Os médicos deveriam pagar pelo tempo de espera de seus pacientes?

Por , em 3.07.2011

Quem nunca passou por isso: marcar uma consulta no médico (claro que você só conseguiu para daqui a meses), mudar todo seu horário e se desdobrar para chegar lá na hora, e perder horas esperando sentada com a bunda grudada no sofá.

Que tal fazer o que a fez a americana Elaine Farstad? Depois de quase duas horas esperando, ela decidiu cobrar o médico. “Se você me fez perder meu tempo, pague por ele”, argumenta ela.

Ela calculou seu salário por hora de trabalho, dobrou-o para as duas horas que passou na sala de espera, e enviou a fatura para o médico. Você podia até esperar que ele ficasse bravo, mas o médico de Elaine enviou-a o cheque, com a quantia que ela solicitou.

É uma questão de respeito. Tal situação nos consultórios médicos é muito comum: não estaria na hora deles valorizarem seus pacientes? Que são, inclusive, os clientes que lhe pagam o que eles ganham.

Nos EUA, alguns médicos já estão “indenizando” pacientes (com dinheiro ou presentes) antes que eles solicitem, caso tenham esperado muito tempo. A Sociedade americana de Medicina Participativa acha a intenção excelente. Segundo eles, os médicos estão valorizando o tempo dos pacientes, um compromisso com a concepção de uma prática que deve mesmo servi-los.

Quando mantém seus pacientes à espera mais de 15 minutos, o Dr. Timothy Malia, de Fairport, Nova York, lhes paga 5 dólares (quase 8 reais). Se os pacientes de Eugene, Oregon, esperarem mais de 10 minutos para ver a Dra. Pamela Wible, eles recebem um sabonete artesanal ou um frasco de loção. Quando o Dr. Cyrus Peikari, de Dallas, recentemente teve que perder um dia de trabalho por causa de uma emergência familiar, deu aos pacientes cujas consultas ele cancelou 50 dólares (quase 80 reais).

Nem todos os médicos são tão simpáticos, entretanto. Elaine lembra de outra consulta, às 8 horas, da qual ela teve que ir embora às 8h40 porque a médica ainda não estava lá. No estacionamento, ela encontrou a doutora saindo de seu carro.

Na maior cara de pau, ela disse que nunca estava no escritório antes das 8h50. Elaine perguntou então por que ela agendava às 8 horas, e ela respondeu que era para dar ao paciente tempo para preencher a papelada. Fala sério, né?

Também, em alguns casos, a situação está fora de controle de um médico. Por exemplo, alguns médicos são instruídos por seus chefes a marcarem pacientes a cada 15 minutos, para ganhar mais dinheiro. Isso significa que se um paciente precisar de mais tempo, os do final do dia estarão atrasados.

Se esse for o caso, o médico está perpetuamente atrasado. E se você não gosta de esperar, tente uma dessas abordagens:

– Envie o seu médico uma conta: como Elaine, envie a fatura do seu tempo perdido, caso ultrapasse 30 minutos de atraso.

– Procure um médico pontual: eles existem, acredite. É só ir mudando de médico até achar um consciente e respeitoso.

– Marque consultas de forma inteligente: tente reservar os primeiros horários, que são os que geralmente menos atrasam.

– Mencione os médicos pontuais: a concorrência é um grande remédio para certas coisas. Dê exemplos de médicos que valorizam seu tempo.

– Conte aos outros sobre o atraso do seu médico: a propaganda é a alma do negócio. Se for ruim, pode ter certeza de que os profissionais vão tentar mudar a forma de tratar os pacientes.[CNN]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

31 comentários

  • Sérgio Machado:

    Acho justo o médico pagar pelo atraso, desde que:

    – o paciente que marcar a consulta (= criar um contrato) e não aparecer (= quebrar o contrato) pague ao médico o valor horário desperdiçado

    – o paciente que se atrasar pague pelo tempo de atraso

    – o paciente que ultrapassar os 15 min impostos pelos convênios pague pelo tempo adicional.

    Interessante como quem gosta de reclamar às vezes se vale do CDC, outras do Juramento de Hipócrates, sempre de acordo com sua conveniência, nunca a favor do médico, nunca a favor do que seria justo. O paciente pode atrasar, o médico não. A sua consulta tem que levar o tempo que você quiser, mas o anterior não pra não te atrasar.

    Sem hipocrisia. Querem consultas longas, pontuais e cheias de “firula”? Paguem particular. Quem quer usar médico de convênio tem que saber que está pagando por uma consulta OBJETIVA, com horário apertado e possibilidade de atraso. É por isso que estão pagando e é isso que tem que receber. Simples assim, esse é o contrato.

  • vanessa:

    Ontem passei pelo ambulatório do Cajuru. Minha consulta estava “marcada” para as 10:30 da manhã. Cheguei às 10hs só para garantir. Tinha plena consciência que teria que esperar algumas horas. Sai da consulta que durou 3 minutos, ou melhor, 4min ele me deu um atestado, por volta das 19hs. Sim fiquei das 10 da manhã até 19hs embaixo de uma tenda com chuva e frio junto com pessoas com a perna cheia de ferros que mal conseguiam sentar até pacientes com apenas um dedo destroncado. Após 5 horas de espera, sem orientação nenhuma, sem comer, pois se saísse poderia perder a consulta. Perguntei se teria uma previsão de atendimento. Ninguém sabia responder, fui ficando muito nervosa, pois o descaso, não só comigo, mas com todas aquelas pessoas que estavam na espera, era imenso. Entendo que tem problemas de estrutura, funcionários, equipamentos e que tudo isso gera um stress para o profissional que está ali, mas assim como um professor sabe o salário que ela vai receber ao assumir o compromisso de suas aulas um médico também sabe o que lhe espera. Ninguém gosta de trabalhar de graça, Mas se você se compromete e aceita um trabalho por um determinado valor, então execute esse trabalho dando o seu melhor. Se houve problemas com os computadores desse uma satisfação àquelas pessoas, se o médico está 4 horas atrasado porque está em uma cirurgia dê uma satisfação. Agora perguntar o que esta acontecendo e te dizerem que foi feito uma triagem e que as pessoas estão sendo encaminhado de acordo com a prioridade……….. Quem sou eu para contestar uma triagem de um médico, “por laudos” porque não passamospor nenhum médico ou enfermeiro para triagem , mas uma revisão de um dedo destroncado tem maior prioridade a um homem que viajou 7 horas em uma ambulância com a perna cheia de ferros(via-se secreção nas roupas) que mal conseguia se sentar? Mesmo sendo leiga acredito eu, que o homem deveria ter prioridade, pois é : o homem viajou de Maringá a Curitiba, chegou no ambulatório para consulta ás 6 da manhã saiu às 19hs junto comigo. A moça com o dedo destroncado chegou a 1h da tarde e saiu as 4hs. Vendo tudo aquilo fiquei passada e eu escutava: “Não adianta reclamar, é pior!” Pensei comigo: “Capaz, temos o direito a pelo menos saber o que esta acontecendo!” E eles tinham razão. Escutei cada coisa de “médicos” e funcionários daquele ambulatório que fiquei horrorizada. “Tá” reclamando vai ficar por último para aprender. Um homem também com a perna cheias de ferros estava bravo porque era a vez dele ser atendido, chegou uma enfermeira e colocou dez fichas em cima da dele e ele ficou por último. “ Por mim vai continuar ali e vai ser o último a sair daqui” foi o que eu escutei de um “médico” que foi me atender quando eu contestei o fato do homem ter chegado antes de mim com um problema maior que o meu e eu estava sendo atendida antes dele. Isso é ética médica?Isso é triagem? Quer dizer que temos que esperar de boca fechada, cabeça baixa senão seremos castigados por mal comportamento? Pode até ser que tenha algumas pessoas que reclamam sem ter problemas, apenas por um atestado, pode até ser que o paciente queira contar a vida dele, do cachorro, mas cabe ao profissional ter jogo de cintura para lidar com essas situações. Quem quer um atestado pode fazer como a acompanhante da moça com o dedo destrocando, não foi trabalhar para acompanhar amiga e ganhou um atestado solicitado por telefone a um médico conhecido da moça. Um atendente que diz que uma senhora de 90 anos que mal consegue andar tem que sair do corredor onde acabou de fazer raio x e aguardar ser chamada dali alguns minuto a voltar para o mesmo corredor para ser atendida. Fiquei mais decepcionada ainda quando pensei na possibilidade de todos aqueles profissionais sem respeito, tratando aquelas pessoas com descaso, poderem um dia, terem sido meus alunos. E que todos os valores além dos conteúdos regulares que eu tentei passar a eles foram em vão. É muito difícil expressar indignação, nem sempre as palavras são adequadas ou realmente conseguimos expressar tudo que estamos sentindo, me desculpe os profissionais que exercem com dignidade suas funções, mas ontem além do braço quebrado, da humilhação sai do ambulatório do Cajuru após 9 horas de espera com o mesmo gesso, sem atestado médico para prorrogar minha licença, voltando a entrar em sala de aula com o gesso pesado para 10 aulas diárias e ainda tendo sido atendida por um médico grosso, que olhando para o meu raio x perguntou o que eu tinha…….”Volte daqui 2 semanas para raio x sem gesso” ……..Na saída ele disse aos colegas de trabalho: “ Let´s go girls” os colegas eram homens e eu professora de Inglês.
    Ja pensou quanto eu ganharia por 9 horas de espera se isso valesse no Brasil?Será que eu teria esperado 9 horas? A seguir cenas dos próximos capítulos…..

  • armenio:

    Tudo muito bacana. Funciona bem dos dois lados…aquele paciente que marcou e não foi, nem sequer telefonou para reagendar ou mesmo desmarcar, deveria pagar a consulta tambem. Isso acontece com mais frequencia que qualquer outra coisa….

  • Carolina Fenner Santos:

    Estou indo agora a uma consulta, que sei que terei que esperar, no mínbimo, umas 2 horas para ser atendida.
    porque não procuro outro médico????? Porque o meu ocnvênio (Sul América) só disponibiliza 3 alergistas em Brasília e os outros 2 só tinham consulta para novembro!
    Ou seja, os pacientes ficam nas mãos desses profissionais mal educados e que não respeitam nem quem paga o seu salário!!!!!!!!!

    • Sérgio Machado:

      Se o seu convênio só tem estas opções, reclame com o convênio, não é culpa do médico. Você já viu quanto seu convênio paga pela consulta? Você já viu SE o convênio paga ou se é daqueles que costuma dar calote? Claro que não, né, isso não é problema seu.

  • Dra Tatiana:

    Sou médica e atendo SUS e convênio e percebo que os pacientes que gerqlmente ficam “impacientes” com a demora no atendimento são justamente os que não estao doentes, ou seja, querem pedir um atestado ou então problemas de ordem emocional. De fato concordo que existem colegas que atrasam e fazem os pacientes esperarem demasiadamente, mas , as pessoas se esquecem que os médicos são humanos e portanto possuem uma vida além dessa de “servir” aos doentes. Digo isso porque nos tratam como máquinas nem almoço, banheiro, etc as pessoas acham que temos direito. Saibam que fazemos “xixi” de vez em quando!
    Bem o que eu acho é que se os pacientes que esperam se acham no direito de cobrar do médico coitado o tempo de espera elas poderiam sim desde que o paciente que demorar na consulta porque possui dificuldade para entender ou expressar ou seja emocionalmente instável e precise contar da vida da vizinha do papagaio, piriquito e do cachorro ao invés de responder com clareza o que sente por exemplo, pague mais caro a consulta ja que cobramos a consulta e o procedimento e nao por hora! SIMPLES ASSIM! Eu aceitaria de boa receber do paciente por hora e adiantado se possivel assim poderia agendar de maneira justa as consultas.

    • Tayrone:

      O q vc precisa é mudar de profissão. Lembra do “juramento” q vc fez? Pois é, não vale nada! Lamentável!

    • Rafael:

      “Não é da benevolência do açougueiro, do cervejeiro e do padeiro que esperamos o nosso jantar, mas da consideração que ele têm pelos próprios interesses. Apelamos não à humanidade, mas ao amor-próprio, e nunca falamos de nossas necessidades, mas das vantagens que eles podem obter.”

    • Carlos Bartels:

      Seria bom que a senhora se lembrasse que a relação médico paciente é um contrato de prestação de serviços e uma das condições desta prestação é o horário marcado. Se esta condição não for cumprida há um rompimento unilateral que deve ser ressarcido porque o consumidor, aqui dito paciente, foi lesado no seu direito contratual. Simples assim!!!

    • José Filho:

      Olha Carlos!! o que mais irrita é paciente chegar atrasado, ser avisado que sua consulta tornou-se um encaixe por que ele chegou atrasado e ainda faz barraco na sala de espera, eu não atraso consulta, marco todas as minhas consulta com 20 min de intervalo e atendo todos que chegam no horário, dentro de sua marcação, mas há os atrasados e os encaixes que querem ser atendidos no mesmo horário dos que estavam marcados, se é uma relação de consumo como vc diz (discordo pq envolve todo um lado emocional) eu deveria receber por minuto que o paciente atrasa ficaria rico.

    • Carlos Emanoel:

      Senhor José Filho, admita que seu comportamento profissional é uma exceção. Quanto aos atrasados, o senhor os atende apenas e tão somente por interesse comercial (faturamento) e não por uma benesse ou um ato de caridade. Dentro deste ponto de vista, o atendimento aos “atrasados” que prejudica àqueles que estão no horário é de responsabilidade do senhor. Quanto à relação de consumo envolver um aspecto emocional, o senhor deveria aprofundar-se um pouco mais na psicologia do consumidor: creio que poderá, desta forma, melhorar o relacionamento médico-paciente.

    • lucke:

      Prometo que, ao exercer a arte de curar, mostrar-me-ei sempre fiel aos preceitos da honestidade, da caridade e da ciência. Penetrando no interior dos lares, meus olhos serão cegos, minha língua calará os segredos que me forem revelados, o que terei como preceito de honra. Nunca me servirei da minha profissão para corromper os costumes ou favorecer o crime. Se eu cumprir este juramento com fidelidade, goze eu para sempre a minha vida e a minha arte com boa reputação entre os homens; se o infringir ou dele afastar-me, suceda-me o contrário.
      Onde está escrito ai que o médico deve atender a preço vil ou indenizar casa haja atraso?

  • Anonimo:

    Meu Deus TON, aprende a escrever… kkkkk

  • Luiz:

    Vou pregar essa reportagem nos postos de saúde do SUS. Alguns você até não espera tanto, mas é bem comum marcar um horário e ser atendido 4, 5 horas depois. Uma manhã ou tarde perdidas. Nesse caso a culpa não é direta do(s) médico(s), mas de como o sistema é organizado. Marcam todos os pacientes para um mesmo horário e depois são atendidos um a um, quando tem uns 60, 70 como acontece no Ambulatório da Ortopedia do Hospital Cajuru em Curitiba, você tem sorte se demorar só 3 horas. Já tive consulta marcada para 12h e fui atendido perto das 20h. Porque não marcar o horário dos pacientes com 5 minutos de diferença? Porque é mais fácil administrar se todos chegarem no mesmo horário. Foi a resposta que ouvi. Pode até ser, mas a humanização disso urge, mesmo que às custas de maior trabalho administrativo…

    • lucke:

      Meu caro, no Canadá espera-se facilmente cerca de 8 horas para ser atendido por um especialista e outras 8 horas em um serviço de urgência caso a sua queixa não seja prioridade (ex uma cefaleia por sinusite). E todos aqui adoram dizer que a medicina de lá é ótima. Vou te contar mais uam coisa: Ninguém lá reclama!!! Já vivi e atendi lá.

  • Maria Fernanda Morgado Ribeiro Silva Reis:

    Bom Dia. Eu acho que este tipo de problemática,não pode ser resolvido,desta forma.Um médico ou um enfermeiro,quando atende um paciente,nunca sabe o que lhe está reservado em termos de tempo!!!….Sabe sim,que cada caso é um caso,e o tempo passa para 2º plano,dando primazia ás necessidades do utente….E assim se traduz,mais saúde igual a mais dinheiro!!!!…..Por muito dinheiro que se tenha,embora dê jeito,mas pouca importância tem, se não houver saúde~~~~~É certo que a saúde/doença,se transformou num negócio chorudo…….MAS ESTÁ ERRADO…….Os melhores cumprimentos, Maria Reis.

  • clarice:

    deveríamos cobrar sim…….tenho certeza que eles começariam a ter mais respeito e receio de perder pacientes e principalmente o “dinheiro”

  • Elizabeth:

    Isso não funciona no Brasil.
    Aqui no Paraná, os médicos se descredenciaram dos planos de saúde, alegando que recebem pouco e, se precisarmos, temos de pagar consulta particular e depois correr atrás do prejuízo.
    Um médico teve a cara de pau de dizer que descontando 27,5% do imposto de renda, ele recebe R$30 dos R$40 que lhe pagam por consulta.
    Se ainda temos de pagar o imposto de renda dos médicos, como esperar que eles nos indenizem pelo atraso deles?

  • PredadorXD:

    Vou adotar esse método, vou cobrar cada minuto de atraso.

  • Rafael:

    Como nao existe almoco gratis, se o medico tiver que indenizar pelo atraso, ele tera que marcar menos consultas, consequentemente ira cobrar uma consulta mais cara

    • Fabiola Paschoal:

      Pra mim não faz diferença, contanto que ele cobre do plano, pode aumentar a consulta o quanto quiser.

    • Rafael Maia:

      E você acha que o plano será bondoso o suficiente de não repassar o valor pra você? Isso não existe!

  • Nanda:

    essa coisa de enviar fatura não funcionaria por aqui… eu já vi médico reclamar do próprio salário no meio da consulta! Até parece que ele iria me pagar o atraso…

  • Douglas:

    Ah sim. Eu nao faco overbook e reservo uma media de tempo para os pacientes. Por outro lado o paciente que chegar atrasado ” so 5 minutinhos pq tava dificil estacionar” ao final do dia pode-se mostrar dificil adminstrar. Este vai me pagar? O que marca e confirma consulta e nao aparece tambem vai me pagar? Devo depois de dar uma noticia ruim “enxotar” o pcte da sala aos solucos pq ” tem gente esperando?•”
    isso ganhando de 28 a 40 reais a consulta + retorno??
    Respeito e bom sim, mas digo e repito: relacao de consumo e medicina e uma das coisas que mais fere a humanizacao e a relacao de confianca nesta profissao sacra. Nao adianta querer ter um medico acolhedor se querem algo com regras rigidas. A mesma cirurgia em pacientes diferentes pode ser feito em tempo com 200% de variacao. Consultas tambem.

    • Luiz:

      Os tempos são diferentes como o são para qualquer atividade não repetitiva. Deve se calcular pela média? Acho que sim, mas deixar um paciente esperando, como cita a reportagem, depois que ele se “descabelou” para chegar no horário é falta de respeito, há de convir. Se atrasos forem repetitivos é porque a média está errada, deve ser recalculada. E para atrasos exporádicos compensar o paciente é bastante justo.
      A questão do valor / pagamento não convêm discutir aqui, os próprios médicos colocaram e apertaram a corda no pescoço quando deixaram os Planos de Saúde avançarem no Brasil, mas esse não é o assunto aqui.

    • Carlos Bartels:

      Desculpe doutor, seu post tem um erro de digitação: profi$$ão $acra é o correto!

    • José Filho:

      Você não quer ser remunerado pelo seu trabalho?!?!
      Sim é uma profissão sacra, ou um sacerdócio, que você troca muito de sua intimidade e individualidade para tentar melhorar e dar aporte para alguém. Você tem uma tremenda inveja dos médicos, não?

    • Carlos Emanoel:

      Senhor José Filho: em primeiro lugar não tenho motivos para ter inveja de médicos que, nos dias atuais, são meros interpretes de quadros estatísticos. (sugiro a leitura do livro “Como os Médicos Pensam”). Em segundo lugar, quero ser remunerado, sim, pelo meu trabalho e pelo meu tempo dispendido em salas de espera pela “competência administrativa” de profissionais liberais. Seguramente uma hora do meu tempo tem uma carga remuneratória bem superior à remuneração do profissional que se atrasa em me atender. Por outro lado seria útil e necessário que o senhor buscasse no dicionário o significado correto das palavras sacra, sacerdócio e aporte, para um melhor uso destes termos quando for escrever.

  • vicente:

    no brasil vc é obrigado a esperar e se for reclamar seus direitos leva uma bronca.

    • Rafael Maia:

      A diferença é que nos EUA é tudo privatizado, praticamente não existe plano de saúde, então você dá muito mais valor à sua consulta.

    • bruno:

      Não viaja, aqui nos EUA o que existe é plano de saúde, se vc não tiver, vc tá morto pelo preço.

Deixe seu comentário!