Os 10 Papas mais intrigantes

Por , em 13.02.2013

Aproveitando que o Papa Bento XVI está nas manchetes por abdicar, algo que foi feito pela última vez na Idade Média, que tal darmos uma repassada nos papas mais intrigantes e curiosos da história? Desde um cadáver que foi a julgamento a um papa que subiu ao pontificado 3 vezes, aqui estão 10 dos mais interessantes líderes da Igreja Católica:

10. Primeiro pai

O primeiro cabeça da Igreja Católica foi São Pedro, cujo nome original era Simão, e era um dos 12 apóstolos de Jesus, de acordo com Julius Norwich em seu livro “Absolute Monarchs: A History of the Papacy” (“Monarcas Absolutos: Uma História do Papado”, Random House, 2012).

Ele pregou na Ásia Menor antes de ir para Roma, onde viveu 25 anos, quando o Imperador Nero Augusto César crucificou-o. Diz a lenda que ele pediu para ser crucificado de cabeça para baixo, por se achar indigno de morrer como Jesus. Apesar de ser considerado o primeiro Papa, ele nunca teve este título durante sua vida.

9. Abdicando

O primeiro papa a abdicar foi Ponciano, que foi o chefe da igreja entre os anos 230 e 235. Diferente de seus predecessores, Ponciano não foi martirizado, mas sentenciado a trabalhos forçados nas minas da Sardenha pelo Imperador Maximino Trácio, que estava perseguindo os cristãos, particularmente os chefes da igreja. O papa abdicou voluntariamente para evitar que a igreja experimentasse um vácuo no poder, de acordo com a Enciclopédia Católica.

8. Tempos melhores

O século seguinte foi um tempo duro para a Igreja Católica, com perseguição de cristãos e martírio de vários líderes da igreja. Mas, em 313, o Imperador Constantino colocou oficialmente um fim à perseguição. O Papa Silvestre I foi o primeiro a viver neste mundo menos perigoso, mas quando Constantino organizou o Concílio de Nicéia, para definir a doutrina oficial cristã, Silvestre resolveu ficar de fora, enviando emissários, de acordo com o livro “Absolute Monarchs”. O Credo Niceno é considerado a primeira declaração oficial de fé dos cristãos.

7. Pacificador

O Papa Leão I, que reinou do 461 a 468, pode ter sido mais famoso pelo trabalho que fazia antes de ascender ao papado: o antigo aristocrata e então bispo convenceu o temido Átila, o Huno, a não saquear Roma. É possível que Leão tenha oferecido a Átila alguma quantia em ouro, ou então o guerreiro usou o encontro como uma desculpa para retornar, atendendo a seus próprios objetivos estratégicos.

Outra possibilidade é que o papa tenha apelado para os medos supersticiosos de Átila, de morrer logo depois do saque, como aconteceu com Alarico I (rei de uma tribo de Godos) depois de saquear Roma décadas antes, de acordo com o livro “Absolute Monarchs”.

6. Cadáver em julgamento

O Papa Formoso encabeçou a Igreja Católica de 891 a 896, e seu reinado foi marcado por batalhas políticas e lutas internas. Ele sofreu excomunhão 20 anos antes de se tornar Papa, mas foi absolvido mais tarde. Após sua morte, seu cadáver foi exumado, levado a julgamento e condenado por não ser digno do papado. Todos seus editos papais foram considerados inválidos, os dedos que ele usou para fazer os sacramentos foram arrancados, e ele foi jogado no rio Tibre.

5. Outros Bentos

O Papa atual não é o único Bento a renunciar. Durante uma época tumultuosa da história da Igreja Católica conhecida como saeculum obscurum (“idade das trevas”, às vezes chamado de “pornocracia” ou “governo de meretrizes”), os papas se entregaram à corrupção e à venalidade, e eram aliados a alguma família aristocrática. Cansado disso, o povo de Roma resolveu elevar Bento V à mais alta posição em 964. Mas o fundador do Sacro Império Romano, Rei Oto I, não quis saber disso e elegeu um antipapa, Leão VIII. Bento V escolheu renunciar alguns meses depois da eleição (nestes tempos caóticos, não era incomum haverem dois papas eleitos).

O próximo Bento, Papa Bento VI, também viu seu reinado ter um fim ignominioso: quando o Rei Otto morreu em 974, Bento VI foi preso e executado pelo seu antipapa sucessor.

4. O Tri-Papa

Outro papa Bento, Papa Bento IX, foi papa três vezes. Ele primeiro ascendeu ao papado em 1032 como resultado de conexões familiares, com a tenra idade de 20 anos, de acordo com a Enciclopédia Católica. Entretanto, ele levou uma vida imoral e dissoluta. Em 1044, a cidade de Roma elegeu um antipapa. Bento IX conseguiu substituir o antipapa, mas abdicou – depois de vender o papado a outro sacerdote. Antes de morrer, ele se tornou papa mais uma vez, mas por pouco tempo.

3. Papa grávido?

Diz a lenda que de 855 a 877, um Papa João era na verdade uma mulher. A história, contada por um monge dominicano chamado Martinho em 1265 e vários outros, alega que o Papa João era uma garota que foi trazida a Atenas em roupas de homem, de acordo com “Absolute Monarchs”. Ela estudou e se tornou mestre, mas ficou grávida e teve o parto durante uma procissão da igreja. Entretanto, o caos da época e as discrepâncias entre as diferentes histórias sugerem que a Papisa Joana talvez nunca tenha existido.

2. Reinados curtos

Muitos dos homens que foram escolhidos para o papado não tiveram a chance de esquentar a cadeira. O Papa Stephen foi eleito em 752, mas morreu alguns dias depois sem ter sido consagrado. O Papa Dâmaso II ascendeu ao papado em 1048, depois de várias lutas políticas, mas faleceu 23 dias depois. Celestino IV, que foi eleito em 1241, faleceu 16 dias depois – muito cedo para sua coroação. E o Papa Urbano VII, que morreu depois de 12 dias no ano 1590, foi o papa de mais curto reinado da história da Igreja Católica.

A igreja também teve vários períodos sem papa reinando. Estes períodos, conhecidos como “interregnums”, normalmente acontecem quando os cardeais que votam para escolher um novo papa estão no Conclave.

1. Abdicação

O último papa a abdicar, Papa Gregório XII, foi eleito em 1406, mais de 600 anos atrás. Ele era conhecido por sua piedade, e foi eleito originalmente para terminar o cisma ocorrida depois que o Papa Inocêncio VII morreu, de acordo com a Enciclopédia Católica. Gregório XII foi um dos três papas a reinar na época, e o caos que se seguiu deve tê-lo convencido que era hora de cair fora. Ele convocou um concílio para resolver o problema, e abdicou em 1415. [LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

15 comentários

  • Regis Jung:

    o papa mais intrigante é João Paulo II porque ele se encaixa certinho como o anticristo do apocalipse, é só ler o apocalipse que vc verá que ele é o anticristo

  • otton_universo:

    … ” Por isso é que dou viva à ‘Sociedade alternativa’.
    A vedade já está entre nós, a questão é querer vê-la … assumí-la e sobretudo. exercê-la ” …

  • Gerlanda Canizzaro:

    concordo com todos, Jesus era humilde e pregava só amor. vejam o anel desse papa alemão tem no dedo,não gosto dele,eles pregam uma coisa e fazem outra,lá dentro deve ser um terror, garanto que lá dentro não tem um cardeal pobre,o negocio ali é muita grana que rola…………

  • Cristiano Rola:

    Papa (representante de Cristo na Terra), você acham mesmo que alguém é digno de representar Cristo?
    Vejam tanta riqueza, tendo que andar com seguranças, ser chamado de “SANTO” Santo Papa etc… vocês acham que Cristo estaria de acordo com isso? Se ele (O Papa) fosse mesmo o representante de Cristo na Terra, não andaria com seguranças, nem seria cercado de tanta riqueza etc… Vejam tamanha decepção há na I.Católica, é escândalo após escândalo, está na hora de acabar com esse cargo “Papa”.

  • Chico Lobo:

    essa lista de fatos, tem o prisma do clero e não da história

  • A Sociedade Alternativa:

    quero dizer:: o Apostolo pedro, nunca foi a Roma, e nunca foi um papa.

  • A Sociedade Alternativa:

    O Mundo suas verdades e suas Mentiras::: O Primeiro Papa da qual a igreja católica, tanto se orgulha sendo ele o Apostolo Pedro, nunca existiu, nunca foi a era, e jamais morreu crucificado em uma cruz e ainda mais de cabeça para Baixo. sendo assim a maior mentira de todos os tempos é a igreja católica com seus papas que são homens mortais como qualquer um, jamais será um santo, ´pois isso de santidade o papa não existe, e a maior mentira de todos os tempos está Religião em nome de Deus, é uma Farsa que vai cair agora em 2013.0001, apostolo Pedro morreu em um pais chamado Pontus, naquela época pelas mãos dos Sacedortes do Imperador do Pais, foi esquartejado e jogado seu corpo para os animais, e o imperador que amava pedro, por este motivo matou 2000 sacerdotes de seu pais, eliminando assim esta infamia de mentirosos e ciumentos, que não trazem consigo o amor de Deus e ao proximo. é isso, se não estudarem um pouco mais, muitos vão continuar nesta mentira toda. acredite quem quiser.

  • Tibulace:

    Entre os papas de pontificado extremamente curto, está João Paulo I.Estranhei o ” esquecimento” dele, nessa lista.Consciência pesada, do pessoal da Igreja?

  • Rosa Fernandes:

    Eu nao estou de acordo com o facto de Simao Pedro seja considerado como o pai da igreja catolica. Ele era judeu e morreu judeu. Os catolicos podem especular o que quiserem mas tem que ter cuidado com essas especulaçoes. Pedro foi um apostolo de Jesus e nesse tempo o catolicismo ainda nao existia.

    • jodeja:

      Oi Rosa,algumas coisas eu concordo com você. Mas dizer que Simão Pedro era judeu não quer dizer nada, Jesus também era judeu e foi crucificado como judeu, e daí

  • cris:

    eu ja li o livro que conta a historia da papisa joana
    e muito interessante ela lutou muito. e conseguiu realisa o sonho dela. so que tentaram apagar ela da historia

    • Flor de Lis:

      Cris, podes dizer o nome do livro e se possível do autor??

    • cris:

      o nome do livro e papisa joana
      e o escritor e donna woolfolk cross

    • Flor de Lis:

      Obrigada, Cris!

  • franobre:

    Bem, logicamente não irei discutir a questão do ponto de vista teológico, pois muito se teria a falar sobre a transformação dos ideias de Jesus da Galiléia, que pregava a adoração a um só Deus e invisível, e dizia que os únicos mandamentos que reconhecia era amar a Deus e amr ao próximo, nessa miríade de deuses (os santos católicos são deuses na verdade), liderado por Maria, tendo cada um sua própria imagem, e a criação de uma infinidade de dogmas e hierarquias. Por conta disso é um absurdo dizer que Pedro foi um Papa. Àquela época nem se comentava a esse respeito. Fico imaginando se Pedro e os primeiros cristãos (os existente antes da igreja Católica surgir de fato, com as bençãos de Roma, graças à fusão de várias crenças tomanas) adentrassem na Basilica de São Pedro hoje! Com certeza pensariam estar entrando em um templo romano ou grego, dedicado a seus deuses, nunca em um recinto dito Cristão.

Deixe seu comentário!