Rover lunar chinesa encontrou algo estranho no lado mais distante da Lua

Por , em 1.09.2019

A missão espacial chinesa lançou a Chang’e 4 no dia 8 de dezembro de 2018. Essa foi a primeira sonda a pousar no lado mais distante da Lua, ou lado oculto. Devido à sincronicidade de rotação entre a Terra e seu satélite natural, há um lado dele que nunca vemos. Portanto, mesmo que receba esse nome, o lado oculto da lua recebe a mesma quantidade de luz do lado que costumamos enxergar.

A Chang’e 4 pousou no lado mais distante da Lua, no dia 3 de janeiro deste ano, na cratera Von Kármán, de 186 quilômetros. O objetivo é compreender melhor a estrutura e evolução lunar. A rover espacial levada para explorar o satélite natural é chamada Yutu-2.

A descoberta

O achado mais recente ocorreu durante o oitavo dia lunar (25 de julho), durante o qual a missão descobriu uma substância de coloração incomum e aparência de gel. Isso vez com que os cientistas adiassem outros planos, para investirem tempo na investigação de tal substância.

A descoberta aconteceu em uma área coberta por diversas crateras provocadas por pequenos impactos na superfície lunar. A informação foi divulgada no dia 17 de agosto em publicação de língua chinesa. Chamada Our Space, ela é sancionada pelo governo daquele país, com foco em informações sobre ciência e espaço. Até o final do oitavo dia lunar, a Yutu-2 havia percorrido um total de 271 metros.

Investigação da substância

A substância foi identificada no dia 28 de julho, por um dos integrantes da equipe da Chang’e 4, enquanto analisava as imagens registradas. A partir disso, os cientistas dedicados ao estudo da Lua foram chamados. Assim, os planos foram alterados para investigar a descoberta.

Aproximação da Yutu-2 para analisar a substância. Fonte: Projeto de exploração lunar da China

Ao se aproximar da cratera a Yutu-2 utilizou o Visível e Infravermelho Próximo (VNIR na sigla em inglês), que detecta a luz dispersada ou refletida por materiais para revelar sua composição. Os cientistas envolvidos na missão ainda não revelaram mais informações sobre a substância. No entanto pesquisadores não integrantes sugerem que possa ser vidro derretido criado pelo impacto de meteoritos com a superfície lunar.

Essa não é a primeira descoberta surpreendente na Lua. Durante a missão de 1972, da Apollo 17, Harrison Schmitt descobriu solo de cor laranja próximo ao local de pouso da Taurus-Littrow. Os geologistas lunares acabaram concluindo que aquilo havia sido criado durante uma erupção vulcânica há 3,64 bilhões de anos. [Space]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

Deixe seu comentário!