Por que as estrelas “piscam”?

Por , em 6.01.2013

Observadas a partir da Terra, as estrelas aparentemente piscam – contudo, isso não passa de uma ilusão de óptica, já que, na verdade, a luz que emitem é constante. O que estaria por trás desse fenômeno? Há pelo menos duas explicações possíveis.

A primeira estaria na atmosfera terrestre: quando atravessada pela luz das estrelas, provoca interferência, já que é densa e instável e sua temperatura varia conforme a camada. É como observar um objeto no fundo de uma piscina: a luz é desviada pela água antes de chegar aos nossos olhos, fazendo com que o objeto esteja aparentemente em movimento.

Se fosse este o caso, por que a lua e planetas do nosso sistema solar também não “piscam”, já que sua luz (refletida do sol) também atravessa a atmosfera terrestre? De acordo com o astrônomo Phil Plait, do blog Bad Astronomy, esses corpos celestes estão muito mais próximos de nós do que a maioria das estrelas, o que os faz parecer maiores e torna o desvio da luz praticamente imperceptível.

A segunda teoria é a de que a chamada “nuvem de Oort” (supostamente localizada a cerca de 1 ano-luz do sol, nos limites do nosso sistema solar) seja responsável por causar esse desvio na luz das estrelas. Como outros planetas estão dentro dela, a luz que refletem não precisa atravessá-la antes de chegar à Terra.

Independentemente da causa, astrônomos precisam driblar o fenômeno, e fazem isso de duas maneiras: usando telescópios equipados com lentes especiais, que compensam os desvios causados pela atmosfera, ou telescópios espaciais que orbitam fora da Terra.

Curiosamente, essa questão do “piscar” das estrelas chegou a ser tema de um livro, publicado em 1969 pelo ex-astrônomo Walt Cunningham, com o título “Importance of Observation that Stars Don’t Twinkle Outside the Earth’s Atmosphere” (“Importância da Observação de que Estrelas não Piscam fora da Atmosfera Terrestre”).[Life’s Little Mysteries] [Science Blogs]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votos, média: 4,00 de 5)

5 comentários

  • Marte:

    Desde pequeninho guardo um verso: “se pisca é estrela, se não pisca é planeta”. Aparentemente é assim. Então a primeira teoria tem um problema.

  • Andre Luis:

    Existe alguma filmagem das esstrelas no Hubble para tirar dúvida? E na ISS, os astronautas já verificaram? E quando os astronautas estiveram na Lua? Creio que com esses recursos seja possível ter uma resposta correta quanto a esse fato das estrelas piscarem.

  • erichbh:

    Simples resolver.

    Basta pedir a um astronauta na ISS olhar para as estrelas. Se elas piscarem, o fenômeno se dá mesmo pela nuvem de Oort. Se não piscar, o pisca se dará pela nossa atmosfera.

  • Louis Morelli:

    Desculpe os êrros de digitação, é a pressa e meu keyboard em Inglês…se puderem corrigir, agradeço.

  • Louis Morelli:

    Êste assunto merece atenção, ao menos por nós da Matrix/DNA Theory, que estamos muito interessados no estudo da luz depois que nossos modêlos sugeriram que ondas de luz contem a fôrça dos ciclos vitais. Para que Cunningham concluísse que a esta luz só pisca dentro da atmosfera terrestre êle deved ter informações de que algum observatório alem da atmosfera não captou o pisca-pisca, certo? Eu não entendo o que o desvio da luz tem a ver com piscagem, acho que são duas coisas totalmente diferentes. Por outro lado, penso que tôda a luz é produzida por uma fonte na forma de onda. Se essa fonte está estabelecida em algum campo vibratório, o qual consiste em vobrações separadas entre si, essa fonte não vai emitir apenas uma onda que continua pela eternidade, ela vai emitir ondas separadas entre si. E isso seria um pisca-pisca. Afinal, não está a quantica descobrindo que tôdo a matéria está assentada num campo vibratório que parece emergir do nada? O fato de que um observatório não possa captar o pisca-pisca seria explicado que, para êle, a luz universal e constante emitida pelo Big Bang ( essa sim, uma onda apenas, que ainda está se expandindo e levando consigo o Universo)se expresse mais fortemente que a liz menos potente de estrêlas. Enfim, temos ainda engatinhando nessa matéria…, mas a redação tem algum comentário?

Deixe seu comentário!