Triste: o icônico e gigantesco radiotelescópio de Arecibo será DEMOLIDO

Por , em 19.11.2020Telescópio Arecibo


A National Science Foundation (NSF, EUA) desativará a enorme antena parabólica do Observatório de Arecibo depois que os danos tornaram a instalação muito perigosa para ser reparada, anunciou a agência hoje (19 de novembro).

O anúncio foi feito enquanto os cientistas aguardavam um veredito sobre o destino do icônico observatório, após danos ao complexo cabeamento que sustenta uma plataforma científica de 900 toneladas suspensa sobre a antena. Em agosto, um cabo escorregou do soquete, mas os engenheiros que avaliaram a situação o consideraram estável; no início deste mês, um segundo cabo rompeu-se inesperadamente, deixando equipamento muito mais perigoso. Depois de avaliar três relatórios de engenharia separados, a NSF, proprietária do equipamento, decidiu que a instalação é instável demais. Qualquer reparo aos estragos colocaria os trabalhadores em risco excessivo.

“Nosso objetivo é encontrar uma maneira de preservar o telescópio sem colocar a segurança de ninguém em risco”, disse Sean Jones, diretor-assistente do Diretório de Ciências Matemáticas e Físicas da NSF, em entrevista coletiva hoje, de acordo com o Live Science. “No entanto, após receber e revisar as avaliações de engenharia, não encontramos nenhum caminho a seguir que nos permitiria fazê-lo com segurança. E sabemos que um atraso na tomada de decisão deixa toda a instalação sob o risco de um colapso descontrolado, colocando desnecessariamente pessoas e também as instalações adicionais [em risco].”

“O telescópio corre atualmente um sério risco de colapso inesperado e descontrolado”, disse Ralph Gaume, diretor da Divisão de Ciências Astronômicas da NSF. “De acordo com avaliações de engenharia, mesmo tentativas de estabilização ou teste de cabos podem resultar na aceleração da falha catastrófica. Os engenheiros não podem nos dizer a margem de segurança da estrutura, mas informaram à NSF que a estrutura entrará em colapso por conta própria em um futuro próximo. “

As preocupações com a segurança aumentam

Durante a coletiva de imprensa, as autoridades enfatizaram que a decisão foi baseada na priorização da segurança, não um reflexo do trabalho científico que Arecibo fez nas últimas décadas ou poderia continuar a fazer no futuro.

“Esta decisão não tem nada a ver com os méritos científicos do Observatório de Arecibo”, disse Gaume. “Isso não é uma consideração. É tudo uma questão de segurança.”

Guame acrescentou que a agência vai coordenar com os cientistas que planejavam usar o telescópio de Arecibo e suas outras instalações para realocar os projetos de pesquisa sempre que possível. No entanto, a instalação era única, particularmente em sua capacidade de radar, que era amplamente usada para estudar asteróides próximos à Terra e outros objetos do sistema solar.

“Parte da ciência do Arecibo será transferida; parte não”, disse Gaume.

Os funcionários também enfatizaram que, se conseguirem desativar o telescópio de forma controlada, os outros ativos do Observatório de Arecibo — principalmente o centro de visitantes, um instrumento de ciência atmosférica no local e uma segunda ferramenta atmosférica na ilha vizinha de Culebra — devem sobreviver.

Danos ao radiotelescópio de arecibo
Imagem mostrando danos à enorme antena do Telescópio de Arecibo depois que um cabo escapou de seu soquete em agosto de 2020. Crédito: UCF / AO

Ameaça de colapso, um desafio

Ambos os cabos com falha em Arecibo foram conectados à mesma torre de suporte. Uma análise de engenharia concluída após a falha do segundo cabo em novembro descobriu que se mais um cabo naquela torre, apelidado de Torre 4, falhasse, a plataforma desabaria na antena e provavelmente faria com que as torres tombassem. E como o sistema de suporte do cabo já está frágil, os engenheiros não viam nenhuma maneira de avaliar a situação com mais detalhes, muito menos estabilizá-la.

“Nosso desafio é uma estrutura para a qual não entendemos as margens de segurança, as abordagens de engenharia para entender melhor as margens de segurança envolvem um risco considerável e a abordagem de engenharia para reparar a estrutura parece ser altamente insegura.”

Isso significa que a situação é volátil o suficiente para que a NSF não possa garantir que o telescópio será desativado de maneira controlada. Gaume e Ashley Zauderer, o diretor do programa do Observatório de Arecibo na NSF, disseram que a agência contratou engenheiros para desenvolver um plano de desativação controlada. Criar esse plano e reunir as aprovações necessárias para ele levará várias semanas, acrescentaram.

Os funcionários também se recusaram a dar uma ideia de como seria essa estratégia, embora tenham mencionado que helicópteros ou explosivos podem ser considerados.

Em conjunto com a entrevista coletiva, a NSF forneceu um relatório de engenharia da empresa que liderou a análise do Telescópio de Arecibo após a segunda falha, que oferece poucos detalhes sobre o destino da instalação.

“Acreditamos que a estrutura entrará em colapso em um futuro próximo se não for alterada”, escreveu John Abruzzo, diretor-gerente da Thornton Tomasetti. “A demolição controlada, projetada com uma sequência de colapso específica determinada e implementada com o uso de explosivos, reduzirá a incerteza e o perigo associados ao colapso.”

A gravidade da situação decorre do fato de que dois cabos já falharam e da maneira como três consultores de engenharia separados foram pegos de surpresa pela segunda falha. “As três empresas especializadas que trouxemos não forneceram nenhuma informação ou qualquer indício de que havia um problema”, disse Gaume sobre os cabos principais após a falha de agosto.

“É, eu acho, realmente lamentável que este cabo principal tenha falhado antes de termos a chance de estabilizar as coisas”, disse Zauderer.

Os oficiais da NSF disseram que agora, sua prioridade está focada em desativar a antena de rádio com segurança e proteger o máximo possível das outras instalações no local. Mas eles enfatizaram que não estão desativando o Observatório de Arecibo como um todo, que reconhecem a importância da instalação em Porto Rico e que, a longo prazo, desejam garantir o futuro do local e da ciência que ele promoveu por décadas .

“Estamos discutindo o descomissionamento de uma estrutura feita de aço e cabos, mas realmente são as pessoas que têm as idéias”, disse Zauderer. “É a ideia de descoberta que deu início à construção, é a paixão das pessoas que trabalham no observatório… continuar a explorar, a aprender, esse é o verdadeiro coração e alma de Arecibo.”

“Não é o telescópio que é o coração e a alma, são as pessoas.” [Live Science]

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

Deixe seu comentário!