Telescópio solar apresenta sua primeira foto de uma mancha solar

Por , em 6.12.2020

O maior observatório solar do mundo, o Telescópio Solar Daniel K. Inouye, da Fundação Nacional de Ciência dos EUA, acaba de divulgar sua primeira imagem de uma mancha solar. Embora o telescópio ainda esteja em fase final de conclusão, a imagem é uma indicação de como a óptica avançada do telescópio e o espelho primário de quatro metros darão aos cientistas a melhor visão do Sol a partir da Terra durante o próximo ciclo solar.

A imagem, tirada em 28 de janeiro de 2020, não é a mesma mancha solar a olho nu atualmente visível no Sol. Esta imagem de mancha solar acompanha um novo artigo do Dr. Thomas Rimmele e sua equipe. Rimmele é diretor associado do Observatório Solar Nacional (NSO) da NSF, organização responsável pela construção e operação do Telescópio Solar Inouye. O artigo é o primeiro de uma série de artigos relacionados com Inouye em destaque na revista científica Física Solar. O artigo detalha a óptica, sistemas mecânicos, instrumentos, planos operacionais e objetivos científicos do Telescópio Solar Inouye. A Física Solar publicará os trabalhos restantes no início de 2021.

“A imagem da mancha solar atinge uma resolução espacial cerca de 2,5 vezes maior do que nunca, mostrando estruturas magnéticas de até 20 quilômetros na superfície do sol”, disse Rimmele.

A imagem revela incríveis detalhes da estrutura da mancha solar, como visto na superfície do Sol. A aparência “porosa” dos gases quentes e frios saindo do centro mais escuro é o resultado de uma convergência de campos magnéticos intensos e gases quentes de baixo.

A concentração de campos magnéticos nesta região escura evita que o calor dentro do Sol de saia para a superfície. Embora a área escura da mancha solar seja mais fria que a área circundante do Sol, ela ainda é extremamente quente com uma temperatura de mais de 4 mil graus Celsius.

Esta imagem de mancha solar, medindo cerca de 16 mil km de diâmetro, é apenas uma pequena parte do Sol. No entanto, a mancha solar é grande o suficiente para que a Terra pudesse caber confortavelmente dentro.

Manchas solares são a representação mais visível da atividade solar. Os cientistas sabem que quanto mais manchas solares são visíveis no Sol, mais ativo é o Sol. O Sol atingiu o mínimo solar, o tempo de menos manchas solares durante seu ciclo solar de 11 anos, em dezembro de 2019. Esta mancha solar foi uma das primeiras do novo ciclo solar. O máximo solar para o ciclo solar atual está previsto para meados de 2025.

“Com esse ciclo solar apenas começando, também entramos na era do Telescópio Solar Inouye”, diz o Dr. Matt Mountain, presidente da Associação das Universidades para a Pesquisa em Astronomia (AURA, na sigla em inglês), organização que gerencia o NSO e o Inouye Solar Telescope. “Agora podemos apontar o telescópio solar mais avançado do mundo para o Sol para capturar e compartilhar imagens incrivelmente detalhadas e adicionar às nossas percepções científicas sobre a atividade do Sol.”

Manchas solares, e erupções solares associadas e ejeções de massa coronal, causam muitos eventos climáticos espaciais, que frequentemente afetam a Terra, uma consequência de viver dentro da atmosfera estendida de uma estrela. Esses eventos afetam a vida tecnológica na Terra. Os campos magnéticos associados a tempestades solares podem impactar redes de energia, comunicações, navegação GPS, viagens aéreas, satélites e humanos que vivem no espaço. O Telescópio Solar Inouye está pronto para adicionar capacidades importantes às ferramentas otimizadas para estudar a atividade solar particularmente campos magnéticos. [Phys]

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

Deixe seu comentário!