de biologia dissesse que foi uma causa natural para as faces esculpidas (dos presidentes) no monte Rushmore.
      Assim, é errado supor que leis naturais e o domínio da lei científica é sobre todo e qualquer evento, mas apenas sobre eventos regulares, normais e não de TODOS os eventos possíveis.
      Mas o tal Criador Pessoal Inteligente, já foi manifestado na pessoa de Cristo, pelos ensinos, sinais, maravilhas, milagres que fez e FAZ! cfe. diz a Escritura.
      “você tem muita razão quando fala que o NADA, ACASO e SORTE não cria coisa alguma. Mas, ao contrário do que você pensa, não são os ateus (muito menos cientistas sérios) que argumentam isso”.
      Vc está bem desinformado.
      O astrofísico americano-canadense Lawrence Krauss causou polêmica com o lançamento do livro A Universe From Nothing (Um Universo do Nada, em tradução livre). Segundo o autor, o universo aconteceu por acaso e veio do nada!
      Stephen Hawking afirmou, em entrevista ao jornal The Guardian:
      “A idéia de que há uma espécie de paraíso após a morte é um conto de fadas de gente que tem medo do escuro. A ciência prediz que diferentes tipos de universo serão criados do nada e de maneira espontânea.”
      Assim, vc tem toda razão. São os líderes religiosos da religião naturalista ateísta como esses dois incoerentes e irracionais acima, em admitir que entidades inexistentes como o NADA sejam capazes de criar e ordenar o imenso universo e posteriormente a complexa vida! isso é ser CIENTÍFICO??? 🙁
      Nossos computadores requerem um projetista inteligente; imagine o cérebro humano muitíssimo melhor, mais sofisticado e complexo!
      Ou será que nossos cérebros capazes de pensar, agir e escrever aqui, são frutos do acaso e acidentes às cegas vindos do LIMO em milhões de anos?!
      Ou será que amebas em milhões de anos, viraram elefantes, camelos e GENTE??!! vc tem fé nessas coisas?
      Abçs.

  • Francisco Assis Gurgel Gurgel:

    bem verdade impressionante o avanço da ciência planetária mas o que se percebe nos dados das pesquisas, são os números de dias que esses planetas orbitam suas estrelas, muito pouco para que haja vida por lá, isto é muito rápido seus movimentos.

  • junior lima:

    eu fico me perguntando quantas formas de vida já surgiram nesses planetas e desapareceram, e nós nunca iremos saber…..

  • Daniel Araújo:

    só que há um problema com as anãs vermelhas: por serem muito pequenas, os planetas precisam estar muito próximos da estrela para serem aquecidos o suficiente, e isso deixa eles muito vulneráveis a radiação da estrela.

    Os planetas precisariam então de ter um campo eletromagnético muito poderoso para servir de escudo contra essa radiação, caso contrário qualquer vida que possa surgir por lá seria rapidamente esterilizada.

Deixe seu comentário!