Saco de pancadas: atmosfera da lua Titã pode ser resultado de inúmeros impactos

Por , em 22.05.2011

Segundo novos experimentos, um número incontável de impactos cósmicos pode ter criado a grossa atmosfera da maior lua de Saturno, Titã.

A Titã sempre se destacou como a única lua do sistema solar com uma atmosfera substancial. Na verdade, a pressão da superfície de Titã é 50% maior do que a pressão na Terra.

O ingrediente principal de sua atmosfera é o nitrogênio, assim como no nosso planeta. Porém, o momento em que surgiu esse nitrogênio tem sido muito debatido. Por exemplo, ele pode ser primordial, tendo se acumulado conforme a Titã se formava, ou pode ter se originado depois.

Em 2005, um estudo descartou uma origem primordial desse nitrogênio. A atmosfera de Titã, aparentemente, tem níveis extremamente baixos dos isótopos de argônio-36, e quantidades elevadas são esperadas em uma atmosfera rica em nitrogênio primordial.

Há uma série de outras explicações de como esse nitrogênio atmosférico pode ter se formado após o nascimento de Titã. Por exemplo, a luz solar na atmosfera de Titã pode ter “quebrado” moléculas de amônia, formadas por nitrogênio e hidrogênio.

No entanto, quase todas essas sugestões exigem que a Titã tivesse se formado a temperaturas relativamente altas, o que teria levado a lua a se diferenciar em um núcleo rochoso e uma camada de gelo. Análises indicam que a lua não é totalmente diferenciada.

Cometas carregados com nitrogênio poderiam ter levado o gás à Titã, mas isso também teria a deixado com níveis mais elevados de argônio-36 do que os atuais.

Agora, cientistas japoneses sugerem uma nova explicação para a atmosfera da lua, mais consistente: um número incontável de asteroides e cometas se chocaram com a amônia de Titã e a converteram em nitrogênio (e isso ocorreu várias centenas de milhões de anos após a formação da lua).

A sugestão é apoiada por experimentos. Durante uma era conhecida como “Bombardeio Pesado Tardio”, cerca de quatro bilhões de anos atrás, o sistema solar era muito parecido com uma galeria de tiro: havia muitos impactos cósmicos, planetas e luas explodindo.

Para ver se esses impactos forneceriam energia suficiente para converter gelo de amônia em nitrogênio, os pesquisadores usaram canhões de laser e “balas” feitas de ouro, platina ou folha de cobre. As balas se dirigiam a velocidades elevadas a alvos feitos de amônia e água congelada.

Os pesquisadores descobriram que a amônia é facilmente convertida em molécula de nitrogênio através de impactos. Eles calcularam que 330 milhões de bilhões de toneladas de impactantes poderiam ter produzido a quantidade atual de nitrogênio vista em Titã, uma massa plausível durante o Bombardeio Pesado Tardio.

A pergunta que fica é: onde todas as crateras de impactos desse porte estariam? A Titã tem apenas cerca de 50 crateras reconhecidas. Isso poderia implicar que a superfície de Titã é muito jovem, e poderia ter coberto a maior parte das crateras.

Para comprovar definitivamente a hipótese, é necessária uma compreensão mais detalhada da estrutura interna de Titã, bem como a composição de cometas e outros satélites de Saturno. A NASA está se preparando para explorar cometas em breve, e uma futura missão muito provavelmente ajudaria a confirmar ou refutar a ideia.[LiveScience]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

6 comentários

  • Jusé:

    é muito óbvio: quando cai um meteoro, forma-se um cratera, quando cai outro, a nuvem de poeira (ou seja lá de que substância é formada a lua) “tapa” os outros buracos….

  • Almir:

    Ora a era do “bombardeio pesado” situa-se entre 3,5 a 4 bilhões de anos. Tempo suficiente para esses vestigios terem sidos apagados pela dinâmica atmosfera de Titã, isso se essa atmosfera existiu desde então. Lá atualmente existe ventos, possivelmente criovulcanismo, chuva de metano (principalmente nos pólos) e lagos de metano (também nos pólos) que poderiam ter existido em outros lugares, além dos pólos, ao longo desse período todo. Nessa época tbém o satélite ainda não estaria com a mesma face voltada para Saturno. Outro ponto é que se especula (tem vários estudos que indicam) que abaixo da superfície exista um oceano de água/amônia e isso por si só já poderia explicar a ausência de grandes crateras.

  • Marco Antonio Papalardo:

    Ola, Tudo bem?
    Perguntas-A China irá tebntar obter Parceruia para as suas intenções Espaciisd, ou :
    A-O Mundo ‘ACHARIA’ que será somente para espionagem-(da Estação Espacial da NASA, é claro)-
    B-Seria para Disfarçar , digamos assim, Armamentos pesados-(Armas Nucleares)-
    C- Ou o ‘Conceito Mundia’l Sobre a NOVA China Está mudando, e eles merecem uma prova de Credibilidade???????

  • Marte:

    Uma teoria vem crescendo: a origem dos oceanos na Terra está sendo creditada ao Bombardeio Pesado, também.

  • Lucyano Valdez:

    E Oxigênio? Titã não tem? Titã e Europa ainda vão nos surpreender e muito…

    • PredadorXD:

      Ou não!

Deixe seu comentário!