Mulheres eram Vikings, e aqui está a prova

Por , em 9.09.2017

Novas evidências de DNA descobertas por pesquisadores da Universidade de Uppsala e da Universidade de Estocolmo, ambas na Suécia, provam que haviam mulheres guerreiras entre os Vikings.

Os restos de uma sepultura revelaram que a guerra não era uma atividade exclusiva dos homens, e que as mulheres podiam inclusive ocupar as fileiras mais altas do campo de batalha.

A confirmação

O estudo foi conduzido em uma das sepulturas mais conhecidas da Era Viking, do meio do século 10, que se encontra na cidade sueca de Birka.

O enterro foi escavado na década de 1880, revelando restos de um guerreiro rodeado de armas, incluindo uma espada, flechas, armadura e dois cavalos.

Reconstruções de como a tumba se parece agora (acima), e como teria se parecido na época do enterro

A morfologia de algumas características esqueléticas sugeria que se tratava de uma mulher, mas como a tumba pertencia a um guerreiro viking, sempre foi assumido que o esqueleto era um homem.

Agora, geneticistas e arqueólogos trabalharam juntos para retirar uma amostra de DNA da tumba, demonstrando que o indivíduo possui dois cromossomos X e nenhum cromossomo Y.

“Esta é a primeira confirmação formal e genética de uma guerreira viking”, disse Mattias Jakobsson, da Universidade de Uppsala.

Comandante

As análises de isótopos também confirmaram que o indivíduo possuía um estilo de vida itinerante, em sintonia com a sociedade marcial que dominou a Europa do Norte dos séculos 8 a 10.

Os itens da tumba indicam que a mulher era uma comandante, alguém que trabalhava com táticas e estratégia e poderia liderar tropas na batalha.

“O que estudamos não era uma Valquíria das sagas, mas uma líder militar da vida real, que era uma mulher”, afirmou Charlotte Hedenstierna-Jonson, da Universidade de Estocolmo, que liderou o estudo.

“Fontes escritas mencionam ocasionalmente mulheres guerreiras, mas esta é a primeira vez que descobrimos evidências arqueológicas convincentes sobre sua existência”, complementou Neil Price, da Universidade de Uppsala. [Phys]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (20 votos, média: 4,70 de 5)

7 comentários

  • tp3r1:

    O fato é que a conclusão foi precipitada, e parece ter sido de propósito. Será que foi para conseguir financiamento fácil? Quem sabe…

  • tp3r1:

    4. Não existe evidência de que os restos pertencem a um soldado de patente alta.

  • tp3r1:

    3. Os pesquisadores assumiram que não tem certeza se examinaram o osso correto.

  • tp3r1:

    2. Durante a pesquisa, nunca foi concluido que a morfologia era feminina

  • tp3r1:

    1. Não foram consultados especialistas em linguagem

  • Cesar Grossmann:

    Incrível que os arqueólogos do século 19, mesmo admitindo a morfologia do esqueleto ser feminina, ainda insistiam tratar-se de homem…

    • tp3r1:

      Um dos autores da pesquisa orignal já disse que essa conclusão foi precipitada e não seguiu uma metodologia correta.

Deixe seu comentário!